quarta-feira, 30 de setembro de 2009

THOR - Parte 100

- Thor 26 e 27 (Agosto e Setembro de 2000)

Histórias:

* "Home" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Eric Larsen

* "The Forsaken" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada Eric Larsen

Eric Larsen.

Na década de 90, quando os mais elogiados desenhistas saíram da Marvel para formar a editora Image, Eric Larsen meio que foi no pacote por fazer parte da "panelinha". Não que sua arte não tivesse seus méritos mas, verdade seja dita, seu estilo tentava seguir os mesmos exageros do desenhista Todd McFarlane, que fazia sucesso na revista Homem-Aranha. Foi Larsen quem o substituiu seguindo a mesma quadrinização pouco convencional e os personagens caricatos. Mas Larsen tinha um traço mais estilizado, que supria o que o leitor da época esperava... sem dar a impressão de que estava imitando outro colega.

Com o tempo, McFarlane foi deixando os quadrinhos cada vez mais de lado para se dedicar a administração de sua empresa de brinquedos de luxo. Eric Larsen se beneficiou indiretamente, evoluindo sua arte para um desenho cada vez mais estilizado. Curiosamente, ao substituir John Romita Jr, Larsen meio que seguiu a mesma fórmula de quando desenhou o Homem-Aranha. Manteve seu traço caricato mas, em alguns quadros, nota-se um enquadramento que tenta seguir o mesmo utilizado por Romita. Não era a mesma coisa, nem durou tanto tempo. Porém, nessa história em particular, sua arte funciona.

Os vilões Homem-Absorvente e Titânia formam um casal muito peculiar no mundo dos quadrinhos. São pessoas que ganharam superpoderes e os utilizam para praticar crimes. Porém, a verdade é que querem ter uma vida de casados normais. Digamos que são duas pessoas que se gostam mas não tiveram sorte na vida. Como os dois tem a chance de utilizar suas habilidades (ele faz seu corpo tomar a consistência de qualquer material que toca e ela tem superforça), fazem isso pra tentar ganhar a vida e pagar as dívidas. Um homem e uma mulher marginalizados que chegaram no limite, enfim. Chegou-se a um ponto que até mesmo cansaram de lutar contra super-heróis.

Nessa história, o casal chega a um ponto em que Titânia sofre um estado deplorável de saúde devido a um câncer avançado e os dois moram num cortiço cheio de ratos, pois não podem procurar ajuda sem o risco de serem presos. É aí que o Homem-Absorvente se desespera e decide sequestrar uma médica para cuidar de sua esposa. Como se já não tivesse problemas suficientes, o vilão acaba capturando justamente Jane Foster. E claro, Jake Olson, que agora volta a suas atividades com as bençãos da polícia, se envolve no resgate com sua identidade secreta: Thor.

Apesar da batalha que se segue, Homem-Absorvente e Titânia dão ouvidos ao bom senso e decidem parar de lutar, já que ela precisa de cuidados urgentes. Aqui, a arte de Larsen serve perfeitamente. Quando digo que seu estilo é caricato, exagerado, automaticamente pensa-se em uma arte que leva até mesmo um tom de humor. No entanto, a forma cadavérica com que desenha Titânia é algo chocante de se ver. Nota-se o sofrimento da vilã em suas expressões faciais e seu corpo praticamente esquelético.

Outra novidade apresentada nessa fase está ligada ao descanso de Odin, um sono ao qual o senhor de Asgard se permite para recuperar suas forças e não pode ser interrompido. Enquanto descansa, outra pessoa é escolhida para ocupar o trono. E a bola da vez é... Lady Sif!!! Uma escolha merecida, mas que surpreende a todos (machismo em Asgard?). Porém a surpresa se desfaz quando se lembra a garra com que a deusa luta. Um verdadeira guerreira assumindo um posto que faz juz a seus feitos.
*

terça-feira, 29 de setembro de 2009

THOR - Parte 99

- Thor Annual 2000 (Março de 2000)

Histórias:

* "Final Confrontation" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Jerry Ordway

* "Of Ashes and Defeat" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Ladronn
O Julgamento de Jake Olson.

