quarta-feira, 15 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 378

 - Captain America 370 (Maio de 1990)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 175 ("O Chamado da Caveira")

História: 

* "House Calls" - Escrita por Mark Gruenwald, desenhada por Ron Lim, artefinalizado por Danny Bulanadi

Capitão América consegue sair dos escombros da galeria que desabou durante a luta entre os capangas do Clube do Inferno e o grupo de Ossos Cruzados. Logo, é localizado por policiais e bombeiros que estão no local. Ele auxilia Cascavel, que também foi protegida por seu escudo, a sair do local. Ele presta esclarecimentos para a polícia, mas não sabe o real motivo da briga dos vilões. O herói chama Cascavel de parceira e pede que ela o siga até a sede provisória dos Vingadores.

O Capitão leva Cascavel até a base, mas, por motivo de segurança, venda seus olhos e só a deixa ver novamente quando já está lá dentro. Cascavel diz que Ossos Cruzados, Madre Noite e os outros vilões trabalham para o Caveira Vermelha e que eles estão atrás de Magneto por alguma razão. O vilão mutante, aliás, tem ligações com o Clube do Inferno, motivo pelo qual o grupo tentou invadir o local.

O mordomo Jarvis traz café para a dupla e lembra o Capitão de que ele tem um compromisso com o arquiteto que irá remodelar a base. Enquanto cuida de outros assuntos, o Capitão pede que John Jameson entretenha Cascavel.

Após atender o engenheiro Eric Masterson, o Capitão América é avisado sobre um alerta na Linha Direta... luzes acesas na Mansão da Caveira! Capitão, John e Cascavel seguem para o local.

De fato, ao chegarem à Mansão da Caveira, há uma luz acesa na janela. Alguém realmente entrou ali. O herói tem cautela na investigação, pois o Caveira Vermelha monitorava cada centímetro da propriedade. No entanto, ele segue para a porta da frente, pois tem ciência de que já sabem que estão ali. Lá dentro, o Capitão alerta Cascavel sobre os sons esquisitos que há pela casa. Porém isso o lembra do local onde eles poderiam ser manipulados. Ao subir pela escada... encontra o Caveira Vermelha! O herói sabe que se trata de um holograma. O que ele não sabe é que estão sobre um alçapão nas escadas, que se abre sobre seus pés. Cascavel e Capitão conseguem se agarrar nas laterais e sair da armadilha. Assim como os degraus da escada, o holograma do Caveira se foi. Eles terão que encontrar outro caminho.

Há ruídos vindo de uma sala adjacente. Dentro dela, vários "troféus" no que parece ser um museu sobre o Caveira Vermelha. Entre esses objetos, estão réplicas dos robôs conhecidos como Hibernantes... que começam a se movimentar e atirar contra a dupla. As versões reduzidas dos robôs não são tão perigosas quanto os originais... mas o ataque em uma sala tão pequena acaba as tornando mortíferas. Após uma longa batalha, no entanto, Capitão e Cascavel conseguem destruir as réplicas.

O holograma do Caveira Vermelha reaparece e pede que os siga até o andar de cima, onde alguém quer ver o Capitão. Chegando a um quarto, o herói encontra o verdadeiro Caveira Vermelha em uma cama... aparentemente desacordado. Ao chegar mais perto, o vilão desperta e saúda seu inimigo. O Caveira diz que estava pronto para morrer... e queria que o Capitão presenciasse... como da última vez... Mas quando o viu, seu ódio lhe deu forças e razão para continuar a viver. O Capitão se espanta com o tenebroso brilho nos olhos de seu inimigo. O Caveira pede que ele parta, pois o herói já serviu a seus propósitos e outro dia eles se enfrentarão. O vilão ainda explica que foi enterrado vivo por Magneto... mas conseguiu sobreviver. Ao se exaltar em jurar vingança contra o mutante... o enfraquecido vilão desmaia.

Ao sair da Mansão do Caveira, aparentemente abalado pelo que viu, o Capitão América diz a Cascavel que se impressionou com os olhos de seu inimigo... tão vazios... sem qualquer compaixão... E que ninguém tem olhos como aqueles... Ninguém. Todos esses meses, o Capitão América se recusou a acreditar que aquele era o verdadeiro Caveira Vermelha... mas agora ele sabe que o vilão conseguiu enganar a morte.
A+:

* Quando o Caveira Vermelha voltou a aparecer, depois de sua morte, aconteceu de forma tão repentina e pouco explicada (ou pouco verossímil) que não teve o exato impacto nos leitores. Isso é demonstrado através da descrença do próprio Capitão América, que não acreditava (até então) na volta de um inimigo tão implacável quando o Caveira. Com essa história, corrige-se esse fato trazendo o vilão a um status de maldade que independe de superpoderes, além de recordar sua horripilante personalidade.

* O Caveira Vermelha foi resgatado de sua prisão subterrânea, onde Magneto o abandonou para morrer, pelos seus asseclas Ossos Cruzados, Madre Noite e Mecanus. Para localizar o paradeiro de seu líder, utilizaram os poderes psíquicos do médium Tristam Micawber, o mesmo que auxiliou o Barão Zemo a localizar as pedras de sangue (bloodstone).

* A Madre Noite demonstra ter certa intimidade com o Caveira Vermelha. Apesar de ela ter sido a babá que cuidou de sua filha (Pecado), aqui ela chega a chamar o vilão por seu nome, Johann.

* Em uma das salas da Mansão do Caveira, há vários "troféus" lembrando suas aparições passadas como réplicas dos hibernantes, uma espécie de túmulo onde se pode ver a imagem de Bucky (não como homenagem, mas como troféu), fotos com Hitler, vários uniformes e máscaras que "emulam" o estilo dos desenhistas que fizeram o vilão desde que surgiu.

terça-feira, 14 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 377

 - Captain America 369 (Abril de 1990)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 175 ("A Quadrilha do Esqueleto")

História: 

* "The Skeleton Crew" - Escrita por Mark Gruenwald, desenhada por Ron Lim, artefinalizado por Danny Bulanadi

Capitão América está à procura de Cascavel depois de afastá-la na última missão. Por coincidência, o chefe de segurança dos Vingadores, Michael O'Brien, vê um cartaz em uma boate e reconhece uma das garotas. Trata-se de Áspide, companheira de Cascavel na Irmandade da Serpente. Mike informa o Capitão, que tenta conseguir alguma informação com a vilã, mas ela o ataca e nada revela sobre a amiga.

