domingo, 30 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 129

- Legion of Super-Heroes 267 (Setembro de 1980)

Histórias:

* "The Grounded Legionnaires" - Escrita por Paul Kupperberg, desenhada por Steve Ditko

Steve Ditko.

Apesar de ser mais conhecido por ser um dos primeiros desenhistas do Universo Marvel (onde foi o primeiro artista a desenhar personagens como Homem-Aranha e Doutor Estranho), Steve Ditko também seguiu o mesmo caminho de outro dos fundadores da editora concorrente, Jack Kirby, partindo para a DC Comics (jogada editorial do esperto Carmine Infantino, que não queria perder espaço para poderosa Marvel). Na DC Comics, Ditko foi também responsável pela criação de personagens célebres como Shade, Rastejante, Rapina e Columba, Besouro Azul... entre outros.

Nas páginas da Legião dos Super-Heróis, Ditko participou de pequenas histórias secundárias que tinham lá seu charme sessentista. Seu traço, datado, poderia incomodar quando comparado ao lado de desenhistas mais realistas, mas chegava próximo a se adequar aos anos 80 graças a Dave Hunt, finalista oficial da série. Curiosamente, o desenhista da história principal, Jimmy Janes, trazia um traço muito parecido com a Marvel... muito provavelmente devido a acirrada guerra editorial necessária para sobrevivência entre editoras concorrentes.

Nessa curta história, ficamos sabendo como surgiu o anel de vôo dos legionários, criado a partir de um elemento antigravitacional surgido do teste de Mon-El para ingressar no grupo (e dá-lhe anos 60). Curiosamente, esse mesmo anel seria usado (e roubado), futuramente, pelo herói Gladiador Dourado, que fez uma infâme dupla com o herói Besouro Azul, criação de Ditko para a DC.

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 128


- Legion of Super-Heroes 259 (Janeiro de 1980)

Histórias:

* "Psycho War" - Escrita por Gerry Conway, desenhada por Joe Staton

Legião dos Super-Heróis, a revista.

Já fazia um bom tempo que a Legião dos Super-Heróis ocupava a revista do Superboy. Pode-se dizer até o contrário, uma vez que Superboy, além de ter seu nome no título da revista, participava das aventuras futuristas da Legião. Era questão de tempo para que a publicação se tornasse APENAS uma revista do grupo. Isso acontece nessa edição, onde o Superboy sai da Legião... do grupo e da revista.

Após uma aventura onde os heróis enfrentam um transtornado vilão capaz de causar ilusões atormentadoras, Superboy descobre um fato que já é realidade no futuro: a morte dos seus pais em Smallville. Um tanto quanto óbvio levando-se em conta que está mil anos no futuro, mas nem por isso menos chocante para ele. A descoberta faz com que o garoto de aço fique receoso em descobrir outros acontecimentos de seu "passado" e ele prefere partir. Para ajudá-lo, Satúrnia apaga toda a realidade da Legião de sua mente e o deixa voltar ao passado sem que ele se lembre de nada acontecido até ali.

Uma despedida até poetica, simbolica... e triste. As aventuras do Superboy passariam a ser publicadas em um novo título dedicado apenas a ele, chamado As Novas Aventuras do Superboy... e a Legião cuidaria da sua antiga casa com a honra que um grande herói merece. Daqui para frente, os legionários estão por conta própria.

sábado, 29 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 127

- Superboy and the Legion of Super-Heroes 253 e 254 (Julho e Agosto de 1979)

Histórias:

* "Night Of The Super-Assassins" - Escrita por Gerry Conway, desenhada por Joe Staton * "A Madman Shall Lead Them" - Escrita por Gerry Conway, desenhada por Joe Staton

Bloko.

O "grandalhão" da Legião dos Super-Heróis surgiu, na verdade, como um supervilão, integrante a Liga dos Super-Assassinos. Bloko, como o próprio nome leva a crer, é um enorme gigante de pedra que, obviamente, tem força e resistência proporcional ao seu duríssimo corpo. Faz o papel de gigante bonachão, sendo sua simpatia mais evidente que sua aparência. Mesmo como vilão, há uma certa aura de bondade em seus atos. A própria Liga dos Super-Assassinos, por exemplo, agem mais por acreditar na mentira de que os heróis foram responsáveis pela destruição de seus respectivos planetas.

O Liga, composta por 5 vilões (incluindo Bloko), derrota todos os legionários. Mas, por incrível que pareça, são derrotados pelos grupo com poderes mais improváveis que pudessem imaginar: a Legião dos Heróis Substitutos. Bloko é preso é uma forte camada de gelo por Polar. Anos depois, o grandalhão de pedra se arrependeria (ou compreenderia) de seus atos e viria a ser um dos mais valorosos e fiéis legionários.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 126


- Superboy and the Legion of Super-Heroes 248 e 249 (Fevereiro e Março de 1979)

Histórias:

* "Beneath the Streets Lurks Death" - Escrita por Gerry Conway, desenhada por Joe Staton

Gerry Conway.

Após uma primorosa carreira na editora Marvel, o escritor Gerry Conway, que já escrevia também para a DC Comics, passa a se dedicar exclusivamente a essa segunda. Na Marvel, Conway fez fama com as mais importantes histórias do Homem-Aranha. Foi ele o responsável pela mais dramática história do aracnídeo, A Morte de Gwen Stacy, onde choca os leitores com o morte da namorada do herói pelo vilão Duende Verde. Entre outros sucessos, também foi o criador do personagem Justiceiro, também surgido nas páginas da revista do Homem-Aranha.

Da mesma forma que revolucionou o Universo Marvel, Conway ingressou na DC Comics para criar momentos marcantes, ajudado pela ótima fase em que a editora passava. Entre seus mais famosos trabalhos, criou o personagem Nuclear e foi responsável pela reformulação da Sociedade da Justiça.