Antes de seguir sua jornada para impedir os planos de Thanos, Thor ainda tinha um assunto pendente. Na verdade, isso só foi possível graças a intervenção da doutora Jane Foster, que convenceu o próprio Odin de que a perseguição de Jake Olson tinha algo de estranho. De fato, Odin descobre que seu outro filho, Loki, estava envolvido em deixar o rapaz em maus lençóis com a polícia.

Odin avisa Thor para fazer uma pequena parada em Midgard (Terra) e impedir os planos mesquinhos de seu vilanesco irmão. Thor volta a forma de Jake Olson e ruma até um mercado onde um assalto está sendo feito por... Jake Olson! Acontece que esse segundo é uma personificação feita através da alma de Jake que estava exilada no Inferno. Quando o Jake "bom" consegue impedir o Jake "mau" (improvisando uma história de irmão gêmeo), Loki se desespera e entra no corpo do "mau" para dar cabo de Thor de uma vez por todas, que estava preocupado em atender o dono do mercado que acabou levando um tiro na confusão (lembrando que, como Jake, ele tem conhecimentos de um paramédico).

Quando o Jake "Loki" está para desferir um tiro no Jake "Thor" (estão acompanhando o raciocínio?), o próprio Odin intervem e dá o devido castigo ao seu filho rebelde. Já que Loki possuiu o corpo do falso Jake, condena-o a permanecer ali, como um mortal. preso no corpo em que está. Quando a polícia chega, o testemunho de Jane Foster e a ajuda do advogado Matt Murdock (que, em sua identidade secreta é o herói Demolidor. que foi posto a par da situação) fazem com que o "gêmeo mau" de Jake seja encarcerado em uma prisão, sem que saibam que Loki também está encarcerado naquele corpo. Já a alma do verdadeiro Jake é salva pelo próprio Odin de voltar ao Inferno.

Uma surpresa agradável dessa edição anual de Thor é a segunda pequena história desenhada pelo mexicano José Ladronn, contando um detalhe do plano de extermínio de Thanos, onde ele e o vilão Mangog destroem o planeta dos rigelianos. Tudo é narrado pelo andróide conhecido por Registrador.

Mas o que chama a atenção é a arte de Ladronn em si. Até então, era uma espécie de cópia intencional de Jack Kirby (que, nos anos 60, ajudou a criar a maioria dos heróis Marvel, inclusive Thor). Não chega a ser feia, mas serve mais como curiosidade. Nessa história ele opta por criar quadros de meia página, usando esse mesmo estilo... só que pintada. Isso dá um outro clima para os belíssimos desenhos, parecendo com os elaborados quadrinhos europeus de ficção científica.
*

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

THOR - Parte 98

- Thor 21 a 25 (Março a Julho de 2000)
Histórias:

* "As Turneth the Tide"

* "Tears of the Gods"

* "Beyond Reason's Edge"

* "Tears For the Fallen"

* "The Final Morning"

- Escritas por Dan Jurgens e desenhadas por John Romita Jr.

Thanos, Mangog, Tarene e as últimas histórias desenhadas por John Romita Jr.

Que o personagem Thanos é um dos maiores vilões do universo Marvel (com ênfase na palavra "universo"), isso ninguém tinha a menor dúvida. Mas aqui ele mostra o real perigo que representa, saqueando artefatos pelo cosmo afim de adqurir poder para levar a morte a TODOS os planetas, extinguindo de vez a vida do universo. E, no seu caminho, não poupa os mundos que visita, eliminando civilizações inteiras. Para auxiliar nessa cruzada genocida, conta com o apoio de ninguém menos do que Mangog, antigo inimigo de Asgard que traz o poder de bilhões de habitantes de seu planeta natal.

Em Asgard, onde se encontra um dos artefatos, Thanos conta com a traição do vizir de Odin, Tarakis, que envenena o senhor do reino dourado e mostra ser uma entidade cósmica disfarçada. Odin, ainda enfraquecido, junto a criatura conhecida como Orikal, capaz de prever o futuro, vê indefeso seu filho, Thor, seguir rumo a missão suicída de destruir a gangue de vilões cósmicos. Mesmo com o apoio do Senhor do Fogo, poderoso ex-arauto de Galactus, Thor leva uma surra épica e vê o vilão rumar passo a passo ao seu intento.