Voltando para a Mansão, o herói se depara com um enorme e suspeito buraco no asfalto e decide investigar. O que o Capitão encontra é um enorme robô atirando uma mulher vestida de negro em sua direção. Junto ao robô está um velho conhecido do herói: Ossos Cruzados. E, para a sua maior surpresa... Cascavel também está ali e atira um de seus diamantes na mulher que o Capitão segura. Ela explica que essa mulher é uma espécie de vampiro ou bruxa e que atacou um dos vilões. Eles, na verdade, estão nos esgotos abaixo do Clube do Inferno, um clube de milionários que serve de fachada para vários mutantes malignos. Parece que está havendo uma espécie de guerra de gangues de vilões, já que o grupo de Ossos Cruzados luta contra os capangas do Clube.

O grupo de Ossos Cruzados escapa com todos os integrantes ficando invisíveis. Segundo a descrição de Cascavel há uma mulher junto a eles e tudo indica que seja a Madre Noite, capaz de utilizar seus poderes hipnóticos para torná-los invisíveis. Porém, agora o Capitão tem que dar conta dos capangas do Clube do Inferno.

Reagindo contra o herói, a Rainha Negra do Clube do Inferno faz com que o teto daquela galeria desabe, prendendo o Capitão e Cascavel embaixo de escombros e dando tempo para que ela fuja.
A+:

* Aqui, Ossos Cruzados forma um grupo de vilões ligados ao Caveira Vermelha, justamente para resgatá-lo, após ter sido sequestrado por Magneto.

* O robô que está com o grupo de Ossos Cruzados é um dos hibernante criados pelo Caveira Vermelha. Porém, quem está controlando-o é o vilão Mecanus, que também faz parte do grupo de vilões.

* Cascavel havia perdido muito dos diamantes que usava como arma e aqui recupera uma nova carga com o vilão Consertador. Esse vilão é um inventor especializado em criar ou consertar armas para supervilões e surgiu no segundo número da revista do Homem-Aranha, em 1963.

* A gangue de Ossos Cruzados invadiu o Clube do Inferno devido à dica da Irmandade da Serpente de que o Caveira Vermelha estaria por lá.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 376

- Captain America 368 (Março de 1990)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 174 ("Crepúsculo Vermelho")

História: 

* "Red Twilight" - Escrita por Mark Gruenwald, desenhada por Ron Lim, artefinalizado por Danny Bulanadi

Capitão América retorna para a base e as coisas parecem estar tranquilas, com direito a Jarvis estar orientando os paisagistas no Parque dos Vingadores. Dentro da base, o herói estuda a ficha de outro vilão... Magneto.

Dias depois, Magneto surpreende aparecendo em uma manifestação pró-mutante bem na frente do Capitólio, algo que não é exatamente do feitio do vilão. De qualquer forma, o Capitão América decide investigar. Quando chega ao local, o herói encontra uma situação ainda mais estranha: Magneto lutando contra os integrantes da Resistência Mutante. O Capitão tenta atacar, mas um campo de força magnético protege o vilão. Curioso para saber se o tal campo de força forma uma esfera em torno dele ou se vai só até o chão, o Capitão utiliza o escudo para abrir uma fresta logo abaixo. Descobre que o campo forma um hemisfério com um limite bem definido no nível do solo. Estranho... mas oportuno.

O herói consegue entrar dentro do campo de força de Magneto e atacá-lo. Quando Magneto atinge o escudo do Capitão, o herói percebe que não parece com nada de origem magnética. Ao atirar seu escudo novamente, Magneto faz com que volte para o herói em uma velocidade muito maior. Enquanto isso, um integrante da Resistência ataca o vilão e é rechaçado. Esse momento de distração permite que o Capitão se aproxime. Magneto pega o escudo e desafia o Capitão a retirá-lo. O herói, no entanto, estranha até mesmo o jeito do vilão falar. Definitivamente, aquele não é o verdadeiro Magneto. Ao invés de recuperar o escudo, o herói faz algo que o surpreende, atingindo-o com um chute em sua cabeça... que gira totalmente para trás do corpo. O suposto Magneto solta o escudo. Agora, as evidências são bem claras. Trata-se de um robô simulando os poderes de Magneto. O Capitão se lembra dos robôs que viu destruído no Edifício Smith, em Washington. Também se lembra de um robô do Magneto no laboratório de Mecanus. Ele chega à conclusão que os vilões se associaram.
A+:

* O monumento em homenagem aos vingadores, que fica no meio do parque também dedicado ao grupo (onde antes ficava a Mansão dos Vingadores), foi feito pela escultora Alicia Masters, ex-namorada do Coisa, do Quarteto Fantástico. Além de suas obras serem primorosas em detalhes, uma curiosidade quanto a seu talento é que ela, na verdade, é cega. A obra em homenagem aos vingadores também esconde a entrada para o que restou da velha sede do grupo.

domingo, 12 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 375

- Captain America 367 (Fevereiro de 1990)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 173 ("Repulsão Magnética")

História: 

* "Magnetic Repulsion" - Escrita por Mark Gruenwald, desenhada por Kieron Dwyer, artefinalizado por Danny Bulanadi

No Quartel-General dos Vingadores, Namor acorda do coma e parece desorientado... além de furioso. O Dr Pym conseguiu retirar o disco de controle do pescoço do príncipe submarino sem matá-lo. Aos poucos, Namor reconhece onde está... e que está entre amigos. O Capitão lhe explica que ele foi controlado mentalmente pelo vilão Controlador. Namor se lembra de que um misterioso homem o confundiu com um vilão e lhe ofereceu um lugar em uma assembleia de vilões que incluía o Caveira Vermelha e o Dr Destino.

A cento e vinte quilômetros de Washington, o Capitão América se lembra do homem que dizia ser o Caveira Vermelha e que possivelmente seja o mesmo que agora está se unindo a essa assembleia de vilões liderada por... Loki. O herói pensa em investigar na capital americana.

Ao chegar ao prédio onde enfrentou o suposto Caveira, o Capitão nota um buraco na parede da cobertura, destroços e sons de coisas se quebrando. Entrando pela abertura ele encontra... o Controlador. Apesar de aparentar estar um tanto grogue, o vilão logo o ataca. No meio da batalha que se segue, o herói consegue colocar um dos discos do Controlador no próprio vilão. Como o disco transfere a força do controlado para ele, o que acontece é uma espécie de curto circuito que o faz desmaiar.

Após derrotar o Controlador, Capitão América adentra ainda mais no prédio.
A+:

* Quem atacou o edifício Smith, sede do Caveira Vermelha, foi ninguém menos que Magneto. Ao associar-se com ele na assembleia formada por Loki, o vilão mutante planejou atacar o nazista. Afinal, no passado, sua família foi assassinada pelos homens de Hitler, não diretamente pelo Caveira (na época). Mas Magneto decide fazê-lo pagar simplesmente por contribuir com o drama do holocausto.

sábado, 11 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 374


 - Captain America 366 (Janeiro de 1990)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 172 ("Controle Remoto")

História: 

* "Remote Control" - Escrita por Mark Gruenwald, desenhada por Ron Lim, artefinalizado por Danny Bulanadi

Após o afundamento da Ilha dos Vingadores, o Capitão América teve que reativar as sub-bases de Manhattan. A destruição de sua base de operações foi o início de uma guerra secreta contra os Vingadores... uma guerra cuja primeira baixa é Namor, o príncipe submarino.

