sábado, 31 de maio de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 676

 - Captain America n° 600 (Agosto de 2009)

* "The Persistence of Memorabilia", história escrita por Mark Waid, desenhada por Dale Eaglesham, colorizada por Paul Monts, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Novos Vingadores n° 77 ("A Persistência do Memorável"), letreirizada por Valéria Calipo, traduzido por Fernando Lopes e Jotapê Martins e editada por Paulo França.

Algumas quadras do local onde o Capitão América foi tragicamente baleado está havendo um leilão de memorabília referente ao herói, vindas diretamente da coleção de Joseph Paglino, um dos maiores colecionadores desse tipo de material. A imprensa tenta ligar a decisão de Joseph ao fato de que tudo relacionado ao herói desvalorizou depois que ele se declarou contra o ato de registro. A própria Marvel, pressionada por seus acionistas, cancelou a revista do herói. Os espólios da coleção leiloada, porém, pode alcançar altas cifras e tornar o colecionador multimilionário.

Alguns dos presentes no leilão são integrantes de infantarias que acompanharam o herói durante a segunda guerra. Outros conheceram Steve Rogers quando ele operou como oficial de polícia de Nova York. Um comprador mais afoito tenta retirar imediatamente a peça ao qual deu o maior lance: algumas páginas desenhadas pelo próprio Steve quando ele trabalhou como desenhista profissional. O comprador, herdeiro de uma editora de quadrinhos, diz que tem os direitos de publicação de novas histórias do personagem e pretende mostrar aventuras que denotam a desobediência civil do Capitão.

A peça mais cobiçada é o cartão de identificação original dos Vingadores, fornecido para Steve por Tony Stark quando este foi encontrado congelado pelos integrantes do grupo. Uma misteriosa mulher o arremata pelo imbatível lance de dois milhões de dólares. Ela o leva para o seu patrão e se questiona se a enorme quantia vale o "pedaço de cartão" que pode ser facilmente falsificado. Mas o empregador sabe que é um artigo genuíno, pois reconhece sua própria assinatura: Tony Stark.

O herdeiro da loja de quadrinhos chega eufórico até o empreendimento que herdou de seu pai, crente de que irá publicar a revista "Capitão América, o Traidor". Mas tem uma surpresa ao chegar aos escritórios e saber que seu pai... foi demitido pelo novo proprietário. E ele é ninguém menos que Joseph Paglino que, com o dinheiro do leilão, comprou a editora e pretende proteger o que o Capitão América realmente representa, com uma revista que o homenageie.

A+:

* As páginas leiloadas como tendo sido desenhadas por Steve Rogers são, na verdade, de duas edições que trouxeram os desenhos (na vida real) de Jack Kirby.

ÂmagoNews:

* Falando sobre um dos primeiros e mais bizarros inimigos dos X-Men (não que os X-Men não fossem lá uma ideia bizarra na época...). Apesar de aparentemente um vilão de segunda, deu bastante trabalho aos mutantes : Coloridos e (quase) inofensivos

quinta-feira, 29 de maio de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 675

 - Captain America n° 600 (Agosto de 2009)

* "One Year After", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Butch Guice, Howard Chaykin, Rafael Albuquerque, David Aja e Micth Breitweiser, colorizada por Frank D'Armata, Edgar Delgado, Matt Hollingsworth, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Novos Vingadores n° 76 ("Um Ano Depois"), letreirizada por Valéria Calipo, traduzido por Fernando Lopes e Jotapê Martins e editada por Paulo França.

Faz um ano que o Capitão América morreu. Nas escadarias do tribunal onde ele foi executado, a imprensa lembra a trajetória do herói nacional até o fatídico dia. Sharon Carter acompanha a cobertura, mas ainda tem amargas lembranças sobre o ocorrido. Afinal, ela matou o Capitão América. Mas suas lembranças daquele dia têm voltado de forma a lhe dar mais detalhes sobre o exato momento do disparo. Como o curioso formato da arma utilizada, por exemplo. E ela se lembra do homem para quem entregou tal arma. Um dos asseclas do Doutor Faustus. Com essa memória retornando, ela decidiu procurá-lo, encontrando-o em um escondido apartamento. Dominando-o facilmente, ela procura pela exótica arma. Utilizando um dispositivo fornecido por Nick Fury, que faz com que o homem entre em uma espécie de transe e diga a verdade, ela acaba encontrando a arma. E quando a segura em suas mãos novamente reconhece facilmente e agradece a Deus por ser o que está pensando.

Em uma lanchonete de beira de estrada, o chamado "Steve Rogers dos anos 50" viaja e é notado por sua semelhança com Steve Rogers (rosto que aparece exaustivamente na TV naqueles dias). De fato, no passado, sua admiração pelo Capitão América, não só o fez passar por cirurgias que o fizessem parecer com Steve, como também o levou a criar uma versão do soro do supersoldado, permitindo que agisse como o próprio Capitão... até que o mesmo soro o fizesse enlouquecer aos poucos e ele fosse trancado e esquecido pelo governo. Hoje, ele está chocado com os rumos que o país tomou. Em sua época, as pessoas eram mais civilizadas. Hoje, sequer respeitam o símbolo, como demonstram os ladrões roubando seu carro, onde se encontra o uniforme e sua versão do escudo. Ele os ataca com extrema violência e recupera suas coisas. De fato, o mundo precisa que o Capitão América retorne... mas ESTE Steve ainda precisa encontrar pessoas que mereçam isso.
Em uma biblioteca pública, a Bucky de outro mundo (que, recentemente, veio da dimensão compacta criada após o Massacre) investiga sobre o Capitão América secreto. O Capitão América negro, criado antes de Steve. Isaiah Bradley. Ela descobre que Isaiah tem um neto, Elijah Bradley, que tem as mesmas características do herói conhecido como Patriota, integrante dos Jovens Vingadores. 

Elijah já está tendo problemas suficientes em sua escola ao tentar fazer um discurso sobre o Capitão América no aniversário de sua morte. A diretoria não concorda em exaltar um "herói" que foi julgado por traição, afinal.
 A Bucky segue Elijah e acaba encontrando Isaiah... e fica chocada com o que vê. O soro do supersoldado, ainda em fase inicial, apesar de aumentar força e agilidade de Isaiah na época, deixou graves sequelas futuras e, hoje, ele sequer consegue se alimentar sozinho. Este parece ser um mundo muito mais cruel do que o dela. Enquanto se lamenta, ela vê o Patriota saindo em patrulha e decide segui-lo. Porém, ela é atingida pelo seu escudo, já que ele percebe a aproximação. Ela explica que pretende ser apresentada ao novo Capitão América. Patriota, inicialmente, acha tudo uma piada... mas olha novamente para ela e percebe algo de sincero em suas palavras. Os dois preferem conversar... e acredita nela. Porém, ele alerta que o novo Capitão não está procurando por um novo parceiro... ainda mais hoje... e a convida para ir com os Jovens Vingadores até a vigília ao herói, que será realizada no parque. Ela aceita, pois, apesar de ser uma garota sem mundo, não significa que ela precise ser uma garota sem amigos.

