segunda-feira, 31 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 625

 - Captain America n° 26 (Julho de 2007)

* "The Death of the Dream: Parte Two", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Steve Epting e Mike Perkins

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Os Novos Vingadores n° 51 e ("A Morte do Sonho - Parte Dois") e no livro Marvel Deluxe: Capitão América n° 3

Após os eventos da chamada Guerra Civil entre heróis, Tony Stark assumiu como novo diretor da SHIELD. E agora ele tem que enfrentar uma enfurecida Sharon Carter, pois a organização retirou o corpo do Capitão América do hospital onde ele morreu. Na verdade, Tony quer evitar que ela veja o corpo (que a SHIELD confiscou devido ao soro do supersoldado). Não devido a algum segredo de Estado... mas devido a algo que aconteceu ao corpo...  Mas ela, estarrecida, finalmente vê o que Stark escondia. Ao que tudo indica, o soro do supersoldado perdeu o efeito sobre o corpo de Steve Rogers, que se tornou ainda mais cadavérico. É como se os anos em que viveu finalmente cobrassem o tempo de sua existência. Ela ainda culpa Stark por tudo o que aconteceu. 

Seis dias depois da morte do Capitão.

Sharon e a Condessa Valentina visitam o bairro onde Steve viveu sua infância. Ela conta que, após a briga com Stark, pediu demissão da SHIELD. A ex-Agente 13 segue para um bar onde alguns heróis se reúnem para a vigília pelo Capitão América. Lá, ela encontra o Falcão e tenta desabafar. Ele imagina que ela está se sentindo péssima apenas por ter perdido o namorado dessa forma, mas a verdade é que ela tenta contar o quanto foi responsável pela tragédia. No entanto, a conversa é interrompida pela chegada de Rick Jones. Mas não é o momento para conversas. Sharon pede licença e segue para banheiro. Passa por Carol (Miss Marvel) e Simon (Magnum), mas só os cumprimenta. Ela ainda se lembra do comando pós-hipnótico do Doutor Faustus. E sofre sozinha por isso. O Falcão também se sente um tanto sufocado e sai para voar um pouco. No caminho, ele observa o quanto a população amava o herói. Tanto os que eram contra quanto os que eram a favor, de certa forma, prestam suas homenagens a ele.

Em sua base, Caveira Vermelha assiste a comoção da população transmitida pela imprensa. Pecado, sua filha, reclama que o nome de Brock (Ossos Cruzados) não é citado como um dos responsáveis. O vilão apenas ordena que sua filha escolha seus subordinados e prossiga com os planos. Ele tem um pequeno desentendimento com Faustus. Este, por sua vez, deixa claro que não é seu subalterno. De certa forma, o sucesso do plano dependeu da ajuda mútua de ambos. O pequeno desconforto (já que o Caveira não aceita a empáfia de Faustus) é interrompido por Arnim Zola, que os chama para mostrar o progresso de seus experimentos em uma tecnologia criada pelo Doutor Destino.

Em local secreto, alguns heróis, que se recusam a se registrar, ainda escondem-se do governo. Entre eles estão Luke Cage, Homem-Aranha, Punho de Ferro... e Falcão. Este último, para conseguir se infiltrar, aceitou se registrar e está fazendo papel duplo, mantendo o grupo secreto em segurança. Os heróis que se escondem sentem por não poder ter ido ao funeral do Capitão América. Eles fazem um brinde ao herói. É quando o Falcão recebe um chamado.

Em outro bar, Bucky tenta assistir a cobertura sobre a morte do Capitão. Um dos presentes critica que o herói está sendo enterrado em Arlington. Para ele, o local é para verdadeiros heróis de guerra e o Capitão América, por ter desistido da resistência contra a Lei de Registro, é um traidor. Se fosse o Capitão América nessa situação, ele tentaria dialogar (ou dar um sermão), dizendo que nem sempre a maioria pode estar certa. Um exemplo é que, no passado, a maioria dos americanos apoiava a escravidão. Mas esse não é o Capitão América. Bucky descarrega toda a frustração de perder o seu amigo simplesmente armando uma confusão dentro do bar e nocauteando todos que o tentam atingir.

O Falcão chega ao bar e se espanta com o tamanho da destruição que encontra. Na TV, Stark tenta discursar sobre a morte do Capitão, mas as lágrimas não o deixam sequer começar. Bucky assiste e agora sabe que tem uma nova missão. Matar Tony Stark.

Continua...

GALERIA:
Enquanto o próprio Steve Rogers carrega o peso de ser o símbolo da América, a arte de Luciano Cunha nos questiona se não seria essa uma das faces da verdadeira América.

Viciado em quadrinhos desde que se alfabetizou, Luciano tem Jack Kirby e Frank Miller como maiores influências no seu trabalho, além dos "novatos" David Aja, Mike Mignola e Chris Bachalo. Sua primeira experiência veio com o gênio Ziraldo, que é como Luciano se refere ao criador do Pererê e do Menino Maluquinho, quando trabalhou na equipe que produzia o gibi deste último, no final da década de 80.

Com mais de 20 anos de carreira, já dirigiu arte para diversos meios de comunicação, desde infográficos para jornais diários até ilustrações digitais para várias agências de publicidade. Seu personagem mais conhecido é o anti-herói Doutrinador. 

Além de quadrinhos, Luciano é fanático por classic rock, heavy metal, cinema, cervejas, família, amigos reais e... por sua esposa, Luiza Dias.

Para conhecer mais do impactante trabalho de Luciano, visite sua página: www.odoutrinador.com.br

domingo, 30 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 624




 - Captain America n° 25 (Abril de 2007)

* "The Death of the Dream: Parte One", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Steve Epting

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Os Novos Vingadores n° 49 e ("A Morte do Sonho - Parte Um") e no livro Marvel Deluxe: Capitão América n° 3

Ao mesmo tempo em que a imprensa relembra insistentemente sobre toda a carreira do Capitão América, desde seu surgimento na Segunda Guerra, também são mostrados fatos recentes onde o herói se tornou uma espécie de líder da resistência contra a Lei de Registro de heróis. As atenções estão voltadas para a Corte Federal de Manhattan, onde o herói será julgado. Sharon está no meio da multidão e se lembra de sua tia, Peggy Carter, que ficava emocionada ao ver documentários sobre a guerra, sem saber que ela participou de missões junto ao herói e até mesmo se apaixonou. Apenas mais tarde, quando ele ressurgiu, Sharon teve contato com herói e também se apaixonou por ele.