Como última peça de seus planos, Thanos sequestra a alienígena Tarene, a qual, reza a lenda, suas lágrimas serão o último ingrediente servido em uma taça para o detentor do poder que levará a morte ao universo. Mesmo vendo a população de seu planeta ser dizimada, Tarene tem espírito guerreiro o suficiente para sequer suspirar de tristeza. Porém, quando vê a surra que Thor leva de Mangog, desaba em desespero.

Odin, que acompanha tudo de longe, convoca o vilanesco ferreiro Jagrfelm para criar uma arma capaz de ajudar seu filho. Surge um escudo especial que é banhado com o pouco que ainda resta da Força Odin e, juntamente com o cinturão que duplica a força de Thor, serve de última esperança para que o deus do trovão salve o universo.

A primeira investida de Thor é dirigida a Mangog que, literalmente, engole a energia disparada pelo martelo encantado e aparentemente encontra seu fim. Thanos, transbordando poder cósmico mortal, consegue rechaçar durante um tempo o herói, mas este usa o último esforço de guerreiro que lhe resta até chegar perto o suficiente e destruir um dos artefatos, deixando o vilão desguarnecido para ser tocado por outra lágrima de Tarene, o que o leva a queimar até virar uma marca no planeta morto em que se encontra.

Uma saga extensa, mas que culmina em uma luta épica como despedida dos desenhos de John Romita Jr. Thanos também é mostrado como um vilão quem sequer pisca antes de dizimar planetas inteiros, algo que não é novidade em se tratando desse personagem, mas nunca antes mostrado com tanto detalhamento, o que intensifica o suspense em cada edição dessa história.
Destaque para o rebeldíssimo ferreiro Jagrfelm, que barganha com Odin para criar as armas necessárias para derrotar Thanos. Ele pede a "benção" de Odin para algo que traz em uma saca. Devido a urgência, Odin nem se pergunta do que se trata mas, com certeza, pelo mau caráter do ferreiro, trará muita dor de cabeça para os asgardianos no futuro.
*

domingo, 27 de setembro de 2009

THOR - Parte 97

- Deadpool 37 (Fevereiro de 2000)

Histórias:

* "Chapter X, Verse 4: Benediction" - Escrita por Christopher Priest e desenhada por Jim Calafiore

Deadpool.

Ele tem um visual que faria os mais desavisados o confundirem com o Homem-Aranha. Mas qualquer mal entendido desse tipo logo se desfaz quando ele entra em ação. Não só pelo fato do personagem ser um anti-herói, nem mesmo por agir como um mercenário armado. Não! O que o diferencia do Homem-Aranha... e talvez de todos os outros heróis da Marvel... é o que acontece quando... ele abre a boca! As piadas infames de Deadpool são cuspidas em uma proporção que rivaliza com as balas de suas armas de fogo.

Nos quadrinhos, o mercenário falastrão, como é conhecido, é bem menos sombrio que a versão cinematográfica apresentada no recente filme sobre Wolverine. Talvez até uma antítese do que é ali apresentado, já que o personagem teve sua boca literalmente fechada. O Deadpool dos quadrinhos fala tanto, mas tanto... que faltam personagens para ele falar. Isso não só faz com que ele frequentemente fale sozinho, como também converse com próprio leitor para fazer comentários sobre o que está acontecendo.

Criado para participar de aventuras de heróis mutantes da Marvel (com destaque para Wolverine), Deadpool inferniza a vida de vilões e heróis em suas histórias cheias de humor. Em sua própria revista, o encontro com Thor, assim como a maioria de suas aparições, não poderia ser menos do que uma comédia de erros.

Loki convence Deadpool de que é seu pai. Algo de certa forma compreensível, pois o deus da trapaça também é conhecido por ser o deus das traquinagens, beirando a loucura. E isso é um ponto em comum entre ele e o mercenário. Acontece que Loki também é o deus da mentira e, sendo essa mais uma delas (óbvio), serve apenas para usar Deadpool em mais um plano para ludibriar Thor.

Loki faz com que Deadpool roube o martelo de seu "tio" (já que Thor é irmão do "pai" do mercenário) e se transforme em uma versão amalucada do deus do trovão. Só pra ter uma idéia da "seriedade" com que Deadpool trata o novo poder adquirido, logo de cara ele o usa para ameaçar Michael Jackson (não, você não leu errado) e conseguir autógrafos em sua coleção de CDs.