Em um complexo de contenção, Ossos Cruzados fica sabendo que ele está sendo citado na TV. Na verdade, até esqueceu que já faz um ano. Ele ri dos noticiários, chamando o Capitão de perdedor... e um dos guardas se irrita, atacando-o com uma arma elétrica. No meio da briga, o guarda cita que eles poderiam lhe dar o privilégio de ficar junto a sua namorada, Pecado, a filha do Caveira Vermelha. Foi um grande erro citar isso. Sabendo que Pecado está próxima dali, Ossos Cruzados mata os dois guardas e foge para o local onde ela está. Chegando até uma cela onde ela é mantida amarrada, Ossos Cruzados a beija enquanto guardas jogam gás sedativo. Antes de o casal desmaiar, eles riem lembrando que já faz um ano... e que ninguém sequer desconfia de nada.

Na sala de treinamentos dos Vingadores Secretos, Capitão América fica sabendo, através de Luke Cage, que Norman Osborn, que criou a nova organização que substituiu a SHIELD, está alertando sobre o aspecto ilegal da vigília em homenagem ao Capitão América. Alega que tudo pode ser um encontro para atrair supervilões e que não é seguro aparecer. Mesmo assim, o povo continua se reunindo. A Viúva Negra sabe que Bucky deseja comparecer a vigília. De fato, ele não pôde comparecer ao funeral de Steve e nem mesmo no de Jim Hammond, o Tocha Humana original. Está farto de se esconder. Pouco se importa se Osborn estará lá com sua versão sombria dos Vingadores procurando pelos heróis não registrados. Apesar da determinação do herói, Natasha lembra que talvez seja isso mesmo que Osborn queira... tornar a vigília um campo de batalha e deixar a situação dos heróis ainda mais delicada.

Em outro local, o Caveira Vermelha relembra os momentos gloriosos quando enfrentou o Capitão América. Ele se lembra de um dia peculiar, quando tentou matar o Barão Zemo... apenas porque ele tinha um plano para matar o Capitão América. A fúria do Caveira teve que ser contida pelo próprio Hitler, na época. Afinal, apenas ele tinha o direito de matar o Capitão América. Preso no corpo robótico criado por Arnim Zola, o vilão delira com esses dias.

No parque, o Falcão sobrevoa a multidão que comparece a vigília. Ele vê os Vingadores de Osborn chegarem e decide ter cautela. Mesmo tendo se registrado e não ser considerado uma ameaça por Osborn prefere não dar bandeira. Vestindo roupas civis, ele se encontra com os Vingadores Secretos, também com vestimentas discretas e misturados à multidão. Osborn, provavelmente, está tentando localizá-los. Os heróis tem um encantamento de teleporte, caso as coisas se compliquem.

Acima da multidão, o Sentinela, integrante dos Vingadores do governo, se surpreende com a multidão que se reúne em homenagem a Steve. Porém, Osborn, vestindo a armadura de Patriota de Ferro, lembra que o herói morreu como um traidor. Sentinela localiza os Vingadores Secretos que, por sua vez, percebem que foram localizados. Mas o Patriota de Ferro parece estar voando em outra direção. Em direção ao palco logo à frente. Ao contrário do que todos esperavam, Osborn lembra a multidão que sua armadura traz as cores do Capitão América... e levanta uma grande saudação ao Capitão América. Todos seguem a homenagem. Osborn ganhou esta batalha... com relações públicas. Em seguida, ele ainda anuncia um show em homenagem ao Capitão. Os Vingadores Secretos nada podem fazer.

Sharon aparece no meio da multidão. Ela parece surpreendentemente bem. Bucky pergunta o que isso significa. Ela apenas diz que é Steve... e de que acha possível ainda salvá-lo.

GALERIA
O talentoso artista Batton Lash produziu um dos encontros mais incomuns de quadrinhos norte-americanos, entre violento Justiceiro, anti-herói da Marvel, com personagem... Archie! 

Mas a sua obra mais conhecida é Wolff & Byrd, apresentando as aventuras bizarras dos advogados Alanna Wolff e Jeff Byrd, que defendem a causa... de monstros, fantasmas e criaturas da noite. Afinal de contas, até eles precisam advogados, por que não? A série foi apresentada em tiras de 1983 a 1997 no The National Law Journal, teve sua própria revista, foi renomeado como Supernatural Law e agora se tornou uma webcomics. 

E o blog Âmago teve a honra de ter sua bela arte em nossa galeria, mostrando sua versão de Capitão América. Além de talentoso, Batton Lash gentil e gente boa!

Para saber mais sobre sua série peculiar de advogados (vai que você seja uma criatura da noite e precise de um) visite: http://www.supernaturallaw.com; para saber mais sobre outros de seus trabalhos, visite: http://www.exhibitapress.com

The talented artist Batton Lash wrote a most unusual meeting of American comics , between violent Punisher , Marvel's anti-hero , with character ... Archie !

But his best known work is Wolff & Byrd , showcasing the bizarre adventures of lawyers Alanna Wolff and Jeff Byrd , who advocate the cause ... of monsters , ghosts and creatures of the night . After all , until they need lawyers , why not? The series was presented in strips from 1983 to 1997 in The National Law Journal, had its own magazine , was renamed Supernatural Law and has now become even a webcomics .

And we had the honor of having a version of his beautiful art to our gallery, showing his version of Captain America for the Âmago blog . Besides talented, Batton Lash is gentle  and good people !

To know more about this quirky series, the main of these lawyers ( will you be a creature of the night and need one ) in http://www.supernaturallaw.com ; to know more about your other work visit http://www.exhibitapress.com

quarta-feira, 21 de maio de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 674

 - Captain America n° 600 (Augusto de 2009)

* "In Memoriam", história escrita por Roger Stern, desenhada por Kalman Andrasofzky, colorizada por Marte Garcia, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Novos Vingadores n° 75 ("In Memoriam"), letreirizada por Valéria Calipo, traduzido por Fernando Lopes e Jotapê Martins e editada por Paulo França

Josh vai visitar a bela casa de Bernie Rosenthal em Santa Fé, no Novo México. Ele se surpreende com os desenhos nas paredes. Retratos dele, dela, de Steve e de Mike... da época em que eram vizinhos no Brooklin. Na verdade, ele não se lembra de ter posado para aquela arte. Bernie explica que Steve os desenhou de memória. Esses quadros, inclusive, são tudo que lhe restou dele.

Faz um ano que Steve se foi. Bernie ainda se lembra de quando Mike os apresentou. Ela não se lembra do que vestiam... mas nunca esqueceu o sorriso dele, ou os profundos olhos azuis, ou a covinha na bochecha quando ele lhe sorria. Só depois eles ficaram sabendo que Steve era o Capitão América. Nem desconfiaram quando ele ajudou na mudança de Bernie e se mostrava incansável. Foi nesse dia que Mike, eufórico, trouxe o jornal com a notícia de que o Capitão América era candidato a presidente.

