sábado, 31 de outubro de 2009

THOR - Parte 131

- Thor 65 (Agosto de 2003)

Histórias:

* "Frenzy" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Ben Lai e Ray Lai

O poder da vida?

Odin era todo-poderoso. Ele morreu. Agora Thor é todo-poderoso. Mas... como definir o termo "todo poderoso"? O quanto do "todo" Thor é "poderoso"? Existe alguma limitação afinal? Ele seria capaz de criar, por exemplo... vida? Essa questão é justamente o limite e o grande problema que Thor encontra nessa nova fase.

Na França, a guerra entre protestantes e thoristas leva ao incêndio das igrejas dos dois lados. Thor e Sif aparecem no local e conseguem acalmar os ânimos. No meio da multidão, uma mãe desesperada aparece com sua filha, morta ao inalar muita fumaça no incêndio das igrejas. Diante de todos, ela implora que Thor a traga de volta a vida. Mesmo contra os alertas de Sif, Thor decide usar seu poder para ressucitar a garota. E o que ele consegue... é trazer vida ao corpo da garota... mas não a alma da mesma. Diante do fracasso de seu deus, até mesmo os thoristas acusam o deus do trovão de fraude. Este é o alto preço da adoração.

Quanto mais determinado, Thor também está ficando mais sozinho. Sif chega a implorar a Thor que cesse suas ações e leve Asgard para longe dos mortais. Ou seja, além de encontrar problemas na Terra, os asgardianos também começam a perder a fé em seu monarca. Mas, o deus do trovão, insiste em sua empreitada.

As coisas não vão terminar bem...
*

THOR - Parte 130

- Thor 64 (Julho de 2003)

Histórias:

* "One Night" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Paco Medina

Catolicismo versus Asgardianismo. Segundo Round. ou "Você Acha Que Sou Loki?"

A história isolada em uma cidadezinha pesqueira da edição passada não estava ali por acaso, afinal. Ela só serviu para mostrar uma pequenina parcela do que aconteceria a seguir. E nem mesmo a arte estilizada de Paco Medina foi posta por acaso. Para alguns, o seu traço deixaria a história até mesmo com um visual um tanto infantil, claramente influenciado por mangás (quadrinhos japoneses). Mas essa amenização parece tentar amortecer o verdadeiro barril de pólvora que esse novo mundo de Thor se tornou. Eu disse "tentar"...

E o que Loki... o sumido Loki... teria a ver com tudo isso? As coisas tem caminhado para uma direção tão catastrófica que muitos imaginam que o antigo inimigo de Thor teria a ver algo com isso. Na verdade... não!

Loki sempre foi um vilão peculiar. Diferente dos outros grandes vilões da Marvel, ele não tem exatamente um objetivo em seus atos maldosos. Muitas vezes, é verdade, conseguiu se sentar no trono de Asgard, como prêmio máximo. E, em todas as suas conquistas, logo em seguida sofria uma humilhante derrota e expulsão. Mas a verdade é que nunca deu um passo maior que a perna. Quando isso acontecia, era justamente hora de seus planos darem errado. Mesmo o trono de Asgard representava apenas uma reta final para seus planos. Nunca foi um sonho cobiçado por ele. O que Loki sempre tencionava fazer, realmente, era incomodar. Não importa como.

Nessa nova fase, onde seu até então odiado irmão herdara o citado trono de Asgard, Loki parecia ter perdido seus propósitos de conquista e de vilania. Mas não era bem isso. Pelo contrário. Até apoiava Thor em sua empreitada. Dava a impressão de que as coisas não estavam bem simplesmente porque Loki apoiava. Se alguém tão mal estava gostando da situação, é porque ela não podia ser boa. Mas também não era isso. Essa sua mudança de pensamento apenas prova que não era que ele perdeu seus propósitos. É que Loki nunca teve exatamente um grande propósito. A não ser, é claro e como já citado,o propósito de incomodar.

E nesse clima de guerra santa em que o mundo se meteu graças a influência de Thor, Loki viu o quintal ideal para poder dar um empurrãozinho no caos, satisfazer-se vendo o circo pegar fogo e, melhor de tudo, não ser culpado diretamente pelo que estava acontecendo. Nunca o vilão sequer sonharia em alcançar tal objetivo. Com certeza, se soubesse que esse futuro sombrio fosse possível, aí sim, abraçaria esse propósito como sua conquista máxima. Enfim, essa vitória, ironicamente, foi conseguida sem o menor esforço.

Na cidade dos pescadores, Loki, disfarçado, anda influenciando os dois lados religiosos: o dos thoristas (seguidores do asgardianismo), que se sentem ameaçados por suas novas crenças não serem aceitas, e os católicos, que vêem os thoristas crescerem e se tornarem tão violentos quanto guerreiros vikings (porém, mal treinados). A situação chega ao absurdo quando um padre coloca uma arma de fogo nas mãos de um cidadão e ele dispara contra os thoristas, o que desencadeia uma catastrófica batalha. Isso é só um exemplo do que acontece pelo mundo todo, não só em relação ao catolicismo, mas diante de todas as religiões não-thoristas. Isso tudo fica pior quando o Vaticano tenta convencer Thor do erro de seus atos e ele, mais arrogante e irredutível do que antigamente, não dá ouvidos e expõe seu ponto de vista, acusando a Igreja de nunca ter feito melhoria nenhuma em séculos de história, além de ditar as regras de seus fiéis em seus momentos mais íntimos (Dan Jurgens em fúria!).

Mas... como assim um padre coloca uma arma de fogo nas mãos de alguém?!?!?!?!?!? Pois é... no calor do momento, ninguém percebeu o absurdo. Nem mesmo que o tal padre era Loki disfarçado. Afinal, como dizem, o diabo se esconde atrás da cruz...
*

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

THOR - Parte 129

- Thor 63 (Julho de 2003)

Histórias:

* "The Follower" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Paco Medina

Catolicismo versus Asgardianismo.

A troca da arte de um título mensal, dependendo do substituto, como já disse antes, pode causar certa estranheza no leitor. A arte de Paco Medina, com certeza, é uma radicalização dessa regra, comparando-a com a arte de Ben e Ray Lai (que conseguem facilmente se adaptar ao título em poucos números). Mas o conto aqui apresentado, meio que a parte dos acontecimentos centrais, dão um tom de diferença e mostram que a arte de Medina destaca bem esse detalhe.

Um pescador, de criação católica (a ponto de sua irmã ser uma dedicada freira) tem sua fé abalada quando uma crise financeira bate a sua porta. Os mares não estão mais tendo a produção necessária de pesca e seu sustento está ameaçado. As contas começam a se acumular e ele nem mesmo consegue um empréstimo, uma vez que os bancos já sabem que os pescadores estão quebrados e poderão não quitar com seus compromissos. Nesse cenário,o pescador também vê o crescimento do asgardianismo, a nova religião que adora os deuses asgardianos e tem Thor como senhor supremo, levando inclusive amigos seus para a nova crença.