Bucky está nas proximidades, em contato com Nick Fury, e presencia o momento em que o Capitão América é trazido, algemado. Apesar de a imprensa insistir em saber o porquê dele desistir, o herói se mantém calado. Em dado momento, um cidadão mais exaltado lhe atira um tomate no rosto. A humilhação chama-lhe a atenção para um detalhe: a luz de uma mira laser nas costas de um dos guardas federais que o acompanham. Ele localiza a origem da mira em uma janela de um edifício próximo. Alguém está tentando matá-lo. Seu primeiro reflexo é tentar salvar os guardas, empurrando-os. Isso o transforma em um alvo fácil e o primeiro disparo acerta seu ombro. O povo a sua volta entra em pânico. Sharon tenta alcançar Steve. Bucky também se move em sua direção. No meio da confusão, aproveitando-se do pânico, alguém chega perto o bastante do herói... e efetua disparos a queima roupa. Sharon chega próximo a ele e pede ajuda. Steve sangra muito.

Estarrecido, Falcão observa tudo do alto, acima dos helicópteros que cercam o local. Bucky salta em direção à janela de onde partiu o disparo. Mas nada encontra. Ao invés disso, Falcão também chega ao local e o ataca, imaginando ser ele o atirador... mas percebe que está errado. O atirador fugiu. Através de Fury, Bucky, que é levado pelo Falcão, descobre um dos helicópteros para onde o provável atirador fugiu. De fato, dentro de um deles está... Ossos Cruzados. Vendo seu helicóptero sendo atingido e o piloto perder o controle, o vilão salta sobre Bucky, mas ele espanca Ossos Cruzados e, quando o Falcão chega, ele já está desacordado. Bucky precisa sair antes que os agentes da SHIELD apareçam. O Capitão América é levado para um hospital a algumas quadras da Corte. O Falcão acompanha a ambulância que leva o Capitão América. Em todos os meios de comunicação a notícia é veiculada.

No banheiro do hospital, Sharon é abordada por Pecado, a filha do Caveira Vermelha, que diz uma senha pós-hipnótica que a faz lembrar-se de um detalhe até então nublado em sua mente. Ela se lembra da correria após o primeiro disparo... e de conseguir chegar perto o bastante do herói... para efetuar os disparos à queima roupa. Sem que ela saiba, estava sendo manipulada pelo Doutor Faustus que, juntamente com o Caveira Vermelha, montaram o cenário ideal para derrubar seu inimigo.

O plano dos vilões deu resultado.

O Capitão América... está morto.

A+:

* Preparados para o Soldado Invernal?


sábado, 29 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 623


 - Iron Man / Captain America : Casualties of War (Fevereiro de 2007)

* "Rubicon", história escrita por Christos Gage, desenhada por Jeremy Haun e artefinalizada por Mark Morales

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Guerra Civil Especial n° 3 ("Rubicão")

Mansão dos Vingadores. Outrora lar dos maiores heróis da Terra. Atualmente desocupada, após o ataque da Feiticeira Escarlate. Steve, que conhece a propriedade, salta sobre seus altos muros e se encontra com seu oponente que já o estava esperando: o Homem de Ferro.

Essa "reunião" é secreta. O Capitão, acostumado a checar todos os canais de mensagens, lembrou-se dos protocolos de comunicação dos Vingadores para quando os canais normais estão comprometidos. Ele sabia não se tratar de uma armadilha. Tony não ousaria isso em um lugar que significou tanto para ele. É a última tentativa dos dois líderes conversarem, não só pelos velhos tempos, quando agiam em equipe, mas também pela tragédia que aconteceu com o Golias Negro. Por um lado, foi o robô simulacro de Thor criado por Stark quem matou o herói. Por outro lado, a batalha só se iniciou porque o Capitão América colocou um embaralhador na armadura do Homem de Ferro. Ambos reconhecem seus erros.

Ironicamente, eles se lembram do período conhecido como Guerra das Armaduras, quando o Homem de Ferro estava desafiando a lei para recuperar sua tecnologia e chegou a ser interceptado pelo Capitão América. Justamente a situação inversa. Steve pede que ele retire a máscara da armadura, pois só irá se dirigir ao homem dentro dela.

Eles tentam iniciar a conversa justificando a morte do Golias Negro, mas não parece ser um assunto para aquele momento. Stark olha para uma das paredes da mansão e se lembra de quando a atravessou, anos atrás. A primeira luta entre os dois heróis. Na época, o Homem de Ferro foi enganado pelo vilão chamado Camaleão, que o fez acreditar que Steve era um impostor. No episódio, acabaram se entendendo e selando a amizade com algumas palavras. Diferente do que poderia acontecer hoje.

Os dois ex-amigos relembram de momentos chave em suas carreiras e episódios que provam as vantagens e desvantagens da lei de registro. A tentativa de fazer os Jovens Vingadores desistirem de serem heróis por serem inexperientes. O fato de o Homem-Aranha perder Gwen Stacy por não ter treinamento adequado na época. A morte das famílias de Tigre Branco e do Agente Americano por terem revelado suas identidades. O desastre da morte das crianças, após o inexperientes Novos Guerreiros provocarem o vilão Nitro (motivo que serviu de estopim para que o governo aprovasse a Lei de Registro). 

Stark admite que pudesse ter sido ele a causar a tragédia... Não por inexperiência, mas pelo fato de que já foi um alcoólatra... e, mesmo bêbado, chegou a usar a armadura. A mesma situação onde um bêbado no volante de um carro causa um acidente fatal. Curiosamente, foi em um desses momento de bebedeira, em que o Homem de Ferro poderia ter causado uma tragédia, que o Capitão América o salvou do pior.