Mesmo sem saber de sua identidade secreta, Bernie logo se apaixonou por Steve. Quando revelou que o amava, ele demonstrou certa preocupação. Um silêncio constrangedor, até. Não era medo pelo compromisso, mas o fato de manter tanto de sua vida escondida. Isso mudou em um comício onde se iniciou um conflito e o Capitão América apareceu. Quando o herói começou a falar, ela percebeu que era Steve.

Namorar um super-herói era algo estranho. Ela se envolveu em um conflito com a criatura chamada Primus, que assumiu a forma de seu namorado... e acabou salvando-o. Apesar de momentos divertidos, como quando ele a levou para a Mansão dos Vingadores para vê-lo treinar, era difícil dividir seu tempo com outros heróis... ou mesmo com o mundo. Chegou a um ponto em que cada um tomou seu rumo. Ela, seguindo para a escola de advocacia. Ele seguiu seu caminho.

Em algumas ocasiões, suas vidas se cruzaram novamente. Como da vez em que ela foi feita refém do grupo Cães de Guarda. Ao salvá-la, descobriram que Mike estava envolvido com o grupo. Foi uma surpresa para todos. Ele tentou dar a volta por cima, denunciou o grupo e se entregou. Na prisão, se envolveu com outro criminoso. Ele acabou morrendo e a autópsia revelou que ele tinha uma espécie de tumor cerebral, o que, de certa forma, explicaria suas variações de humor. Bernie ficou com o chapéu de bombeiro e com as cinzas de Mike.

Ela revela que estava na frente do tribunal no dia que Steve morreu. Ela o chamou no meio da multidão... assim como muita gente. Ele não deve tê-la visto. Então... o disparo. E ela não podia fazer nada. Depois daquilo, ela saiu da cidade. Sentiu-se uma covarde. Não era como Steve. Não era como Josh, que cuidava de crianças com deficiência de aprendizado. Ainda assim Josh a lembra que ela se tornou uma excelente advogada. Defendeu nativos americanos recentemente. De certa forma, todos eles são heróis. Ela se conforta, mas sabe que ainda devem fazer algo por um velho amigo.

Em uma colina próxima, eles espalham as cinzas de Mike Farrell. Coincidentemente, explodem fogos de artifícios nos céus, nas cores vermelho, branco e azul. Uma homenagem do povo a Steve Rogers. Mais do que uma homenagem oficial, é o tributo de mentes e corações que acreditaram no sonho que o herói defendia.

A+:

* Steve conheceu Bernie na parte 233 do Diário de Steve Rogers; o herói foi indicado a candidato para presidente na parte 235; a luta com o vilão Primus, que tomou a forma de Steve, aconteceu na parte 261; Bernie ficou refém dos Cães de Guarda na parte 400.

ÂmagoNews:

Nos dia 1 a 4 de maio, aconteceu a 20ª FestComix, a aguardada feira de quadrinhos da Comix Book Shop. O evento, recheado de promoções, lançamentos, workshops, palestras e as ilustríssimas presenças de convidados nacionais e internacionais, ocorreu no Centro de Convenções Imigrantes, em São Paulo.

Estive no evento no dia 03.05 (sábado) e a única reclamação que tenho não é exatamente minha... mas de minha conta bancária! Se em uma Comic Shop a tentação é grande, imagine em um evento gigantesco como esse. É percorrer um grande espaço e perder a noção do tempo.

Além disso, existe o prazer de reencontrar amigos, conhecer pessoalmente aqueles que até então só conhecemos virtualmente e, com isso, se sentir abençoado por gostar dessa arte que, além de entreter, ensinar, divertir e nos fazer viajar, ainda nos proporciona a dádiva de amizades tão valiosas.

Por lá, trombamos com Daniel HDR (das mãos de quem vi "nascer" um exclusivo Capitão América, ao vivo, o que, até então, assistia em seu canal exclusivo), além da simpaticíssima Amanda; Sérgio Roberto Campos (amigaço da podosfera, do qual não posso revelar o codinome para a meia dúzia de pessoas no planeta que ainda não o conhecem... mas ouçam o Inominata 616 e leiam o Marvel 616), Laudo Ferreira Jr. e Omar Viñole (que nos presentearam com a última parte da trilogia Yeshua), Eduardo Marchiori e Ricardo Quartim (amigos do staff da Mundo dos Super-Heróis), Edson Diogo (do Guia dos Quadrinhos), Will (trazendo seu incrível Sideralman em um inusitado encontro com o Homem Grilo, de Cadu Simões); também esbarrando por lá com Cammy (também do Marvel 616), Felipe Morcelli (que lançou o esperado livro Fazendo o Homem Acreditar), entre muitas outras estrelas do meio quadrinhístico. Sim, havia muitos mais. Mas a cachoeira de simpatia por metro quadrado ainda não faz justiça a todos os nomes que ali estavam. E destaco ainda a surpreendente galeria de cosplay que desfilavam cada qual encarnando seu personagem.

Um dia muito agradável... tal qual um excelente roteiro, tal qual uma espetacular arte. Agora é contar com a próxima, cada vez maior e mais espetacular que essa edição do evento. Evento com o gostinho daquele requadro que diz "[ continua... ]".

Ah, sim... A Comix tem, claro, sua própria loja onde você pode se perder de vez em quando também.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 673

- Captain America n° 50 (Julho de 2009)

* "Passing the Torch", história escrita e desenhada por Fred Hembeck, colorizada por Chris Giarrusso, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Novos Vingadores n° 75 ("Passando a Tocha"), letreirizada por Valéria Calipo, traduzido por Fernando Lopes e Jotapê Martins e editada por Paulo França

No início da década de 60, antes do retorno do Capitão América no então recém-nascido Universo Marvel, a própria editora fez uma espécie de teste de aceitação do personagem. Uma verdadeira pegadinha, mostrando a volta do Capitão América... só que não.

Foi em uma das histórias solo do Tocha Humana que o criminoso conhecido como Acrobata (identidade de Carl Zante) decidiu enganar o integrante do Quarteto Fantástico com uma fantasia do Capitão América. Até então, acreditavasse que o herói sumiu na Segunda Guerra e a tentativa para se passar pelo retorno do mesmo era válida. Mas a curiosidade se tornaria ainda mais bizarra por um detalhe que passou batido por Zante: o calção do herói, ao contrário do original, era vermelho. Motivo mais do que evidente para denunciar a farsa. O herói do passado havia ficado no passado, enfim.

A história acabou fazendo certo sucesso entre os leitores, principalmente pela volta do mítico herói da Segunda Guerra. Era a prova final de que o Capitão América... o verdadeiro Capitão América... não estava ultrapassado afinal. E estava pronto para ressurgir no então moderno Universo Marvel. O resto é história...