Com a Legião dos Super-Heróis, Conway daria popularidade suficiente para o grupo a ponto do título ter seu status alterado em poucos meses. Na primeira aventura, traz uma aventura onde os legionários enfrentam um monstro de lodo nascido nos esgotos da Metrópolis do futuro. Por trás da criação monstruosa está um antigo inimigo dos heróis que andava sumido fazia um bom tempo: o cientista louco Mantis Morlo.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 125


- Superboy and the Legion of Super-Heroes 243 (Setembro de 1978)

Histórias:

* "Earth's Last Stand" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por Joe Staton

Joe Staton.

Joe Staton assume as histórias da Legião em plena Guerra Terrestre. O traço de Staton, bem mais limpo, seguindo a "escola clássica" de quadrinhos, tem um estilo quase caricatural, mais parecendo ilustrações para desenhos animados. Tanto que o desenhista também é famoso por adaptar séries animadas infantis, como Scooby-Doo, por exemplo.

Porém, sagas espaciais também lembrariam seu nome (por mais "deslocado" que seu traço pudesse parecer ao gênero). O desenhista assume o título em uma edição que mais parece uma space-ópera, uma verdadeira guerra nas estrelas, tamanho é o número de batalhas espaciais com naves de diversas raças. Futuramente, ficaria por dois anos e meio desenhando a revista do Lanterna Verde.

Com a Legião dos Super-Heróis, faria parceria com o escritor Paul Levitz, com quem criou a personagem Caçadora, então conhecida como filha do Batman com a Mulher Gato. E mesmo na reformulação da personagem (quando sua filiação não era essa), Staton teve vital importância na criação e desenvolvimento.

terça-feira, 25 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 124


- Superboy and the Legion of Super-Heroes 241 (Julho de 1978)

Histórias:

* "Prologue to Earthwar" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por James Sherman

Shvaughn Erin.

A oficial Shvaughn Erin surge no começo da Guerra Terrestre e irá se tornar a mais importante personagem coadjuvante das aventuras da Legião dos Super-Heróis. Serve como principal representante da força policial do século XXX, a Polícia Científica. Seria como se fosse uma espécie de relacionamento que o Comissário Gordon tem com o Batman. Exceto... por um pequeno detalhe... Ou melhor... dois detalhes...

Shvaughn surge discretamente e num momento de grande movimentação entre os legionários. Tanto que nem dão muita atenção para os alertas que ela veio trazer. Com o tempo, ela iria se integrar mais ativamente ao grupo e até iniciaria um relacionamento com o legionário Transmutador. Esse é o primeiro detalhe que faria toda a diferença em sua aparições.

O segundo grande detalhe é que... bem... O romance com o Transmutador é um dos mais duradouros nas aventuras da Legião e os leitores quase que já ligam o nome de Shvaughn ao do herói. Por isso, estranhou-se quando foi revelado que ele era... bissexual! Mas (acreditem) isso era uma reviravolta menor do que se esperava. Acontece que "A" oficial Erin, na verdade, era "O" oficial Erin. Ele (ou ela, como queira), utilizava um composto conhecido como Pro-Fem para se tornar uma mulher. Ou seja, Transmutador era bissexual e isso combinava direitinho com sua namorada... transsexual!

Uma das abordagens sexuais mais controversas dos quadrinhos, com certeza. Isso, na verdade, foi se desenvolvendo em aventuras futuras e fez parte das reformulações que os roteiristas desenvolveram com o passar dos anos. A "confusão ordenada" era fruto justamente da troca de escritores da série, que iniciavam uma idéia, por alguma imposição da editora tinham que mudar seus planos, saíam por discordar da direção e entregavam a outros escritores, que tinham que, de alguma forma (alguma forma, mesmo!) dar continuidade as idéias dos escritores anteriores, por mais milaborantes que pudessem parecer.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 123


- Superboy and the Legion of Super-Heroes 241 a 245 (Julho a Novembro de 1978)

Histórias:

* "Prologue to Earthwar" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por James Sherman
* "Startarget: Earth" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por James Sherman
* "Earth's Last Stand" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por Joe Staton

* "The Dark Circle That Crushed Earth" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por Joe Staton
* "Mordru: Master Of Earth" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por Joe Staton


A Guerra Terrestre.

Essa foi a primeira saga de proporções, digamos, cósmicas da Legião dos Super-Heróis. Um projeto ambicioso (para a época) que durou cinco meses e envolveu praticamente todos os legionários (inclusive substitutos) e os principais vilões e coadjuvantes das histórias do grupo.

A raça dos khúndios decide declarar guerra ao planeta Terra e invadi-lo. Com isso, ameaçam a conferência de paz envolvendo os Domínions (ironicamente essa seria a raça mais interessada em uma invasão a Terra, futuramente). Todos os legionários são convocados e oferecem uma ofensiva no espaço onde milhares de naves khúndias circundam o planeta. A Legião de Heróis Substitutos parece não conter a armada que consegue chegar ao planeta, restando aos legionários afastados Relâmpago, Satúrnia, Saltador e Dama Dupla deterem o inimigo. Esses legionários estavam afastados devido a constituição da Legião não permitir que membros casados participassem das missões. Esse item da constituição seria revisto após os acontecimento e Relâmpago e Satúrnia voltariam a fazer parte do grupo. Saltador e Dama Dupla decidem permanecer afastados.

Mas há algum mistério por trás desses ataques que vão além do interesse militar de alienígenas. Por trás dos violentos khúndios estão os integrantes da seita Círculo Negro que, por sua vez, estão aliados a um antigo e poderosíssimo inimigo da Legião: o feiticeiro Mordru!