O Capitão lembra que as leis, mesmo as que parecem serem as corretas no momento em que são criadas, podem conter brechas para que futuros políticos, com intenções diferentes de quem as criou, possam tentar manipulá-las e, dessa forma, prejudicar aqueles que são atingidos por elas. Ele lembra Stark de um período em que sua armadura foi dominada e ele obrigado a matar um embaixador. Sob esse tipo de aspecto e manipulação, os heróis poderiam ser presos injustamente. Mas Stark ainda o questiona: e se eles fossem culpados realmente? Afinal, o ponto de vista de Stark é baseado no fato de que os heróis podem cometer erros e ele julga que o Capitão pense o contrário, pois é um herói feito para não cometer erros. Steve discorda. Ele também já cometeu erros. Mas Stark frisa que a visão de que o Capitão América não comete erros é a algo que está nos jovens heróis (e até nele mesmo) que acreditam na figura que ele represente. E acusa Steve de estar usando isso a seu favor. Steve fica indignado com a acusação e o lembra de que é ele que está oferecendo plano de saúde e salário para os heróis que apoiarem o registro. Os interesses de Stark sempre vêm em primeiro lugar para ele, como quando ele decidiu que a Suprema Inteligência Kree deveria ser sacrificada por não estar tecnicamente viva (durante o evento Tempestade Galáctica). Ou quando ofereceu um novo escudo para o Capitão, quando o governo lhe tirou o uniforme, manipulando-o para que não impedisse seus ataques durante a Guerra de armaduras. Atitudes de deixar suas prioridades acima de qualquer coisa... da mesma forma que um alcoólatra faria. Stark acha essa observação mais pessoal do que aparenta. Afinal, o pai de Steve era alcoólatra.

Stark revela a Steve que a alternativa para a Lei de Registro, proposta pelo governo, era ativar dezenas de sentinelas para caçá-los, implantarem circuitos inibidores de seus poderes e testando a própria população para controlar qualquer herói em potencial. O Capitão lembra que poderiam lutar para que isso não acontecesse. Stark diz que apoiar a Lei de Registro é uma forma de ele lutar para que isso não aconteça. A verdade é que Stark não aguenta mais aquela situação. Tudo que ele queria é saber o que falar para que aquela situação acabasse. Ele não apoia o que o Capitão está fazendo, pois, além de acreditar na Lei de Registro, sabe que outro herói tomaria a frente. E o Capitão não aceita deixar de ser a resistência, pois sabe que se desistisse agora, todos poderiam parar atrás das grades.

A conversa chegou a um impasse. Steve desiste. Stark tenta detê-lo, mas isso não é uma boa ideia. Infelizmente, agora tentam resolver de outra forma. Stark deixa sua armadura e Steve deixa seu escudo. Dessa vez, lutam de igual para igual. Cada golpe é sentido mais dolorosamente do que se imagina. Stark se sai bem justamente por ter sido treinado em combate pelo Capitão. O mesmo Capitão América que, na época desse treinamento, encontrava-se perdido por acabar de ressurgir em uma época que não era a sua e finalmente encontrou algum propósito junto ao primeiro verdadeiro amigo que fez. Ao final, cada qual seguindo para seu caminho, ambos perdem... pois percebem que deveriam ter conversado antes dessa guerra começar.
ÂmagoNews:

* Falando sobre uma das histórias mais violentas dos X-Men do final dos anos 70. É a décima parte sobre os X-Men de Chris Claremont e John Byrne: O Bebê de Moira McTaggert

sexta-feira, 21 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 622

- Winter Soldier : Winter Kills (Fevereiro de 2007)

* "Winter Kills", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Lee Weeks, Rick Hoberg e Stefano Gaudiano

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Guerra Civil Especial n° 3 ("Inverno de Morte") e no livro Marvel Deluxe: Capitão América n° 3 - A Morte do Sonho

Véspera de Natal de 1944.

Esse foi o último natal antes da Guerra terminar. O último natal de que Bucky Barnes se lembra. Ele e Centelha se preparam para ir a uma festa. Steve Rogers prefere ficar a analisar alguns planos de ataque.

Hoje.

O Soldado Invernal passa por seu primeiro Natal desde que foi reanimado após a Guerra. Nunca havia reparado, pois todos esses anos sua vontade estava sendo controlada. Caminhando pela cidade, sozinho, ele recebe uma ligação de Nick Fury solicitando que vigie um ataque de três integrantes dos Vingadores Jovens (Patriota, Gaviã Arqueira e Visão) que estão prestes a invadir um depósito, imaginando ser de Tony Stark. Na verdade, o local é mais uma das bases da Hydra.

Apesar de ser recebido com um ataque dos três (pois ainda não o conhecem e imaginam ser um dos heróis pró-Lei de Registro), ele acaba conseguindo passar a mensagem de Nick Fury e revelar o que se trata o armazém. Um dos guardas da Hydra acaba ouvindo a conversa mas é morto em seguida por uma flecha que o Soldado Invernal pegou da Gaviã Arqueira.

Após destruírem a base dos terroristas, Bucky segue para um cemitério onde visita o túmulo de Jack Monroe. Ele pede desculpas por tê-lo matado enquanto sua mente estava sendo controlada por Aleksander Lukin. Monroe tentou substituir o parceiro do Capitão América no passado, mas acabou enlouquecendo. Foi reanimado anos depois e se tornou o herói conhecido como Nômade. Até ser baleado pelo Soldado Invernal.

Os três jovens vingadores seguiram o Soldado Invernal até o cemitério. Visão utilizou seu banco de dados e descobriu que ele, na verdade, foi o Bucky original. Os três se sentem honrados em ter lutado a seu lado. Bucky os aconselha apenas que não deixem a luta contra o mal lhes tirarem as boas coisas a serem aproveitadas em suas vidas, relembrando os bons tempos daquele Natal em 1944, onde seu parceiro, Steve Rogers, finalmente se deu um tempo para a diversão (afinal, a Guerra ainda estaria lá no dia seguinte) e o ajudou no plano de arrumar uma garota para o tímido Centelha.