Perseguido por um enraivecido (pra não dizer enlouquecido) Jake Olson, Deadpool é levado para Asgard, onde Loki capturou a Morte e quer que ela toque Jake. Deadpool percebe que algo está errado, que Loki é um mentiroso... e que sua amada também foi enganada. Em sua loucura, o mercenário leva ao pé da letra que ama a Morte. Logo, se Loki a capturou e a convenceu de tocar Jake, significa que ele enganou a "garota" que ele admira... e isso é uma tremenda falta de caráter. Nesse raciocínio distorcido, Deadpool acaba colocando o plano de Loki a perder.

Mas... algo parece muito estranho (não que as histórias de Deadpool sejam normais...). Loki não poderia controlar o martelo encantado para passá-lo a Deadpool. E Deadpool teoricamente não poderia ser digno o suficiente para levantá-lo. Jake mata a charada quando descobre que o martelo nunca saiu do lugar (na Terra), uma vez que Loki o tornou invisível e o enganou criando um outro martelo, que Deadpool roubou. Dessa forma, o mercenário se tornou uma versão do deus do trovão mais pela magia de Loki do que de seu martelo.

Resolvida a situação, Thor ainda dá uns safanões em Deadpool, que insistia em usar seu falso martelo, e as coisa voltam ao normal... pelo menos para Thor.
*


sábado, 26 de setembro de 2009

THOR - Parte 96

- Thor 19 e 20 (Janeiro e Fevereiro de 2000)

Histórias:
* "Deviant Life" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Michael Ryan

* "Empty Vessels" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Michael Ryan

Michael Ryan.

A arte de Michal Ryan substitui a de Romita nessas duas edições e mostra a batalha final de Thor e Odin contra os Encantadores. Os traços de Ryan, sendo mais tradicionais, em alguns momentos acabam sendo engolidos pela arte final marcante de Klaus Janson, que vinha finalizando as histórias de Thor desde sua volta. Não é de todo ruim, mas cai no azar da comparação com Romita, já que é isso que o leitor esperava dentro desta revista.

Com a ajuda da Feiticeira Escarlate (mesmo com o descrédito de Odin para com a heroína), a dupla de asgardianos consegue sair do estômago de uma enorme serpente invocada por Enrakt. Após o sufoco, cada um dos heróis enfrenta um Encantador, derrotando-os cada um a seu modo. O destaque aqui vai para Odin, bem diferente do barbudo que dispara raios com seu poder supremo. Surpreendentemente, o "velhinho" é mostrado dando joelhadas e cotoveladas em um digno estilo de briga de rua. Afinal de contas, apesar da barba branca, ele é um deus da mitologia dos guerreiros vikings.

Após derrotarem os Encantadores, é revelado que um deles, Enrakt, está usando corpo da feiticeira Ceranda, por quem Thor se apaixonou no final da saga Heróis Retornam. Ao retornar a Asgard, a demonstração de carinho e preocupação com a feiticeira afeta até mesmo a deusa Sif, que também se pergunta sobre os sentimentos de Thor para com a mortal Hannah, noiva de Jake Olson. Thor está confuso com a situação.

Por falar em Jake Olson, a alma do jovem estava queimando no inferno, capturada por Mefisto. Loki, "amigão" de Mefisto (amizade entre vilões...), pede a alma do jovem e a usa para cometer crimes, piorando ainda mais a situação do paramédico com a polícia (que já o estava procurando).
*

THOR - Parte 95

- Thor Annual 1999 (Março de 1999)

Histórias:

* "Tears of a God" - Escrita e desenhada por Dan Jurgens

O que aconteceu a Thor e Doutor Destino?

No final da saga Heróis Renascem / Heróis Retornam, Thor se engalfinhou com o vilão Doutor Destino para evitar o sequestro de Franklin Richards (filho do Senhor Fantástico, do Quarteto Fantástico). No meio da batalha, Thor invocou as forças do martelo encantado... e os dois sumiram num clarão. Franklin foi resgastado por seu pai e os heróis restantes retornaram a dimensão do Universo Marvel. Mas... o que aconteceu com Thor e Doutor Destino? Afinal, Thor inexplicavelmente retornou ao Universo Marvel, aparecendo repentinamente em Asgard. Onde teria andado desde então, uma vez que sabe-se que o tal clarão não o transportou de imediato para Asgard?