Suas preces, diante da urgência da situação, parecem que nunca são atendidas. Sua desesperada saída é levar sua embarcação em meio ao mar bravio, na esperança de que o seguro de vida possa suprir as necessidades de sua família. E justo nessa tentativa, Thor aparece e é responsável por um milagre: uma tempestade que é capaz de trazer a pesca novamente.

Diante do acontecimento, o pescador se pergunta sobre suas crenças, se elas talvez não estivessem erradas. Salvo pela grande carga de pesca trazida pela tempestade, ele se aproxima cada vez mais do asgardianismo.
*

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

THOR - Parte 128

- Thor 62 (Junho de 2003)

Histórias:

* "Flames of Passion" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Ben Lai e Ray Lai

As repercussões negativas.

O clima na Terra começa a tomar uma forma perigosa diante da influência dos asgardianos, de forma que as coisas começam a sair do controle até mesmo do todo poderoso Thor.

Duas situações demonstram bem a desordem que está se formando: professores de uma escola decidem exigir a quinta feira como dia de descanso, da mesma forma como o domingo é para os cristãos. Explicando: a quinta feira era considerada o dia de Thor pelos povos pagãos, que ofereciam este dia da semana ao deus do trovão (em inglês, por exemplo, quinta feira é 'thursday", literalmente "dia de Thor"). A diretoria da escola não aceita uma decisão baseada especificamente na nova religião e os professores são demitidos. Estes, por sua vez, informam o motivo do desligamento aos alunos, que em sua maioria são adeptos a religião asgardiana, e começam uma revolta no local. E um polêmico radialista transmite em seu programa matinal seus pensamentos a respeito da má influência dos deuses asgardianos, incitando o povo a se rebelar e tomar conta de suas próprias vidas, antes que os deuses os domestiquem. Porém, um adepto dos asgardianos, não contente com a heresia transmitida via rádio, decide acabar com vida do apresentador.

Mesmo assim, estas duas situações extremas servem apenas de pano de fundo para que uma repórter se infiltre em Asgard para conseguir imagens exclusivas. No entanto, ela esbarra em uma espécie de poção da sabedoria e decide bebê-la para adquirir conhecimento. Acontece que a tal poção é tão concentrada que a jovem acaba entrando em colapso e morre. Thor percebe que, assim como a repórter, aquele é o jeito impulsivo, imprevisível e, de certa forma, mesquinho de agir dos mortais.
*

terça-feira, 27 de outubro de 2009

THOR - Parte 127

- Thor 61 (Maio de 2003)

Histórias:

* "Sons of the Father" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Ben Lai e Ray Lai

A última tentativa de Jake Olson.

A arte dos irmãos Ben e Ray Lai causam uma certa estranheza no primeiro impacto. Talvez pelo fato do leitor esperar mais da arte do brasileiro Joe Bennett (Bené Nascimento), que vem fazendo um ótimo trabalho na revista do Thor. Mas é algo passageiro, já que a arte casa exatamente como o clima quem vem sendo criado pelo escritor Dan Jurgens, além de ter um certo detalhismo necessário para o visual asgardiano.

Thor passa por um teste diante do Conselho de Elite, um grupo formado por divindades de outras crenças e ao qual seu pai, Odin, pertencia. Apesar dos testes focarem mais a sabedoria do que a força, Thor falha ao ajudar uma raça alienígena faminta e empobrecida. O problema é que Thor cria, do nada, comida o suficiente para alimentar aquele povo. Dessa forma, os alienígenas começam a adorá-lo cegamente como salvador, incitando, inclusive, sacrifícios em seu nome. Segundo o Conselho de Elite, Thor falhou em dar-lhes o que queriam, simplesmente com um gesto. Ao invés disso, deveria ter concedido condições para que produzissem seu próprio alimento, deixando assim que eles ficassem agradecidos por uma chance de recomeçar ao invés de dar-lhes a certeza de que, por piores que estivessem, algum deus surgiria para salvá-los. Thor, no entanto, faz pouco caso de sua aprovação no Conselho.

Ironicamente, Jake também é levado ao conselho municipal e suspenso de suas atividades pelo fato de ter feito a amputação da perna de uma garoto, preso nas ferragens de um acidente, sem autorização da religiosa mãe (que acreditava na intervenção asgardiana para ajudar seu filho). A decisão de seus superiores, dessa forma, foi meramente política, uma vez que o salvamento teve certa repercussão e poderia trazer uma recepção negativa de um povo cada vez mais adepto a religião que adora os deuses asgardianos. Jake faz uma questão que resume bem a situação em que o mundo se encontra: se Thor está melhorando tantas coisas, por que ele agora está desempregado?

Com a ajuda de Tarene, a jovem deusa que estava passando pelo vexame de ser protegida pelo atrapalhado Volstagg, Jake vai até Asgard e tenta convencer Thor de reavaliar suas ações. O deus do trovão, no entanto, se mostra ofendido com o fato de Jake citar que também se considerava filho de Odin, já que dividiam o mesmo corpo no passado. Para se ter uma idéia do desprezo de Thor, ele chega a citar que Jake é uma espécie de memória que já deveria ter sido apagada.
*

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

THOR - Parte 126

- Thor 60 (Abril de 2003)

Histórias:

* "Discovery" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Joe Bennett

A aparição de Odin.

Enquanto as últimas histórias davam apenas idéia de que um clima sombrio se abatia sobre Thor, a partir de agora as coisas realmente começam a dar errado e ficar mais graves. A essa nova fase foi dada o nome de Espiral e se inicia nessa edição.

Em Asgard, Thor é chamado por uma voz misteriosa que ele descobre ser de ninguém menos que... Odin!!! Porém, diferente do que o herói imagina (ou os leitores já esperavam), dessa vez o todo poderoso ainda não está exatamente de volta. Aparentemente trata-se de uma visão de Thor, apesar desse Odin imaginário tentar lhe mostrar a verdadeira sabedoria por trás da Força Odin que Thor herdou. O que a aparição questiona ao deus do trovão é que, agora que ele tudo pode fazer, o que realmente quer fazer? O que poderia realizar alguém com poder ilimitado, de forma que lhe trouxesse felicidade? Porém, Thor parece não compreender as enigmáticas palavras da aparição... a ponto de se questionar se aquela seria mesmo uma visão de seu pai.