Na base, o doutor Hank Pym examina Namor, mas constata que ele está muito mal. Mas, apesar de estar em coma, Namor apresenta sinais vitais estáveis. O Capitão América diz que mexeu no disco de controle em sua nuca e pergunta se isso causou algum dano. Infelizmente não é possível saber, principalmente porque o disco ainda está funcionando. O Capitão acha melhor encontrar o Controlador, criador desses discos, e fazer com que ele liberte Namor. O disco retira a força da pessoa e a transmite de alguma forma ao vilão. O Capitão pede a um dos funcionários que trabalhe junto a Hank Pym para rastrear o local da transmissão.

Pouco depois... O Capitão carrega um detector de sinais de disco controlador e segue o sinal da transmissão, que o leva até uma nave estacionada em cima de um prédio. A nave levanta voo verticalmente. O Capitão América deixa a moto voadora no automático e salta na nave suspeita. Uma porta se abre e, dentro da nave, o Capitão encontra... o Controlador, juntamente com Ossos Cruzados e o vilão conhecido como Voz (capaz de comandar qualquer pessoa com sua voz). O Capitão sabe que o Controlador está em poder da força e da velocidade de Namor. Por isso joga duro contra seu oponente. Apesar da desvantagem física, o herói consegue fazer com que o vilão perca o equilíbrio. Ele ainda golpeia o Voz, vilão que escapou recentemente da Gruta, e tentava comandá-lo. Enfurecido, o Controlador acaba voando pela janela da nave. O herói salta atrás dele, pois ainda precisará de um dos discos do vilão. Agarrando-se ao pescoço do Controlador, logo o Capitão percebe que o vilão está tentando colocar um de seus discos em sua nuca. Assim que chegam ao chão, o Controlador amortece a queda com seu enorme corpo e o Capitão América salta em seguida... Mas é o momento de distração que serve para que o vilão consiga colocar o disco em sua nuca. Com isso o Capitão América cai ao chão, paralisado e o Controlador volta para a nave, rejubilando-se por agora ter a agilidade do Capitão América. O que o vilão não percebe é que, assim que parte, o Capitão se levanta. O revestimento cibernético que Hank Pym colocou embaixo de sua máscara funcionou e isolou o poder do disco. O herói finalmente conseguiu o que buscava.

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 373

- Marvel Comics Presents 34 (Dezembro de 1989)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 139 ("Pecados Passados e Presentes")

História: 

* "Past and Present Sins" - Escrita por Sholly Fisch, desenhada por Jack Sparling, artefinalizado por Randy Emberlin

O Capitão América recebe um misterioso chamado. Ao encontrar-se com quem lhe chamou, descobre que se trata de Thin Man, super-herói dos anos 40. Apesar de ter envelhecido, o herói o reconhece pelo seu uniforme.

Thin Man conta ao Capitão que adquiriu seu poder de tornar seu corpo superfino em um local chamado Kalahia, no Himalaia. Chegando lá, quase morreu com o inóspito clima gelado do local. Mas foi levado para essa cidade e adquiriu este poder. Thin Man ajudou a America durante a guerra, tencionando voltar para Kalahia assim que terminasse. Porém, quando lá chegou, a cidade havia sido destruída pelos nazistas.

Desejando de alguma forma se vingar pela destruição de Kalahia, Thin Man voltou aos Estados Unidos e juntou-se a recém formada CIA. Para eles, seria muito útil um espião capaz de passar por baixo de portas. Em troca, a organização lhe abriria seus arquivos, que lhe ajudou a procurar criminosos de guerra.

Um dos criminosos encontrados foi o Agente Eixo, contra o qual o Capitão América havia lutado na Segunda Guerra. O mais impressionante é que a própria CIA havia negociado com o vilão, assim que a guerra acabou, para que ele revelasse segredos sobre os russos (os inimigos da vez após a grande guerra) e, assim, ganhasse certa imunidade como cidadão americano. Thin Man descobriu onde o vilão mora e leva o Capitão até lá.

Chegando a um apartamento no bairro do Queens, a dupla visita um senhor que tem por volta de oitenta anos. O idoso fica surpreso com a insinuação de que ele seria um criminoso de guerra. Thin Man perde a cabeça e atira no homem... que desvia rapidamente da bala. Trata-se, de fato, do Agente Eixo.

O vilão, ao contrário do que se pode imaginar, convida dos heróis para tomar uma xícara de café em seu apartamento. Calmamente, ele confessa que realmente foi um criminoso, mas agora seus crimes foram esquecidos em troca de favores ao governo americano e que não há mais nada para ser pago. Na verdade, há sim. A massacre de Kalahia. Mas ele desafia o Capitão a matá-lo a sangue frio, única forma de penalizá-lo. 

Thin Man salta no vilão e, com seu corpo fino como uma fita, aperta-o até matar, culpando pela destruição de Kalahia. O velho herói agradece o Capitão América por tê-lo ajudado. O Capitão, no entanto, diz que não sente orgulho do que acaba de ver. Não importa os crimes que o vilão tenha cometido, pois o próprio Thin Man acaba de cometer um: assassinou um homem. O Capitão América sai do apartamento e diz que irá chamar a polícia. Ele alerta o Thin Man para que esteja no local quando os policiais chegarem.

A+:

* De fato, Thin Man e o Agente Eixo eram personagens da Marvel Comics nos anos 40, quando a editora nem mesmo tinha esse nome (chamava-se Atlas). 