O cartunista Fred Hembeck decidiu homenagear essa insólita história de uma forma mais insólita ainda. Através de um relato cômico (tanto quanto seu traço), Hembeck nos mostra o próprio Carl Zante contando a história do seu ponto de vista... inclusive deixando clara a mancada do calção vermelho. O vilão nunca teve muito destaque depois disso, o que é explicado no relato, uma vez que ele diz que, depois dessa, decidiu se regenerar (apesar de AINDA vestir o SEU uniforme de Capitão América). Ainda assim, Zante não fica atrás quando relembra que não passou ridículo sozinho. Com orgulho, destaca sua ideia de acertar o Tocha Humana com um esfregão molhado. Pura Era de Prata. Puro nonsense. Prato cheio para Hembeck se esbaldar.

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 672

 - Captain America n° 50 (Julho de 2009)

* "Sentinel of Liberty", história escrita e desenhada por Marcos Martin, colorizada por Muntsa Vicente, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Novos Vingadores n° 75 ("Sentinela da Liberdade"), letreirizada por Valéria Calipo, traduzido por Fernando Lopes e Jotapê Martins e editada por Paulo França

Belíssimo resumo de toda a carreira do Capitão América, mostrado em painéis que demonstram bem cada período pelo qual passou.

Desde sua transformação na década de 40, passando por sua parceria com Bucky na Segunda Guerra; o primeiro confronto com o Caveira Vermelha; o surgimento dos Invasores; a fatídica explosão que o jogou nas águas geladas; a descoberta de seu corpo pelo príncipe Namor; o resgate pelos Vingadores; a aliança com Nick Fury e a SHIELD; a ascensão da Hidra, liderada pelo Barão Von Strucker; o romance com Sharon Carter; a parceria com o Falcão; a volta de Bucky como Soldado Invernal; o confronto com o Homem de Ferro na Guerra Civil; a morte de Steve Rogers e o novo Capitão América, identidade assumida por Bucky.

A+:

* Marcos Martin, autor desse belíssimo resumo, é espanhol e já contribuiu para várias histórias da Marvel e DC.

domingo, 18 de maio de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 671

 - Captain America n° 50 (Julho de 2009)

* "Days Gone By", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Luke Ross, artefinalizada por Rick Magyar, colorizada por Frank D'Armata, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Novos Vingadores n° 75 ("Velhos Tempos"), letreirizada por Valéria Calipo, traduzido por Fernando Lopes e Jotapê Martins e editada por Paulo França

Campo Lehigh, 1941.

O garoto havia causado confusão novamente. Dessa vez, derrubou dois marinhos e quebrou o pulso de outro oficial. Isso após uma bebedeira onde comemorava seu aniversário de dezesseis anos. Tiveram que jogar o encrenqueiro em uma cela. O major Samson, amigo do falecido pai de Bucky, já está acostumado a livrar o garoto de confusão. Mas tudo tem seu limite. Para tentar conter o ímpeto do garoto, o militar o envia para Inglaterra, onde ele receberá treinamento especial de combate. Lá, Bucky passou por dois meses e depois mais um mês de treinamento nos Estados Unidos. O General Phillips chegou a considerá-lo o melhor lutador natural que já viu. Pouco tempo depois, estava conhecendo Steve Rogers e a imprensa já noticiava "Guri do quartel se torna parceiro do Capitão!". Isso fez com que garotos de todo país pensassem que podia acontecer com eles também.

Polônia, 1943.

O presidente Roosevelt havia criado os Invasores. Centelha, o parceiro do Tocha Humana, pretendia dar um presente de aniversário pelos dezoito anos de Bucky. Até havia pedido que fizessem um bolo com seu nome inscrito. O problema é que eles estavam em missão secreta, atrás das linhas inimigas. Ao pedir para colocar o nome de "Bucky" no bolo, o disfarce havia sido desfeito. Isso foi o suficiente para o vilão Grande Mestre e sua parceira os encontrar. Conseguiram escapar daquela missão por sorte. Mas Bucky parecia feliz em estar comemorando mais um aniversário em combate.

Londres, Março de 1945.

Capitão América interroga um espião alemão a procura de pistas sobre o paradeiro do Barão Zemo. Não era exatamente assim que Bucky esperava comemorar seu vigésimo aniversário, mas ele sabe que tem sido uma longa guerra. E, além disso, o próprio Steve passou seu vigésimo aniversário recebendo o tratamento que o tornaria o Capitão América. Mas ainda havia tempo para comemorarem em um bar.

Semanas depois, a guerra terminou para a dupla. Na fortaleza de Zemo. Num avião bombardeiro. E nas águas geladas abaixo. Depois disso vieram os anos ruins... os russos o trouxeram de volta das profundezas geladas. Ressuscitado dos mortos. Os anos do Soldado Invernal. Não havia aniversários na época. Apenas mortes... muitas mortes. Demais para algum dia esquecer.

Hoje.

Capitão América está fazendo sua ronda quando, sem motivo aparente, se torna alvo de um grupo utilizando modernas armaduras. Nada mais corriqueiro do que um dia de aniversário de Bucky. Ele contata Clint Barton e tenta descobrir quem são seus agressores, afinal. Eles sequer estão se preocupando em ferir civis. Clint informa que os criminosos pertencem ao grupo Cães de Guarda e que muitos deles, ironicamente, idolatram o Capitão América.

Após derrubar seus perseguidores, descobre que eles são tão fanaticamente patriotas... que o estão perseguindo apenas por não ser o verdadeiro Capitão América. Bucky sabe muito bem disso... mas está se esforçando para ser o melhor.

O Capitão América retorna para seu apartamento, exausto. Quando abre a porta... depara-se com uma festa surpresa de aniversário, armada pelos Vingadores. O bolo está repleto de velas, por todos os anos que ele realmente tem. Piada de seus amigos. De sua nova família. O grande presente que Steve lhe deu quando trouxe suas memórias de volta ao mundo.

A+:

* O mosaico de "Buckys" utilizado na capa original dessa edição, foi formado por várias aparições do personagem na revista Captain America Comics. Vimos duas dessas imagens por aqui na parte 12 e na parte 16 do Diário de Steve Rogers.

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 670

 - Captain America n° 49 (Junho de 2009)

* "The Daughter Of Time", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Luke Ross, artefinalizada por Rick Magyar, colorizada por Frank D'Armata, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Novos Vingadores n° 74 ("A Filha do Tempo"), letreirizada por Valéria Calipo, traduzido por Fernando Lopes e Jotapê Martins e editada por Paulo França

Sharon Carter ainda sonha com aquele dia. Sonha com o primeiro vislumbre de Steve morrendo. Afinal, ela o matou. Já fazem nove meses desde que Steve morreu. Meio ano desde que ela se libertou do Doutor Faustus e do controle mental do Caveira Vermelha. Desde que se demitiu da SHIELD. Muita coisa mudou desde então. A SHIELD não existe mais. Não desde que a invasão skrull fez Tony Stark parecer um idiota. Bucky Barnes anda com os Vingadores em seu próprio uniforme de Capitão América. Enquanto isso, ela se isolou na Virgínia, no lar da família Carter. Sam Wilson, o Falcão, um dos poucos amigos que ela tem, a visita de vez em quando. Ainda assim ela sente parte de suas memórias faltando.