Em outro cemitério, Bucky encontra-se com Namor. Juntos eles visitam o túmulo de Thomas Raymond que, na Segunda Guerra, era o herói conhecido como Centelha. Bucky pergunta como seu amigo morreu, uma vez que Namor estava presente durante a batalha. Não é uma história curta. Mas Bucky não tem outro lugar para ir naquela noite.

quarta-feira, 19 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 621

 - Captain America n° 24 (Janeiro de 2007)

* "The Drums of War - Part Three", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Mike Perkins

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Os Novos Vingadores n° 48 ("Tambores de Guerra - Parte 3") e no livro Marvel Deluxe: Capitão América n° 3 - A Morte do Sonho

Apesar de estar sendo caçado pelo governo, Capitão América está preocupado em rastrear pistas de seu antigo inimigo, o Caveira Vermelha. Afinal, antes do incidente que matou as crianças em Stanford, o vilão declarou seu retorno ao atacar Londres.

Uma dica do foragido Nick Fury leva o Capitão até uma base da organização criminosa Hydra. Para se infiltrar, o herói veste o característico uniforme dos terroristas após derrotar duas sentinelas dessa base. Ao descobrir pistas importantes, outros integrantes o descobrem espionando. Descoberto, revela quem ele é e enfrenta uma horda de agentes da Hydra. Um dos terroristas aciona uma bomba, em uma atitude suicida, matando a todos na base. O Capitão América só escapa da explosão graças à proteção de seu escudo.

Assim que sai da base da Hydra, o Capitão América é abordado por agentes da SHIELD preparados para capturá-lo. Quando avançam sobre o herói, um pulso eletromagnético paralisa suas roupas especiais. É Sharon Carter, pilotando o aerocarro, que o resgata. Ela traz o aparelho desenvolvido por Fury para causar a pane na roupa dos agentes. O truque não irá durar muito tempo, já que Tony Stark irá redesenhar os uniformes depois desse ataque. Desde a morte do Golias Negro durante uma batalha entre os heróis, Sharon está convencida de que o lado do Capitão América está certo. 

Levando em conta que Tony Stark tem recrutado até mesmo vilões para capturar os heróis que não concordam com a Lei de Controle, o Capitão América se pergunta se Tony não seria capaz de se aliar a própria Hydra para chegar a seu intento.

terça-feira, 18 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 620

 - Captain America n° 23 (Dezembro de 2006)

* "The Drums of War - Part Two", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Mike Perkins

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Os Novos Vingadores n° 46 ("Tambores de Guerra - Parte 2") e no livro Marvel Deluxe: Capitão América n° 3 - A Morte do Sonho

O Soldado Invernal invade uma das sedes da SHIELD, disfarçada de um pequeno prédio na periferia, e chega até o centro de monitoramento. Ao ficar só em uma das salas, ele é atacado por Nick Fury. Mas, conseguindo dominá-lo, desativa-o, revelando ser um modelo de vida artificial que imita o ex-agente da SHIELD. O Soldado Invernal então ativa um dispositivo que revela uma imagem holográfica do verdadeiro Fury. A missão é injetar uma espécie de vírus que faça com que o modelo de vida artificial seja controlado por Fury, dando-lhe acesso às informações da SHIELD.

Pelos monitores, ambos assistem a batalha do Capitão e seus Vingadores Secretos contra os heróis que apoiam a Lei de Registro. Para Bucky, não é exatamente isso que a América representa. Ele, na verdade, se mostra desconfortável por ser um dos responsáveis pelo atentado em Filadélfia. Fury cita que o próprio Bucky, indiretamente, foi responsável pela criação dos sósias robóticos, depois que o Soldado Invernal executou um oficial americano em 1959. Bucky tem acesso a registros da SHIELD que monitoram Aleksander Lukin e descobre que o empresário está mantendo algum tipo de negociação com a Latvéria, mais especificamente com o ditador daquele país, o Doutor Destino.

Para sair do prédio sem ser perseguido, o Soldado Invernal arma uma imagem holográfica de um velho aliado do Capitão América, Demo, para que os agentes responsáveis pela sua captura sejam atraídos. Quando os agentes se aproximam, Bucky os ataca e rouba um dos capacetes de seus uniformes especiais. Na verdade, isso é um pedido de Fury, para que possa analisá-lo e criar um contra-ataque capaz de desligar tais uniformes. 

Por um momento, notando que está próximo a uma embaixada da Latveria, Bucky se sente tentado a ir atrás de mais pistas de Lukin (o qual ainda deseja se vingar por ter sido controlado durante décadas). Fury o alerta que esse não é o momento. 

Na Latvéria, o Caveira Vermelha (Lukin sendo controlado pela mente do vilão) se encontra com o Doutor Destino. O resultado dessa reunião será entregue a Kronas, empresa de Aleksander Lukin. Esse é apenas o início de um plano que irá destruir o Capitão América... muito mais do que a Guerra Civil que ele trava no momento.

Continua...
A+:

* Esta história se passa antes da prisão do Capitão América.

ÂmagoNews:

* Falando sobre ideias mecânicas... que não eram lá tão avançadas: Eu, Bat-Robô

segunda-feira, 17 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 619

 - Captain America n° 22 (Novembro de 2006)

* "The Drums of War - Parte One", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Mike Perkins

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Os Novos Vingadores n° 46 ("Tambores de Guerra - Parte 1") e no livro Marvel Deluxe: Capitão América n° 3 - A Morte do Sonho

Devido a seu relacionamento com Steve Rogers, Sharon Carter é pressionada pela SHIELD para dialogar com o Capitão América, após sua recusa em aceitar a Lei de Registro. Sharon até era a favor da lei, mas vê a maneira como o herói é cercado pelos agentes e repensa o que estão fazendo. 

Os dois já tinham o costume de deixar mensagens em locais escondidos na cidade e ela usa esse meio para marcar um encontro com ele, agora que está foragido. Para a SHIELD, ela estaria o atraindo para uma armadilha. Mas suas intenção é outra, apesar de ela querer conversar sobre o que está acontecendo. Ela até tenta fazê-lo mudar de ideia, mas o herói é irredutível. Ele, mais do que ninguém, sabe o que é tornar a identidade de herói publica. Fora que ele aceita o fato de ser o Capitão América diante da população, isso lhe privou de ter uma vida particular. Sequer pode pensar em ter vizinhos, pois poderia arriscar a vida de pessoas inocentes. A verdade é que ele não acredita em políticos que criam as leis, pois muitos dos interesses deles são manipulados por controles corporativos. Para Sharon, se o Capitão América não respeita as leis, quem respeitará? Mas isso só aumentar o senso de responsabilidade que ele tem para com a situação.