Na Terra, o paramédico Jake Olson é uma das primeiras vítimas da influência de Asgard sobre a Terra. Deparando-se com uma situação de risco, onde um garoto precisa ter a perna amputada para ser retirado das ferragens de um acidente, Jake acaba entrando em conflito com as regras, já que a mãe do garoto, que tem plena fé de que Thor irá aparecer e resolver a situação, não autoriza a amputação. Jake, que já dividiu o mesmo corpo com Thor e, portanto, sabe mais sobre o deus do trovão do que a nova religião da mãe do garoto permite, decide amputar a perna e salvá-lo mesmo assim. Após a operação e retirada da vítima das ferragens, o paramédico tem o azar de ver a chegada da deusa asgardiana Sif, que leva o garoto e a perna amputada para Asgard, para que essa seja reimplantada. Ou seja, por melhores que fossem as intenções de Jake, a fé da mulher realmente foi recompensada e ela foi atendida pelos deuses de sua nova religião.

Enquanto Jake toma conhecimento das consequências da influência de Thor sobre o mundo, através das últimas gravações do mutante que tentou sabotar as ações dos asgardiandos, o deus do trovão já começa a sonhar mais alto. Ele já aproximou Asgard da Terra. Está na hora de unir definitivamente os dois mundos.
*

domingo, 25 de outubro de 2009

THOR - Parte 125

- Thor 59 (Abril de 2003)

Histórias:

* "The Substance of Things Hoped For" - Escrita por Christopher Priest e desenhada por Trent Kaniuga

Christopher Priest.

O "padre Christopher", anteriormente conhecido como Jim Owsley, ou o escritor que hoje é conhecido como Christopher Priest (que nunca foi padre, sendo apenas uma brincadeira quando mudou seu nome artístico) traz não exatamente um conto de Thor, mas um conto SOBRE Thor. Acompanhado da arte caricata do desenhista Trent Kaniuga, a história tem um clima que mistura conto infantil e ficção científica futurista. Esse também é um conto a parte dos últimos acontecimentos. Não se trata do futuro sombrio que vem sendo construído nas últimas histórias.

No ano de 2026, sabe-se que a última vez em que Thor foi visto, estava batalhando contra demônios no Ragnarok (o fim do mundo para os deuses nórdicos). No meio da batalha, o herói perde seu martelo e, valendo a regra dos sessenta segundos longe dele (algo quem nem mesmo era utilizado nas últimas histórias), deve ter voltado a uma forma mortal e desaparecido.

Um carteiro aposentado afirma ser o deus do trovão preso na forma mortal. Um jovem delinquente chamado D.J., que testemunha o surto do carteiro, acidentalmente encontra algo que parece ser o martelo encantado, jogado nos túneis do metrô. Ao tentar removê-lo, percebe que não consegue tirar a arma do lugar, o que comprova que só quem é digno (Thor) seria capaz de movê-lo. Acreditando que realmente se trata da mítica arma, D.J. procura o carteiro para informar sobre sua descoberta. Coincidentemente, os dois são perseguidos por um policial, que o carteiro afirma ser Loki disfarçado.

Nos túneis do metrô, a dupla é cercada pelos policiais. Em um impasse, D.J. corre perigo ao ver um dos trens se aproximar. Milagrosamente, o carteiro consegue retirar o martelo do local e atirá-lo de forma a deter a máquina. O martelo volta a ficar imóvel, preso em uma das paredes.

Apesar das evidências, tudo é explicado como um mal-entendido. O policial não é Loki disfarçado, o carteiro realmente sofre de surtos afirmando que é Thor e o martelo não passa de um brinquedo que emula o de Thor. Mesmo com toda a situação explicada, a fé de D.J. está abalada e ele decide ficar próximo ao martelo... como se fosse um guardião a espera da volta de Thor.
*

sábado, 24 de outubro de 2009

THOR - Parte 124

- Thor 58; Iron Man 64; Avengers 63 (Março de 2003)

Histórias:

* "Standoff" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Alan Davis

* "Standoff Part 2" - Escrita por Mike Grell e desenhada por Alan Davis

* "Standoff Part 3" - Escrita por Geoff Johns e desenhada por Alan Davis

Sem Saída.

O grupo de super-heróis Vingadores já contou com vários personagens em suas fileiras. Mas três deles se tornaram uma espécie de símbolo do grupo: Thor, Homem de Ferro e Capitão América. É como se o trio fosse o conselho admnistrativo da equipe. Consequentemente, a amizade entre eles era mais fortificada, como se fossem três irmãos que comandavam os novatos.

Desde que Thor começou a influenciar nos rumos políticos da Terra, não se via outros personagens do Universo Marvel reagindo a isso. As histórias davam até a impressão de ser algo a parte da Marvel ou mesmo uma realidade alternativa. Mas essa impressão ficou pra trás com o arco "Sem Saída", publicado nas revistas do Thor, Homem de Ferro e Vingadores. Nesse arco, vemos como as ações desse "novo" Thor são vistas por seus companheiros.

Apesar de cada uma das partes ser escrita por seu respectivo escritor responsável em cada título, a arte fica por conta do desenhista Alan Davis, que mantém o clima tenso do começo ao fim.

Thor atende as súplicas do povo de um pequeno país europeu chamado Slokóvia, que é oprimido por um governo ditatorial. Acontece que Slokóvia é vizinho a Latvéria, terra do vilão Doutor Destino. Destino, por sua vez, não incomoda Slokóvia e suas crueldades para que o país sirva de uma espécie de anteparo político para seu governo, que também é ditatorial, porém mais controlado. Para que não haja um incidente internacional envolvendo Destino, o governo americano decide enviar um representante capaz de conversar ou deter Thor: o Homem de Ferro.

Relutante, o Homem de Ferro aceita a missão e tentar convencer Thor pacificamente. Em vão. Thor está convencido em usar a força para derrubar o genocídio do povo da Slokóvia. Resta ao Homem de Ferro utilizar um presente do próprio Thor, uma jóia energizadora utilizada para alimentar as usinas de força, para alimentar uma nova e poderosa armadura (curiosidade: o visual dessa armadura "anti-Thor" é parecido com a armadura asgardiana conhecida como Destruidor).

A batalha inevitável entre Thor e o Homem de Ferro quase destrói tudo a volta e é necessário a intervenção do Capitão América para impedir que os exércitos se metam na batalha, piorando a situação, e ainda deter seus dois colegas. Aqui fica explícito a capacidade do Capitão em comandar, sendo que sua presença é capaz de deter exércitos.

Apesar do Capitão ter conseguido um pouco de atenção dos dois amigos vingadores, Doutor Destino comanda a distância uma das armas do exército da Slokóvia (armas que ele fornecia) e dispara covardemente nas costas do já enfurecido Thor. Obviamente o deus do trovão desconta sua ira em todos os presentes e só se detém quando percebe que quase mata o Capitão América.