* É interessante notar que nos anos 40, chamado de Era de Ouro dos Quadrinhos, haviam tantos personagens novos que confundiam não só o leitor, mas também os autores. O próprio Agente Eixo foi pivô de uma confusão desse tipo. Reaproveitado de uma história antiga por um jovem Stan Lee, só depois de publicado é que notaram uma falha gravíssima: o personagem, então pouco aproveitado, era da editora concorrente, a National Periodical (futura DC Comics). Obviamente, as histórias futuras com o personagem foram descartadas. Porém, mesmo a DC acabou por não aproveitá-lo. Mais de uma década depois, o escritor Roy Thomas, então trabalhando para a Marvel, decidiu reaproveitar o personagem... da versão de Stan Lee. Para não causar mais confusões, mudou sua origem e o incorporou ao universo Marvel. E, mesmo assim, o personagem foi pouco aproveitado. Muito barulho por nada.

sexta-feira, 10 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 372

 - Captain America 365 (Dezembro de 1989)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 171 ("Submissão")

História: 

* "Submission" - Escrita por Mark Gruenwald e Kieron Dwyer, desenhada por Kieron Dwyer, artefinalizado por Danny Bulanadi

Voltando de Madripoor, o jato do Capitão América pede permissão para pousar na Ilha dos Vingadores. Porém, ninguém responde ao pedido. Quando chegam ao local... a ilha... sumiu! Mesmo tentando contato via rádio, não há nada na frequência dos Vingadores. O Capitão América pede que John Jameson pouse em Newark. Ele pretende sair com Cascavel para investigar sobre o desaparecimento da ilha.

O Capitão América não tem ideia do que aconteceu, mas sabe que essa é uma emergência dos Vingadores. Por isso, diz a Cascavel que ela está fora da missão. Ela se enfurece, principalmente depois do que os dois passaram juntos (a caçada das pedras bloodstone). 

Pilotando um mini jato, os dois encontram uma balsa onde estão estacionados os outros jatos dos Vingadores. Também encontram Jarvis e alguns dos funcionários da manutenção. Os funcionários estão apavorados. O Capitão pede calma e pergunta a Jarvis o que aconteceu. O mordomo explica que há umas seis horas, um bando de robôs atravessou o solo da ilha flutuante... e ela afundou. Os demais funcionários acrescentam que não deu para fazer nada, pois os robôs eram muitos. O herói cósmico Quasar era o único herói que estava presente... fez o que pôde... mas não foi o suficiente. Diante do desastre, o Capitão diz que vai ver se consegue um quartel general temporário na complexo do Quarteto Fantástico.

O Capitão retorna à noite e diz que não conseguiu. Parece que o Quarteto Fantástico está fora da cidade. Jarvis sugere o porão da velha Mansão dos Vingadores abaixo do parque dos vingadores.

Depois que se instalam no porão, a equipe avisa o Capitão América que Namor, o príncipe submarino, foi visto próximo ao porto. Provavelmente ele está à procura da Ilha dos Vingadores. O Capitão sai para encontrá-lo. Porém, chegando ao local, não encontra nenhum sinal de Namor. De repente... o Capitão tem apenas um instante para girar seu corpo pra que o escudo receba todo o impacto. Namor acaba de atacá-lo furiosamente. Rapidamente, o príncipe submarino volta a investir contra o Capitão e o arrasta para o fundo do mar rápido demais para que o herói reaja. O Capitão tenta um golpe no pescoço de Namor, mas ele consegue desviar. Mesmo assim aparenta estar um pouco tonto. Ao aproveitar a chance de escapar, o herói vê algo preso na nuca de Namor. Mas não pode verificar de imediato pois seu fôlego está acabando. Namor tenta arrastá-lo novamente, mas o Capitão consegue escapar de suas mãos golpeando-o com o escudo. Com essa aproximação, o herói percebe que o que está na nuca do príncipe submarino é um disco de controle, do mesmo tipo que é usado pelo vilão conhecido como Controlador. O Capitão chega à Ilha da Liberdade (onde fica a Estátua da Liberdade), mas Namor o alcança e ele é novamente golpeado. O herói só consegue escapar graças a seu escudo, pois a força de Namor é descomunal. O herói finge que desmaiou, espera Namor se aproximar... e golpeia o aparelho em sua nuca. Namor começa a ter convulsões, pois o golpe causou uma pane no disco de controle. Logo em seguida, Namor desmaia. O Capitão tem medo de quebrar a conexão entre o disco e seu sistema nervoso e causar algum dano irreversível ao seu cérebro. Mas agora ele tem certeza que a culpa desse ataque, na verdade, é do Controlador.
A+:

* Essa história pertence ao evento conhecido como Atos de Vingança. Nele, vilões de grande calibre, se reúnem para administrar ataques contra os heróis. A estratégia consiste em atacar os heróis com um vilão que eles nunca tenham enfrentado. Nesta edição, o Capitão enfrenta (mesmo que indiretamente), o vilão conhecido como Controlador, capaz de controlar mentalmente suas vítimas através de um dispositivo instalado na nuca. Esse vilão, na verdade, costuma enfrentar o Homem de Ferro. O evento foi idealizado pelo escritor e desenhista John Byrne, padrasto de Kieron Dwyer, então desenhista das aventuras do Capitão América. Os vilões que chefiavam os ataques eram Loki, Doutor Destino, Rei do Crime, Magneto, Mandarim, Caveira Vermelha, Mago, Apocalipse, Cobra e Pensador Louco. Namor chegou a ser recrutado, por seu passado um tanto vilanesco, mas recusou participar da investida. No final, todo o plano mostrou ser uma manipulação de Loki.

* A Ilha dos Vingadores, que agora foi destruída, surgiu como substituição à famosa Mansão dos Vingadores, que também foi destruída, só que por um ataque do grupo Mestres do Terror. No lugar da Mansão dos Vingadores, em homenagem ao grupo foi criado o Parque dos Vingadores.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 371

 - Captain America 364 (Dezembro de 1989)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 168 ("Luar sobre Madripoor - parte 2")

História: 

* "Man Trap" - Escrita por Mark Gruenwald e Kieron Dwyer, desenhada por Kieron Dwyer, artefinalizado por Danny Bulanadi

Preso por uma armadilha que imobilizou seu pé, o Capitão América é atacado pelo corpulento vilão, que veste uma máscara de caveira, e percebe que ele não é um amador. Conseguindo se livrar da armadilha, constata que o corte foi profundo, mas não pegou o tendão. O vilão, que se identifica como Ossos Cruzados, o domina e está prestes a enfiar uma lâmina na cabeça do herói. Mas o Capitão se recupera e o golpeia com seu escudo, dominando-o. Agora, o herói só quer saber onde está Cascavel. Ossos cruzados concorda em levar o Capitão até sua parceira.

Dez minutos depois, chegam a um prédio abandonado. Desconfiado, apesar de Ossos Cruzados estar imobilizado, o Capitão o faz ir à frente. Mesmo assim, o vilão se aproveita de um momento de distração e pisa no pé ferido do herói, disparando pelas escadas do prédio. O vilão se encontra em um quarto dividido por uma cortina. O Capitão tem cautela ao entrar no local. Quando está no meio do quarto, Ossos Cruzados alerta para que ele não se mova. Acontece que o tapete em que o Capitão está pisando esconde uma placa sensível a pressão conectada a uma bomba. Se tirar o peso de seu corpo da placa, a sala inteira vai pelos ares. O vilão abandona a sala e diz que Cascavel, na verdade, está longe dali.