Ele tem que partir. Ela teme que não o veja mais. Enquanto isso, agentes especiais da SHIELD chegam para efetuar a prisão do herói. Porém, quando disparam contra o apartamento... nada encontram. Sharon lhes deu a localização errada.

Continua...
A+

* Esta história se passa momentos antes da prisão do Capitão América.

domingo, 16 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 618


 - Civil War n° 7 (Janeiro de 2007)

* "Civil War, Parte Seven", história escrita por Mark Millar, desenhada por Steve McNiven, artefinalizada por John Dell III, Tim Townsend e Dexter Vines

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Guerra Civil n° 7 ("Guerra Civil - Parte 7") e no livro Marvel Deluxe: Guerra Civil

Após o brado de "Avante, Vingadores", dado pelo Capitão América, a última batalha se inicia. Antes que a prisão seja isolada novamente na Zona Negativa, Manto faz um arriscado teleporte e manda todos os heróis para vários metros das ruas de Nova Iorque. O Capitão América alerta para que os heróis que voam resgatem algum amigo que não possa voar. O Capitão América é espancado e dominado pelos vilões dos Thunderbolts. Ainda assim, o herói sorri diante da ajuda que se aproxima: Namor e sua guarda atlante.

E, novamente, o Capitão América e Homem de Ferro ficam frente a frente. Antes que Stark ataque, o Capitão América usa de seu trunfo. O androide Visão usa sua intangibilidade e atravessa a armadura do herói, causando um pane.
 É a chance que o Capitão América tem de atacá-lo. Ele atinge o Homem de Ferro com o escudo até seu elmo se partir. Surpreendentemente, o Capitão América é dominado por cidadãos comuns que o impedem de continuar batendo em Stark. Mas o motivo é bem simples e esses cidadãos mostram a verdade ao herói. Toda a cidade a sua volta está destruída. Eles não estão mais lutando pelas pessoas. Estão apenas lutando.

Com lágrimas nos olhos, o Capitão compreende que não há justificativa para aquela loucura. É então que ele se entrega, ou melhor, tirando sua máscara, Steve Rogers se entrega para a polícia e ordena que suas tropas se acalmem.

Os Vingadores Secretos do Capitão América perderam.

sábado, 15 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 617


Arte original de Steve McNiven. Clique na imagem para vê-la com mais detalhes
 - Civil War n° 6 (Janeiro de 2007)

* "Civil War, Parte Six", história escrita por Mark Millar, desenhada por Steve McNiven, artefinalizada por John Dell III, Tim Townsend e Dexter Vines

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Guerra Civil n° 6 ("Guerra Civil - Parte 6") e no livro Marvel Deluxe: Guerra Civil

O Justiceiro está invadindo o Edifício Baxter e relata a evolução de sua missão para o Capitão América. Ele já está no andar trinta e oito e nenhum dos alarmes tocou. O Justiceiro tem que ter um imenso cuidado em não tocar nas esferas em sua volta. Se fizer isso, todo o sistema de segurança o atacará, como se ele fosse um organismo invasor. Sue Richards revelou que seu marido baseou-se no sistema imunológico humano para criar esse sistema de segurança. O sistema dessa semana. O Justiceiro usa uma roupa especial que o deixa invisível para todas as câmeras e lasers.  Na verdade, ele roubou a roupa de um dos depósitos de Tony Stark.

Chegando à base de dados do Baxter, o Justiceiro terá que conseguir o máximo de informação sobre a prisão conhecida apenas como 42, que está mantendo todos os prisioneiros na dimensão conhecida como Zona Negativa. O Capitão América só se preocupa se o Justiceiro consegue pegar o que precisa sem matar ninguém. O que Castle descobre é que a prisão é mais instransponível do que imaginavam.

Os Vingadores Secretos se preparam para atacar e recrutam o máximo de heróis não registrados possível. Uma das faltas é Namor, que prefere não se envolver. Em compensação, o casal Pantera Negra e Tempestade, em resposta ao que aconteceu ao Golias Negro, irá apoiá-los. O Homem-Aranha agora está com os secretos e não está mais utilizando o uniforme criado por Stark. A ideia é entrar na prisão da Zona Negativa através da Ilha Ryker, antes que os grupos governamentais empreendam seu último e grande ataque.

Cascavel surpreende a todos trazendo os vilões Inseto Dourado e Saqueador para o grupo. Na verdade, a comunidade de vilões está ainda mais preocupada com a guerra de Tony Stark e decidiram ajudar os secretos. Afinal, Stark também tem seu grupo de vilões, representados pelos Thunderbolts. A resposta para essa proposta vem das armas do Justiceiro, que executa os dois vilões na frente de todos. Capitão América esmurra o Justiceiro e o acusa de assassino. O Justiceiro, por sua vez, diz que fez isso por se tratarem de vilões, ladrões e assassinos. Enfurecido, o Capitão América espanca o Justiceiro, que não reage devido ao respeito que tem para com o herói. O Capitão quer o Justiceiro fora do grupo, porém detido. O Homem-Aranha explica que Castle não reagiu devido ao Capitão ter sido a inspiração que o levou ao Vietnã. De certa fora, o Justiceiro seria uma espécie de Capitão América de outra guerra. Já o próprio Capitão América discorda da observação, julgando o Justiceiro como apenas um louco.

A Mulher Invisível usa seu poder para deixar os secretos invisíveis e, assim, eles conseguem invadir a Ilha Ryker. Pantera Negra ajuda a neutralizar a segurança do local. Mas o sentido do Homem-Aranha prevê grande perigo. De fato, um enorme grupo de heróis e vilões liderados pelo Homem de Ferro chega ao local. A emboscada aconteceu graças a uma espiã no grupo do Capitão. Mas o Capitão América estava ciente da traição de Tigresa. O Homem de Ferro não entende, pois somente ele, Reed Richards e Hank Pym sabiam sobre ela. O Capitão América só teve conhecimento, pois também tem seu espião no grupo de Stark. Hank Pym. Na verdade, o verdadeiro doutor Pym está sedado e o que se encontra no grupo é o jovem vingador Hulkling que é capaz de mimetizar quem quiser. Inclusive lhe dando acesso às celas da prisão 42.