Ela sempre visita sua tia, Peggy Carter. Há dias em que Peggy relembra seus dias ao lado do Capitão América na Segunda Guerra. Mas, em questão de momentos, sua memória se vai e ela mal sabe quem é sua sobrinha. Apenas se lembra de que Sharon trabalha para Nick Fury. Tia Peggy sempre foi uma inspiração para Sharon. Até mesmo mais do que seus próprios pais. Isso foi algo que eles nunca a perdoaram. Infelizmente, eles morreram acreditando que Sharon havia sido morta em ação. Tia Peggy foi tudo que lhe restou, mesmo com sua memória indo e vindo.

Sam continua atrás de alguma pista sobre o... como é chamado mesmo... "Capitão dos anos 50" ou "Cap Perverso" ou "Cap do Mal". Sharon prefere acreditar que ele a salvou das mãos do Caveira e de Arnim Zola. 

Sharon está cansada. Mas dormir não lhe parece uma ideia agradável. Não com os pesadelos que a esperam. Ela decide caminhar pela propriedade e encontra com um amigo que não vê há quase uma década: Dave Cox. Ela aceita o convite para jantar. Julie e Dave se separaram há um tempo. O filho dele vem visitá-lo todos os fins de semana. Em parte, seu ativismo contra a guerra era grande demais diante de seu casamento. Dave confessa que estava ansioso para ver Sharon. Ele ainda nutre sentimentos por ela. Ainda assim, mesmo fazendo quatro meses que ela voltou a morar na propriedade, ele não teve coragem de procurá-la. Sharon o beija. Confessa que se sente sozinha. Mas ambos sabem que não é uma boa ideia e colocam a culpa no vinho. Hoje ela ficará. Dave lhe trará um cobertor para que possa descansar na sala.

Na manhã seguinte, Dave explica ao filho que Sharon é uma amiga que havia se oferecido para fazer o café da manhã. Sharon está inquieta e se tranca no banheiro. Desconfiada, ela vê, pela primeira vez, a cicatriz em sua barriga.

Sam faz suas costumeiras visitas e encontra Sharon arrasada. Ela sabe. Sabe que estava grávida. Ele lhe conta tudo. Sobre o controle de Faustus. Sobre esconder sua gravidez. Perder o bebê. Sua luta contra Pecado. Aos poucos, ela se lembrou de tudo.

Naquela noite, seus pesadelos a levam a outro tipo de lembrança. O Caveira Vermelha e Arnim Zola abrindo uma espécie de portal onde ela se horrorizou ao vislumbrar algo. Ou alguém. Ela se pergunta o que a assustou tanto. Seria... Steve?

Continua...

ENQUANTO ISSO...

* Apesar de assumir que os fãs do novo Capitão América estavam gostando da atuação de Bucky como o herói, o editor Tom Brevoort confessou: Steve Rogers iria retornar. Muito provavelmente, parte da comemoração do n° 600 da revista ou mesmo da minissérie Reborn com o personagem.

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 669

 - Captain America n° 48 (Maio de 2009)

* "Old Friends and Enemies Part 3 of 3", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Butch Guice, Luke Ross e Steve Epting, colorizada por Frank D'Armata, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Novos Vingadores n° 74 ("Velhos Amigos e Inimigos - Conclusão"), letreirizada por Valéria Calipo, traduzido por Fernando Lopes e Jotapê Martins e editada por Paulo França

O experimento do professor Chin dos efeitos do vírus Tocha Humana no corpo de Namor continuam. Ele não tinha certeza se o mesmo funcionaria debaixo d'água, mas os efeitos parecem estar sendo satisfatórios. Bucky, preso e indefeso, implora pela vida do amigo. O Homem Sem Rosto o cala com um golpe intangível que atravessa seu cérebro. Apesar da dor, Bucky se recupera e tenta apelar para o bom senso de Chin. Em vão.

Chin entende sobre controle de população, algo que em seu país já é uma realidade. Ele acredita que o mundo está morrendo... seus recursos estão se esgotando, a comida tem se tornado escassa... a própria Terra tem se voltado contra a humanidade. Porém, seus superiores não o ouvem. Por isso ele se isolou para criar a arma de controle perfeita. Seu intento não é exterminar a humanidade... mas acabar com cerca de trinta e cinco a cinquenta por cento dela. Bucky acredita que ele está fazendo isso por vingança ao que aconteceu a sua esposa.

O experimento parece tomar outro rumo quando o sistema imunológico de Namor parece reagir. O vírus está perdendo o efeito. Bucky sente-se aliviado. E mais ainda quando vê um conhecido escudo voar em direção ao tanque, rachando-o. Natasha acaba de chegar. Suas armas de eletricidade dão conta do Homem Sem Rosto. O professor Chin foge. Namor finalmente sai do tanque e se recupera. O príncipe submarino está furioso... como há muito tempo Bucky não o via. Mas a prioridade agora é deter Chin.

Quando chegam até o professor, ele já armou a bomba que espalhará o vírus. Antes que o forcem a desarmá-la, o Homem Sem Face se recupera e protege seu mestre. Namor o ataca com fúria, mas o vilão é intangível, apesar de poder tocar o herói. Bucky tenta deter a contagem regressiva, mas nada surte efeito. Até mesmo tirar a caixa da bomba se mostra impossível. Em uma manobra arriscada, ele utiliza o escudo para separá-la da bomba. Apesar do risco que expõe a todos, é a única saída, uma vez que está prestes a explodir.

Chin está no chão. Ataque cardíaco. Vendo seu mestre imóvel, o Homem Sem Face corre para socorrê-lo. Em sua angústia, e tornando-se tangível para amparar Chin, ele não percebe a aproximação de Namor... que aproveita o momento em que ele se mantém sólido... para quebrar seu pescoço. Está feito. Os dois vilões estão mortos.

Os heróis encontram o corpo do Tocha Humana. Bucky ainda não consegue crer que a ONU utilizou um herói de guerra para pesquisa. Namor sorri. Por um momento viu o garoto o repreender pelo que fez... como Steve faria. Mas, agora, mostra a revolta que bem conhecia no parceiro do Capitão América.

Para garantir que não haja outra amostra do vírus, eles queimam todo o complexo de Chin. A Viúva Negra não perdoou Bucky por esconder a verdade dela. Uma verdadeira humilhação para alguém que é uma superespiã. Mas ela também entende que ele quis fazer isso sozinho... para tentar compensar seus atos como Soldado Invernal.