Sozinho, o Capitão confirma se existe mesmo a tal placa debaixo do tapete. De fato, há uma parte do chão separada do resto. Provavelmente é a placa. Não é possível saber se a bomba está debaixo das tábuas ou só o detonador. Olhando em volta, ele nota uma fresta perto do teto. Possivelmente uma janela de observação. Considerando que Ossos Cruzados tem algum capanga, o Capitão deduz duas coisas. Primeiro, a bomba não é tão poderosa pra que um observador tema pela vida. Segundo, a bomba está perto dele e o mais longe possível da fenda de observação. Mas ainda existe a possibilidade de Ossos Cruzados considerar o suposto capanga... dispensável.

O Capitão América tem uma ideia. É hora de arriscar. Se a bomba estiver debaixo das tábuas, seu escudo deve absorver o impacto da explosão. A ideia é subir em cima do escudo, contar até três e saltar. O herói põe em prática sua ideia e, assim que o escudo sob seus pés atinge o tapete... a sala explode.

Pouco depois, o Capitão América está fora do prédio. Sua ideia deu certo. Nos arredores de onde aconteceu a explosão, o herói encontra alguém aparentemente preocupada... Cascavel. Ela conseguiu se libertar sozinha, afinal. Mesmo assim, o herói ainda quer reencontrar Ossos Cruzados.
A+:

* O vilão Ossos Cruzados é um daqueles casos em que há uma enorme confusão quanto ao local de sua primeira aparição. Há quem diga que sua primeira aparição se deu em Captain America 359, onde o herói está saindo da selva amazônica, escapando de uma tribo que segue o costume dos antigos incas. Na verdade, ali foi mostrado apenas a silhueta de um observador misterioso... e esse observador era Ossos Cruzados. Mas essa foi sua única aparição. Nas edições seguintes, foi se tornando mais evidente. Em uma edição mostrava-o como observador, porém, já mostrando seu visual. Em outra aparecia repentinamente e só dizia uma frase... e assim por diante. A verdade é que seu efetivo embate com o Capitão América se deu no final da edição 363 (nas últimas duas páginas) e a grande batalha se deu na edição 364. Em resumo: o vilão, apesar de surgir apenas como uma silhueta pensante, foi criado na edição 359, pois já estava planejado como um novo vilão.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 370

 - Captain America 363 (Novembro de 1989)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 168 ("Luar sobre Madripoor")

História: 

* "Moon Over Madripoor" - Escrita por Mark Gruenwald e Kieron Dwyer, desenhada por Kieron Dwyer, artefinalizado por Danny Bulanadi

Capitão América volta para a Ilha dos Vingadores (passando antes no Egito para dizer a Múmia Viva que a bloodstone se perdeu), mas ainda está intrigado com o sumiço de Cascavel. Chega a assumir que está sentindo falta dela.

Logo, recebe uma ligação que diz que Cascavel está em Madripoor. Ele, no entanto, só acredita quando a ouve gritando do outro lado, alertando que se trata de uma armadilha. Transportado pelo jato pilotado pelo coronel Jameson (que pede ao Capitão para ser chamado apenas de John), o herói salta em Madripoor e segue para o bar barra pesada Macaco de Bronze. Lá, ele encontra um homem com uma máscara de caveira e um uniforme onde se destacam ossos cruzados (tal qual uma bandeira estilizada de pirata). O mascarado exige que o herói lhe dê o escudo. Notando que se trata do captor de Cascavel, o Capitão o persegue pelo cais, mas é pego em uma armadilha. Agora, o pé do herói está preso e o mascarado se aproxima com uma arma na mão.

Continua...
A+:

* A cidade fictícia de Madripoor fica em uma ilha próximo a Cingapura. A criminalidade do local é tão alta que suas atividades ilícitas chegam a ser uma das bases do governo local. Vários vilões frequentam a cidade, bem como, ocasionalmente, alguns heróis são vistos por lá. O mais notório herói a viver em Madripoor foi Wolverine, quando se envolveu na parte pobre (e criminosa) da cidade sob o codinome de Caolho. Boa parte das aventuras do personagem entre os anos 80 e 90 se passaram em Madripoor. Nessa aventura do Capitão, inclusive, a silhueta de Wolverine aparece em um beco, observando a movimentação do vilão.

terça-feira, 7 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 369


 - Captain America 362 (Novembro de 1989)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 168 ("A Jóia do Desespero - parte 2")

História: 

* "Necromancing the Stone" - Escrita por Mark Gruenwald e Kieron Dwyer, desenhada por Kieron Dwyer, artefinalizado por Danny Bulanadi

No Egito, o Coronel Jameson consegue acelerar a nave o suficiente para tirar Capitão América e Cascavel da mira da nave de Zemo. Porém, no meio da confusão, o Capitão perde a bloodstone que resgatou das tumbas. Com isso, o grupo de Zemo está empatado com o número de pedras que o grupo do Capitão tem.

Os vilões seguem para Tóquio, onde se desconfia estar o quinto e último fragmento. O local difere dos demais, mas é então que o grupo percebe um padrão da localização das pedras. As anteriores estavam em um covil sacrificial nos subterrâneos de Manhattan, em uma tribo inca que utilizava a Roda de Sacrifício, em um jato afundado em Bermudas e em um túmulo de um faraó egípcio. Ou seja, locais que remetem a morte. Em Tóquio, apesar de aparentemente ser diferente do padrão, a pedra está em poder de uma seita que se reúne em um restaurante. O guru da seita, vendo seu local ser invadido, engole a pedra. Mas Machete, usando suas lâminas, consegue recuperá-la...

Quando os vilões saem do restaurante, topam com o Capitão América, que tenta recuperar o fragmento. Ao invés de entregarem a pedra, a Brigada Batroc entrega o comunicador onde Zemo marca um encontro em um vulcão com o Capitão, negociar sobre as outras partes.

Duas horas depois, na cratera do vulcão inativo, a nave do Capitão pousa e ele se encontra com Zemo. O vilão não revela o porquê está à procura das pedras e ameaça explodir um quarteirão de Tóquio. Quando o Capitão volta para a nave, o coronel Jameson está desacordado e suas pedras sumiram. O herói acusa Zemo de ter trapaceado... mas o vilão também o acusa de estar se valendo de algum truque, pois não roubou as outras partes.

A nave de Zemo é rasgada ao meio com um feixe de energia e de dentro dele aparece... o primeiro Barão Zemo, pai do vilão atual. Ele carrega a pedra Bloodstone inteira em sua testa e parece estar possuído, dizendo ser a criatura infernal conhecida como Helix. Zemo (filho) está totalmente descontrolado, pedindo que seu pai aja normalmente, mas a criatura diz que usou o corpo no avião (e esse era o motivo de Zemo recuperar os fragmentos) para poder se locomover.