A batalha com os legionários restantes se torna épica e a paz no universo é restabelecida com os heróis sendo aclamados mundialmente.

domingo, 23 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 122


- Superboy and the Legion of Super-Heroes 240 (Junho de 1978)

Histórias:

* "Dawnstar Rising" - Escrita por Paul Kupperberg e Paul Levitz, desenhada por James Sherman

Jed.

Foi-se o tempo em que víamos as divertidas seleções para novos legionários. Agora, além de serem mais discretas, essas seleções oferecem uma chance a mais para aqueles que não estavão prontos para servir ao grupo. Era a Academia da Legião, onde alguns heróis em potencial poderiam ser treinados para, enfim, fazerem parte da Legião dos Super-Heróis.

Um curioso recruta da academia era Jed, um jovem de pele púrpura que apresentava superforça e certa invulnerabilidade. Até aí, era apenas mais um personagem sem muito destaque (e, por isso, talvez não fosse um personagem fixo dentro da Legião). O seu nome original, Power Boy, remetia rapidamente a outra personagem que também apresentava superpoderes parecidos, apesar de não pertencer ao futuro século XXX: Poderosa! E um dos principais... hã... atributos dessa heroína era os seus generosos seios, devidamente destacados por um insuante decote em seu uniforme.

Pois bem... acontece que Jed (ou Poderoso, como poderia ser literalmente traduzido), apesar da pele púrpura, também trazia um uniforme com uma abertura no tórax. Não havia qualquer indício de que se tratava de uma "masculinização" da heroína bem dotada. Mas o fato é que, recentemente, um mesmo personagem chamado Power Boy foi reformulado... e seu uniforme tinha uma marca no tórax muito parecido com o decote de Poderosa.

sábado, 22 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 121


- All-New Collectors' Edition (Março de 1978)

Histórias:

* "The Millenium Massacre" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por Mike Grell

O Casamento de Relâmpago e Satúrnia.

Um evento importante como o casamento de dois legionários fundadores merecia uma edição especial. E é exatamente em uma dessas que ocorre a cerimônia de Relâmpago e Satúrnia. O romance entre os dois era evidente, apesar de tratado de forma discreta (assim como outros relacionamentos dentro do grupo). Na verdade, já havia uma semente disso em uma aventura passada, onde legionários têm que fingir se casarem para simular sua saída do grupo. Os dois pombinhos aqui citados fizeram parte dessa simulação... e gostaram ao ponto de manter a relação adiante.

Apesar da edição especialíssima, com muito mais páginas para apresentar a história, acabou se tornando um evento discreto pelo fato da popularidade restrita desses personagens. Outro casamento já havia acontecido, caso de Saltador e Dama Dupla (inclusive o desenho mostrando a cerimônia é uma versão do mesmo casamento), mas o fato desse ser entre os dois membros fundadores (sendo o terceiro o herói Cósmico), tornava a ocasião algo a parte.

O casamento, na verdade, serve de ponto de referência para essa aventura onde o futuro é alterado para uma realidade mais militarista. Quem descobre isso é o Superboy, ao qual é revelado que no passado (no caso, o ano de 1978) as Nações Unidas foram fechadas e o mundo entrou em um período de guerra que se estendeu até mesmo para outros planetas. O vilão responsável pela alteração da realidade é ninguém menos que o Senhor do Tempo, que também revela sua identidade por trás do capuz... um integrante da raça dos Controladores. Sua intenção, na verdade, era se apoderar da Máquina Milagrosa... que acaba ajudando a resolver a crise e tornando a linha temporal do futuro mais pacífica, voltando a normalidade. Daí sim, os noivos poderíam partir para uma lua de mel menos perigosa.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 120


- Superboy and the Legion of Super-Heroes 236 (Fevereiro de 1978)

Histórias:

* "A World Born Anew" - Escrita por Paul Levitz e Paul Kupperberg, desenhada por James Sherman

Paul Kupperberg.

O escritor Paul Kupperberg escreveria algumas aventuras da Legião dos Super-Heróis juntamente com Paul Levitz. A dupla, na verdade, já se conhecia antes da vida profissional com os quadrinhos... mas ainda assim envolvendo esta arte. Juntos, editavam um fanzine sobre o mundo dos comics, The Comic Reader, que, apesar de ser feito de forma artesanal, chamou a atenção das grandes editoras. Kupperberg seria um nome recorrente dentro da indústria de quadrinhos, escrevendo para grandes editoras como a Marvel e a DC Comics, chegando a ser editor nesta última. Foi o criador do personagem místico Arion, para a mesma DC e esteve envolvido com grande parte da mitologia do Superman a partir da década de 70 e 80.


quinta-feira, 20 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 119


- Superboy and the Legion of Super-Heroes 233 (Novembro de 1977)
> No Brasil, publicada nas revistas Superduplas nºs 20 e 21, em Março e Abril de 1980, pela editora Ebal.


Histórias:

* "The Infinite Man Who Conquered The Legion" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por James Sherman

Homem Infinito.

O nome já diz tudo! E não é pretensão de vilão, não! O que se pode esperar de uma criatura que se chama Homem Infinito? Por outro lado, ele é uma prova de que Brainiac 5 não tem escrúpulos quando se trata de suas experiências científicas. Ele e Rond Vidar (o legionário honorário, que marca sua volta nessa edição) executam uma experiência com uma máquna temporal utilizando o professor Jaxon Rugarth. Algo dá errado e Rugarth retorna como uma poderosa criatura chamada Homem Infinito. Agora, ele consegue manipular, viajar e transferir qualquer objeto de qualquer época.

A transformação de Rugarth em Homem Infinito demonstra ter sido algo traumático, como se o professor tivesse passado um tempo infinito sendo torturado e sentindo dor. Ao que tudo indica, esse sofrimento foi tamanho a ponto de lhe dar tal poder. Dessa forma, enlouquecido por seu destino, o Homem Infinito deseja destruir Rond Vidar e todos os seus amigos da Legião dos Super-Heróis. E é Brainiac 5 e o próprio Vidar quem conseguem deter a criatura, lançando-o pelo tempo com a mesma máquina que o transformou.

Mesmo com a solução do problema, o grupo ainda iria se preocupar muito com a volta desse poderoso inimigo... e Brainiac 5 ainda teria muita dor de cabeça por suas atitudes...

quarta-feira, 19 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 118


- Superboy and the Legion of Super-Heroes 231 (Setembro de 1977)

Histórias:

* "A Day in the Death of a World" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por James Sherman

Superboy e a Legião dos Super-Heróis..

A revista do Superboy, nessa edição, passa oficialmente a se chamar Superboy e a Legião dos Super-Heróis. Não que isso fosse alguma novidade, afinal esse título já vinha sendo estampado na capa a algum tempo e, verdade seja dita, apesar da presença do garoto de aço, todas as aventuras publicadas até aqui se passavam no futuro da Legião. Mas, para oficializar de vez a questão, essa edição traz mais páginas com os legionários em uma única aventura. Com isso, suas histórias passam a ser mais longas e completas, uma vez que anteriormente haviam duas aventuras da Legião por edição (a segunda aventura, mais curta, geralmente focando um pequeno grupo ou mesmo um único legionário).

Nessa edição, acontece a volta do Quinteto Fatal, justamente quando tentam salvar a população de um planeta inteiro da explosão de seu sol.

terça-feira, 18 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 117


- Superboy 228 e 229 (Junho e Julho de 1977)
> No Brasil, publicadas nas revistas Superboy em Formatinho nº 7 (dezembro de 1977) e Superduplas nsº 1 e 2 (agosto e setembro de 1978), pela editora Ebal.


Histórias:

* "That a World Might Live... A Legionnaire Must Die" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por James Sherman

* "Hunt for a Hero-Killer" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por James Sherman


A morte de Químico.

Químico (ou Rei Químico traduzindo literalmente do original) foi um legionário criado para causar certa confusão. Afinal, seus poderes de alterar/absorver elementos químicos eram parecidos demais com outro legionário, o Transmutador. Tinha lá sua discreta diferença, mas ainda assim eram personagens com a mesma, digamos, função dentro do grupo. Sua morte, portanto, também pode ser vista como uma espécie de "faxina" no quadro de personagens da Legião dos Super-Heróis.

O herói encontra seu fim quando tenta absorver a radiação de um campo de força do vilão Deregon, governador da Austrália que incitava uma espécie de guerra civil em nome da organização terrorista Círculo Negro. O poder do campo de força é demais para o herói, que se exaure e morre. Deter o vilão, portanto, se torna uma questão pessoal para toda a Legião. Não se vingam na mesma moeda, mas o assustam o suficiente para que o mesmo caia em uma espécie de esgoto químico, o que dá um tom irônico a sua prisão.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 116


- Superboy 226 (Abril de 1977)
> No Brasil, publicada na revista Superboy Em Formatinho nº 5, pela editora Ebal, em outubro de 1977


Histórias:

* "The Dazzling Debut of Dawnstar" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por James Sherman

Vésper.

Grande parte dos heróis que fizeram sucesso nos quadrinhos surgiram meio que discretamente. Geralmente como coadjuvantes de um herói que já era famoso. A própria Legião dos Super-Heróis é um caso típico, uma vez que surgiram como coadjuvantes das aventuras do Superboy. Portanto, parece até pretensão que a personagem Vésper (Dawnstar no original) surja com tanta pompa e circunstância.

Vésper é uma índia mutante capaz de voar graças a suas enormes e vistosas asas, inclusive pelo espaço sideral já que também é invulnerável aos rigores do cosmo. Têm também uma incrível capacidade de rastreamento, motivo pelo qual o então líder da Legião, Pulsar, a convocou. A tarefa da nova heroína seria rastrear alienígenas que estariam ameaçando a Terra.

Já as intenções de Pulsar, mesmo como líder, se mostrariam bem mais fortes do que a simples estratégia de ataque. Futuramente, o casal desenvolveria um dramático romance, chegando ao ponto de parecer obsessão de Pulsar. A impossibilidade imposta pelas diferenças culturais entre os dois, além do fato de Pulsar não ter um corpo físico, seriam o foco a disputa platônica pela felicidade amorosa da dupla.

domingo, 16 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 115



- Superboy 225 (Março de 1977)
> Publicada no Brasil na revista Superboy (Em Formatinho) nº 4, pela editora Ebal, em Setembro de 1977

Histórias:

* "And Who Shall Lead Them?" - Escrita por Paul Levitz, desenhada por James T. Sherman

Paul Levitz.

A Legião dos Super-Heróis, apesar de ser considerado um grupo de segundo escalão dentro da DC Comics, parece dar sorte para quem se envolve na produção de suas aventuras. Assim como Jim Shooter, que começou sua carreira escrevendo histórias do grupo, teve uma gloriosa vida profissional como editor chefe da Marvel (a editora concorrente da DC Comics), Paul Levitz, que faz sua estréia nessa edição, futuramente seria um dos principais cabeças dentro da editora. Além disso, Levitz talvez seja o principal nome na mitologia envolvendo a Legião, sendo considerado um dos melhores e mais competentes escritores a trabalhar com o grupo até hoje. Tanto que, décadas depois, deixando cargos administrativos de lado, continua sendo um dos favoritos a escrever histórias atuais do grupo.

sábado, 15 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 114


- Superboy 224 (Fevereiro de 1977)

Histórias:

* "When Stargrave Strikes" - Escrita por Jim Shooter, desenhada por Mike Grell

Última história escrita por Jm Shooter.

Jim Shooter não só se despede da Legião dos Super-Heróis, como também da editora DC Comics. Já a algum tempo ele dividia seu tempo entre esta obra e seus trabalhos com a editora Marvel Comics, para onde colaborava em revistas de personagens como o Demolidor e Motoqueiro Fantasma. Futuramente, tornaria-se editor chefe da Marvel onde traria uma fase de grande crescimento artístico para a editora e temor para os profissionais da área, graças a sua lendária e tirânica gestão.

Shooter fecha sua lista de criações para o universo da Legião mostrando o ataque do vilão Pulsar Stargrave contra os heróis. Dotado de grande poder e capaz de derrotar todos os legionários, o vilão se mostra relutante apenas contra o menos poderoso dos legionários, Brainiac 5. O motivo dessa relutância também é a última e chocante revelação que Shooter deixa para os leitores: Pulsar Stargrave é o pai de Brainiac 5.


LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 113


- Superboy 223 (Janeiro de 1977)

Histórias:

* "We Can't Escape the Trap in Time" - Escrita por Jim Shooter, desenhada por Mike Grell

Pulsar Stargrave.

O vilão Pulsar Stargrave teve uma discreta primeira aparição nessa edição, atuando mais nos bastidores da aventura, observando a Legião dos Super-Heróis enfrentar outra ameaça, o vilão Senhor do Tempo. Sua atuação aqui é mais estratégica, estudando o modo de agir dos heróis e mesmo do vilão que enfrentavam, aparentemente para ataques futuros. É assessorado por dois outros personagens, Holdur e a guerreira Quicksand, que servem como conselheiros em suas observações. Interessante notar que o personagem seria reformulado décadas depois e seria um dos principais inimigos da L.E.G.I.Ã.O., grupo que é formado por personagens que são versões antepassadas dos heróis do século XXX. Nessa fase o personagem seria conhecido como Senhor Starr e criado pelos computadores tiranos do planeta Colu, não por acaso o planeta natal de Brainiac 5.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 112


- Superboy 218 (Julho de 1976)

Histórias:

* "The Secret Villain the World Never Knew" - Escrita por Cary Bates, desenhada por Mike Grell

O batismo de fogo de Tyroc.

Tyroc entra para a Legião dos Super-Heróis e, claro, deveria passar por um teste para se mostrar digno do cargo. Assim que se apresenta, a convite de Brainiac 5, o herói vê o grupo ser atacado por um supervilão chamado Zoraz. Todos agem rapidamente demonstrando que aquele é um grande e antigo inimigo da Legião. O leitor, por outro lado, estranha o fato e conhece tanto de Zoraz quanto Tyroc que acabou de chegar (afinal ele nunca foi mostrado antes).

Zoraz ataca e derruba a maioria dos legionários, mostrando uma série de superpoderes e que é capaz de se adaptar a cada um dos heróis. Como Tyroc é novo por ali, o vilão vê certa dificuldade em se adaptar a seus poderes sônicos. Após algumas batalhas dentro da sede da Legião, é revelado que Zoraz é ninguém menos que... Solar e Superboy, disfarçados de falso vilão para testar o novo legionários.

Porém, algo inesperado acontece na "pegadinha". Um "terceiro Zoraz" aparece e mostra-se páreo duro até mesmo para o Superboy. Trata-se do Garoto Absorvente, um pretenso herói que foi rejeitado nas seleções para novos legionários e que era capaz de absorver energia residual de objetos. Como Superboy havia usado a fantasia antes, ele absorveu parte de seu poder. Curiosamente, Tyroc reage e consegue derrotar o candidato a vilão.

Com isso, o batismo de fogo com final inesperado se mostra mais que suficiente pra mostrar que Tyroc é digno de ser um novo legionário.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 111


- Superboy 217 (Junho de 1976)

Histórias:

* "Future Shock for Superboy" - Escrita por Jim Shooter, desenhada por Mike Grell

Laurel Kent.

As viagens do Superboy ao século XXX, onde participa das aventuras da Legião dos Super-Heróis, causa uma certa confusão temporal. Afinal, ele irá se tornar o Super-Homem e, no futuro, todos sabem disso (além de saberem o que se passa durante o período como herói adulto). Como garantia de apagar a memória do Superboy, qualquer dica que lhe possa revelar seu futuro (e impedir que ele, mesmo sem querer, mude o rumo da história), toda vez que ele volta a Smallville do "presente", a superhipnose cuida para que esqueça tudo. Ou seja, pode participar das aventuras do futuro sem remorso disso interferir no passado (apesar que a Legião várias vezes já veio ao tempo de Superboy).

Uma dessas confusões temporais é mostrada na segunda história dessa edição e, de leve, quase causa um "incesto" envolvendo o próprio Superboy. Afinal, além de se tornar o Super-Homem, provavelmente o herói iria se casar, ter filhos... o que levaria a seus descendentes no século XXX.

No futuro, Superboy tem um encontro com uma mulher muito bonita pela qual demonstra interesse. O legionário Pulsar, na tentativa investigativa de descobrir de quem se trata, atrapalha o que poderia ser o início de um super romance. Com isso, os heróis descobrem que a moça se chama Laurel Kent, ninguém menos do que a descendente de Clark Kent, identidade secreta do Superboy (e Super-Homem, consequentemente). De herança a moça não se tornou tão poderosa quando seu antepassado, mas adquriu invulnerabilidade, sendo por isso escolhida e treinada pela Academida da Legião (local onde heróis novatos são treinados).

Descoberta a identidade da moça, Superboy volta ao passado onde a tal super-hipnose trata de fazer com que esqueça toda essa confusão.

terça-feira, 11 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 110


- Superboy 216 (Abril de 1976)

Histórias:

* "The Hero Who Hated the Legion" - Escrita por Cary Bates, desenhada por Mike Grell

Tyroc.

Certos assuntos polêmicos não deveriam nunca ser discutidos nos quadrinhos. Racismo é um deles. Pelo menos no caso aqui aqui exemplificado. Apesar desse tema ter sido tantas vezes abordado, o episódio envolvendo o super-herói negro Tyroc causou tanta confusão nos bastidores que, com certeza, ainda dá dor de cabeça em todos os envolvidos até hoje.

Tyroc foi criado, de certa forma, para ser o primeiro personagem negro nas aventuras da Legião dos Super-Heróis. Acontece que, anteriormente, houve uma tentativa de se mostrar um persongem negro nessas histórias, mas essa idéia, do desenhista Mike Grell, foi censurada pelos editores e a cor da pele do personagem que desenhara foi mudada. Grell não ficou nem um pouco contente com o ocorrido e guardou essa mágoa por um bom tempo.

Reza a lenda que, quando a proposta para a criação de Tyroc lhe foi dada, o que já parecia um idéia absurda ainda ganhou um pouquinho da sede de vingança de Grell em cima de um tema que já lhe trazia certo desgosto. Daí surge o visual aberrante do personagem para que ele caísse no ridiculo mesmo. Para a surpresa de Grell, o visual parece ter agradado tanto que, mesmo décadas depois de criado, é um dos poucos personagens que mantém o visual setentista até os dias de hoje.

O mundo onde Tyroc habita (e protege como único super-herói) é uma espécie de ilha dimensional onde a população é formada apenas por negros. Ou seja, se a idéia era derrubar algum ponto de racismo, inversamente a caracterização contribuía mais ainda pra isso. Os poderes de Tyroc eram tão bizarros quanto suas vestimentas. Soltando gritos com os sons mais improváveis possíveis, cada um deles era capaz de realizar feitos sobre humanos.

Inicialmente, Tyroc se mostra arredio a presença dos legionários que, apesar da intenção de ajudar o seu mundo, são rechaçados por seus poderes sonoros. Com um pouquinho de esforço, no entanto, o herói negro acaba tanto aceitando a ajuda dos companheiros como também se tornando um legionário efetivo.

Na década de setenta, em plena onda "black", um personagem como este foi capaz de causar tanta dor de cabeça para os editores mas, enfim e literalmente, acabou ganhando a simpatia dos leitores "no grito".

segunda-feira, 10 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 109


- Superboy 212 (Outubro de 1975)

Histórias:

* "A Death Stroke at Dawn" - Escrita por Jim Shooter, desenhada por Mike Grell

O novo uniforme de Noturna. Uniforme? Que uniforme?

Dizer que a personagem Noturna estréia um novo uniforme na segunda história dessa edição pode até parecer piada. O mais certo mesmo é dizer que a heroína, na verdade integrante da Legião dos Heróis Substitutos (formada por heróis que foram rejeitados na Legião dos Super-Heróis), estréia um novo (e ousado) visual. De certa forma suas novas vestimentas nada mais são do que um minúsculo biquininho preto.

A Legião dos Heróis Substitutos surgiu meio que por brincadeira, formada pelos rejeitados das divertidíssimas seleções de novos heróis para a Legião. Dessa forma, o grupo era formado por personagens com os mais absurdos poderes e, consequentemente, suas aparições tendiam mais para o lado humorístico da série. Com o tempo, suas participações cômicas foram se tornando mais importantes e os Substitutos mostraram sua utilidade afinal. Esse tom mais sério torna o grupo de segunda mais heróico e o desenhista Mike Grell lhes dá um visual que condiz mais com sua nova diretriz. Os poderes continuam ridículos, mas estão tão bem direcionados e apoiados em um visual tão heróico, que acabam deixando essa impressão de lado.

Noturna teve um destaque especial entre os Substitutos. Apesar de não integrar a Legião dos Super-Heróis, engatou um romance com um de seus principais fundadores, o legionário Cósmico. Sua aparições mostravam que ela se tornou mais do que uma mera heroína rejeitada, vindo a ser uma espécie de coadjuvante de luxo das histórias.

Essa quantidade de inúmeros personagens, já que há diversos na própria Legião dos Super-Heróis e ainda contando com os Substitutos, acaba criando alguns com características bem parecidas. Chega-se ao ponto dos escritores da série se confundirem sobre o poder do personagem que estão escrevendo, talvez até por perceber que, de certa forma, dois personagens podem até mesmo ter poderes IGUAIS. A idéia, então, é direcionar as histórias num esforço de se mostrar a diferença entre poderes tão parecidos.

No exemplo da história aqui citada, duas heroínas tem poderes com temas parecidos. Tanto a já citada Noturna (que adquire força descomunal a noite) quanto Penumbra (capaz de produzir trevas) tem como base de seus poderes a escuridão. O que o escritor Jim Shooter faz aqui é tentar combinar de forma inteligente os dois poderes. Com isso, Penumbra consegue ajudar a colega Substituta lançando trevas sobre ela para lhe dar força, já que a luz do dia diminuia seus superpoderes. O foco em Noturna também serve para desenvolver uma pequena crise de relacionamento com o namorado Cósmico.

E, por falar em personagens parecidas, é de se espantar que a própria Penumbra era uma personagem que também tinha como unifome uma espécie de biquini. O que se fez com Noturna foi tirar um pouquinho mais de pano do que a colega de escuridão... e colocar a corujinha (seu símbolo de heroína) em um lugar mais estratégico.

domingo, 9 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 108


- Superboy 210 (Agosto de 1975)

Histórias:

* "The Lair of the Black Dragon" - Escrita por Jim Shooter, desenhada por Mike Grell

A origem de Marcial.

O legionário Karate Kid (que também foi chamado no Brasil de Marcial) é um super-herói que sabe lutar karate ao ponto de mostrar superforça ao usar a técnica. Ponto! Simples assim! É bem verdade que essa simplicidade mostrou certo carisma desde seu surgimento, justamente por ser o mais humano dos personagens da Legião dos Super-Heróis, o que o aproximava do leitor da revista. Mas, na década de 70 havia uma espécie de onda de popularidade em cima de artes marciais, capitaneada por seriados como Kung Fu e personalidades como Bruce Lee (astro dos filmes desse gênero que havia falecido anos antes, o que só aumentou essa popularidade).

É notável como, propositalmente, o desenhista Mike Grell dá as feições de Lee para o personagem Karate Kid em algumas cenas da segunda aventura dessa edição. Nela, o escritor Jim Shooter dá uma origem mais dramática para a simples existência do personagem, afim de aprofundar ainda mais sua personalidade.

O fato de Karate Kid ter sido treinado em super karate por um sensei, além de ser um chavão, era mais do que óbvio para o leitor. Para apimentar um pouco essa simples existência, é mostrado um outro lutador que sabe quem matou o pai do herói no passado. E o assassino é ninguém menos que... o sensei que lhe ensinou a lutar!

No entanto, o sensei explica que também foi uma espécie de super-herói no passado e que seu arquiinimigo era um tal de Dragão Negro. O tempo passou e os dois inimigos se enfrentaram diversas vezes. Até que, lá pela meia idade dos dois (na cena é mostrado tanto herói quanto vilão um tanto calvos), Sensei acaba matando o Dragão Negro que, nessa altura, já havia tido um filho com um americana. Esse filho, agora órfão, é criado e treinado pelo sensei.

Karate Kid, ao invés de ficar transtornado, concentra-se no outro lutador que prometia revelar quem era o assassino e percebe que o mesmo tinha intenções nada nobres. O herói perdoa, então, seu sensei e até mesmo reconhece que ele foi seu verdadeiro pai durante sua criação.


sábado, 8 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 107


- Superboy 209 (Junho de 1975)

Histórias:

* "Who Can Save the Princess?" - Escrita por Jim Shooter, desenhada por Mike Grell

A volta de Jim Shooter.

Com a grande ascenção da Legião dos Super-Heróis dentro da revista do Superboy (tanto que o garoto de aço nem tem aparecido tanto na própria revista) e a arte de Mike Grell agradando os leitores, a DC Comics chama novamente um peso pesado do roteiros passados dos legionários: o escritor Jim Shooter! Como a revista mostra duas aventuras distintas da Legião, Shooter fica com a primeira história e o escritor Cary Bates com a segunda. Não há nada de tão revolucionário aparentemente, mas só o nome de Shooter dá um clima de que as coisas irão pesar mais daqui pra frente.

Nessa reestréia, os escritor traz uma história onde a Princesa Projectra contrai uma doença fatal, restando aos legionários Lobo Cinzento, Dama Dupla, Brainiac 5, Satúrnia e Superboy tentarem curá-la e muitos deles quase enlouquecendo no processo. Até mesmo Marcial (ironicamente o "menos poderoso" entre os legionários presentes)
quase se sacrifica por sua amada, mas é impedido pela Dama Dupla, que consegue finalmente livrar Projectra do perigo.


quinta-feira, 6 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 106

- Superboy 203 (Julho de 1974)

Histórias:

* "Massacre by Remote Control" - Escrita por Cary Bates, desenhada por Mike Grell

Mike Grell e a morte do Rapaz Invisível.

Mike Grell estréia como desenhista oficial das aventuras da Legião dos Super-Heróis. É também o seu começo de carreira nessa função, ficando famoso anos depois como um dos mais importantes desenhistas do herói Arqueiro Verde, além da criação de personagens como O Guerreiro de Jon Sable.

O monstro Validus está se aproximando da sede da Legião, graças a parte do cérebro biônico do vilão cibernético Tharok. Para detê-lo o Rapaz Invisível destrói o tal pedaço de cérebro, mas é esmagado pelo descontrolado Validus. A crueldade da cena está no fato de que o monstro vilão tritura o herói com as próprias mãos e não com uma rajada mental de seu cérebro exposto, rajadas estas que conseguem deter a maioria dos legionários.


terça-feira, 4 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 105

- Superboy 202 (Junho de 1974)

Histórias:

* "The Wrath Of The Devil-Fish" - Escrita por Cary Bates, desenhada por Dave Cockrum

Pulsar se torna um legionário.

Na verdade, o evento de Pulsar ter se tornado um integrante da Legião dos Super-Heróis, depois de salvar o grupo na edição passada, ocupa poucos quadros da aventura onde isso ocorre. Serve de introdução para uma aventura onde Superboy, Mon-El, Transmutador e Satúrnia resolvem uma crise no Oceano Pacífico. A edição em si, com 100 páginas (algo comum de quando em quando), apresenta várias histórias, muitas delas republicações para os leitores que ainda não conheciam o grupo.

Pulsar aparentemente voltou do que os legionários achavam que era sua morte e deixa seu antigo nome (Erg) para começar a utilizar o codinome pelo qual ficaria conhecido (em inglês, no original, Wildfire). Aproveita também para mostrar como controla a massa de energia que é seu corpo. É uma aquisição sem muitos testes, uma vez que ele já provou seu valor derrotando o andróide na edição passada.


segunda-feira, 3 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 104


- Superboy 201 (Abril de 1974)

> Publicada no Brasil na revista Super-Homem nº 6, pela editora Abril, em Dezembro de 1984

Histórias:

* "Betrayer from Beyond" - Escrita por Cary Bates, desenhada por Dave Cockrum

Porcupine Pete e Infectious Lass.

A boa e velha seleção de novos integrantes acontece novamente e, como de costume, trazendo pretensos legionários com poderes esquisitos. Aqui vemos Porcupine Pete (algo como Pedro Porco Espinho), que tem o poder de disparar espinhos de seu corpo. O problema é que, quando isso acontece, ele dispara espinhos pra todos os lados... tanto nos inimigos quanto nos amigos. Rejeitado! E também temos Infectious Lass (algo como Garota Infecciosa), que tem o poder de criar germes dentro do inimigo, causando desde uma gripe forte até um ataque de diarréia. Rejeitada!

Mas a seleção dessa vez serve como ponto de partida para a aventura, ao invés de ser apenas pano de fundo. A ameaça, na verdade, é o terceiro candidato, conhecido como Mestre Molecular que, aparentemente, é capaz de controlar o tamanho dos átomos. Sem que os legionários saibam, esse candidato é uma espécie de andróide que está exalando veneno no ar para atordoá-los. Sua intenção é roubar a Máquina Miraculosa.

Quem descobre os planos do andróide é Pulsar. Sim, o candidato a legionário que morreu em edições passadas devido a usar o próprio corpo (formado de antimatéria) como uma rajada a uma ameaça. Acontece que Pulsar não morreu ao "se disparar", apenas saiu do uniforme que lhe dava forma humaóide. Em sua busca por esse uniforme de contenção, o herói acaba descobrindo que Mestre Molecular não é o que parece.

Apesar do andróide controlar os átomos, a energia sapiente de Pulsar é suficiente para derrotá-lo e, usando a própria Máquina Miraculosa, ele recupera seu uniforme e surpreende os outros legionários ao mostrar que está bem vivo.


domingo, 2 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 103




- Superboy 200 (Fevereiro de 1974)

> Publicada no Brasil na revista Superboy (Em Formatinho) nº 2, pela editora Ebal, em Julho de 1977

Histórias:

* "The Legionnaire Bride of Starfinger" - Escrita por Cary Bates, desenhada por Dave Cockrum

O casamento de Saltador e Dama Dupla.

O discreto desenvolvimento do romance entre o Saltador e Dama Dupla acaba no primeiro casamento dentro da Legião. Curiosa escolha de personagem para esse evento, uma vez que o Saltador foge do estereótipo de herói fisicamente perfeito e nem mesmo se cai na armadilha de lhe arrumar um par nos padrões que ele apresenta, uma vez que Dama Dupla é visivelmente uma das mais formosas heroínas dos quadrinhos (além de ser "dupla"). O "gordinho" legionário, inclusive, apesar de ter seu valor mais do que provado, serve como elemento de humor as aventuras de ficção da Legião.

Saltador se vê forçado a deixar a Legião dos Super-Heróis devido a perda de seus poderes. Mas o momento de despedida também é o de importantes decisões. Dessa forma, o herói aproveita para pedir a legionária Dama Dupla em casamento. Feliz, a heroína aceita de imediato mas, coincidentemente, também vê seus poderes sumirem. O estranho acontecimento, confirmado por Brainiac 5, não impede o matrimônio.

Na cerimônia de casamento, o vilão Zoroastro (Starfinger) aparece com o outro corpo de Dama Dupla e diz que a envenenou, exigindo o outro corpo em troca de salvá-la. Superboy, que compareceu a cerimônia, se vê obrigado a fazer o que o vilão quer. A intenção de Zoroastro é replicar o poder da legionária e, assim, ter o poder de se duplicar em um exército de si mesmo.

O duplicado Zoroastro, no entanto, também duplica sua própria maldade e egoísmo, o que causa certa dor de cabeça pra si mesmo. Confusão suficiente para que Superboy, Cósmico e Satúrnia consigam detê-lo.


sábado, 1 de maio de 2010

LEGIÃO DOS SUPER-HERÓIS - Parte 102




- Superboy 197 (Setembro de 1973)

> Publicada no Brasil na revista Superboy (em formatinho) nº 1, pela editora Ebal, em Junho de 1977.

Histórias:

* "Timber Wolf: Dead Hero, Live Executioner" - Escrita por Cary Bates, desenhada por Dave Cockrum

Superboy e a Legião dos Super-Heróis.

O sucesso que Dave Cockrum trouxe para as aventuras da Legião dos Super-Heróis levaram a editora DC Comics a darem mais destaque aos heróis do futuro. Dessa forma, a partir dessa edição, o grupo passa a figurar no título da revista, que torna-se Superboy Estrelando A Legião dos Super-Heróis. O destaque continua mostrando uma inversão de quantidade de páginas da Legião dentro da revista. As duas primeiras histórias (na verdade, duas partes de uma única história) abrem a revista com a Legião enquanto a última é dedicada exclusivamente ao Superboy.

Para não ficar tão por fora de seu próprio título assim, a história começa com Superboy, na identidade do tímido Clark Kent, em um momento de tranquilidade com sua amiga Lana Lang. Aliás, um momento em que essa relação estava para se tornar mais do que uma amizade... não fosse um chamado urgente dos seus amigos do futuro. Como Superboy, o herói visita a Legião e descobre que o Lobo Cinzento, que julgava estar morto após uma missão fracassada, está muito bem. O herói, no entanto, traz um visual mais selvagem e condizente com seu nome. Por falar em mudanças de visual no uniforme, proposta que vem sendo adotada com sucesso pelo desenhista Cockrum, outro que mudou nessa edição foi Relâmpago.

A volta de Lobo Cinzento, porém, traz uma estranha mudança de comportamento também. Quando o presidente da Terra (no futuro, os planetas seriam tratados como os países são hoje) visita a Legião, algo faz com que o legionário se torne realmente selvagem e o ataque. Após um exame mais apurado (na verdade, fachada para que a legionária Satúrnia possa seguir Lobo), descobrem que o "transe" do mal de Lobo Cinzento foi causado pelo vilão Tyr, um alienígena vindo de um planeta onde os habitantes se dedicam a guerra.

Tyr é derrotado pelo próprio e descontrolado Lobo Cinzento. No final, um misterioso satélite ronda a Terra em busca do vilão.