Uma semana depois, apesar de não poder comparecer, o Capitão América providencia o funeral digno a Jim Hammond, o Tocha Humana, como o verdadeiro herói de guerra que ele foi. Ele acha irônico que tenha frequentado tanto cemitérios desde sua volta. É algo natural quando se tem velhos amigos. Sabe que voltou não só para se reconciliar com o passado. Mas para salvar o que de bom sobrou dele.

ENQUANTO ISSO...

* Mais uma dica sobre a edição 600 de Capitão América. Dessa vez, a Marvel incitou o público com algo inusitado. Uma imagem mostrando uma versão feminina de Bucky e os dizeres "Garota Sem Mundo" fez com que o leitor lembrasse uma parte pouco memorável (ou muito memorável, dependendo do trauma...) da mitologia do personagem. Afinal, uma garota chamada Bucky foi mostrada na tão "adorada" fase Heróis Renascem do Capitão América, quando este era produzido pelo não menos "adorado" Rob Liefeld. Teria a Marvel a intenção de trazer a personagem para o universo convencional? O único alívio era saber que não existem ideias ruins. É quem as conduz que lhe dão peso. Uma chance para a garota, dessa vez feita do jeito certo?

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 668

 - Captain America n° 47 (Abril de 2009)

* "Old Friends and Enemies Part 2 of 3", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Butch Guice, colorizada por Frank D'Armata, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Novos Vingadores n° 73 ("Velhos Amigos e Inimigos - Parte 2 de 3"), letreirizada por Valéria Calipo, traduzido por Fernando Lopes e Jotapê Martins e editada por Paulo França

O Soldado Invernal enfrenta os guardas do professor Chin com certo estardalhaço. Ele quer ser visto... e causar alguns danos ao mesmo tempo. Desde o começo era uma armadilha. O professor queria que Bucky visse os restos do Tocha sendo roubados. Tudo para atrair sua atenção.

Natasha finalmente consegue entrar em contato com Bucky. Ela está a caminho, mas ainda não tem sua localização. Ela está furiosa, pois descobriu o que ele não contou sobre Chin. No passado, ao fugir do Homem Sem Rosto, o Soldado Invernal abriu uma rota de fuga assassinando todos os guardas que encontrou no caminho. E nessa rota, uma das vítimas... foi a esposa do professor Chin. Com isso, o Soldado Invernal é considerado um criminoso de guerra na China. Isso também explica o interesse pessoal do professor em Bucky.

Bucky começa a fingir que o sinal está sumindo. Ele pretende fazer isso sozinho, pois sabe que Chin está com o corpo do Tocha Humana e pretende usá-lo em seus experimentos. Homens de armadura aparecem e conseguem abater o Soldado Invernal. Dessa vez, ele não está fingindo que perdeu o sinal. A ideia, no entanto, é essa. Ser levado pelos guardas. Bucky sabe que Natasha ficará ainda mais furiosa... além de Namor, que compreenderá o plano e terá que fazer algo que detesta... aguardar.

Acordando em um laboratório abandonado, Bucky percebe que há um campo de interferência grudado em seu braço esquerdo. Ele não contava com isso. Reconhece o laboratório como sendo de Chin. De fato, o professor aparece em seguida, portando um bastão para lhe dar choques. Apesar de a intenção ser acordar o herói, Chin não desperdiça o objeto e se dá ao desfrute de torturar seu prisioneiro. O Soldado Invernal não está vestindo o uniforme do Capitão América, pois não quer desonrar a memória de seu ex-parceiro. Ele está ciente de sua culpa, de seu pecado passado... e que merece ser punido. Mas, para Chin, o tempo de vingança já passou. Ele sequer sabia que o Soldado Invernal estava vivo. Foi mero acidente descobrir isso (e que ele era o novo Capitão América) ao roubar o corpo do Tocha Humana.

Chin mostra seus próprios homens presos em um espécie de tubo. São guardas que falharam em capturar o Soldado Invernal. Homens dispensáveis. Homens que ele prefere... desperdiçar. Um gás inunda o tubo e os homens começam a pegar fogo. Chin usou o corpo do Tocha Humana para criar um vírus aerotransmissível. Uma arma capaz de inflamar suas vítimas. Chin garante que o Soldado Invernal não será a próxima cobaia a ter seu corpo repleto de chamas. Ele sabe que seu prisioneiro deseja pagar pelo passado. Matá-lo tão facilmente não seria a solução. É então que ele mostra outro tanque, onde está sua próxima cobaia: Namor, capturado pelo Homem Sem Rosto.

Para desespero de Bucky, o corpo de Namor começa a ferver...

Continua...

ENQUANTO ISSO...

* A Marvel sinalizava um projeto especial com o Capitão América chamada "Reborn". Todas as apostam se voltam para o ressurgimento de Steve Rogers, o que também coincidiria com a edição de número 600 da revista do herói (numeração essa que voltaria a contagem original devido ao número comemorativo). Os envolvidos no citado projeto são os escritores Ed Brubaker, o desenhista Brian Hitch, além de Alex Ross e John Cassaday (provavelmente capistas da série).

* Um novo herói, com um visual parecido com o Capitão América, surgia na revista do Homem-Aranha. Chamado de American Son utilizava um misto de uniforme e armadura que lembram as cores e o visual do herói americano. Vale lembrar que, nesse período, Norman Osborn, arqui-inimigo do Aranha, utilizava a armadura do Patriota de Ferro, que era um misto de Homem de Ferro com o Capitão América.

sábado, 17 de maio de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 667


- Captain America n° 46 (Março de 2009)

* "Old Friends and Enemies Part 1 of 3", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Steve Epting, colorizada por Frank D'Armata, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Novos Vingadores n° 72 ("Velhos Amigos e Inimigos - Parte 1 de 3"), letreirizada por Valéria Calipo, traduzido por Fernando Lopes e Jotapê Martins e editada por Paulo França

Demorou para que o Capitão América encontrasse Namor, mas ele não seguiria nessa missão sem ele. Namor faz cara de quem não se importa... mas ele sabe que isso não é verdade. É Bucky quem pilota a nave atlante de Namor... como o próprio Príncipe Submarino o ensinou décadas atrás. A maior parte do tempo, velhos amigos são os únicos amigos que um cara como Namor tem. Namor não tem nada a dizer sobre o uniforme que Bucky usa... apenas que Rogers ficaria feliz com isso. É o mais próximo de aprovação que ele poderia demonstrar. Décadas atrás, ele testemunhou o Tocha Humana original explodir... sempre tentando demonstrar humanidade. Agora, seus velhos amigos sabem a importância de impedir que seu corpo seja transformado em uma arma. Como androide, ele sempre tentou se mostrar o mais humano possível. Mas estava ciente que, enquanto máquina, poderia também ser extremamente perigoso. Foi com essa parte que o professor Chin ficou impressionado naquele dia, quando foi resgatado pelos Invasores. Bucky diz que ainda encontrou Chin anos depois, quando foi designado para matá-lo. A missão deu errado e ele teve que bater em retirada. O Soldado Invernal conseguiu escapar com vida... algo que não pode ser dito daqueles que se encontraram no caminho de sua fuga.