O Capitão tenta atacar Zemo (pai), mas ele e seu filho revidam. Porém, em dado momento, o herói lança seu escudo e também percebe uma flecha atirada de dentro da nave de Zemo. A criatura é destruída e o corpo moribundo cai em um profundo abismo. Zemo (filho), enlouquecido, mesmo sendo ajudado pelo Capitão, prefere se soltar e seguir seu pai, em uma queda suicida.

O herói segue para a nave destruída de Zemo, atrás de Cascavel (que a invadiu para roubar as outras pedras). Porém, misteriosamente, não a encontra. Esse mistério talvez esteja ligado a outro: quem atirou a flecha que destruiu a criatura infernal?

Continua...
A+:

* O título original desta história é uma homenagem ao filme Tudo Por Uma Esmeralda (Romancing the Stone, no original), dirigido por Robert Zemeckis, em 1984, e estrelado por Michael Douglas, Kathleen Turner e Danny DeVito. O filme tem o mesmo tom aventuresco que essa saga do Capitão. Trailer.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 368


 - Captain America 361 (Novembro de 1989)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 168 ("A Jóia do Desespero")

História: 

* "Lair of the Living Mummy" - Escrita por Mark Gruenwald e Kieron Dwyer, desenhada por Kieron Dwyer, artefinalizado por Danny Bulanadi

O Capitão América consegue escapar de um fosso cheio de cobras, escorpiões e aranhas graças a seu uniforme feito de microcota de malha. Também se posiciona embaixo de Cascavel, tendo tempo de lançá-la para fora do fosso. Ela, por sua vez, em um esforço doloroso, oferece seu braço ferido para tirar o herói de lá. Cascavel acaba deslocando o ombro e, quando o Capitão o coloca no lugar, sua parceira desmaia com a dor. Porém, basta apenas um instante que ele perca para recuperar seu escudo (que ficou preso na porta da armadilha) para notar que Cascavel... desapareceu.

O herói segue pela tumba egípcia, seguindo traços de pano envelhecido e chega até uma câmara onde encontra sua parceira, que foi sequestrada por... uma múmia viva. Na verdade, uma múmia com uma força descomunal. O herói enfrenta a criatura, mas logo descobre que ela estava ajudando Cascavel a curar seu braço. A Múmia grunhe em um dialeto egípcio. O Capitão não consegue entender, mas Cascavel, que aprendeu algo sobre a língua com Áspide, sua ex-colega na Irmandade da Serpente, consegue traduzir e descobrir que a Múmia se sentiu atraída por traços da pedra bloodstone nela. Melhor ainda, a própria Múmia carrega um dos fragmentos, pois, se conseguir os outros, poderá restaurar seu corpo. O Capitão pede o fragmento da Múmia, explica que a pedra está sendo caçada por vilões e promete que voltará para trazer os outros fragmentos. A Múmia confia no herói e lhe dá o fragmento.

Lá fora, nas areias, Zemo envia Batroc e seus asseclas para capturar os outros fragmentos com o herói. Capitão e Cascavel conseguem escapar dos vilões e alcançar a escada que leva até a nave. Porém, antes que consigam subir a bordo, a nave de Zemo começa a atirar na dupla.

Continua...
A+:

* Apesar do visual genérico, a múmia que o Capitão América enfrenta não é uma múmia qualquer. Trata-se de Múmia Viva, personagem obscuro das histórias de terror da Marvel, que teve sua própria série de histórias, publicadas na década de 70, na revista Supernatural Thrillers. No Brasil, chegou até mesmo a ter uma revista mensal, chamada A Múmia, publicada pela Bloch.

domingo, 5 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 367


 - Captain America 360 (Outubro de 1989)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 167 ("Ossos da Discórdia - Parte 3")

História: 

* "Blood In The Sea" - Escrita por Mark Gruenwald e Kieron Dwyer, desenhada por Kieron Dwyer, artefinalizado por Danny Bulanadi

Nas Bermudas, ao tentarem encontrar uma das pedras bloodstone nos destroços de um avião no fundo do mar, Capitão América, Batroc, Machete e Zaran se deparam com um enorme grupo de tubarões. Na verdade, quem topou com os tubarões foi Batroc que voltou nadando desesperado para junto do grupo, trazendo-os para perto. O herói luta com Zaran e Machete, tentando alertá-los sobre o perigo. Mas os vilões pensam tratar-se de um truque. Somente quando o Capitão força Zaran a olhar para trás é que entendem o alerta.

O grupo tenta se esconder nos destroços do avião. Os três vilões chegam primeiro na cabine e conseguem se isolar... deixando o Capitão para enfrentar os tubarões sozinho. Batroc, talvez impressionado com a ferocidade com que o herói enfrentar os predadores, decide escapar da cabine e ajudá-lo ao mesmo tempo. Subindo rapidamente, Batroc esfaqueia um dos tubarões que acaba de abocanhar o escudo do Capitão América. Isso faz com que os outros sejam atraídos por seu sangue e o devorem, dando tempo do herói conseguir escapar.

Na superfície, Cascavel consegue encontrar o iate onde está o Barão Zemo e domina o vilão. Mesmo com a chegada dos comparsas do vilão, ela exige que a terceira pedra lhe seja entregue (uma vez que já tomou a maleta com as outras duas) em troca da vida de Zemo, que está em seu poder. Batroc, que está com a terceira pedra, a atira em sua direção... mas Zaran entende o movimento e também atira uma de suas lâminas contra Cascavel... fazendo-a com que largue a maleta e caia no mar... ferida. No entanto, para desespero de Zemo... a maleta está vazia.

No mar, o Capitão América encontra a sua parceira e a leva para seu jato, convocando o coronel Jameson. Cascavel recebe um curativo. Apesar do ferimento da adaga de Zaran em seu ombro, ela ainda está viva e insiste em seguir o herói para o próximo ponto onde se encontra mais um fragmento: as areias do Egito. Antes do jato do Capitão partir, uma misteriosa figura com uma máscara de caveira e ossos cruzados observa ao longe.

Capitão e Cascavel seguem o sinal por uma entrada que os leva às catacumbas enterradas no deserto. Lá dentro, porém, acabam pisando em uma armadilha e um enorme fosso, cheio de cobras, escorpiões e aranhas, logo abaixo deles.