O cenário para a última batalha está armado.

Continua...

sexta-feira, 14 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 616


 - Civil War n° 5 (Dezembro de 2006)

* "Civil War, Parte Five", história escrita por Mark Millar, desenhada por Steve McNiven, artefinalizada por Dexter Vines

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Guerra Civil n° 5 ("Guerra Civil - Parte 5") e no livro Marvel Deluxe: Guerra Civil

Johnny Storm (Tocha Humana) e Sue Richards (Mulher Invisível) se juntam ao grupo do Capitão América. O grupo perdeu, recentemente, Manto e Adaga. Com isso, a capacidade de teleporte que tinham já não existe mais. Para cada herói que conseguem para seu lado, outro é preso. A reunião para montarem estratégias é abruptamente interrompida com a chegada do Justiceiro... que traz o Homem-Aranha em seus braços, gravemente ferido. O Homem-Aranha se voltou contra o grupo do Homem de Ferro e a SHIELD utilizou o grupo chamado Thunderbolts, formado por vilões controlados pelo governo, para caçar o herói.

O Justiceiro não tem exatamente uma boa fama entre os heróis e muitos deles não se sentem a vontade em aceitá-lo no grupo. Ele, no entanto, diz que tem um plano para colocá-los dentro do Edifício Baxter. Cabe ao Capitão América decidir se aceita o Justiceiro no grupo.

Continua...

quinta-feira, 13 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 615


 - Civil War n° 4 (Outubro de 2006)

* "Civil War, Parte Four", história escrita por Mark Millar, desenhada por Steve McNiven, artefinalizada por Dexter Vines

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Guerra Civil n° 4 ("Guerra Civil - Parte 4") e no livro Marvel Deluxe: Guerra Civil

O Homem de Ferro já bateu tanto no Capitão América, que a mandíbula do herói está praticamente pendurada. Stark pede que ele se renda para que a SHIELD possa providenciar atendimento médico. Mas o Capitão não tem intenção nenhuma de se render. É então que o Homem de Ferro avisa seus aliados para que ativem seus bloqueios auditivos e dispara uma potente rajada sônica. Potente o bastante para desligar um cérebro humano. O Capitão América, no entanto, ainda resiste. Quando o Homem de Ferro está prestes a dar o golpe de misericórdia... Hércules o impede.

Falcão consegue resgatar o desacordado Capitão América e ordena que Cable entre em contato com a mente de Manto e ative o teleporte para tirar todos dali. Thor, que surpreendeu a todos com seu retorno, está diferente. Ele ataca sem nenhuma piedade. A ponto de matar o Golias Negro com um disparo de seus raios. Em seguida, ele dispara uma rajada fatal contra o grupo de vingadores secretos... mas um campo de força os salva. Sue Richards, a Mulher Invisível do Quarteto Fantástico. Em seguida, os rebeldes desaparecem no teleporte de Manto.

No Quartel General dos Vingadores Secretos, há integrantes que estão pensando em se entregar. O Capitão América, que tem suas feridas sendo tratadas, não concorda. Muitos dos quais não concordam com a lei de registro já foram para a tal prisão 42, criada por Reed Richards, mas muitos que apoiavam a lei agora estão do lado dos secretos. O Capitão ainda avisa que o que os atacou não era o Thor, mas alguma criação para o exército inimigo. Mesmo assim, alguns deles decidem deixar o grupo. Isso significa que é hora dos secretos trocarem de base.

Continua...


Âmago News:

* Falando um vilão transtornado pelo tédio: Domingo no Parque


quarta-feira, 12 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 614



 - Civil War n° 3 (Setembro de 2006)

* "Civil War, Parte Three", história escrita por Mark Millar, desenhada por Steve McNiven, artefinalizada por Dexter Vines e Mark Morales

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Guerra Civil n° 3 ("Guerra Civil - Parte 3") e no livro Marvel Deluxe: Guerra Civil

Os "Vingadores Secretos", como é chamado o grupo de heróis liderados pelo Capitão América que são contra a lei de registro, continuam atuando. Entre outros feitos, eles detêm o novo Sexteto Sinistro. Graças a Nick Fury, os heróis agora se escondem sob novas identidades secretas. Steve Rogers agora é Brett Hendrick, supervisor da segurança de um Shopping no Queens. Isso é necessário para terem um lugar para onde ir quando não estiverem agindo como heróis.

Existem pequenos detalhes que incomodam ainda mais o Capitão América. A Fundação Faça Um Desejo realiza o sonho de algumas crianças e o Capitão havia prometido jogar beisebol no quintal de uma delas. O problema é que, se aparecer, vários agentes federais estarão presentes para prendê-lo. Essas são as pequenas coisas que o governo roubou deles. Pequenas coisas que os tornam quem são.

Golias Negro, que acompanha o herói, igualmente disfarçado, junto ao Demolidor e Hércules, identifica uma chamada de emergência. Incêndio em uma instalação petroquímica próxima ao rio Hudson. Aproximadamente trezentas ou quatrocentas pessoas presas lá dentro e estão mandando Manto e Adaga para teleportá-los. Os quatro se esgueiram por becos para trocar de uniforme e seguir para o local.

O grupo de heróis chega até a instalação, mas Cable não localiza nenhum sinal de pânico. Ele pisa em uma placa caída no local, que está em chamas, e percebe que é uma armadilha. A instalação pertence a uma divisão das Indústrias Stark. Após acertarem os vingadores secretos com dardos, Homem de Ferro aparece com seu grupo formado por heróis que já se registraram. Aqueles que foram atingidos pelos dardos tranquilizantes (Manto e Wiccano) estão gelados e agora não podem teleportar o grupo de volta.