Taiwan, duas horas depois.

Seguindo a informação fornecida pela Viúva Negra, Capitão América e Namor invadem o local onde supostamente Chin se encontra. Há guardas armados no local, que são derrotados pelos heróis. Namor demonstra surpresa quando o jovem Capitão o salva de ser atingido pelas costas. Afinal, o soberano da Atlântida poderia muito bem se livrar sozinho. Mas, o leve sorriso que esboça, mesmo não sendo visto pelo Capitão América, demonstra que está orgulhoso do que Bucky se tornou. Porém, ao invadir o laboratório, não é como Capitão América que ele está vestido... mas como o Soldado Invernal. Assim como na última vez em que ele encontrou o professor. Quando cometeu atos que ainda pesam em sua consciência.

Continua...

A+:

* Este arco faz parte das comemorações dos 70 anos da Marvel, onde foram homenageados os heróis da editora que surgiram na Era de Ouro.

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 666


 - Captain America n° 45 (Fevereiro de 2009)

* "Time's Arrow - Part 3 of 3", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Luke Ross e Ed Brubaker, artefinalizada por Rick Magyar e Mark Pennington, colorizada por Frank D'Armata, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Novos Vingadores n° 71 ("A Flecha do Tempo - Parte 3 de 3"), letreirizada por Valéria Calipo, traduzido por Jotapê Martins e editada por Paulo França

Pequim, 1968.

Eles o chamavam de O Homem Sem Rosto. Um dos experimentos fracassados do professor Chin nos anos 50. A tentativa chinesa de criar seu super soldado, que saiu desastrosamente errada. Agora ele mal era um homem, sumindo e aparecendo das sombras... perdendo matéria... incapacitado de comer ou dormir... Mas era um agente eficaz para seu governo, mesmo que eles tivessem ficado com um espião e não um soldado. O Soldado Invernal descobriu isso depois, em seu interrogatório em Moscou. Não sabia dessas informações enquanto o Homem Sem Face tentava detê-lo de matar Chin.

Apesar de parecer intocável, ele não é impossível de se tocar. Com um cabo elétrico, o Soldado Invernal o deixa vulnerável. Porém, ele não permanecia abatido por muito tempo. Essa foi uma das poucas missões onde fugir se tornou prioridade ao Soldado. Para o desespero de Chin, ele chega até um local onde pode ver os experimentos... as coisas naquele laboratório... as vítimas... o tipo de ciência que o professor Chin praticava.

Cidade de Nova York, agora.

O Capitão América descobre que o Homem Sem Rosto está vivo... e na ativa. Ainda menos humano. Mancomunado com Batroc, atrás da carga secreta da ONU. Armas e escudo são inúteis contra ele que é intangível como as sombras que o envolvem. Além disso, ele é capaz de atravessar o corpo do herói e causar uma dor lancinante. De repente, o Capitão América se lembra da única coisa capaz de atingir o vilão. Eletricidade. Através de seu braço artificial.

Apesar de ganhar tempo, o Capitão América logo percebe que um helicóptero dá cobertura aos vilões. Mais que isso, está ali para recolher a carga misteriosa. O herói tenta impedir os vilões de recolherem a carga e, com isso, o helicóptero permanece em espera, no ar. Enquanto consegue derrubar Batroc, é trespassado pela mão intangível do Homem Sem Rosto. Apenas a ajuda da Viúva Negra, que surpreende o vilão com suas rajadas elétricas, consegue salvar o Capitão.

O helicóptero levanta voo. É tarde demais para deter o roubo. Mas é então que as coisas pioram. O Capitão América consegue ver o que há dentro da carga... o Tocha Humana original. Os restos dele que estavam sendo estudados pela ONU. Os vilões fogem. A Viúva e o Capitão tem que fazer o mesmo, antes que a polícia chegue.

Mais tarde ele conta sobre seu encontro com Chin no passado. Da descoberta de seus experimentos. Ele irá tentar criar uma arma com os restos do Tocha Humana.

Continua...

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 665


- Captain America n° 44 (Janeiro de 2009)

* "Time's Arrow - Part 2 of 3", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Luke Ross, artefinalizada por Fabio Laguna e Rick Magyar, colorizada por Frank D'Armata, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Poderosos Vingadores n° 70 ("A Flecha do Tempo - Parte 2 de 3"), letreirizada por Valéria Calipo, traduzido por Jotapê Martins e editada por Paulo França

Pequim, 1968.

O Soldado Invernal compreendeu os parâmetros da missão. É de máxima importância evitar um incidente internacional. Mas o Soldado garante que ele não será visto... Ninguém vivo o verá. Quanto ao alvo... o Professor Zhang Chin... ele terá que morrer.

Ao chegar até o local onde o professor está, este reconhece o Soldado Invernal de muito tempo atrás. Da época em que ele atuava ao lado do Capitão América, como Bucky. Surpreso pelo professor Chin o reconhecer, ele mal percebe que seu alvo está sendo protegido por um misterioso homem envolto em sombras.

Cidade de Nova York, hoje.

O agente que auxiliou Viúva Negra e o Capitão América está com seu emprego comprometido. Ao ser transferido para um escritório de Madripoor, ele percebe que estão querendo sua renúncia. Os heróis já se arrependem de ter pedido ajuda, prejudicando um inocente. Mas, se a ONU está se portando dessa maneira, há algo a esconder. O agente não sabe ao certo do que se trata, mas, pela forma como foi questionado, é algo que estão tentando esconder... do Capitão América. A Viúva descarta que seja alguma informação sobre Bucky, já que Nick Fury e Tony Stark cuidaram de encobrir tudo a seu respeito. Cabe aos dois investigarem do que se trata, afinal.

Bucky começa interrogando antigos contatos do mercado negro. Contatos que fez entre mercenários quando atuava como Soldado Invernal. Indo atrás do paradeiro de Batroc, ele acaba esbarrando em outro nome: Griffing, ex-Forças Especiais. Encontrar sua residência não se mostra tão difícil. Afinal, ex-soldados das Forças Especiais recebem correspondências regulares do governo. Chega a acreditar que Batroc está contratando qualquer um. Diferente do vilão, soldados não agem por dinheiro. Pelo menos, soldados de verdade. Bucky aprendeu muita coisa da época que atuou como Soldado Invernal. É esse "instinto" que o faz encontrar, escondido na ventilação do apartamento de Griffing, um envelope com dinheiro e um mapa. Soldados ficam previsíveis quando ficam preguiçosos.