Continua...

sábado, 4 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 366


 - Captain America 359 (Outubro de 1989)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 167 ("Ossos da Discórdia - Parte 2")

História: 

* "Wheel of Death" - Escrita por Mark Gruenwald e Kieron Dwyer, desenhada por Kieron Dwyer, artefinalizado por Danny Bulanadi

No meio da selva amazônica, Barão Zemo, Batroc, Zaran e Machete estão presos na roda da morte, um artefato inca que é utilizado pelos indígenas para seus sacrifícios humanos. Até então, os nativos esperavam dois novos prisioneiros para completarem a roda e começarem o sacrifício. Isso se completa com a chegada do Capitão América e Cascavel, que foram envenenados e paralisados com dardos de curare.

O Capitão América utiliza de seus conhecimentos de ioga para acelerar seu coração e fazer com que o veneno seja metabolizado mais rapidamente. Se recuperando antes dos demais, o herói consegue utilizar sua força para quebrar as amarras que o prende e livrar o Barão Zemo de ser atingido por uma lança cerimonial no último momento.

Sendo o primeiro a se livrar, o Capitão luta contra os indígenas e recupera seu escudo e o crânio de Ulysses Bloodstone. Quando volta ao poço da roda, encontra apenas Cascavel, ainda zonza por causa do veneno. Os vilões, que estavam há mais tempo, conseguem escapar. Fora da pirâmide, Capitão e Cascavel observam a nave de Zemo se afastar. o herói contata o coronel Jameson, que traz sua nave próxima ao ponto onde se encontra e o resgata. No entanto, os vilões conseguiram roubar o fragmento da bloodstone que estava na máscara do chefe da tribo. Quando todos partem, uma misteriosa figura apenas observa, lamentando que os vilões tenham vencido.

O crânio de Ulysses indica que o próximo fragmento se encontra nas Bermudas, dentro dos destroços de um avião no fundo do mar. Enquanto o Capitão mergulha, Cascavel investiga se algum iate foi alugado por Zemo (ela lamenta não acompanhar o herói, que a incumbe dessa investigação). 
No fundo do mar, perto dos destroços, o herói encontra Batroc, Zaran e Machete que tentam matá-lo. Mas os antagonistas tem que cessar sua luta no fundo do mar, pois há um problema muito mais ameaçador... as águas estão infestadas de tubarões.

Continua...

sexta-feira, 3 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 365


 - Captain America 358 (Setembro de 1989)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 167 ("Ossos da Discórdia - Parte 1")

História: 

* "Bones of Contention" - Escrita por Mark Gruenwald e Kieron Dwyer, desenhada por Kieron Dwyer, artefinalizado por Danny Bulanadi

Muito abaixo dos edifícios de Manhattan, descendo além dos canos de esgoto e túneis de metrô, existem catacumbas. Poucos sabem disso, e raros são aqueles que encontram as trilhas que levam a esse reino de trevas perpétuas. Através de uma corda, é por essas trevas que o Capitão América chega ao fundo, respondendo a um sinal de um engenhoso transmissor capaz de transmiti-lo por quilômetros. 

Ao chegar ao fundo encontra ossos que parecem ser das criaturas comandadas pelo vilão Toupeira. Logo, o herói descobre o que pode ter matado as criaturas: espinhos são atirados, provavelmente acionados por alguma espécie de armadilha. O Capitão usa sua agilidade e escudo para ficar fora da linha de fogo. Mas isso não é tudo. Ao escapar de uma armadilha, o herói se depara com outra cada vez mais mortal, de poços de lava até câmaras cheias de afiados espinhos que se fecham a sua volta.

A longa jornada leva o Capitão América até o que parece ser uma câmara cerimonial onde encontra o corpo de dois homens, uma mulher e até mesmo o de um golfinho. No meio da câmara, uma espécie de poço de sacrifícios com ligação a uma fenda no teto. O sinal do transmissor indica que está sendo retransmitido de dentro do poço. O herói constata que o mesmo é profundo demais. Além disso, uma fortíssima corrente de ar parte de dentro dela.

Descendo pelo poço, as botas do herói parecem tocar uma espécie de caixa, que ficou presa em uma das saliências e está sendo escorada pelo forte vento que vem do fundo. Quebrando a caixa, o herói se surpreende com a presença de... Cascavel, que estava presa dentro dela e acionou o sinalizador. A ex-integrante da Irmandade da Serpente explica que foi capturada e jogada pelo poço pelos vilão Batroc e seus capangas. Fala também sobre o esqueleto de Ulysses Bloodstone, nome que o Capitão acha familiar. Com o intento de investigar mais sobre esse nome, o herói decide levar o crânio no caixão com ele.

Chegando à ilha dos Vingadores, o Capitão mostra urgência em descobrir mais sobre o mistério revelado por Cascavel. Estudando mais sobre Ulysses Bloodstone, descobre que era um aventureiro intitulado "Caçador de Monstros" e que uma gema mística, incrustrada em seu peito, foi partida em pedaços em uma de suas aventuras. Já o crânio trazido pelo herói demonstra emitir uma estranha radiação... um sinal que apontava, possivelmente, para os outros fragmentos da joia. Com o novo piloto, o coronel John Jameson, e utilizando seu novo jato, o Capitão e Cascavel partem para o local onde a pedra emite a sinalização: a selva amazônica.

O sinal fica mais forte em uma parte da selva onde é impossível pousar. Por isso, Capitão e Cascavel saltam de paraquedas até o seu alvo (Cascavel, esforçando para ser uma parceira perfeita, até mente que já saltou várias vezes). No meio da selva, o casal se depara com indígenas que usam máscaras incas e os captura. Eles são levados até uma espécie de pirâmide onde o chefe dos indígenas usa uma máscara onde está incrustrada uma joia... a bloodstone. O líder dos indígenas ordena que seja levantada a roda da morte, uma saliência ornamentada onde estão presos Batroc, Zemo, Machete e Zaran. Percebendo que os vilões ainda estão vivos, Capitão decide agir, mas ele e Cascavel são atingidos na nuca por dardos carregados de curare e estarão paralisados em segundos. 
A+:

* Aqui é mostrado o jato personalizado do Capitão América, uma variação dos jatos dos vingadores que agora é exclusivo do então líder e administrador do grupo. Não é explicado na edição brasileira, mas os responsáveis pelo novo design são os wakandianos enviados pelo Pantera Negra.

* O novo piloto do jato do Capitão América é o Coronel John Jameson. O sobrenome não é estranho para os fãs de quadrinhos da Marvel. Trata-se do filho de J. Jonah Jameson, editor do jornal Clarim Diário e um dos maiores opositores contra a atuação do Homem-Aranha (Jameson não sabia que um de seus fotógrafos, Peter Parker, era a identidade secreta do herói). Ao contrário do que o Capitão imaginava, John confirma que seu pai de fato não gosta de heróis, focando seu preconceito contra o Aranha. Dos Vingadores, no entanto, o editor até simpatizava, possivelmente pela presença do Capitão América, herói que atuou na juventude de Jonah quando lutou na Segunda Guerra.