Thor se afasta e o Homem de Ferro, através de um vírus implantado nos computadores da Latvéria, consegue fazer com que Destino se responsabilize pelos rumos da Slokóvia. A maior baixa dessa verdadeira guerra, no entanto, é a amizade entre os três vingadores, sendo que Thor não mais se considera um integrante do grupo.
*

THOR - Parte 123

- Thor 57 (Fevereiro de 2003)

Histórias:

* "The Gardener" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Kaare Andrews, Brian Haberlin, Kyle Hotz, Phil Jimenez, Dave Johnson, Michael Kaluta, John Paul Leon, Joe Bennett, Carlos Pacheco, P. Craig Russell, Bill Sienkiewicz e Philip Tan.

Um Conto de Thor.

Para um feito incrível de demonstração da Força Odin, poder que Thor herdou de seu pai, essa história conta com colaboração de diversos desenhistas no mais variados estilos.

Volstagg conta para seus filhos e sobrinhos, um conto sobre como Lorde Thor reconstruiu a Lua. Um invasor alienígena gigantesco, apelidado de O Jardineiro (seu cajado de energia perfurava o solo como se analisando terra fértil) constrói seu maquinário na lua terrestre e a emissão de energia destrói o satélite. Isso tem consequências mais do que catastróficas para a Terra já que o planeta depende da Lua para manter as condições de vida hoje existentes.

Até a destruição da Lua, Thor enfrenta o Jardineiro em uma batalha que parece não evoluir, já que a criatura (que não se sabe se é viva ou um maquinário) fica inabalável e consegue realizar seu intento. Quando a Lua é destruída, Thor deixa sua parcela "deus do trovão" de lado e emprega a Força Odin que herdou. Arrasta o Jardineiro para o espaço e reconstrói a Lua, pedaço a pedaço (grande, médio, pequeno, microscópico, subatômico) e prende o alienígena no interior dela. De certa forma, uma versão da lenda de Odin prendendo Surtur no interior da Terra. Após tal feito incrível, Thor cai, exausto, e atravessa os telhados de uma casa em Asgard, onde repousa de seus esforços.

Tal conto incrível ganha o desdém até mesmo das crianças asgardianas para quem Volstagg conta. No final, apesar de não desmentir a veracidade desses fatos, ao qual ele mesmo diz que é uma das lendas que cercam Thor, Volstagg abre lentamente a porta de seu quarto... onde Thor repousa de seus esforços.
*

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

THOR - Parte 122

- Thor 56 (Janeiro de 2003)

Histórias:

* "Resistance" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Joe Bennett
Resistência.

Nem tudo são flores no novo reinado de Thor. Apesar de conseguir conceder uma nova forma produção de energia para uma cidade (no lugar da usina atômica usada no local), um garoto mutante, com o poder de envelhecer tudo o que toca, começa a cometer atos de terrorismo e transmitir, via internet, mensagens sobre suas atitudes. Nessas mensagens, incita o povo a questionar as verdadeiras ações de Thor, acusando-o de querer tomar o lugar de Deus na crença dos povos do mundo.

Apesar de capturado pelo Homem-Absorvente (agora um fiel seguidor de Thor), o jovem mutante mostra-se rebelde o suficiente e não poupa esforços para continuar a destruir novas usinas... nem que para isso tenha que usar seu poder para matar asgardianos.

A determinação do mutante chega ao ponto dele usar o poder contra si mesmo, em uma ataque sucida onde tentaria destruir Thor. Apesar do sacrifício, as mensagens que deixou na internet, inclusive transmitindo sua morte, são o suficiente para abalar até mesmo a confiança de Thor, que imagina que a crença na humanidade em seus atos pode estar começando a ficar abalada. Será o começo do fim?
*

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

THOR - Parte 121

- Thor 55 (Dezembro de 2002)

Histórias:

* "Reason" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Tom Raney

Thor na ONU.

Esta história é narrada por Zarrko, o homem do amanhã, que agora jaz em uma prisão asgardiana e sabe dos eventos que se desenrolam no mundo lá fora (afinal, ele conhece o amanhã). Os desenhos de Tom Raney estão mais estáveis e melhoram a cada aparição. Uma curiosidade quanto a essa arte: em alguns momentos, ela chega a lembrar os detalhes da arte de outro desenhista, Pat Broderick, que fazia a arte dos herós Marvel nas décadas de 70 e 80.

Qual o papel de um super-herói? Ajudar os fracos e oprimidos? Salvar o mundo? Para Thor, que tem o poder de um deus, e agora também tem a Terra como parte de seu reino, esses são problemas que devem ser resolvidos de imediato. E poder suficiente pra isso ele tem. Mas, qual o verdadeiro impacto sobre o mundo se os seus principais problemas fossem resolvidos? Leve-se em conta que os problemas de uns podem ser a única solução de outros.

Uma reunião com os principais representantes das nações da Terra, na ONU, explana bem o que isso significa. O impacto político é imenso, uma vez que ajudando a solucionar problemas, Thor mostra que os governos eram ineficientes e não merecem a confiança do povo. É bem verdade que, ao distribuir melhor a renda entre os famintos, a minoria que enriquecia sobre o trabalho deles acaba ficando menos rica. Mas até que ponto a humanidade merece ser beneficiada sem esforço? Isso não só muda a forma como se vê a política, mas também a própria fé, para não dizer a cultura.

Em meio a reunião, Thor recebe a visita do vilão Homem-Absorvente. Vilão? Talvez não. Vendo o que Thor tem realizado pelo mundo e ainda agradecido pelo herói ter auxiliado a curar a doença de sua esposa, Titânia, o Homem-Absorvente está decidido a ajudar o deus do trovão nessa nova empreitada.
E... onde estaria o vilanesco Loki? Por que ele não está agindo contra as novas conquistas de seu odiado irmão? Na verdade, Loki observa a tudo e segue Thor como um verdadeiro súdido. Prova de que alguma coisa está errada a ponto do vilão se sentir feliz com os atuais acontecimentos. O que só comprova o clima sombrio previsto por Zarrko.
*

terça-feira, 20 de outubro de 2009

THOR - Parte 120

- Thor 54 (Novembro de 2002)

Histórias:

* "To Reach Eternity" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Joe Bennett

A Igreja de Asgard.

A influência de Asgard sobre a Terra começa a ficar mais evidente e apresentar repercussões, principalmente no que se refere a religião dos mortais. Afinal de contas, Thor e os asgardianos são chamados de deuses e a grande diferença com as demais crenças é que eles estão presentes... e agindo de forma mais ativa e direta do que qualquer tipo de milagre que poderia ser atribuído.

Essa história é vista do ponto de vista de três pessoas comuns: um motorista de ônibus que vê um assalto a seu veículo ser agressivamente impedido por Balder e Hogum; uma ativista de uma ong falida, responsável em angariar fundos para dar abrigo a refugiados de países assolados por ditadores, que recebe a ajuda do próprio Thor (que diz ter derrubado os governos ditatorias que oprimiam a população - atitude um tanto radical, que nem mesmo a ativista sabe se concorda); e uma freira que vê sua fé desabar dia a dia, em um ala feita para crianças em estado terminal, que recebe a ajuda de Sif quando esta leva remédios asgardianos capazes de curar qualquer doença mortal.

Todos os três personagens, com suas crenças abaladas, esbarram com o surgimento de uma igreja feita para pessoas como eles, que agora acreditam que os asgardianos realmente merecem ser adorados como deuses, pois estão literalmente mais presentes em suas vidas. É o nascimento da Igreja de Asgard.
*

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

THOR - Parte 119

- Thor 53 (Outubro de 2002)

Histórias:

* "100 Days" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Joe Bennett

A Queda de Perrikus. A Prisão de Zarrko.

Dan Jurgens começa a adotar uma forma de contar essa nova fase de Thor que pode causar certa confusão no início. Afinal, passaram-se cem dias desde que Thor levou Asgard para Nova Iorque. Mas... o que aconteceu durante esses cem dias? Houve ofensiva de outros heróis e vilões? O que Thor realizou na Terra? Quais as influências que trouxe para o cotidiano dos mortais?

O salto na cronologia não é uma falha, mas uma estilização na forma de se contar a história. Propositalmente, o leitor vai se surpreendendo com detalhes que vão surgindo e que ficaram escondidos nos cem dias que não foram mostrados. Esse exercício faz com que o próprio leitor participe do conto, imaginando acontecimentos que servem de ponte entre o passado e o presente.
Perrikus, dos Deuses Sombrios, já foi capaz de dominar Asgard liderando seu grupo. E é justamente ele a arma secreta de Zarrko (único a saber detalhes sobre o futuro sombrio de Thor) para deter a influência dos asgardianos.

Mas Thor já está muito mudado. Selvagem, acaba decepando o braço de Perrikus e fazendo com que este entregue os planos de Zarrko, que acaba sendo preso pelo herói. O machado utilizado por Thor para ferir o inimigo, provavelmente pertencente a Desak, parece querer dominá-lo e levá-lo mais ainda para o "lado negro". A história desse machado e sua influência é um dos detalhes a servirem de peça do quebra cabeças que preenche o espaço de cem dias criado por Jurgens.
*

domingo, 18 de outubro de 2009

THOR - Parte 118

- Thor 52 (Outubro de 2002)

Histórias:

* "Realization" - Escrita e desenhada por Dan Jurgens

A origem de Thialfi. Arte de Dan Jurgens.

Desde a nova fase de Thor, um novo personagem asgardiano surgiu do nada mas mostrou sua importância dentro do elenco coadjuvante. Mais que isso, a confiança que Thor lhe deposita chega a ser maior que a com seus companheiros de mais longa data, como Balder e Sif. Enfim... quem é esse tal de Thialfi?

Nessa história fechada, Dan Jurgens (que, além de escrever, decidiu desenhar como nos bons e velhos tempos) conta sobre a origem do personagem que introduziu, em um belo conto do passado de Thor e que esbarra no delicado tema das religiões e adoração a divindades.

Os vikings, adoradores dos deuses de Asgard, também eram conhecidos pela sua ferocidade. Thor, ainda jovem, aparece para os guerreiros após estes finalizarem uma batalha em uma aldeia. Mesmo diante dos pasmados vikings, uma das moradoras da aldeia recém massacrada mostra seu desprezo para Thor, por ser uma divindade de assassinos de inocentes. Intrigado, Thor decide visitar o campo de batalha para verificar sobre o que a mulher fala. Nem é preciso ir tão longe. Assim que vira as costas, a mulher é atacada por um viking, acusada de blasfêmia. Thor fica horrorizado e, carregando o corpo da mulher, vai até o local do massacre onde realmente encontra corpos de homens desarmados, mulheres e crianças.

Confuso, Thor indaga ao seu pai, Odin, o porque daquele insensato ataque em nome dos deuses asgardianos. Odin compreende a revolta de Thor, mas prefere se ausentar daqueles assuntos terrenos, justificando-se que é melhor para a humanidade tentar evoluir consertando seus erros por si mesmos.

Insafisfeito com a frieza de seu pai, Thor exige algum tipo de reparação naquele absurdo. Odin escolhe o filho da mulher morta e lhe dá poderes especiais, responsabilizando Thor em lhe dar um lar asgardiano. O garoto era Thialfi.

A história mostra Thor visitando o mesmo vale do massacre e responde uma pergunta interessante. Se os asgardianos eram deuses antigos, por que foram esquecidos no mundo moderno? Uma das explicações é justamente o afastasmento de Thor após o triste evento. Afastamento que durou tanto tempo, que a própria humanidade esqueceu-se dos deuses que adorava e esses, por sua vez, perderam a fé nos próprios homens a quem serviam de inspiração.
*

sábado, 17 de outubro de 2009

THOR - Parte 117

- Thor 51 (Setembro de 2002)
Histórias:

* "With Great Power" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Tom Raney

Homem-Aranha.

Para tentar convencer o Senhor Supremo de Asgard, ninguém melhor que o mais humano dos heróis: o Homem-Aranha. Com toda a simplicidade e bom coração característicos do super herói, vemos o embate de linhas de pensamento extremos. De um lado, Thor mostra seus planos de influência na humanidade, com intenções de eliminar a pobreza, a fome e o abuso de poder. Do outro, vemos a preocupação do Homem-Aranha em deter justamente o abuso de poder por parte de Thor.

Mas, como Thor bem lembra, o próprio Homem-Aranha ignora as criticas que recebe e continua tentando ajudar os necessitados. E, verdade seja dita, o Homem-Aranha é um herói nobre com boas intenções... algo que não pode ser dito do resto da humanidade.

Ter transportado Asgard para os céus de Nova Iorque faz com que os poderes da Terra vejam isso como invasão de espaço aéreo, digno de uma resposta militar a altura. E é justamente esse elemento que pesa contra o herói aracnídeo em seus argumentos. Baseado na filosofia do Aranha de que grandes poderes trazem grande responsabilidade, Thor pergunta o que ele faria se tivesse poder suficiente para ajudar toda a humanidade. Em sua simplicidade, porém sabiamente, o Aranha prefere nunca saber.
*

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

THOR - Parte 116

- Thor 46 a 50 (Abril a Agosto de 2002)

Histórias:

* "By Fire Born, Part I of V" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Tom Raney

* "By Fire Born, Part II of V" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Joe Bennett

* "By Fire Born, Part III of V" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Joe Bennett

* "By Fire Born, Part IV of V" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Tom Raney

* "By Fire Born, Part V of V" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Tom Raney

* "Forever Divided" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Deon Nuckols

* "Children of the Gods" - Escrita por Jose H.P. Armenta e desenhada por Joe Bennett

Nascido nas Chamas.

Thor mudou. E dessa vez não foi só visualmente. Existe até mesmo uma narrativa que ilustra bem essa mudança. Ele é um super herói? Ele é um deus? Se isso é verdade, como as outras religiões o vêem? O questionamento religioso, inclusive, já havia sido alfinetado, mais discretamente, pelo próprio escritor Dan Jurgens. De forma pacífica, é verdade, conciliando as crenças com a existência de um "deus" do trovão. Daqui pra frente, no entanto, esse tema seria tocado com mais agressividade.

Até Dan Jurgens parece ter mudado radicalmente. Suas histórias, agora tem um tom mais pesado, distanciando cada vez mais o personagem do estilo de super herói, tanto quanto Thor também se distancia de seus antigos companheiros, sejam mortais ou asgardianos. Uma curiosidade quanto a equipe criativa: apesar de Tom Raney e Bené Nascimento se revezarem na história principal, é nos últimos dois epílogos que se define os rumos da série daqui pra frente. Tanto os desenhos da primeira (onde vemos a decisão de Thor em aproximar a Terra e Asgard) quanto o roteiro da segunda (onde vemos a infância de Thor, onde ele tenta agir como um deus que ajuda os mortais, mas as coisas terrenas são mais complexas do que imagina) foram feitas por novatos como prêmio de um concurso onde um desenharia e outro escreveria uma história para a edição comemorativa de número 50 da revista Thor.

Na Terra, vemos uma típica história de super heróis, onde o vilão Gárgula Cinzento, na sua incansável busca em tornar-se imortal, rouba um martelo encantado. No entanto, não é Thor quem enfrenta o vilão, mas a inexperiente Tarene. Ou melhor, Jake Olson, sem poderes, desesperadamente tenta ajudar, já que ela é transformada em pedra e destroçada logo na primeira história. A saída de Olson é utilizar o espelho de Encantor, que transforma a pessoa em seu verdadeiro eu, para tornar-se um versão menos poderosa do agora antigo Thor.

Olson, no entanto, além de conseguir poder pela metade, também reduz o poder do verdadeiro Thor que agora, como governante, ajuda seus guerreiros a enfrentarem Gigantes de Gelo em Asgard. Encantor avisa Thor sobre a redução de sua força ter origem na Terra e ele abandona a batalha para resolver esse assunto. Decisão que será crucial para o que virá.

Quando Thor chega a Terra, encontra um problema maior do que o Gárgula Cinzento. Trata-se de Desak, o Assassino de Deuses, que está na Terra para eliminá-lo. Após uma sangrenta batalha, Thor deixa a todos boquiabertos ao acertar o Assassino com o machado do Executor. Tratava-se de um novo Thor, mais implacável, típico de um guerreiro viking que não mede esforços para defender seu povo. Mas... qual seria o seu povo? Os asgardianos que abandonou ou os mortais com a mesquinharia que já o irrita?

Em Asgard, as viúvas e mães que perderam seus entes queridos se revoltam contra a importância excessiva que Thor dá a Terra. O deus do trovão... ou melhor... o Senhor de Asgard, se aconselha com o Zeus sobre que direção tomar e resolver esse impasse. Após o aconselhamento, Thor decide... digamos... unir o útil ao necessário. Com o poder que herdou de Odin, leva toda Asgard para ficar mais próxima da Terra, tornando seu Reino um lugar só.
*

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

THOR - Parte 115

- Thor 45 (Março de 2002)

Histórias:

* "To Reach Beyond" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Tom Raney

Tom Raney.

O arte do desenhista Tom Raney estréia nessa edição de Thor, casando perfeitamento com o novo clima e direção que as aventuras do herói iriam tomar. Seu traço funcionaria mais estando em preto e branco, já que o colorido denota algumas falhas para os mais perfeccionistas. No entanto, talvez até mesmo por seu traço ter um estilo típico de histórias em preto e branco, mostra cenas de fantasia eficientes, com quadros que remontam o melhor da ficção espada e magia e dos épicos de aventura. Isso, por si só, já impressiona e transmite bem o clima mais viking e menos super herói que a revista iria tomar.

Dan Jurgens também mostra algum sentido na desconstrução que veio fazendo nas últimas edições. Dá a impressão de que deveria limpar totalmente a casa para continuar de um novo ponto de vista. Fora algumas intromissões futuras, é possível até mesmo esquecer que Thor é um personagem do Universo Marvel. O clima fica mais denso, sombrio e as histórias do personagem assemelham-se a um trabalho mais autoral.

Guerreiros asgardianos conversam sobre os últimos acontecimentos políticos de Asgard. Relembram os primeiros dias de Thor como rei do Reino Dourado, destacando sua benevolência, mesmo com o inimigo, e a confiança que transmite a seus súditos.

Essa conversa se dá em meio a uma missão destinada a recuperar uma arca num dos cantos desertos de Asgard. Essa arca, que na verdade é solicitada por Zeus (deus do Olimpo), contém um espelho capaz de mostrar a alma de seu portador. Thor olha por ele e vê apenas as mudanças físicas que aconteceram ultimamente, como sua barba mais evidente, por exemplo. O que ele não vê, e o espelho mostra depois que o deus do trovão o larga, é um Thor enfurecido... novamente levantando a hipótese do futuro sombrio que será causado pelo herói. Se é que ele ainda pode ser chamado de herói...
*

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

THOR - Parte 114

- Thor 44 (Fevereiro de 2002)

Histórias:

* "As Lives a Memory..." - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Stuart Immonen

'Nuff Said.

Se uma imagem vale mais do que mil palavras, o que dizer das histórias em quadrinhos que são histórias contadas com o auxílio de imagens sequenciais? Tendo isto em mente, a Marvel desafiou as equipes criativas de sua revista para, durante um mês, contarem suas histórias sem texto, apenas através de imagens. É claro que a figura do escritor é fundamental no processo, uma vez que ele cria e repassa ao desenhista a história para que este a ilustre de forma convincente para o leitor entender sem os textos que ele recebeu. A esse evento deu-se o nome de 'Nuff Said (jargão utilizado por Stan Lee, criador do Universo Marvel na década de 60).

Na história sem palavras da revista Thor, vemos o deus do trovão, Balder, Sif e Loki relembrando passagens importantes de sua vida onde Odin teve importante influência e participação. Thor lembra de sua infância, onde seguia as traquinagens de seu irmão Loki, mas era perdoado por seu pai por mostrar imenso pesar e remorso em ações que pudessem prejudicar alguém. Balder lembra de quando era torturado por trolls, até que uma faca é jogada próximo ao local onde estava amarrado, o que possibilitou sua fuga e derrota dos seus captores. A faca foi jogada por Odin. Sif lembra sua adolescência onde, apesar do espírito de guerreira, era discriminada por ser mulher. Até que Odin, em pessoa, a convidou a entrar em uma taverna onde só se reuniam gerreiros. Loki lembra do mesmo período da infância em que aprontava ao lado de Thor e de como era, desde cedo, uma criança birrenta e malcriada. Lembra também como Odin sofria silencioso pelo gênio rebelde do filho... mas que ainda assim era amado como filho.

Após as lembranças, vemos o funeral de Odin, ao estilo viking, sendo cremado em um barco lançado no mar eterno de Asgard. Ao mesmo tempo, Thor, com um visual diferente (inclusive barbado), é coroado como novo rei de Asgard.
*

terça-feira, 13 de outubro de 2009

THOR - Parte 113

- Thor 43 (Janeiro de 2002)

Histórias:

* "Taking Charge, Part 3 of 3" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Joe Bennett

Joe Bennett ( Bené Nascimento ).

Apesar de ser intitulada como sendo a terceira parte do arco "Assumindo o Comando", a história da edição 43 é uma espécie de epílogo... para não dizer que até mesmo é uma história isolada. Serve para fechar algumas pontas soltas, porém, é possível de se entender sem as duas edições anteriores. E o que marca ainda mais essa independência é a arte de Joe Bennett (nome artístico do paraense Bené Nascimento) nas páginas da história. Seu estilo difere bastante do de Immonen e dá um tom especial a ação.

Na Terra, Tarene (que teve seus poderes divinos reduzidos ao auxiliar Odin) enfrenta o que parece ser a encarnação do Executor. Parece... porque assim que Thor finalmente entra na batalha, e leva o vilão de volta ao reino de Hela, mostra que ele não passa de uma ilusão utilizando um dos lacaios da deusa da morte.

Diante de Hela, Thor mostra que a Força Odin tem crescido dia a dia em seu corpo. Quando Odin morreu, o poder que ele continha automaticamente passava para seu descendente direto que, no caso, trata-se de Thor. Isso, de certa forma, explica porque Loki aceitou tão passivamente que seu irmão assumisse o trono de Asgard. Esse poder é tamanho que, apenas uma pequena parcela dele, faz com que Thor cure o câncer de um mortal (personagem coadjuvante que serve de fundo dramático pra esta história). Mas isso é só o começo...

Há um clima de ameaça futura rondando Thor e esse novo poder. Vários indícios mostram que isso não é bom. Pelo contrário, trará consequência catastróficas mais adiante. O único que tem agido mais ativamente para deter esse avanço é o vilão Zarrko, que busca a ajuda de Desak, o Assassino de Deuses, para eliminar Thor antes que ele desenvolva todo seu potencial.
*

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

THOR - Parte 112

- Thor: Godstorm 1 a 3 (Novembro e Dezembro de 2001)

Histórias:

* "Godstorm" - Escrita por Kurt Busiek e desenhada por Steve Rude

* "Challenge of Torrent" - Escrita por Kurt Busiek e desenhada por Steve Rude

* "The Promise That Was Kept" - Escrita por Kurt Busiek e desenhada por Steve Rude

Tempestade Divina.

Este belo conto de Thor foi apresentado em uma minissérie em 3 capítulos. O talentoso escritor Kurt Busiek consegue um clima de ação e emoção no decorrer da história. Os desenhos de Steve Rude intencionalmente homenageiam a obra do desenhista Jack Kirby, criador do herói.

Mil anos no passado, dois garotos vikings escutam um misterioso ancião contar sobre a lenda de como Thor enfrentou a maior de todas as tormentas, a Tempestade Divina. Loki consegue convencer a mais violenta da tempestades de que Thor, conhecido como deus do trovão, a considera mero instrumento de suas intenções, escravizando-a como se fosse um animal irracional. Furiosa, a tempestade rebelasse contra Thor e tenta destruí-lo. O herói, que tentava invocar uma tempestade para ajudar uma esquadra viking, derrota a força da natureza e a condena a ficar aprisionada no fundo do oceano.

O curioso desse conto é que ele mostra aos garotos o futuro, onde Thor se uniu aos Vingadores na década de 60 e enfrentou um vilão conhecido como Torrente. Na verdade, tratava-se de um vilão medíocre que acaba ganhando os poderes da aprisionada Tempestade Divina.

Na terceira parte do conto, saltando mais ainda no futuro, vemos Thor na fase em que trocava de corpo com Jake Olson. Ele visita uma pequena cidade norueguesa, onde uma perfuração a procura de petróleo liberta acidentalmente a Tempestade Divina. Porém, Loki observa tudo e põe em prática a finalização de seu plano que foi arquitetado desde a primeira invocação da Tempestade. Roubando o poder dela, Loki se torna uma ameaça ainda maior (literalmente). Nessa situação, a Tempestade Divina percebe que nutriu um ódio equivocado contra Thor e que Loki não passa de um mentiroso manipulador.

Com excessão do segundo conto, a história se interliga através de uma lasca do martelo encantado de Thor, que é dada a um antepassado viking da aldeia dos garotos que ouvem a história, passando para o futuro, onde o descendente do mesmo guerreiro herda o talismã.

Uma emocionante e bela homenagem ao personagem, seus criadores originais e as fases pela qual passou nos quadrinhos.
*

domingo, 11 de outubro de 2009

THOR - Parte 111

- Thor 41 e 42 (Novembro e Dezembro de 2001)

Histórias:

* "Taking Charge, Part 1 of 3" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Stuart Immonen

* "Taking Charge, Part 2 of 3" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Stuart Immonen

Assumindo o Comando.

Thor não aceita a morte de Odin e acredita que ele ainda pode ser salvo. Afinal, não é a primeira vez que seu pai morre e retorna (e o leitor bem sabe disso). Mas agora a coisa parece ser mais séria. Até mesmo Loki, o maléfico Loki, comparece ao velório de Odin e, passivamente, aconselha seu até então odiado irmão a assumir o trono de Asgard (chega a ser sinal de mau agouro). Mas Thor, ainda não acreditando no que aconteceu, não aceita assumir o trono.

Após buscar respostas sobre o que acredita, que seu pai deve estar em alguma outra dimensão precisando de ajuda, Thor acaba encontrando Jake Olson e tendo uma conversa sincera com o paramédico. Algo esclarecedor, já que Jake podia se transformar em Thor, até Odin reverter essa condição. Mais aliviado (mas ainda não acreditando na fatalidade), Thor retorna a Asgard a tempo de reger a cerimônia de casamento da filha de Volstagg.
*

sábado, 10 de outubro de 2009

THOR - Parte 110

- Thor Annual 2001 (2001)

Histórias:
* "When Fall Gods" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Tom Grummett

Desak

Desak é um interessante personagem, apesar do visual lembrar um típico coadjuvante das histórias de Superman. Talvez isso se deva a mais um toque de Dan Jurgens, que traz o desenhista Tom Grummett, que também já fez a arte em títulos relacionados ao homem de aço, para as aventuras de Thor.

Thor, Hercules e Bill Raio Beta conhecem a história de Desak, um alienígena que viu sua filha servir de sacrifício para os deuses de sua aldeia. Alertado por uma entidade sobre as verdadeiras intenções e as manipulações desses deuses, Desak caiu em desgraça ao ver que o sacrifício de seu povo era apenas um sinal de ignorância e selvageria ao invés da promessa de bençãos. Prova disso veio logo após a morte de sua filha, quando a divindade de seu planeta atacou a população. Desiludido, aceita a oferta da misteriosa entidade que antes lhe apareceu e se torna Desak, o Assassino de Deuses. Agora dotado de poderes especiais e armas poderosas, o alienígena salta de planeta em planeta buscando libertar povos da subserviência de deuses... sejam eles maléficos ou não.

Hércules é alertado pelo Silencioso (espécie de observador do universo, sumido das páginas de Thor desde a década de 70) sobre a chegada de Desak e a destruição do Olimpo. Com o auxílio de Bill e Thor, chegam a um planeta onde Desak pretende assassinar os deuses locais. Apesar da batalha e do poder de Desak, os deuses daquele planeta realmente mostram que pouco se importam com a população, massacrando a todos em busca de poder e controle. Thor, dessa forma, percebe que a ameaça dos deuses é maior do que a de Desak e decide salvar o povo alienígena. Isso dá tempo para que Desak mate os deuses e poupe (por enquanto) o deus do trovão de sua ira.
*

THOR - Parte 109

- Thor 39 e 40 (Setembro e Outubro de 2001)

Histórias:

* "Ignition" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Stuart Immonen

* "By Fire Born" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Stuart Immonen

Surtur em Oslo e a morte de Odin (novamente).

Dan Jurgens continua a desconstrução de tudo que já havia criado na revista do Thor. Dessa vez, reverte a situação de transformação do personagem na identidade mortal de Jake Olson. Thor ficou muito ferido em sua batalha contra o Destruidor e, consequentemente, esses ferimentos também atingem Jake. Com o auxílio de Jane Foster, o herói é levado a Asgard, onde Odin separa o herói de sua identidade mortal, para que possam se recuperar independentemente. Thor é colocado em um tonel, com uma poção energizada por Odin, onde não pode ser incomodado. Jake volta a Terra, agora sem poder se transformar em Thor, com seus ferimentos curados.

Justo nessa hora, o demônio Surtur reaparece na Noruega, trazendo um exército de demônios flamejantes. Então, a situação é a seguinte: Thor não pode participar da batalha pois está se recuperando de ferimentos. Odin está enfraquecido por ter energizado a poção que cura Thor. Jake Olson assiste a tudo sem nada poder fazer pois já não se transforma mais em Thor. Resta apenas aos Três Guerreiros, Balder, Bill Raio Beta, Hércules e Kurse (este último, outra desconstrução de Jurgens, já que foi visto da última vez como inimigo e está na batalha meio que contra a vontade) tentarem deter a ameaça.

Jake Olson, incapaz de fazer algo mais diretamente, convoca Tarene para ajudar na guerra da Noruega. Com seu poder especial, a jovem consegue acelerar o processo de cura de Thor e fazer com que ele invista contra Surtur. Mesmo com essa ajuda, parece que o vilão continua imbatível. É então que Odin, tal como em sua batalha com o demônio na época em Walt Simonson cuidava do título, investe contra a criatura... e sacrifica a própria vida no processo.
*

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

THOR - Parte 108

- Thor 38 (Agosto de 2001)

Histórias:

* "Cometh the Storm" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Stuart Immonen

Stuart Immonen.

A revista do Thor andou trocando de desenhista como uma pessoa troca de roupa. Ou, numa análise mais direta, andou trocando de desenhista como Dan Jurgens muda de idéia. A própria idéia! Lembram que Odin havia (poucas edições atrás) condenado Thor a viver no corpo do mortal Jake Olson? Pois é... Isso nem era tão válido, já que qualquer feitiço anulava essa "maldição". Mas o próprio Odin, ao ver ser filho em perigo, decide conceder-lhe a dádiva de se transformar novamente. Há, é claro, a desculpa sobre o futuro sombrio de Thor que é inevitável (algo que já está sendo alertado até pelo Vigia). Mas isso já era sabido pelo todo-poderoso (e agora todo-volúvel) antes do castigo.

Mas estávamos falando dos desenhistas. Dan Jurgens, ainda com saudades dos tempos em que desenhava e escrevia Superman para a editora concorrente, teve a sorte de firmar Stuart Immonen na revista do deus do trovão. Sorte porque esse desenhista também foi responsável pelas páginas de Superman na época de Jurgens.

A história mostra o embate final entre Thor e a armadura do Destruidor, que está possuída pelo espírito de Tarene. Quem auxilia dessa vez é a feiticeira Encantor, que recupera a alma de Tarene das mãos de Loki (verdadeiro responsável pelo massacre). E enquanto o Vigia sente que o futuro sombrio de Thor é cada vez mais inevitável, Surtur ressurge na Terra.
**

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

THOR - Parte 107

- Thor 37 (Julho de 2001)

Histórias:

* "Valor's Cauldron" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Jim Starlin
Jim Starlin.

A revista do Thor passa por uma espécie de entresafra de desenhistas. Outro desenhista convidado aparece nas páginas da revista. Porém, este já é mais conhecido dos leitores de quadrinhos de super heróis. Trata-se de Jim Starlin. Sua arte não está na melhor forma e o Destruidor que ele desenha deixa saudades do vilão na versão de Walter Taborda na edição anterior. Mas, em matéria de sanguinolência, Starlin não poupa o estômago do leitor. Talvez nunca antes o deus do trovão foi mostrado tão explicitamente ferido, com direito a quebra de um braço pelo Destruidor e o extermínio de Marnot por um misterioso personagem.

Em Asgard, o Vigia aparece para Odin e lhe mostra que o castigo inflingido a Thor pode ter consequências bem além do que o todo poderoso esperava. Por um lado, Odin é lembrado da previsão futura de que Thor poderá se tornar um flagelo para a humanidade. Por outro lado, é o espírito de Tarene quem habita a armadura do Destruidor. Se for destruído e levar a vida de Tarene, com ela acaba a última esperança de ascensão de toda a existência.

Como se todos esses problemas já não fosse o suficiente, na Noruega ainda surge uma espécie de discípulo do demônio Surtur.
*