O Homem de Ferro não tenciona prender o grupo. Convenceu a SHIELD a fornecer uma espécie de anistia aos heróis não registrados, para que tenham tempo de mudar de ideia. Para o Capitão América, isso é o mesmo que rendição. O Homem-Aranha lembra que os únicos que lucram quando heróis brigam são os vilões. O Capitão lembra que são os mesmos vilões que agora sabem o endereço de Mary Jane, agora que o Aranha revelou sua identidade em rede nacional. Homem de Ferro pede apenas cinco minutos para explicar melhor sobre seus planos com a lei de registro. Capitão América olha para sua mão estendida e para as naves da SHIELD sobre o local... e decide apertar a mão do Homem de Ferro, dando-lhe seus cinco minutos. Porém, quando o Homem de Ferro olha para sua mão... há um dispositivo preso nela. Um embaralhador eletrônico desenvolvido pela equipe de tecnologia de Nick Fury, criado para o caso do Homem de Ferro enlouquecer. A confusão está armada e os dois grupos se enfrentam.

O Homem-Aranha, agora com uma nova roupa desenvolvida por Stark, consegue capturar o escudo do Capitão América em pleno ar e redirecioná-lo para os vingadores secretos. Logo em seguida, utilizado o modo de camuflagem dessa nova roupa, ele parece desaparecer... para aparecer novamente e golpear o Capitão com seu próprio escudo. O Homem de Ferro se recupera do dispositivo que deu pane em sua armadura e ataca o Capitão. Stark gravou cada movimento de luta do seu ex-colega e a armadura não só antevê como o golpeia da mesma forma.

De repente, um raio atinge a todos e um poderoso herói chega em meio a batalha. Thor está de volta.

Continua...

ÂmagoNews:

* Falando sobre vilões temáticos: Tubarão!




terça-feira, 11 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 613



Clique na imagem para ver esta arte com mais detalhes
  - Civil War n° 2 (Agosto de 2006)

* "Civil War, Parte Two", história escrita por Mark Millar, desenhada por Steve McNiven, artefinalizada por Dexter Vines

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Guerra Civil n° 2 ("Guerra Civil - Parte 2") e no livro Marvel Deluxe: Guerra Civil

Abutre com o nariz quebrado, amarrado juntamente com outro vilão, o Ceifador. Até agora, foram quinze supercriminosos presos de forma semelhante. Muitos atribuem os ataques ao agora foragido Capitão América. O problema é que nem mesmo ele poderia conseguir tal feito sozinho. Isso significa que está tendo apoio de outros heróis, que também estão agindo na clandestinidade. Para o Homem de Ferro, a lei de registro de super-heróis irá separar os verdadeiro heróis das crianças, amadores e sociopatas que colocam a população em risco. No entanto, o Capitão América não está em nenhum desses grupos. Seu ex-colega de Vingadores está apenas errado. Vinte minutos antes de a lei ser aprovada, a única notícia sobre o Capitão América é que ele continuava foragido e reunindo seu próprio grupo.

Vinte e quatro horas depois da aprovação da lei de registro, uma operação da SHIELD captura os jovens heróis conhecidos como Jovens Vingadores e os leva para uma base especialmente construída para quem tem superpoderes. No caminho, um dos agente joga conversa fora, apoiando o que vem sendo feito. Ele cita um boato, de que há uma prisão especial chamada "quarenta e dois", onde os superpoderosos serão presos. Um local tão secreto que nem mesmo os agentes podem ver as plantas. Para a surpresa do agente falastrão, o motorista que leva os Jovens Vingadores o chuta da cabine assim que ele revela esse boato.

Outros agentes que acompanham os heróis presos se revelam integrantes do grupo de resistência do Capitão América. Utilizando os poderes de encantamento do jovem vingador Wiccano, o grupo consegue se teletransportar para uma base secreta. Trata-se de um antiga base de SHIELD, uma das muitas espalhadas e que só é de conhecimento de agentes de altíssima patente. Para a sorte do grupo, o próprio Nick Fury, ex-agente da SHIELD, foi quem revelou essa base e está dando apoio ao grupo de resistência. Por enquanto, é ali que o grupo de heróis irá viver e se preparar para o grande plano que Tony Stark está preparando com seu grupo.

Na TV, em rede nacional, Tony Stark discursa, juntamente com uma das mães das crianças que morreram na escola atingida pelo poder de Nitro, sobre a lei de registro. O trunfo de Stark chega em seguida. O Homem Aranha diz apoiar a lei e, para provar que estão certos... tira sua máscara e revela sua identidade diante das câmeras.

Continua...
ÂmagoNews:

* Falando sobre o esquadrão da morte de um homem só: 40 Anos de Punição 

segunda-feira, 10 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 612




 - Civil War (Julho de 2006)

* "Civil War, Parte One", história escrita por Mark Millar, desenhada por Steve McNiven, artefinalizada por Dexter Vines

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Guerra Civil n° 1 ("Guerra Civil - Parte 1") e no livro Marvel Deluxe: Guerra Civil

Vários heróis auxiliam no resgate dos corpos de crianças, pegas em meio a uma batalha dos heróis conhecidos como Novos Guerreiros, que mantém uma espécie de reality show onde prendem criminosos, e alguns vilões. Entre esses vilões estava Nitro, capaz de explodir seu próprio corpo e que utilizou seu poder quando foi encurralado por uma integrante dos Guerreiros. Com isso, acabou vitimando as crianças que estavam na escola logo atrás deles. Nitro fugiu da cidade na caçamba de uma pick-up. No total, há cerca de oitocentas vítimas. Para piorar, o país todo viu quando Speedball, líder dos Guerreiros, transmitia o início da batalha, dizendo que estavam apenas atrás de audiência.

O incidente é a gota d'água para que o presidente apresente a solução de registrar todos os heróis uniformizados como agentes federais. Essa proposta vai à votação em duas semanas e pode virar lei em pouco mais de um mês. A notícia tem impacto de diversas formas. Enquanto um grupo de heróis se reúne no Edifício Baxter, sede do Quarteto Fantástico, para discutir sobre o assunto, o Capitão América responde a um chamado de Maria Hill, comandante da SHIELD. Ela teme que alguns heróis possam tomar medidas extremas. Capitão América acredita que haverá quem apoie e haverá quem seja contra. Na verdade, teme que o assunto os divida a tal ponto de causar uma espécie de guerra entre heróis, uma vez que os apoiadores se tornarão agentes federais que poderão perseguir aqueles que são contra. Inclusive, ele imagina que muitos deles sejam contras. Heróis que trabalham perto das ruas, como Demolidor e Luke Cage, poderão estar entre o grupo que é contra. Maria Hill fica feliz em saber que são heróis com os quais o Capitão América pode lidar.