John viria a se tornar um importante coadjuvante dentro do sub-universo dos vingadores, sendo até mesmo o principal interesse amoroso de Jennifer Walters, a Mulher Hulk, integrante do grupo. Seu passado como vilão, no entanto, o assombraria algumas vezes, já que ele foi, involuntariamente, transformado no Homem Lobo, inimigo do Homem-Aranha.

* A saga da Caçada à Pedra de Sangue (a tal bloodstone) tem bem o clima das aventuras cinematográficas de Indiana Jones, provavelmente inspiradas pelo filme "Indiana Jones e a Última Cruzada", sucesso em 1989, ano em que essa história foi lançada.

* Aqui começava a longa parceria do Capitão com a ex-vilã Cascavel. Além da abordagem de seu passado criminoso (tanto sendo lembrada disso por outros heróis quanto perseguida por seus ex-parceiros) também havia a paixão da personagem pelo herói, verdadeiro motivo dela querer estar sempre tão perto.

* Desde a edição passada, a revista americana do Capitão América passou a ser quinzenal, ao invés de mensal, e assim permaneceu por um ano. A revista também se dividia em duas histórias (no caso desta edição, a história secundária foca o Agente Americano, John Walker) tirando uma inevitável sobrecarga de trabalho do desenhista. O escritor Mark Gruenwald, no entanto, permanecida escrevendo ambas.

* Os corpos dos dois homens, da mulher e do golfinho encontrados pelo Capitão América nos subterrâneos da cidade pertencem a uma aventura do próprio Ulysses Bloodstone em aventuras solo do personagem, inédita no Brasil.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 364


 - Captain America 357 (Setembro de 1989)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 166 ("Caçada à Pedra de Sangue - Prólogo")

História: 

* "The Bloodstone Hunter" - Escrita por Mark Gruenwald, desenhada por Kieron Dwyer, artefinalizado por Al Milgrom

O Museu de História Natural de Nova Iorque... três misteriosas figuras invadem o local e roubam uma espécie de caixote. O segurança noturno os surpreende. Ao iluminar os ladrões, descobre que se trata dos vilões Machete, Batroc e Zaran. Apesar de seus comparsas esfaquearem o segurança, Batroc prefere que ele fique vivo por uma questão de orgulho. Afinal, adora que seu "trabalho" seja reconhecido. O trio leva o caixote para um furgão e partem... sem perceber que outra misteriosa figura está em cima deles, seguindo-os.

O trio de vilões entrega o caixote para seu empregador, o também vilão Barão Zemo. Quando Zemo abre o caixote, ele revela o esqueleto de Ulysses Bloodstone, um renomado caçador de monstros, que viveu por milênios, graças a uma pedra incrustrada em seu peito. A morte de Ulysses se deu quando ele enfrentou uma criatura feita da mesma joia que o manteve vivo durante tantos anos, e que foi retirada por um cartel do crime para a criação da criatura. Com o ajuda do detetive psíquico Tristam Micauber e do trio de vilões, Zemo pretende encontrar os demais fragmentos da Pedra de Sangue.

Zaran acaba capturando a figura misteriosa que os seguia. Trata-se da vilã Cascavel, ex-integrante da Irmandade da Serpente. Zemo retira a parte do esqueleto onde a pedra esteve presa por muito tempo e, com ela, tem uma espécie de forquilha, que o guiará até os outros fragmentos. Cascavel é presa dentro do caixão onde esteve o esqueleto de Bloodstone e é jogada em um poço. 

Começa assim a Caçada à Pedra de Sangue.

Continua...
A+:

* Ulysses Bloodstone é um personagem obscuro no Universo Marvel, espécie de protagonista que ambientava suas aventuras entre os monstros criados pela Marvel em suas revistas de ficção científica e terror na Era de Prata dos Quadrinhos.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

O DIÁRIO DE STEVE ROGERS - Parte 363


 - What If...? 3 (Setembro de 1989)
> Publicada no Brasil na revista Capitão América 170 ("O Que Aconteceria Se Steve Rogers Tivesse Se Recusado a Deixar de ser o Capitão América?")

História: 

* "What If... Steve Rogers Had Refused To Give Up Being... Captain America?" - Escrita por Jim Valentino, desenhada por Dave Simons, artefinalizado por Bob Downs

Em uma realidade alternativa, Steve Rogers se recusou a entregar seu uniforme para os burocratas da Comissão. Esta decisão fez com que o próprio governo americano o tratasse como traidor e iniciasse uma caça a seu mais antigo operativo ainda vivo. A SHIELD foi contatada para cumprir essa missão, mas seu diretor, Nick Fury, fez vista grossa para a tarefa. Para não colocar seus amigos em perigo, o Capitão América se desligou dos Vingadores, que logo foram atacados pela Força Federal (grupo governamental formado por integrantes da Irmandade de Mutantes).

Com a ajuda de seus amigos, principalmente de Rick Jones, o herói conseguiu uma espécie de ato público onde revelaria o que estava acontecendo. Nessa apresentação pública, o herói foi atacado pelo novo herói governamental, o Superpatriota, seguido de seus ex-comparsas, cada um utilizando o uniforme similar ao de Bucky, parceiro do Capitão na Segunda Grande Guerra. Mas a luta ainda teria uma interrupção surpreendente, feita pelo próprio presidente dos Estados Unidos (na época dessa publicação, tratava-se de Ronald Reagan), que aceitaria tanto uma renovação para um grupo como o do Superpatriota, quanto o merecido respeito pelo Capitão América.

Nos bastidores, o Caveira Vermelha ordena a seu contato na Comissão que mate o Capitão América. Como fazia parte da comitiva do presidente, teve fácil acesso ao palco e desferiu um disparo na nuca de Rogers, matando-o diante do público. O Comissário traidor é morto em seguida por Nick Fury.

Com a morte de Steve Rogers, o governo passa a identidade para John Walker (o Superpatriota), que passa a atuar como o novo Capitão América. No entanto, a instabilidade mental de Walker o leva a cometer ações cada vez mais violentas e, preocupando seus superiores (e a população), acaba devolvendo o uniforme e escudo do Capitão, que não seria usado por nenhum outro operativo.

No mausoléu em homenagem ao herói, um homem sorri. Seu rosto é o de... Steve Rogers. Mas o que poucos sabem é que se trata de seu mais antigo inimigo... o Caveira Vermelha.
A+:

* Este é o segundo volume da revista mensal What If...?, conhecida pelos brasileiro como "O Que Aconteceria Se". Essa revista mensal havia sido cancelada em 1984 e retornou em 1989.