quarta-feira, 24 de setembro de 2014

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 766

Arte de capa por John Romita Jr.
 - Captain America n° 7 (Julho de 2013)

* "Ashes of Our Fathers", história escrita por Rick Remender, desenhada por John Romita Jr., artefinalizada por Klaus Janson, Scott Hanna, colorizada por Dean V. White, editada originalmente por Tom Brevoort

Publicada no Brasil, pela Editora Panini, na revista Capitão América & Gavião Arqueiro n° 6 ("As Cinzas de Nossos Pais"), letreirizada por Gisele Tavares, traduzida por Fernando Lopes e Jotapê Martins e editado por Paulo França

Dois anos atrás...

Ian pergunta a Steve se não sente falta da vida que deixou pra trás, na Terra. Ele responde ao garoto que seu pai lhe dizia não valer a pena perder tempo falando sobre algo que não se tem, que devia se concentrar no que tinha... e seu filho era tudo que tinha naquele mundo. Aquele momento a sós, sentir o sol, a luz refletida sobre o rio depois de um simples dia de trabalho. Ele era feliz com coisas simples como aquela. Steve nunca havia falado de seu pai para Ian. O garoto está curioso em saber mais sobre o "avô". Steve pondera... e diz que ele se deixou definhar por aqueles duros tempos... mas ele era um bom homem. Durante todo esse tempo, Steve se deu conta que estava se convertendo em um pai para Ian. Isso lhe traz velhas recordações. O ajuda a entender melhor a pressão que recai sobre um pai. Seu pai não queria, mas sua incapacidade para manter sua família naqueles duros dias... o privou de seu orgulho e mais tarde de sua fé. Ele não pôde superar. Passou a beber, acreditando que era a única forma de superar a situação. E, com o tempo, simplesmente desapareceu...

Ian lhe pergunta sobre essa situação. Sobre perder a esperança. E se não pensa que um dia poderia acontecer com ele. Mas Steve passou muito tempo afastando-se dessa sombra, tentando ser forte cada vez que se sentia fraco. Também se perdeu sendo um escravo de um ideal e perdendo a noção do dever. E, por sua vez, abusou daqueles que amava. Ficou inacessível para eles. Mas esse tempo se foi e ele jamais deixará que nada o separe de seu filho.

Hoje.

Os guardas mutantes de Zola chegam até o quarto de Jet. Steve se concentra no fato de que não são humanos... não são reais... são criações de Zola. Não são seres naturais. Seres malvados. Demônios entre ele e seu filho. Por isso, não se contém ao decapitá-los. Demoníacos... mas um deles quase o possuiu. Quase não pôde contê-lo. Seu corpo está no limite... próximo ao colapso total. Steve quase não tem fôlego. Ele sente seu peito arder. Se sente inquieto. Espasmo muscular... depois do esforço sobre-humano. Acabaram suas reservas de adrenalina. Mas ele se esforça... levanta-se... Ele sempre se levanta.

O laboratório de Zola está no alto da torre, como ele se lembra muito bem. Foi ali que ele salvou Ian do vilão. Steve sabe o bastante sobre Zola. Os mutantes já devem ter encontrado Jet, amarrada em seu quarto. Estarão esperando. Preparados para lutar. Uma luta que Steve não lhes dará. Ele apenas quer tirar Ian daquele manicômio. E de algum modo irá conseguir. Levá-lo para casa. A casa pelo que tanto sonha, pelo que tem lutado. Lutado para regressar a normalidade. 

Quando Steve está prestes a invadir o laboratório... um dos seus clones deformados o ataca. Ambos caem. A criatura, com movimentos vagarosos, morre empalada. Steve escapa graças a seu escudo. Custa-lhe respirar. Seu ombro foi deslocado. Mas ele tem que ignorar a dor, se levantar. Salvar seu filho.

No laboratório abaixo, Jet o espera diante de uma ponte. Ele não quer perder a esperança de que vai atingir seu objetivo... não irá fraquejar em seu empenho. Essa é sua principal diferença entre ele e Zola. Mas... o que Jet fará a respeito? Jet consegue ampliar seus sentidos. Ela ouve o coração se Steve... fraco... exausto... Ele lhe pergunta se... usando esses seus sentidos ampliados, ela pode ouvir o povo capturado em suas celas. Ouvir que estão assustados, esperando uma morte sem sentido. Sentir seus medos. Mas Steve também pode ouvir algo escondido na voz de Jet: a dúvida. Ainda assim eles lutam. Ele pede para ela ajudá-lo a salvar aquele povo. A salvar Ian.

Durante a luta, uma cela de contenção se abre. Steve só tem um cabo que lhe servirá para o salvamento. Prendendo o cabo na ponte e se jogando para pegar o alienígena no ar, ele percebe o líquido fervente abaixo... e o cheiro... deles. Dissolvidos naquele caldo. Steve consegue salvar a fêmea e percebe que ela está chorando. Ela chorava enquanto observava sua gente cair no líquido quente. Esperando sua vez. Pendurados, agora eles só contam com a ajuda... de Jet. Steve pede que ela puxe a corda... antes que caia outro. Ele a lembra que não é sua culpa o que Zola lhe fez. Ele sabe muito bem de suas noites sem dormir. Sabe que não se sente bem. Mas se ficar impassível, a culpa só aumentará. Por fim... ela os puxa.

Jet lhe pergunta sobre a náusea em seu ventre e a pressão em seu peito. Ele explica que isso se chama culpa. Salvando aquele povo, essa sensação se aliviará. Jet contata Zola e pede que desconecte as turbinas de biomassa. Zola responde e pede que ela procure um lugar seguro... enquanto abandona aquela dimensão. O chão começa a tremer. Aquela não é uma simples cidade. É uma estação de batalha. Uma nave de guerra indomável com uma carga mortal. Os tremores que sentem são devido aos propulsores que tem. A velha casa de Zola finalmente se eleva. Içando-os. Elevando-se para cumprir o pesadelo para o qual Zola tanto trabalhou e desejou. Uma cidade bomba cheia de milhares de mutantes. Milhares de mutantes armados com armamento hipodérmico infectado. Cada um dos quais contém a consciência de Zola. Uma infecção mais potente do que a que Steve recebeu. Zola pretende invadir a Terra. Lançar os mutantes. Tomar o controle. Super seres, líderes mundiais e poderosos... todos serão pegos desprevenidos. Serão infectados. Serão parte de Zola.

Steve precisa chegar a Terra. Contatar os Vingadores. Zola tem os super-heróis como alvo primário. Steve precisa chegar lá antes... mas a dor em seu peito aumenta. Mesmo tendo retirado o vírus Zola, ele ainda parece presente. Jet diz que irá ajudá-lo... contanto que leve Ian para um lugar seguro. Jet lhe dá as coordenadas de onde está o garoto. Sua mente está sendo recalibrada... por isso ele deve se apressar. Enquanto isso, ela libertará o povo do clã e lhes dará uma nave para que cheguem à superfície. Rogers precisa ignorar a dor e se levantar. Pegar o garoto. Dar-lhe um abraço. Deixá-lo saber que está seguro.

No entanto, assim que entra em um compartimento... Steve é alvejado... por Ian.

Continua...

Nenhum comentário: