segunda-feira, 30 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 503

 - Captain America 453 (Julho de 1996)
* "Executive Action", escrita por Mark Waid, desenhada por Ron Garney e Pino Rinaldi, artefinalizada por Scott Koblish

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel 98 n° 8 ("Ação Executiva")

Enquanto o porta-aviões aéreo da SHIELD está em rota de colisão com o Monte Hood e um dos simulacros do vilão Mecanus está prestes a assassinar o presidente dos Estados Unidos, Steve Rogers e Sharon Carter tentam tomar o controle da situação. Sharon faz o que pode para entrar no sistema e cuidar do porta-aviões. Enquanto isso, Steve encontra um meio de voltar a América e impedir o assassinato, mesmo tendo sido exilado na Europa por ordem presidencial. No caminho para fora da base, Rogers imagina o que Mecanus realmente quer. Afinal, apesar de vilão, assassinato não é seu estilo. Quanto ao porta aviões... faltam apenas dois minutos para o impacto. Nos últimos segundos, Sharon Carter, a agente que foi abandonada pela mesma SHIELD... consegue devolver o controle e o porta-aviões se desvia.

De manhã, Steve Rogers caminha até que seu cartão de acesso dos vingadores o permite entrar em um reino não muito agradável de visitar: Latvéria, local governado pelo ditador Doutor Destino. Assim que chega, percebe que o povo anda pelas ruas em silêncio, temendo pela própria liberdade, que é mantida sob controle por seu governante. Não demora muito para que os robôs de Destino apareçam e levem Rogers a sua presença. Diante do vilão, o herói pede sua permissão para ser enviado aos Estados Unidos, sob a imunidade diplomática da Latvéria, para tentar salvar o iminente conflito entre o país vizinho, Moldávia, e a América. Destino se mostra ciente dos acontecimentos e até acha graça no fato de seu inimigo jurado vir lhe pedir ajuda. Afinal, uma situação parecida, quando ele se aliou ao Caveira Vermelha, foi o estopim para sua atual situação. No entanto, Rogers convence o vilão de que um conflito daquela magnitude poderia estabilizar o mundo todo... principalmente a Latvéria. Destino concorda e deixa a disposição sua nave particular para que Rogers prossiga.

A delegação moldávia está em Camp David com o presidente americano. Um rápido ataque revela que toda a delegação... é formada por andróides de Mecanus. A intenção do vilão é se apoderar da pasta onde o presidente pode controlar o arsenal nuclear da América. Destruindo a humanidade, o vilão provaria a supremacia das máquinas. Para ter acesso aos códigos, Mecanus invade o cérebro do presidente, revelando que foi da mesma forma que conseguiu os segredos da mente do Capitão América... que... aliás, consegue chegar na hora do atentado.
 Porém, quando o herói consegue chegar próximo o suficiente do robô que traz a consciência central do vilão... ele se projeta para dentro da pasta que controla o arsenal nuclear! O herói a joga rapidamente para um tubo de gás... que explode e destrói os códigos.

Diante dos acontecimentos, o presidente perdoa o exílio do Capitão e lhe devolve seu escudo.
A+:

* A primeira capa da saga Homem Sem Pátria faz referência a outro herói/ícone americano, Superman, ao mostrar Steve Rogers abrindo sua roupa civil, revelando seu uniforme por baixo, da mesma forma que o homem de aço costuma fazer.

* Bob Harras, que começou como editor assistente de Ralph Macchio, assume como editor chefe da Marvel. Sua gestão foi elogiada em alguns casos, onde sua responsabilidade pesou em títulos da Marvel, quando a editora passava por sérios problemas financeiros. De certa forma, o final um tanto abrupto dessa saga foi em parte conseqüência da estratégia futura planejada por Harras, que faria com que o universo Marvel tivesse mudanças profundas em suas publicações.

* Quando Sharon está no apartamento de Steve Rogers, ela toma conhecimento de outras mulheres com as quais esteve envolvidos durante anos passados. Descobre isso através de fotos de Rachel (a ex-vilã Cascavel) e Bernie Rosenthal.

* A abertura da segunda parte dessa saga mostra uma espécie de colagem de quadros com feitos do herói em outros tempos. São lembradas momentos desenhados por Jack Kirby, Mike Zeck, Jim Steranko e até mesmo Frank Miller, em uma história curta do herói.

domingo, 29 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 502

- Captain America 452 (Junho de 1996)
* "Plan B", escrita por Mark Waid, desenhada por Ron Garney, artefinalizada por Scott Koblish

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel 98 n° 7 ("Plano B")

Cinco mil metros acima da Moldávia, o F-15 onde estavam Steve Rogers e Sharon Carter é atingido pelo canhão Argus. Antes da explosão, porém, o casal consegue se ejetar. O pára-quedas de Rogers abre... o de Sharon não. Ainda desmaiada e presa em sua poltrona, a ex-espiã da SHIELD está em uma queda fatal. Steve solta seu próprio pára-quedas e posiciona seu corpo de forma a alcançar Sharon. Com o seu escudo de plasma, ele tenta libertar o pára-quedas dela. Mesmo assim, ao conseguir, ainda tem que se agarrar a poltrona dela. Antes de chegarem ao solo (em uma velocidade acima do que o peso do pára-quedas suporte), ele a solta da poltrona, pede que ela se segure nele... e salta. A poltrona se espatifa no gelo fino de um lago da região, fazendo com que as pistas de seu paradeiro ao inimigo se tornem mais difíceis. Já ele, calculando a queda antes de atingir o lago, consegue pegar impulso em um galho e os colocar em segurança. Antes de prosseguirem, decidem descansar em uma caverna, lado a lado. Afinal, exaustos, não serão páreo para enfrentar Mecanus.

Ela adormece... e sonha com ele. Ao acordar, se surpreende com a presença de tropas moldávias. Steve não está a seu lado. Ela se livra dos soldados, mas bate em retirada. Steve havia ido atrás de transporte, conseguindo-o graças a um jipe militar. Com Sharon como carona, rumam para a base mais próxima.

Chegando até a base moldávia, vestidos com uniformes que encontraram dentro do jipe, Sharon engatilha a arma e está prestes a atirar no oficial do portão. Steve a detém, pois prefere fazer tudo sem mortes. O disparo, no entanto, acaba chamando a atenção das tropas. Improvisando, ela pede que Steve a acerte com um soco, algo que ele faz a contragosto. Os soldados se aproximam da garota que chora ao ser agredida... apenas para serem atingidos pela espiã que só estava fingindo para chegar perto o suficiente... e dar tempo de Rogers entrar na base. Ele, no entanto, segue em direção ao que julga ser o canhão Argus e consegue destruir um deles. Mas a explosão o desacorda. Sharon, preocupada, tenta fazer respiração boca a boca para acordá-lo. Ele reage e a mantém em seu beijo improvisado... algo que ela não recebe muito bem (aparentemente). A distração é o bastante para que o casal seja capturado.

Ao acordarem, Steve e Sharon estão amarrados em uma sala com o vilão robótico Mecanus. Um noticiário informa que uma comissão da Moldávia está prestes a se encontrar com o presidente americano para tentarem evitar o conflito internacional envolvendo o Canhão Argus. Mecanus confirma que vem seguindo Steve desde Washington e que realmente entrou em sua mente para pegar dados... não apenas do Argus, mas de todos os segredos e senhas que lhe foram conferidos. Entre eles, o acesso ao porta-aviões aéreo da SHIELD, ao qual o vilão agora está tendo pleno controle e fazendo-o rumar para uma rota de colisão com o Monte Hood, colocando em risco a vida de agentes e civis. Todos esses segredos estão guardados em um banco de dados que se assemelha a uma simples moeda.

Steve consegue se soltar das cordas e agarrar Mecanus. Mas o vilão sorri. A sua volta, todos os operativos da sala são simulacros robóticos dele mesmo. Mecanus está em toda parte... inclusive, como mostra em um monitor, como um dos integrantes da comissão moldávia... prestes a se encontrar com o presidente americano.

Continua...

sábado, 28 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 501

 - Captain America 451 (Maio de 1996)
* "Plan A - Escrita por Mark Waid, desenhada por Ron Garney, artefinalizada por Scott Koblish

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel 98 n° 6 ("Plano A")

Steve Rogers parece inconsolável por ter sido exilado dos Estados Unidos. Pouco lembra o herói convicto de outrora. Sharon Carter, ainda não acreditando que Rogers se encontra nesse estado lamentável, lhe oferece um novo uniforme. Algo que só uma ex-espiã americana poderia compreender. Basicamente é o mesmo uniforme de Capitão América... só que sem listras... ou estrelas... ou algo que lembre a América. Steve não achou graça. Mas a tentativa é séria. Ela também lhe dá algo para substituir o escudo. Um campo de plasma frio à prova de balas de baixo calibre. Protótipo experimental. O destino do casal é o pequeno país da Moldávia, onde o vilão Mecanus parece ter construído um canhão experimental que apenas o Capitão América e o presidente tinham conhecimento.

No caminho para Moldávia, Sharon mostra a nova identidade de Steve Rogers em seu novo passaporte. Agora, seu nome é Nathan Hale. Ela revela o que soube sobre Mecanus, quando auxiliou o Caveira Vermelha a reviver o Capitão. Na verdade, o Caveira não deixou que ela visse os experimentos de Mecanus, mas ele ainda era o andróide que podia projetar sua consciência em dispositivos elétricos. Provavelmente, levando em conta que o cérebro humano também é algo como uma unidade eletroquímica, a informação sobre a arma tenha sido retirada da mente de Steve.

De repente, homens de armadura invadem o vagão onde o casal está. Eles atiram Rogers para fora e imobilizam Sharon. O Capitão, com seu novo uniforme e escudo improvisados, reage e salva Sharon. Apesar de derrotar alguns dos vilões, o Capitão e sua parceira saltam do vagão. Mesmo com a Moldávia ainda distante, eles seguem para uma base da força aérea americana mais próxima do país. A idéia é chegar a um terminal de computador para descobrir a localização do Argus. Para tanto, terão que se infiltrar. Os ciberagentes estão logo atrás deles e seus disparos acabam derrubando a cerca, dando passagem aos dois. Ironicamente, eles novamente enfrentam soldados americanos. Uma solução desesperada está logo a frente deles: um caça F-15, prestes a decolar... Eles irão arriscar sobrevoar o espaço aéreo moldávio. Para encontrar o canhão Argus, terão que se tornar seu alvo. E assim que os computadores internos conseguem localizar a exata posição dos disparos... o caça é atingido.

Continua...

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 500

- Captain America 450 (Abril de 1996)
* "Executive Action" - Escrita por Mark Waid, desenhada por Ron Garney, artefinalizada por Scott Koblish

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel 98 n° 6 ("Ação Executiva")

Steve Rogers chega a seu apartamento, no Brooklin, e encontra agentes do exército americano, mais especificamente do Departamento de Investigações Criminais, que derrubaram sua porta e invadiram o local. Para piorar, os agentes tem ordens de prendê-lo por traição contra os Estados Unidos da América. Inicialmente, os agentes sequer o deixam dar um telefonema e muito menos sabem exatamente quem estão prendendo... até que encontram... seu uniforme.

Agora vestido como Capitão América, porém ainda algemado, Rogers está em plena sala oval, na Casa Branca, junto ao presidente... que ordenou que ele fosse levado diante de sua presença. Pedindo esclarecimentos sobre a acusação de traição, o Capitão América presencia a chegada do General Chapman, o militar responsável pela base que foi invadida por neonazistas (que na verdade era um culto ao Cubo Cósmico). Sem saber de toda a verdade, o general apresenta uma gravação do local onde o Capitão é auxiliado pelo vilão Caveira Vermelha. O herói explica ao presidente que o vilão o queria usar pois o curou de sua degeneração do supersoro em seu sangue. Ainda informa que outra testemunha do fato é a ex-agente da SHIELD, Sharon Carter, o que só piora a situação, pois ela entrou ilegalmente no país. Mas esse é o menor dos problemas. Há ainda mais...

Dois anos atrás, o presidente confiou ao Capitão América a memorização de dados cruciais obtidos de um cientista moribundo... dados que permitiram que uma arma revolucionária, com visualização e direcionamento precisos, fosse completada. A missão era ultra secreta. O cientista morreu nos braços do herói. E quando ele morreu, apenas dois homens na Terra... o presidente e o Capitão América... sabiam do segredo do Canhão Antiaéreo Argus. Porém, quatro dias antes a CIA informou que o vilão Mecanus, antigo associado do Caveira Vermelha, apareceu na Moldávia... com o Argus completo e operacional. Seus sistemas de rastreamento são um salto quântico em comparação ao radar. O Argus de Mecanus abateu dois caças americanos sobre a Moldávia. Os dois pilotos morreram... e o ataque da Moldávia deixou os Estados Unidos muito perto de uma guerra. O que o presidente quer saber é... teria o Capitão América trocado o segredo do canhão... pela cura de sua degeneração?

No entanto, o presidente se encontra em um impasse. Não pode julgar o Capitão América por traição. Ele é o herói mais respeitado da América e isso arrasaria o país. Então... o presidente toma uma decisão... e o Capitão América está sendo exilado em Londres. A partir deste momento, ele está confinado a solo estrangeiro. Steve Rogers... não é mais um cidadão americano.

Em Londres, o Capitão está prestes a procurar por algum conhecido, quando é abordado por alguém vestido com uma máscara negra. Ao confrontá-lo, descobre que é... Sharon Carter, que viajou incógnita para tentar ajudá-lo. Steve Rogers foi preso e humilhado por algum lunático que pode provocar uma guerra. Sua atitude daqui em diante é encontrar o responsável e recuperar sua vida. Sharon o segue.

Continua...

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 499

 - Marvel Versus DC 4 (Maio de 1996)
* "Round Four" - Escrita por Peter David e Ron Marz, desenhada por Claudio Castellini e Dan Jurgens, artefinalizada por Paul Neary e Josef Rubinstein

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel Versus DC n° 4

Com seus universos ainda amalgamados, o Super Soldado (amálgama de Capitão América e Superman) auxilia o Garra das Trevas (amálgama de Batman e Wolverine) a capturar o vilão Hiena (amálgama de Dentes de Sabre e Coringa). 

Ao chegarem ao beco onde os guardiões da realidade, incluindo o jovem que agora se chama Acesso, seus universos são separados, mas ainda estão se sobrepondo, o que indica que os irmãos cósmicos, representantes de cada universo, ainda estão digladiando. De volta a sua forma original, Capitão América e Batman pedem a Acesso que os leve até as entidades.

Dentro da realidade metafísica onde os representantes de cada universo lutam, o Espectro e o Tribunal Vivo tentam impedir que se destruam (levando assim ao fim da realidade). Ao tentar intervir, sem muito sucesso, os heróis da Terra aprendem um pouco mais sobre sua própria humildade. Não se sabe se o que acontece a seguir é devido a esse esforço, mas os irmãos cósmicos... param de lutar, se cumprimentam e admitem que ambos se saíram bem.

A realidade volta a ser como antes, com os universos devidamente separados, cada qual com suas próprias lembranças e histórias. Dois de seus campeões, no entanto, aprenderam um pouco mais sobre o outro e sobre si mesmos.
A+:

* Em meio ao surgimento da editora Image, que definiu até mesmo o estilo dos quadrinhos de super-heróis nos anos 90, as duas maiores neste segmento, Marvel e DC, uniram forças para apresentar um evento onde seus personagens se uniam... ou se enfrentavam, no caso. O único senão é que justamente as mudanças em cada um de seus principais personagens, tentando se ajustar aos conturbados anos 90, eram tão profundos que muitos de seus super-heróis traziam diferenças gritantes em relação a seu conceito original. O Capitão América foi um dos poucos que não sofreram com essa mudanças visual e conceitual. 

* Ao enfrentar Bane (da DC Comics), Capitão América é capturado e estava prestes a ser "quebrado" pelo vilão. A cena, mostrando Bane levantando-o para receber um golpe de sua perna, remete a história em que o próprio Batman recebe esse golpe e fica aleijado por vários meses, sendo substituído pelo anti-herói Azrael.

* Na história Amálgama (onde os personagens eram mesclados em um só), existem várias referências a ambos os universos. Além do próprio Super Soldado, que é uma mistura de Capitão América com Superman, temos um Lex Luthor com a pele esverdeada, devido a exposição com radiação K. Com sua aparência esquelética, o vilão ficou conhecido como Caveira Verde, uma referência ao arquiinimigo do Capitão América, Caveira Vermelha. Já o robô Ultra-Metallo é uma mistura com o vilão Metallo, criatura biônica que traz um pedaço de kriptonita incrustado em seu peito, com o formato dos robôs Hibernantes, criados pelo Caveira Vermelha (no universo Marvel).

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 498

- Super Soldier (Abril de 1996)
* "Secret of the K-Bombs" - Escrita por Mark Waid e Dave Gibbons, desenhada por Dave Gibbons

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Amálgama n° 2 ("O Segredo das Bombas K")

"O foguete espacial pousou em 1938. Sua origem, uma incógnita. Sobreviventes, nenhum. O exército coletou amostras celulares dos alienígenas mortos para experiência... e, no início da Segunda Guerra Mundial, adicionou-as ao Soro do Supersoldado, na esperança de criar um campeão da liberdade. A fórmula foi injetada em um voluntário, cujo nome não posso revelar. A seguir, o jovem foi exposto a alta radiação solar. Embora os cientistas presumissem o efeito disto sobre as células alienígenas... ninguém imaginou que o voluntário desenvolveria poderes e habilidades... inconcebíveis para qualquer ser humano."

"Foi então que me descobriram nas sombras. Com a astúcia dos Olsen, consegui um acordo. De repórter novato, me tornei documentalista oficial... do Supersoldado! Graças a mim, o mundo foi informado de cada passo, cada vitória do Supersoldado. Março de 1942. A guerra estava praticamente vencida por nosso herói, quase sozinho... até o surgimento do Ultra-Metallo. Alimentado por uma fonte de energia misteriosa, o super-robô rumava para Washington, D.C. ... até ser interceptado sobre o Oceano Atlântico. o desfecho da batalha foi trágico. Diante de meus olhos... nosso herói afundou com o robô no oceano... para nunca mais ser visto."

"Foi o fim do campeão da América... e meu amigo. Só me restou a história do século... e um dilema moral quase profano. Divulgar, ou não, a morte do Supersoldado? Embora eu fosse jornalista... tal notícia abalaria demais o moral dos países aliados. E a meses da conclusão das armas definitivas, as bombas K de Lex Luthor, os aliados tinham que continuar fortes. Foi a decisão mais difícil de toda minha vida."

Anos depois, Jimmy Olsen, editor chefe do Planeta Diário, chega à redação com vários hematomas. Terroristas da Hidra descobriram a verdade e o raptaram. Ao chegar, ele entrega seu relógio para o repórter Kent e diz apenas "Washington... às quatro". Finalmente, Kent utiliza seu uniforme de Supersoldado desde que foi encontrado congelado e revivido pelos Vingadores da Justiça. Ele sabe quem é o mandante da Hidra. Trata-se do filantropo Lex Luthor, que foi o criador do Ultra-Metallo. Agora, prender Luthor é um erro que o Supersoldado pretende corrigir.

O Supersoldado chega a Washington às quatro, como disse Jimmy... mas nada encontra de anormal. É então que ele percebe a sombra do Obelisco que, às quatro, aponta para um determinado edifício. De fato, o edifício está cheio de agentes da Hidra, liderados por um envelhecido Luthor.

Depois de tantos anos congelado, o Supersoldado se sente mais enfraquecido. Nem mesmo escapa do ataque do reconstruído Ultra-Metallo, que segue para a Casa Branca com uma bomba em seu interior. E Luthor o controla por dentro. Alguma coisa dentro do monstro metálico parece enfraquecer ainda mais o Supersoldado. De fato, ao rasgar parte do robô, o herói sente a radiação de um meteorito encontrado perto de um velho foguete alienígena que caiu na Terra. Luthor o batizou de K Verde. Com um pedaço do meteorito, o vilão criou um soro radiativo que injetou em seu sangue... prolongando sua vida. Com o resto dele, criou suas bombas K, sendo que a maior delas está no interior de Metallo.

Apesar da radiação K afetar suas células alienígenas... o Supersoldado percebe que alguma coisa o faz se recuperar, toda vez que Metallo o atira para longe. Quando o enorme robô está próximo o bastante para matá-lo... o herói parece fugir. Porém, quando se aproxima o bastante da Casa Branca... uma enorme tubulação corta o ar e atravessa o peito da criatura. O Supersoldado finalmente notou que certo tipo de tubulação, para onde foi atirado, o protegia da radiação. Com um deles, consegue retirar a bomba, sem ser afetado.

Mais tarde, com a verdade sobre Luthor vindo a publico, o Supersoldado sabe que seu enfraquecimento se deve a partículas de Bombas K que o vilão utilizou durante a Segunda Guerra e que ainda poderiam estar no ar afetando seus superpoderes. Porém, quando a Hidra ousar se reerguer, o Supersoldado estará à espera deles.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 497

 - Marvel Versus DC 3 (Abril de 1996)
* "Round Three" - Escrita por Ron Marz, desenhada por Claudio Castellini e Dan Jurgens e artefinalizada por Paul Neary e Joe Rubinstein

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista DC Versus Marvel 3

Nos esgotos de Manhattan, Capitão América e Batman se enfrentam. Inicialmente, o Capitão tem a desvantagem de seu adversário parecer se mesclar as trevas e usar isso para que não seja localizado facilmente. De fato, o herói jamais enfrentou alguém que fosse tão equiparado a ele no que diz respeito a combate corpo a corpo. Em outra situação, poderiam ser até mesmo parceiros.

Eles já estão lutando por horas, sem que nenhum deles sequer demonstre exaustão. Se houvesse outro modo, estariam pensando em algo para superar o problema. Mas bilhões e bilhões de seres, um universo inteiro, depende destas lutas. Antes que prossigam, um jato d'água os separa. Esse mesmo jato quase afoga o Capitão América, que se preocupou em recuperar seu escudo. Essa é a vantagem que dá uma aparente vitória ao... Batman.

O Batman ajuda o Capitão a sair do esgoto. Porém, pelo fato de não terem sumido, talvez a luta não tenha sido considerada finalizada. Eles saem em um beco onde uma estranha caixa brilha atrás de dois homens. Um deles toca os dois heróis, que também começam a brilhar. De repente, a caixa explode.

As batalhas terminaram e apenas um universo é poupado... mas não o universo vencedor. Um universo está sendo eliminado... mas não o perdedor. Os irmãos estão resolvendo o torneio à sua maneira... juntando-se, fundindo tudo o que são para poderem coexistir como um universo unificado. Eles estão começando tudo de novo... mesclando realidades... universos. Eles estão criando um cosmo único a partir dos dois... Mas o que eles criaram?!

Continua...


terça-feira, 24 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 496

 - Marvel Versus DC 2 (Março de 1996)
* "Round Two" - Escrita por Peter David, desenhada por Claudio Castellini e Dan Jurgens e artefinalizada por Paul Neary e Joe Rubinstein

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista DC Versus Marvel 2

O Capitão América joga seu escudo contra Bane... mas o vilão consegue desviar, dando-lhe a vantagem de capturar o herói. Mas quando o vilão está prestes a desferir um golpe fatal no Capitão, possivelmente o aleijando... é atingido pelo mesmo escudo. O que Bane não contava era que o Capitão tinha uma mira muito melhor do que imaginava. Não atirou o escudo para atingi-lo diretamente, mas para ser pego quando retornasse, uma vez que a experiência estratégica do herói lhe mostrava os movimentos de seu adversário.

De repente, um forte clarão ocorre em ambos os universos. Então... a irrealidade invade a mente de seus respectivos heróis e vilões e eles ouvem um milhão de vozes como uma só... No início, havia duas entidades... "irmãos", que também eram irmãs... seres assexuados. Eles eram yin e yang, bem e mal, o mainyu... Os dois englobavam o todo... mas não um ao outro, cada um deles era simplesmente... "Eu". 

Certa vez, eles se confrontaram em combate, liberando forças que puseram fim à criação e depois reiniciaram. Na explosão de morte e renascimento, os irmãos foram separados. Sua essência dividida fragmentou o novo universo num multiverso. À medida que o universo se expandia, se distanciava, o mesmo acontecia aos irmãos. Foram necessários milênios para os dois se lembrarem de que tinham consciência e, durante esse tempo... as lembranças que um tinha do outro desapareceram.

Mas, agora, devido a recentes eventos que romperam o tecido do universo e redefiniram a realidade... os irmãos se tornaram cientes um do outro novamente. Percebendo que cada um não seria mais "eu", mas sim "nós", eles não podiam mais existir com a sua individualidade. E nem estavam íntegros... pois em sua batalha de séculos atrás, parte de cada um esvaiu-se para o universo do outro. Ambos desejaram ser "íntegros" e "únicos"... mas perceberam a inutilidade do confronto corpo-a-corpo. No entanto, ao observar e compreender a existência de seus guardiões cósmicos respectivos... o Espectro e o Tribunal Vivo... eles chegaram a uma solução. Baseados em suas crenças de que o universo de cada um é intrinsecamente superior ao do outro... eles vão voltar seus respectivos superseres uns contra os outros, numa guerra decisiva... e encerrar um universo. O problema é que alguns desses campeões são tão poderosos que a batalha poderia continuar eternamente sem conclusão. 

As regras são simples: Quem incapacitar o outro primeiro, em cada caso, vence. O equivalente na luta livre terrestre a imobilizar o oponente. O lado que perder mais disputas... desaparece. Cada par de heróis será convocado quando chegar o momento do confronto. Caso se recusem... nada poderá impedir que os irmãos se enfrentem. E, se isso acontecer... será o fim de tudo.

Continua...

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 495

 - DC Versus Marvel 1 (Fevereiro de 1996)
* "Round One" - Escrita por Ron Marz, desenhada por Claudio Castellini e Dan Jurgens e artefinalizada por Paul Neary e Joe Rubinstein

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista DC Versus Marvel 1

Próximo a Estátua da Liberdade, o Capitão América tenta deter mais um ataque dos terroristas da Hidra. No meio da ofensiva, o herói começa a emitir um estranho brilho... e desaparece. De repente, ele se vê enfrentando um poderoso vilão conhecido como... Bane.

Algo estranho está acontecendo, levando heróis para mundos desconhecidos a eles mesmos.

Continua...

domingo, 22 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 494

 - Captain America 448 (Fevereiro de 1996)
* "American Dream" - Escrita por Mark Waid, desenhada por Ron Garney e artefinalizada por Denis Rodier

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel 98 n° 5 ("O Sonho Americano") e pela Editora Panini, no encadernado Capitão América - Operação Renascimento

Em um laboratório ultra secreto, o jovem Steve Rogers está prestes a participar de um experimento que irá mudar sua vida e os rumos da Segunda Guerra para sempre. Se o experimento der errado, ele irá morrer pelo seu país. 

O experimento dá certo e Steve tem seu físico aumentado graças ao soro do supersoldado. Porém, no laboratório, um espião nazista atenta contra a vida do cientista responsável pelo experimento... atentado que é impedido por Steve, que detém o espião e salva a vida de seu benfeitor. Logo em seguida, seu parceiro, Bucky entra no laboratório para cumprimentá-lo.

Na verdade, essa é a realidade que o Capitão América está vivendo dentro do Cubo Cósmico, onde foi preso pelo vilão Caveira Vermelha. A intenção do vilão é que o herói enfrente a essência de Hitler, presa dentro do mesmo objeto, que quer usar o poder do Cubo para alterar a realidade de uma forma onde o Caveira não poderia governar. Sharon Carter questiona o vilão se ele escolheu o Capitão por ter sido criado para enfrentar Hitler... ou se é medo de não ser capaz de enfrentá-lo. Essa observação irrita o Caveira Vermelha.

Os integrantes do Kubekult encontram o Caveira e Sharon e os atacam. O vilão tenta utilizar o poder do Cubo para contra-atacar... mas nada acontece. A mente de Rogers, presa dentro do objeto junto a essência de Hitler, causou um impasse que anula seu poder. Porém, quando o herói encontrar o ditador e derrotá-lo... sua mente poderá ser fragmentada... perdendo-se pra sempre nessa realidade... e devolvendo o poder do Cubo... ao Caveira Vermelha.

Capitão América e Bucky seguem pela Alemanha buscando por Hitler. Bucky avisa que a missão acabou e, de repente, os dois estão de volta a Nova York. Mais especificamente no bairro onde Steve nasceu. Bucky mostra algo estranho que notou. Um repórter do Clarim Diário, que já existia na década de 40, se comunica com o jornal informando que o Capitão expulsou os nazistas. Mas... Steve percebe que ele se comunica... com um... celular? Antes que questione, a mãe de Rogers interrompe seus pensamentos e abraça seu filho.

Sharon e o Caveira continuam fugindo do Kubekult. Finalmente, conseguem se isolar em uma sala onde, por enquanto, os fanáticos não poderão entrar... e o Caveira terá tempo suficiente para estudar o Cubo.

Em Nova York, agentes nazistas invadem o Empire States e anunciam uma invasão maciça. Capitão e Bucky invadem o local e perguntam pelo fuhrer. Perseguem um espião até o topo do edifício... mas ele simplesmente desaparece. Logo acima, uma enorme nave aparece e Bucky a invade, seguido pelo Capitão. Lá dentro, encontra o Barão Zemo, que prendeu Bucky em um avião-bomba, lançando-o para a morte. O Capitão salta sobre ela e tenta libertá-lo. Ele consegue redirecionar o avião de volta para a nave de Zemo... mas o vilão parece ter fugido. Então, eles pilotam a nave direto para... Berlim.

O Capitão América está prestes a encontrar Hitler... para a alegria do Caveira. Sharon tenta tirar o Cubo do vilão.

Em Berlim, o Comando Selvagem do Sargento Fury é cercado pelos nazistas... mas são salvos pela chegada do Capitão América. O Comando abre caminho para que o herói encontre Hitler. Namor e o Tocha Humana original também chegam para ajudar. Quando estão próximos ao bunker de Hitler... Bucky simplesmente se nega a seguir. Ele alerta o Capitão de que aquela realidade está errada. Não existem naves ou celulares na década de 40. O Capitão está despertando. Bucky o alerta:

"O Capitão América é atemporal. Ele transcende este mundo onde eu... onde tudo isso... é uma lembrança. Boa... Mas só uma lembrança. O Caveira conhece você, Steve. Ele sabia que você ia querer corrigir as coisas que deram errado. Mas eu estou morto, Capitão. E a grande missão... é uma armadilha. Estive tentando dizer a você o tempo todo. Pense bem, Capitão. Seja Hitler ou não o que estiver atrás daquela porta... assim que botar as mãos no que estiver lá e o eliminar... o Caveira vence. Lute contra seus instintos, Steve. Seja mais forte que nunca. Liberte-se... e ao seu país. Ao contrário de você... este é o meu mundo. E uma parte de mim sempre viverá... enquanto você estiver nessa luta. Adeus, Steve."

Em seguida, prestando continência, Bucky some diante dos olhos do Capitão. O herói ainda se prepara para entrar no bunker. E, quando o faz... encontra o Caveira Vermelha e Sharon Carter. Furioso, o herói sobrepuja o vilão. Apesar de estar prestes a matar o Caveira, se lembra que muitas vezes esteve prestes a fazer isso... sem nunca concretizar. O Cubo Cósmico está próximo a eles. Quando o Caveira alcança o objeto, o Capitão lança seu escudo... que decepa o braço do vilão... causando uma grande explosão. O Cubo se foi. E quanto ao Caveira... resta apenas sua silhueta em uma das paredes.

O Capitão América e Sharon prendem os kultistas até que os soldados (que voltaram ao normal) cheguem à base. Resta a Steve descobrir porque esconderam a verdade sobre Sharon Carter. Mas isso é algo que o casal irá descobrir aos poucos... devagar como a amizade que ambos poderão voltar a reatar.
A+:

* Apesar de não mais escrever as histórias do Capitão América (algo que o fez por uma década), Mark Gruenwald ainda continuou ligado a revista. Ele permaneceu no cargo como Editor Chefe da publicação.

* Mark Waid também tem um currículo onde consta certa longevidade em apenas um título. Na verdade, Waid veio da editora concorrente, a DC Comics, onde escreveu as histórias do Flash por cerca de oito anos. Dentro do título criou o personagem (e também velocista) Impulso, que acabou ganhando seu próprio título mensal. Antes de sair da DC, Waid foi responsável pela minissérie/evento A Vingança do Submundo, juntamente com o desenhista Howard Porter. O escritor foi contratado pelo editor Ralph Macchio para revitalizar a revista do Capitão América (algo que ele teve sucesso quando alavancou o interesse e as vendas da revista do Flash). Seu trabalho no título foi muito elogiado tanto pela crítica quanto pelo público.

sábado, 21 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 493

 - Captain America 447 (Janeiro de 1996)
* "Triumph of the Will" - Escrita por Mark Waid, desenhada por Ron Garney e artefinalizada por Mike Manley

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel 98 n° 4 ("Triunfo da Vontade") e pela Editora Panini, no encadernado Capitão América - Operação Renascimento

Já foi péssimo terem que enfrentar os mocinhos... quando o Capitão América e o Caveira Vermelha, num incômoda aliança, lutaram contra um regimento do exército americano. Mas agora, graças às energias do Cubo Cósmico, esse mesmo regimento foi transformado... em um batalhão de soldados do novo Reich, sedentos de sangue de seus inimigos. Segundos atrás, o Capitão América buscava desesperadamente o Cubo... mas ele havia sumido... roubado por Sharon Carter. Agora, a cada tique do relógio, a realidade se transforma para se adequar à consciência que habita o cubo.

No momento, Capitão e Caveira precisam sobreviver para encontrar Sharon. O pelotão pára de atirar, pois a dupla é cercada por enormes armaduras. Resta aos dois apenas lutar. Porém, o Caveira Vermelha logo abandona o Capitão e segue para buscar o Cubo Cósmico. Mais adiante, o vilão é detido por soldados do Novo Reich. Quando está prestes a ser fuzilado... é salvo pelo Capitão América, que conseguiu se livrar de seus inimigos. Atirando seu escudo... dessa vez ele não só consegue acertar os soldados, como a arma volta perfeitamente para suas mãos. Ele finalmente está recuperado. Agora, salvando a vida do Caveira, ele está quites com o fato do vilão também ter salvado a sua.

Uma explosão, causada pelos soldados, separa herói e vilão. Logo à frente o Capitão encontra Sharon Carter em poder do Cubo Cósmico. Ela tenta usar sua vontade para sobrepujar o poder do objeto. Mudar a realidade de acordo seus sonhos... seus valores... não os do Reich. Ele a convence de que a realidade não deveria ser alterada, por ela ou pelo Reich. Ela entende que deveria, sim, ser alterada... mas pelo próprio Capitão América... e lhe oferece o Cubo. Ela se irrita com o momento de indecisão do herói. Momento que dura pouco... sendo que, logo após, ele retira o objeto de suas mãos.

Em um primeiro instante, os desejos de Steve Rogers fazem com que Sharon Carter volte a ser a Sharon que conhecia antigamente. Mas isso logo se desfaz. Antes que o Caveira os ataque, o Capitão usa o poder do Cubo para rechaçá-lo. Mas, assim que tentam subir por uma saliência do complexo, que está desabando, o Cubo se perde de suas mãos... indo parar nas do Caveira Vermelha! O herói salta rapidamente, atinge o Caveira, recupera o Cubo... e o destrói. Mas o Capitão sabe que essa vitória não seria possível não fosse a presença de seu parceiro, Bucky Barnes. O trabalho da dupla só começou.

Uma nova realidade, onde o Capitão América e Bucky Barnes ainda atuam. Onde Bucky não morreu na Segunda Guerra. Uma realidade... a qual o Capitão América não percebe existir dentro do Cubo Cósmico... o mesmo que agora pertence ao Caveira Vermelha.

Continua...

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 492

 - Captain America 445 (Dezembro de 1995)
* "The Devil You Know" - Escrita por Mark Waid, desenhada por Ron Garney e artefinalizada por Denis Rodier

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel 98 n° 3 ("O Diabo Que Conhecemos") e pela Editora Panini, no encadernado Capitão América - Operação Renascimento

Capitão América, Caveira Vermelha e Sharon Carter invadem uma gigantesca instalação tecnológica onde há um culto ao Cubo Cósmico. Eles podem ver uma espécie de cerimônia, onde o Cubo é o centro das atenções e os integrantes desejam ressuscitar... Adolph Hitler! O Cubo não poderia exatamente ressuscitá-lo, mas Hitler sobreviveu graças a uma transferência mental para o corpo do vilão Monge do Ódio. Anos atrás, o Caveira Vermelha e o Monge do Ódio fizeram um aliança para tentar criar um novo Cubo Cósmico. O Monge o traiu e projetou sua mente para o Cubo. O Caveira conseguiu interromper o processo de criação... e aprisionou o Monge dentro do artefato inacabado... onde desde então ele se lamenta inutilmente. Algum tempo atrás, o rosto de Hitler desapareceu e o Caveira achou que ele havia enlouquecido, ou sucumbido ao poder do Cubo. Os fanáticos da Kubekult roubaram o objeto e, usando tecnologia da IMA, encontraram um meio de injetar energia no cubo por breves instantes... Com isso, o objeto será capaz de distorcer toda a realidade. O mundo inteiro poderá mudar em um piscar de olhos, como se os nazistas tivessem vencido a 2ª Guerra e dominado o mundo. Apesar de ser o sonho do Caveira, o vilão leva em conta que Hitler pode querer se vingar... além do que, não seria um mundo dominado em que ele fosse o líder.

Mesmo não acreditando em toda aquela história, o Capitão América lidera o ataque aos cultistas. No meio da batalha, percebe que o Caveira se aproximou do Cubo... e o tira de suas mãos com o escudo. Quando Sharon Carter está alcançando o objeto, os integrantes do Kubekult conseguem derrubá-la, recuperar o cubo e fugir. Furiosa, Sharon espanca um dos cultista para que fale mais sobre os planos do grupo. O criminoso a reconhece como "Fraulein" Rogers. Ela sabe para onde foram. Para uma instalação governamental de energia alternativa, com intenção de energizar o cubo.

O trio toma uma nave e se dirige para a instalação. Rogers tem seu momento a sós com a agente e se sente incomodado com a insistência dela em levar o Caveira. Quanto a sua suposta morte, anos atrás, ela explica que a SHIELD a colocou em uma zona de perigo altamente secreta. Para impedir que o Capitão América fosse atrás dela, disseram que havia morrido. A farsa terminaria com sua volta, mas aconteceu algo errado e ela foi abandonada atrás da linhas inimigas. Sentiu-se esquecida pelo seu próprio país... e até por seu amado Capitão. Nos anos seguintes, sobreviveu como mercenária e espiã free-lance, em missões que variavam desde violentas até as degradantes. Sua perspectiva mudou completamente, aprendendo mais sobre a América fora dela do que dentro. Notou que só um idiota se entrega totalmente ao seu país. Ela se infiltrou no Kubekult e encontrou o Caveira Vermelha. 

Quando o Capitão América chega à instalação, os militares mal podem acreditar em sua presença. Afinal, ele havia sido dado como morto. Para piorar a situação, assim que o Caveira Vermelha desce da nave... os soldados acreditam que ele é um impostor a serviço do vilão... e começam a atacar. O Capitão não está contente em lutar contra oficiais que só estão cumprindo seu dever... Dever a seu país... algo que ele, como um supersoldado, também deveria estar fazendo. Mas reconhece os riscos. 

O Cubo Cósmico é energizado. Agora, todos os soldados estão dominados pelo poder do objeto. Quando o Capitão tentar destruí-lo... ele sumiu... juntamente com Sharon.

Continua...

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 491

- Captain America 445 (Novembro de 1995)
* "Old Soldiers Never Die" - Escrita por Mark Waid, desenhada por Ron Garney e artefinalizada por Scott Koblish

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel 98 n° 2 ("Velhos Soldados Nunca Morrem") e pela Editora Panini, no encadernado Capitão América - Operação Renascimento

Capitão América se liberta do que parece ser um bloco de gelo. Já consciente, ele olha em volta e se vê em uma espécie de laboratório. Não era exatamente assim que imaginava um pós-morte. Logo a seu lado ele encontra um velho amigo: seu escudo. Apesar de reconhecê-lo, percebe que seu peso está diferente. Uma voz áspera e autoritária o convoca para fora, fazendo-o passar por vários corredores. Em uma espécie de telão, ele vê imagens de entes que perdeu ao longo de sua vida: sua mãe, Bucky, Sharon Carter. Seu captor (ou o que quer que o esteja guiando) conhece muito bem sobre sua vida. O herói chega a uma sala onde o narrador de sua história ainda se encontra. Quando sai das sombras, a voz revela ser... Sharon Carter! Apesar de feliz por poder vê-la novamente, ela pede que tire as mãos dela assim que a abraça. 

Sharon conta como ele foi parar naquele lugar. Alguém a teleportou com uma equipe médica até a Mansão dos Vingadores, pouco antes da morte do herói. Essa equipe o tirou da armadura e o colocou no gelo pra levá-lo a um laboratório. Apesar da criogenia rudimentar, o soro do supersoldado no sangue do Capitão ainda continuava matando-o. Por isso, tiveram que recorrer a um transplante de medula. Mas isso pode ter tirado todo os soro de seu sangue. Como se para testar se ainda era um supersoldado, homens uniformizado entram na sala e atacam o herói. Ele atira o escudo, mas... a arma cai logo, sem nem ao menos ricochetear. Antigamente, ele seria capaz de acertar, no mínimo, cinco agressores apenas com um arremesso. Mas agora, o escudo parece estar mais... pesado. Efeito da retirada do supersoro de seu sangue, talvez. Quando está totalmente dominado pelos agressores... Sharon ordena que parem. Ela pede para o herói a seguir por um portal de teletransporte, onde seu "benfeitor" os aguarda.

O portal de teleporte leva o casal até o que parece ser um armazém abandonado. Ela informa que é o complexo inimigo e que o "benfeitor" irá chegar logo. Até lá, eles tem que invadir o local prezando pelo silêncio, rapidez... e derrotar os seguranças do local, que escondem uma arma cujo efeito do disparo é algo como um colchão ultra-sônico. O casal se apodera dessas armas, mas o Capitão prefere recorrer a seu escudo. Dessa vez, consegue atingir alguns seguranças... mas não consegue segurar o escudo quando ele retorna. Mesmo assim, parece haver uma melhoria em seu arremesso. Parece que o soro do supersoldado ainda corre em suas veias e está voltando a fazer efeito. Se foi feita uma transfusão completa, apenas um homem continha o sangue igual ao dele, com o mesmo soro correndo nas veias. De fato, seu "benfeitor" é... o Caveira Vermelha!

Os motivos pelos quais seu pior inimigo o salvou ainda não estão claros para o Caveira. Nem mesmo o porquê de Sharon o estar apoiando. Mas o Caveira revela que apenas salvando-o seriam capazes de derrotar um inimigo em comum, proprietário daquela instalação. Na verdade, o herói começa a desconfiar até mesmo "daquela" Sharon. Ele quer respostas imediatas sobre o que está acontecendo. De repente, o que parecia um armazém abandonado se torna um enorme complexo tecnológico. Segundo Sharon, ele representa um novo Reich... representa a Terceira Guerra Mundial...

Continua...

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 490

 - Captain America 444 (Outubro de 1995)
* "Hope and Glory" - Escrita por Mark Waid, desenhada por Ron Garney e artefinalizada por Mike Sellers

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel 98 n° 1 ("Esperança e Glória")

No memorial Jefferson, terroristas fazem como reféns o presidente americano, três agentes secretos e um cameraman. Para piorar a negociação inclui a presença do Capitão América... ou irão explodir o local com todos dentro. Os vingadores comparecem ao local, mas não revelam o destino do Capitão (que desapareceu na Mansão dos Vingadores, deixando apenas sua armadura, vazia, na cama).

O impulsivo Mercúrio arrisca usar sua supervelocidade e resgata um dos reféns. Lá dentro, percebe que os terroristas utilizam avançadas armaduras. Mas elas são mais do que isso. Cada um contém uma espécie de campo de força que detona um nanossegundo após a penetração. Eles são bombas humanas! Por muito pouco, Mercúrio não causa a morte de um refém. Prevendo um novo ataque do supervelocista, os terroristas aumentam esse campo para todos os outros e também para os reféns. Se houver uma próxima explosão... todos morrem.

McElroy, o agente federal responsável pela operação de resgate, se irrita com a ausência do Capitão América e se pergunta por que um herói tão "antiquado" é considerado tão importante. Os vingadores não gostam desse posicionamento e alguns deles se lembram da importância do herói. Gigante (Hank Pym) se lembra do dia em que o Capitão foi encontrado pela equipe original. Mercúrio se lembra como criminosos (ele mesmo, por exemplo) foram aceito nos vingadores pelo Capitão, tornando-os heróis. Hércules se lembra da batalha do herói contra o Caveira Vermelha, quando o vilão adquiriu o Cubo Cósmico.

Em uma atitude inesperada, os federais utilizam um simples agente e o vestem como Capitão América, para tentar ludibriar os terroristas. A vingadora Deathcry percebe que algo está errado e, assim que o agente parte, ela vai a seu encalço. Consegue resgatá-lo assim que recebe os primeiros tiros. A heroína percebeu um detalhe gritante, que também foi notado pelos terrorista: este "Capitão América" levava um escudo que tinha listras diferentes do  desenho do escudo original.

Mas o incidente com o falso Capitão América trouxe uma solução para a crise. Logo em seguida, os vingadores, liderados pela Viúva Negra, invadem o local. Utilizando seus poderes, conseguem separar e prender cada um dos terrorista. Acontece que Deathcry viu os terroristas dispararem através do campo de força, provando que suas auras explosivas estavam reguladas pra reagir a ataques de carne e osso... não a balas... ou outro tipo de ataque. Com isso, Crystalis faz com que surjam gêiseres que os separam e Hércules atira pedaços enormes de granito que os derrubam.

Ainda assim, um dos terroristas se esconde... e domina Mercúrio. Assim que está para detonar-se, matando também o vingador... um escudo atinge o terrorista e o derruba! Boquiabertos, todos os vingadores olham quem atirou a arma: o agente McElroy, utilizando o escudo do falso Capitão, que ficou no local.

Com os terroristas derrotados, os Vingadores são cercados pela imprensa, que quer saber por que o Capitão América não apareceu. Diante do fato, a Viúva Negra acha por bem não deixar que os repórteres desonrem a memória do herói, deixando o povo pensar mal dele. Diante das câmeras, a vingadora anuncia que o Capitão América faleceu vítima de uma doença. A última vez que foi visto, ele estava perdendo a batalha final contra ela.

Em outro local, cercado por soldados com equipamentos tecnológicos avançados, a transmissão é assistida por dois homens que se rejubilam pela ação com os terroristas. Tudo indica que foram os responsáveis pelo ataque... e que o resultado, com a Viúva revelando a verdade sobre o herói, era o esperado. Dentro da sala onde se encontram... cercado pelo que parece ser um campo de contenção, está o corpo inerte do Capitão América.

Continua...

terça-feira, 17 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 489


 - Captain America 443 (Setembro de 1995)

* "Twilight's Last Gleaming" - Escrita por Mark Gruenwald, desenhada por Dave Hoover e artefinalizada por Danny Bulanadi

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel 97 n° 9 ("O Último Brilho do Crepúsculo")

O coração do Capitão América, devido aos efeitos das degeneração pelo soro do supersoldado, está fraco. Nem mesmo a armadura parece lhe dar forças o suficiente para prosseguir. Em um beco escuro, o herói se arrasta. De repente, um corvo o sobrevoa... e se torna um homem. Inicialmente, o herói pensa se tratar de um inimigo que veio atacá-lo em um momento de fraqueza. Mas é o místico Corvo Negro que veio como amigo. Na verdade, Corvo Negro traz uma agourenta previsão. Dentro de vinte e quatro horas o coração do Capitão América irá parar... e ele irá morrer.

Lentamente, o Capitão se levanta. Sua armadura permite que ele vá atrás do vilão que o derrubou no beco: Nefárius. Mas o herói, agora sabendo que tem menos de 24 horas de vida, deixa que o vilão escape. Afinal, os vingadores, por exemplo, podem dar conta dele. E com tão pouco tempo, alguns assuntos pessoais merecem sua atenção.

Primeiramente, ele segue para seu quartel-general em Brooklyn Heights, onde encontra Redentora, Jack Flag, Fabian e o piloto Moonhunter. Enquanto se dirige ao seu quarto, o herói convoca uma reunião. Em seus arquivos pessoais, o Capitão encontra uma foto de Sharon Carter, a mulher com quem se envolveu por mais tempo e a que partiu... de forma mais dolorosa. Mesmo depois de tanto tempo, toda semana ele vê alguém que faz com que se lembre dela. Logo, ele irá se juntar a Sharon. Ele encontra documentos que entrega a sua equipe. Papéis que permitem que continuem com a linha direta após a sua morte. Com pesar, os integrantes recebem informações sobre sua condição, seu prazo e que ainda precisa se despedir de algumas pessoas, retornando para a base a fim de constatar se a morte realmente virá. Sua equipe se junta... e o abraça.

O Capitão América se sente feliz por sua vida ter lhe dado pessoas que realmente se importam com ele. Mas o que ele teria de mais importante a fazer além de ficar com essas pessoas? Será que seria correto perseguir algum de seus inimigos? Procurar por Cascavel? Há sentido em gastar seu pouco tempo em prováveis buscas à toa? De repente, ele lembra de alguém: Ossos Cruzados, preso em uma penitenciaria.

Um dos maiores adversários do Capitão o recebe como visita, cercado de guardas. O vilão, apesar de não estar exatamente em um presídio de segurança máxima, ainda espera pelo resgate de seu empregador, o Caveira Vermelha. É justamente isso que o Capitão América vem questionar com Ossos Cruzados, informando-o que o Caveira está em uma operação gigantesca e que, se realmente precisasse dele, já o haveria resgatado. Inicialmente, o vilão pensa que o Capitão está plantando aquela informação com a intenção de descobrir onde o Caveira se encontra. No entanto, o Capitão América diz que o visitou por outro motivo. Ele acredita que ninguém está além da redenção. Por isso luta tanto para preservar a vida... mesmo a vida de... assassinos. Acredita também que a pessoa pode se redimir... enquanto estiver viva. Assim, poderá haver algo de bom até em alguém como Ossos Cruzados. Amor por sua mãe, por um animal, por uma mulher... É algo que herói gostaria de saber. No entanto, Ossos Cruzados só confirma que ele ama... odiar! A verdade é que o Capitão esperava um último confronto com o Caveira.

O herói decide que não quer gastar suas últimas horas tentando enfrentar inimigos. Ele se lembra de Bernie Rosenthal e a vê em um tribunal, exercendo o cargo de advogada. Ele se pergunta se teve algo a ver com a decisão de sua ex-namorada em seguir a advocacia... ou se ele faria isso de qualquer jeito. No caminho para visitar Sam Wilson, o Falcão, descobre que seu ex-parceiro está com problemas, tendo um sobrinho baleado. Não é uma boa hora para visitas daquele tipo. Segue para o quarto de Arnie Roth, que está lutando pela vida contra um câncer. O Capitão se despede de Arnie por ter sido um bom amigo. O que ele não percebe é que, assim que sai do quarto... o coração de seu amigo pára de bater.
Uma ligação informa que a mãe de um dos garotos da linha direta foi assassinada. Infelizmente, ele não pôde estar por perto. Às vezes, há situações em que não há heróis por perto.

Quando chega à Mansão dos Vingadores, o Capitão América encontra apenas o mordomo Jarvis. Porém, faltando apenas 10 horas de vida, o sistema de segurança do local captura um antigo inimigo: Batroc. Na verdade, o assustado vilão veio avisar o herói sobre um assassino de uniformizados na América do Sul. O Capitão atualiza Batroc e diz que já o pegou e que era o vilão Todo-Mundo. Batroc diz estar agradecido, afinal o vilão matou seu amigo Machete, e oferece pagar uma bebida ao herói. O Capitão não aceita o convite, até sendo meio ríspido. Batroc insiste, tentando puxar conversa sobre a mudança de visual do herói e até mesmo por notar que ele tem algo a lamentar. Mesmo desconfiado de que o vilão pretende provocar uma luta, estudando se a armadura é devido a sua fraqueza, o Capitão o convida a entrar na Mansão.
 Em uma situação inusitada, os dois inimigos tomam chá na biblioteca da Mansão dos Vingadores. O Capitão revela que não irá viver depois daquela noite. Batroc lamenta, pois foi o único inimigo que nunca derrotou e pergunta se pode fazer algo. O Capitão diz que gostaria que, pelo menos ele, se regenerasse, pois o mundo precisa de heróis.

Após a conversa com Batroc, o Capitão vai até seu quarto e adormece. Quando Jarvis vai acordá-lo... o herói parece quieto demais. Quieto a ponto de seu estado ser preocupante e ele chamar os outros Vingadores... Assim que chegam e acendem a luz do quarto constatam, na cama, a figura do Capitão... imóvel. Porém, trata-se apenas da armadura, que está vazia. O homem que a ocupava sumiu misteriosamente. Não há nenhuma pista de sua saída. Mercúrio pode ver, ao longe, apenas a silhueta de um corvo se afastando. 

A+:

* Última história escrita por Mark Gruenwald. Foi o autor que mais tempo passou trabalhando com o Capitão América continuamente, permanecendo no título por dez anos (1985 a 1995). Um ano depois de escrever sua última história do Capitão, Gruenwald faleceu devido a um ataque cardíaco. Conhecido por ser sempre brincalhão, a morte do editor e escritor foi recebida pelos seus amigos como uma piada, uma brincadeira a qual ele tramava algo. Infelizmente, não se tratava de um trote. Atendendo a seu pedido enquanto vivo, foi cremado e suas cinzas misturadas com a tinta de impressão do primeiro encadernado do Esquadrão Supremo.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 488

 - Captain America 442 (Agosto de 1995)
* "Broad Stripes and White Stars" - Escrita por Mark Gruenwald, desenhada por Dave Hoover e Sandu Florea, artefinalizada por Danny Bulanadi

Publicada no Brasil, pela Editora Abril, na revista Marvel 97 n° 9 ("Listras Largas e Estrelas Brancas")

Capitão América está orgulhoso da atuação de Jack Flag e Redentora no caso da Ilha da IMA. Até então, ele não tinha certeza se os novatos estavam preparados para algo dessa importância. Após a missão, o herói voltou a usar a armadura, uma vez que a energia que permitiu que ele se movesse sem ela... se foi. E justamente pensando no desgaste a que se expôs em todos esses anos é que o Capitão América quer que o casal de parceiros descanse... tirem férias e relaxem entre uma missão e outra.

Na ala de câncer do Hospital Tisch, em Manhattan, o Capitão faz uma importante visita. Os médicos disseram que Arnie tem lutado bravamente. Ao chegar ao quarto, mesmo de armadura, o herói se identifica ao debilitado amigo como Steve Rogers. Ao olhar para o Capitão usando seu novo visual, Arnie se lembra de um programa de rádio apresentando o herói chamado O Assobiador. Ele dizia "Sou o Assobiador e eu sei muitas coisas, pois caminho pela noite..." Em 1943, mudaram o ator original e nunca mais soou direito de novo. Arnie sempre achou o original com mais ironia, um tom de sabe-tudo na voz... já o novo... não. Não deixa explícito, mas o que ele quer dizer é que, olhando para como as coisas mudam (até em relação ao Capitão), não se deve substituir as pessoas. Após a reflexão, Arnie adormece.

Ao voltar para Brooklyn Heights, o Capitão é informado por Fabian que, após rodar alguns programas de busca de crimes, como havia solicitado, encontrou algo... estranho. Um homem foi encontrado morto no metrô, apunhalado no coração. A polícia não identificou, mas ele estava com um convite pra uma festa com o endereço rasgado. Arnie mostra o texto do convite:

"Caro herói da Era de Ouro, você está convidado para a Festa de Gala do 50° aniversário do fim da 2ª Guerra Mundial na residência de Thomas (o Anjo) Halloway, Heavenview Estates 2500, Palos Verdes, Califórnia, no dia 17 de junho, das 15 horas à meia-noite."

O mais estranho é que aquela não é uma cópia do convite original... mas o convite original para o Capitão América. Ele foi convidado para a mesma festa. O herói decide comparecer.

Ao norte de Los Angeles... a festa da Era de Ouro está para começar. O Capitão comparece. O dono da propriedade é realmente Thomas Halloway, um dos primeiros combatentes do crime dos anos 40. Ele surgiu antes do Capitão América. Thomas foi o primeiro a se chamar de Anjo. A julgar pela decoração, cheia de estátuas angelicais, Halloway não perdeu o interesse pelo seu codinome. Segundo o relatório do Agente Americano, anos atrás Halloway financiou vários matadores que estavam eliminando os criminosos uniformizados do submundo. Mas não há evidências suficientes para condená-lo. Devido aos últimos acontecimentos, o herói se pergunta se Halloway não teria mudado o foco de sua cruzada de criminosos pra heróis. No salão, encontra outros velhos representantes da era de ouro do heroísmo... uma era que reivindica o Capitão como membro. Todos os heróis, hoje com mais idade e em suas identidades civis, recebem com orgulho o Capitão América. Muitos deles foram inspirados pelo herói. Apesar do clima comemorativo, o Capitão alerta sobre o perigo de um possível matador de heróis.

Quase como se respondendo ao alerta do Capitão, no alto das escadas do salão, o Hauptmann Deutschland (espécie de Capitão América da Alemanha) ameaça a todos. O Capitão América estranha ameaça, uma vez que já atuou ao lado dele e sabe que é um herói. O visor de sua armadura detecta uma distorção ao redor do Hauptmann, algo que ele não havia notado antes (apesar de antes não usar um visor de armadura de alta tecnologia). O herói tenta subjugá-lo com uma contenção de mylex... mas ele desaparece. O herói pede que os veteranos permaneçam no salão e persegue o alemão que, ao ser emboscado, pergunta por que está sendo perseguido e atacado. O escudo rebate e volta, sem derrubá-lo. Talvez esteja usando uma espécie de campo de força. O Hauptmann alerta o Capitão sobre um ataque... mas é tarde demais e o herói é apunhalado pelas costas. Logo em seguida, uma foto com esse mesmo ataque é colocado ao lado dele... quando cai ao chão.

Os demais veteranos flagram Hauptmann com o Capitão América ferido no chão e decidem linchar o suposto agressor. Hauptmann redireciona a força deles mesmos contra eles e corre para a direção do garçom... que começa a desaparecer. Possivelmente o agressor do Capitão. No meio da confusão... o Capitão América também desaparece.

Logo depois, o Capitão, já recuperado, encontra o garçom e retira um dispositivo em sua cintura, que estava prestes a ser usado. O cinto era um projetor holográfico como os usados pelos vilões Miragem e Camaleão. O campo de distorção acusado pelo visor da armadura indicou que esse equipamento estava sendo usado. De fato, a espada que feriu o Capitão está nas mãos do falso garçom. Antes que o assassino fuja, Hauptmann o intercepta e redireciona a estocada da espada dele de volta pra ele mesmo. O vilão matou pela espada... e morreu por ela com um golpe no coração. É notado que a espada está estranhamente curta. Quando o vilão tentou ferir o Capitão, sua armadura encolheu a arma via partículas Pym enquanto penetrava na camada exterior.

Durante muito tempo, o vilão se passou por parceiro de Hauptmann, conhecido como Zeitgeist. Porém, na verdade, ele era o vilão que usava a alcunha de Todo-Mundo. Não se sabe o real motivo dos assassinatos. O Capitão América apenas suspeita que talvez ele acreditasse que a existência de super-humanos ridicularizava as conquistas dos homens comuns. E ele só iria parar depois de eliminar todos.
A+:

* Como de costume, Mark Gruenwald sempre "cavava" personagens obscuros dos recônditos mais longínquos dentro do universo Marvel. E quando se imaginava que ele já havia chafurdado tudo o que se refere a personagens esquecidos... ele volta-se ao passado, para a Era de Ouro dos quadrinhos, quando a Marvel ainda não se chamava Marvel, e relembra seus personagens mais antigos. É justamente isso que faz com esse encontro de heróis veteranos. É até irônico que o autor utilize um vilão como o Todo-Mundo, apesar de não ser sua criação, uma vez que, literalmente, ele pode se tornar qualquer uniformizado que desejar (sem, necessariamente, adquirir os mesmos poderes). Praticamente é ter em um único personagem a chance de mostrar outros esquecidos. Em tempo: o próprio Todo-Mundo é um vilão dos mais obscuros, tendo pouquíssimas aparições.

* Tornando-se uma espécie de serial-killer de uniformizados, Todo-Mundo havia sido exilado na América do Sul, onde começaram a aparecer suas primeira vítimas. Uma das primeiras foi um personagem chamado Captain Forsa, herói que atuava no Brasil. Esta história foi publicada em uma edição das histórias da Tropa Alfa, não publicada no Brasil.

* O personagem conhecido como O Anjo, identidade de Thomas Halloway, de fato foi criado nos quadrinhos antes do Capitão América. Sua primeira aparição se deu na primeira edição da revista Marvel Comics, da editora Timely (que, décadas depois, se tornaria a editora Marvel, em referência a sua primeira revista), em Outubro de 1939. Criado por Paul Gustavson. Basicamente, o herói era um detetive fantasiado que, no entanto, não tinha nenhum superpoder. Sequer escondia sua identidade sob a máscara. Perdendo sua mãe muito cedo, foi criado pelo pai, diretor de uma prisão, que levava o filho para o trabalho. Lá, Thomas aprendeu algumas habilidades especiais com os próprios detentos e também teve uma visão diferenciada do submundo do crime. Posteriormente, já agindo como super-herói, utilizava uma capa mística que o permitia voar. Ainda assim, usou pouquíssimo esse recurso. No Universo Marvel atual, Tom se revelou como o principal responsável em financiar as ações dos Carrascos do Submundo (agentes que matavam supervilões e que foi enfrentado pelo Capitão América). Por uma questão cronológica, o irmão mais novo de Thomas, Simon, é citado como o detentor da identidade do segundo Anjo. Simon foi morto nesta história pelo vilão Todo-Mundo.