Na tarde seguinte, ele segue para o local onde a ONU decidiu transportar (sob forte escolta) aquilo que não querem que descubra. Batroc está lá, interceptando a carga. Desta vez, o Capitão América está pronto pra ele e ansioso pela revanche. Porém, quando ele nota que Batroc também estava preparado, chega à conclusão que Griffing não era um soldado desleixado, afinal. Tudo foi armado, porque queriam ele naquele local. O Capitão América é surpreendido por aquele que pode ter arquitetado essa armadilha. Um homem envolto em sombras e com uma força e habilidade surpreendentes. Ele o reconhece do passado.

Continua...

sexta-feira, 16 de maio de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 664

 - Captain America n° 43 (Dezembro de 2008)

* "Time's Arrow - Part 1 of 3", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Luke Ross, artefinalizada por Fabio Laguna, colorizada por Frank D'Armata, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, em Os Poderosos Vingadores n° 69 ("A Flecha do Tempo - Parte 1 de 3"), letreirizada por Gisele Tavares, traduzido por Jotapê Martins e editada por Paulo França

Xangai, China... 1942.

Capitão América, Bucky e Tocha Humana se misturam a multidão como turistas alemães. Evitam até mesmo falar em inglês para não chamar a atenção. Logo eles se encontram com seu contato, que os leva até seu destino e tendo já cuidado dos soldados no caminho. O contato, que é japonês, pode ter estragado seu disfarce. Mas esta é sua última missão e sua família está onde os japoneses não podem mais caçá-la.

Chegando até a fábrica, porém, soldados já descobriram que foram traídos. Os heróis invadem o local. Tocha Humana segue até uma porta adiante enquanto Capitão e Bucky garantem sua retaguarda. Em seguida, o Capitão se separa e ordena a Bucky que encontre o menino gênio conhecido como Zhang Chin.

Nova York... Hoje.

Natasha se levanta e percebe que Bucky não consegue dormir. Ele olha a noite pela janela do apartamento. Sua cabeça ainda está inquieta com os últimos acontecimentos. Além disso, agora ele é o centro das atenções. O Capitão América voltou. E ele vem provando isso há meses. Tanto as pessoas como os outros heróis (com a ajuda de Sam, ao qual eles confiam) estão começando a aceitá-lo. Mas Bucky ainda se lembra de quando era o Soldado Invernal... do que aconteceu a Steve... e a Sharon. Natasha reforça que ele não é culpado por tudo que aconteceu. Ele decide sair para esfriar a cabeça.

Bucky está dirigindo nas ruas pouco antes de amanhecer. Pela sua moto ele intercepta uma chamada da polícia. Invasão a base de pesquisas da ONU. Natasha vai matá-lo... Chegando ao local, ele enfrenta os supostos ladrões... que são liderados pelo vilão conhecido como Batroc, o saltador. Georges Batroc: soldado, mercenário, mestre no savate. Esta arte marcial francesa, no qual se luta com os pés pode parecer brincadeira, mas Bucky sabe o quanto ela é perigosa. Quase perdeu a vida ao enfrentar três lutadores de savate na Albânia. Por sorte, desde então ele aprendeu algo a respeito. Ele sabe que Batroc não deve ser subestimado. Afinal, durante anos o vilão deu trabalho a Steve, que era mais rápido que ele.

No meio da luta com Batroc, Bucky é atingido, pelas costas, por seus capangas, com uma arma de raios. Ele cai sobre um automóvel e só não é gravemente ferido, pois suas costas revelam que estava sendo protegido pelo escudo. Batroc sorri ao vê-lo. Os criminosos fogem. Quando Bucky se recupera e veste o uniforme, ele solicita a presença de Natasha. Afinal, a polícia acaba de chegar ao local...

Duas horas depois, após resolver o incidente com a polícia, Viúva Negra e Capitão América descobrem que os ladrões levaram cópias de discos de arquivo da ONU.

Continua...

ENQUANTO ISSO:

* Surgia outro "suspeito" a interpretar o Capitão América no cinema. John Barrowman, da série de TV Torchwoood, chegou a declarar que seus agentes estavam conversando com a Marvel Studios. Isso e a sua semelhança física que lembrava Steve Rogers, fariam com que se apontasse o ator como o novo intérprete do herói. Mas isso não aconteceu.

Não foram poucos os boatos sobre os atores que iriam interpretar o herói. Entre os cotados estavam Matthew McConaughey, Leonardo DiCaprio, Brad Pitt, Channing Tatum e Matt Damon. Mas o boato mais chocante, sem dúvida, foi que Will Smith interpretaria o herói! Por outro lado, isso também apontava para outra história ligada a mitologia do herói: a minissérie Truth, que mostra um pré-Capitão América, antes de Steve Rogers, quando o soro, ainda em fase experimental, foi testado em um soldado negro. Aposta arriscada, mas era a única para dar sentido a algo que parecia sem sentido nenhum. E que, claro, não passava de boato.

De concreto mesmo, apenas a confirmação sobre a história se passar na Segunda Guerra, mostrando que a origem do personagem seria idêntica aos quadrinhos. O roteiro (originalmente escrito por David Self, de Estrada Para a Perdição) ficava por conta de Christopher Markus e Stephen McFeely, responsáveis pela franquia das Crônicas de Nárnia ao cinema. E a direção ficaria por conta de Joe Johnston (de Jurassic Park III)

* Espectadores mais nerds finalmente se rejubilavam por conta de uma pequeníssima cena no filme Homem de Ferro onde, atrás de Stark, que está vestindo a armadura enquanto Pepper chega até o local onde está, pode se ver uma espécie de protótipo do escudo do Capitão América. Era pouco, mas o bastante (bastante, mesmo) para quem ainda se contentava em imaginar uma suposta (suposta, mesmo) sombra de Capitão América no gelo que aparecia em uma cena escondida do filme do Hulk que, no final, das contas, mostrava algo parecido com o mesmo escudo sob o gelo em uma avalanche.

* O escritor Ed Brubaker doava seu caderno de anotações sobre o Capitão América, onde havia esboços de seus futuros roteiros, à organização Hero Initiative, que ajuda profissionais dos quadrinhos que passam por dificuldades. Tinha como intenção ajudar o desenhista Gene Colan, que já havia sido um dos responsáveis pelas aventuras do Capitão América e que passava por sérios problemas de saúde. Colan, apesar de sua contribuição aos quadrinhos, na época não tinha nenhuma renda ou bonificação referente a seus trabalhos (vale lembrar que quando o escritor Marv Wolfman processou a Marvel sobre os direitos dos personagens que criou em A Tumba de Drácula - quando do lançamento do filme Blade -, do qual fez parceria com Colan, o próprio artista discordou do colega e estava ciente, desde o início, de que as editoras eram donas dos personagens por elas publicados). Posteriormente, a Marvel veio a intervir concedendo-lhe uma aposentadoria especial. Gene Colan veio a falecer em 2011 aos 84 anos.