A SHIELD está desenvolvendo uma unidade de resposta anti-super-humanos, mas precisa ter certeza de que os Vingadores estão do lado deles... com o Capitão América os liderando. Porém, o herói não está interessado, uma vez que poderá haver, no futuro, manipulação política suficiente para que determinem quem são os vilões, quando, na verdade, isso só atenderá os interesses do próprio governo. Para Maria Hill, supervilões são mascarados que se recusam a obedecer à lei... algo que o Capitão América está fazendo nesse momento. O Capitão América é cercado por um esquadrão de ataque da SHIELD. O herói ordena que os soldados abaixem as armas, mas Hill frisa que ele não está no comando e pede para prepararem os tranquilizantes. O Capitão reage e consegue sair daquele local. Ele acaba em cima da cabine de um caça e força o piloto a tirá-lo dali.

Continua...
A+:

* A TV que transmite a empreitada dos Novos Guerreiros chama-se MRVL Network, uma brincadeira com o nome MaRVeL.

domingo, 9 de março de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 611

 - Captain America n° 21 (Outubro de 2006)

* "Twenty-First Century Blitz Conclusion", história escrita por Ed Brubaker, desenhada por Steve Epting

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Os Poderosos Vingadores n° 44 ("A Blitz do Século Vinte e Um - Conclusão) e no livro Marvel Deluxe: Capitão América n° 2 - A Ameaça Vermelha.

O gigantesco Hibernante está destruindo Londres e o Capitão América precisa abatê-lo. Vendo que o enorme robô praticamente desintegrou um avião, o herói pede que Sharon, que está no aerocarro da SHIELD, saia dos céus. Ela obedece, mas não sem, antes, "atropelar" o Grande Mestre, que sobrevoa o local. Seu aerocarro despenca, mas ela, mesmo ferida, consegue sobreviver.

Union Jack e Spitfire estão no teto de um edifício e o Capitão explica que o Hibernante é um antigo "brinquedo" do Caveira Vermelha. Ainda confuso, imaginando se seu antigo inimigo está vivo ou não, o herói vê algo que não gostaria logo à frente. Alguém salta de um edifício diretamente contra o Hibernante. Bucky! O Capitão ordena que o casal de heróis ingleses encontre o Grande Mestre enquanto ele tenta salvar Bucky (que, aparentemente, está subestimando o poderio do Hibernante).

O Capitão América consegue tirar Bucky da frente dos olhos do Hibernante, antes que ele dispare uma rajada de energia. Bucky se lembrou da criatura de quando haviam enfrentado algo parecido em Eisendorf, na Segunda Guerra. Acontece que esse atual é uma versão mais aprimorada. Concluindo que pode ser um alvo secundário, o Capitão América tenta atrair o Hibernante para que ele fique longe dos prédios. Enquanto isso, o herói ordena que Union Jack e Spitfire enfureçam ainda mais o poderoso Grande Mestre, que foi encontrado pelo casal. E eles fazem isso até ele, cego de raiva, se atirar contra Spitfire, que usa sua supervelocidade para sair da frente, fazendo com que o vilão atravesse a cabeça do Hibernante. Isso não detém o monstro, mas agora há uma abertura em sua fuselagem.

Seguindo o que havia planejado, Capitão América entrega uma granada concussiva para Bucky enquanto ele distrai o Hibernante. Não há tempo para combinarem uma estratégia melhor, como antigamente. O robô dispara uma rajada contra o herói, que a reflete com seu escudo para a perna do mesmo, fazendo-o cair. É quando Bucky joga a granada pela abertura. Mesmo assim, o robô ainda consegue destruir o braço mecânico de Bucky com uma última rajada, antes de explodir e cair no rio Tamisa. Após a confusão, no entanto... Bucky desaparece.

Mais tarde, Lukin dá uma declaração à imprensa de que Londres foi palco de uma batalha entre superpoderosos e que faria o possível para impedir esse tipo de intervenção. A notícia coincide com um controle do mesmo tipo que o Congresso americano estaria arquitetando. Steve e Sharon se despedem de Joe e Jackie. Questionado por Sharon sobre como foi atuar, novamente, ao lado de Bucky, Steve diz que foi normal... como nos velhos tempos. Ela o conforta dizendo que ele vai voltar... apenas se encontra em uma situação complicada.
A+:

* Cenário todo montado para homenagear as antigas histórias do Capitão América e Bucky, quando a dupla lutava contra nazistas na Europa, com direito ao velho esquema do Caveira Vermelha em utilizar um robô Hibernante. O escritor Ed Brubaker demonstra que ainda há muito mais a ser desenvolvido e que não irá entregar tão rapidamente o que planeja para a série.

* O ultimato de Aleksander Lukin, em conjunto com a nova lei de controle de superpoderosos nos Estados Unidos, é o início dos acontecimentos que levariam ao evento conhecido como Guerra Civil, onde heróis se desentenderiam e se dividiriam em grupos pró e contra essa lei.

* A capa dessa edição é uma referência ao incidente no qual Bucky tentou desarmar a bomba lançada pelo Barão Zemo na Segunda Guerra (e onde ele foi dado como morto desde então). Aqui, ele passa por uma situação semelhante tentando desarmar o novo robô hibernante do Caveira Vermelha.

GALERIA
* Sorridente fiquei eu ao receber essa versão do Capitão América da luminosa e talentosa Ana Rocha.

Formada em cinema e tendo participado de diversos projetos de animação, atualmente trabalha como storyboarder e quadrinhista. Suas conquistas não são poucas. Entre elas, foi assistente de animação de "Asterix e os Vikings", lecionou na Quanta Academia, cuidou de storyboards de O Sítio do "Pica-Pau Amarelo" e com a HQ "Maya e os Invasores” pronta, da qual é autora, apenas aguardando uma "casa editorial" onde possa publicar seu trabalho.

Para conhecer mais de sua fantástica arte, visite sua página ( http://anarochaart.com/ ) e também a acompanhe pelo Facebook ( https://www.facebook.com/anarochaart ). E se preparem para se surpreender.