A resposta, confusa até mesmo na mente de Thor, foi dada no especial anual da revista do herói, onde Dan Jurgens, além de escritor da série, também desenha a história. Não é algo do tipo "grande revelação" e nem mesmo serve satisfatoriamente de ponte entre os eventos que levaram ao retorno do deus do trovão. A verdade é que se torna uma história desnecessária, dando a impressão que não esclarecer o que aconteceu. O único detalhe que realmente repercute nas histórias que virão é o fato do ambiente mostrado ser o local em que o vilão Enrakt invadiu o martelo encantado para derrotar os asgardianos no futuro. Isso mostra uma maior preocupação de Jurgens em desenvolver o personagem que trabalharia nas revistas mensais, do que simplesmente resolver um mistério que assolava os leitores desde o final de Heróis Retornam.

Enfim...

Thor e o Doutor Destino, após a batalha por Franklin Richards, vão parar, separadamente, em um desolado planeta conhecido como Balatraan. Thor vai parar na superfície árida e deserta do planeta, sendo resgatado por uma feiticeira exilada conhecida como Ceranda, por quem se apaixona com o tempo e ajuda, com seus poderes, a tornar o deserto mais habitável. O Doutor Destino vai parar na cidadela futurista onde se concentra uma espécie de governo do local e usa as capacidades restantes de sua armadura (e seu sangue frio) para dominar o exército local.

Destino ataca o vilarejo onde Thor se encontra e ataca Ceranda, roubando parte de seus poderes místicos. E antes de usá-los para sair do planeta, o vilão revela que a chegada dos dois ao local, ao contrário do que o deus do trovão acredita, não foi acidental, mas algo manipulado desde o começo pela feiticeira, que usou Thor para tornar seu exílio naquela terra árida menos desagradável. Mesmo sabendo da verdade, Thor se entristece ao perceber que Ceranda realmente se apaixonou por ele.

A história é contada através de lembranças em uma festa surpresa organizada pelo Quarteto Fantástico (para agradecer o salvamento de Franklin). Dessa forma, é curioso notar como se parece com outro especial envolvendo o grupo de heróis, o encontro entre Quarteto Fantástico e Super Homem, coincidentemente (será?) também escrito e desenhado por Dan Jurgens. Alguns quadros, inclusive, se trocarmos Thor pelo Super Homem, parecem pertencer a mesma história. E não é só pelos dois voarem pela cidade vestindo uma capa vermelha...
*

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

THOR - Parte 94

- Thor 18 (Dezembro de 1999)

Histórias:

* "The Deadly Living Talismans" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por John Romita Jr.

Os Talismãs Vivos.
Depois do estranho hiato para a saga O Oitavo Dia, a revista do Thor volta a "programação normal", mostrando o deus do trovão retomando a batalha contra as entidades que utilizam o Talismã Vivo. E, liderados por Enrakt, não parecem ser inimigos fáceis de se enfrentar. Mesmo indo ao encontro e auxílio de Odin (o VERDADEIRO Odin, exilado e enfrentando dois dos vilões), Thor parece ter dificuldades em derrotá-los.

O destaque dessa edição fica, novamente, por conta da arte de Romita Jr., que também mostra o visual que ele criou anos atrás para o vilão Mephisto (espécie de Satã da Marvel), dando mais idéia de uma criatura demoníaca do que um simples diabo humanóide. Aqui, o demônio está prestes a fazer parceria com o vilão Loki que, por enquanto, parece estar no controle da situação.
*

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

THOR - Parte 93

- Thor 16, Iron Man 22, Peter Parker: Spider-Man 11 e Juggernaut 1(Novembro de 1999)

Histórias:

* "The Eight Day 1 of Four" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por John Romita Jr.

* "The Thrill of Chase" - Escrita por Kurt Busiek e Roger Stern, desenhada por Sean Chen

* "An Exemplary Day!" - Escrita por Howard Mackie e desenhada por John Romita Jr.

* "Eight is Enough" - Escrita por Joe Casey e desenhada por Terry Shoemaker

O Oitavo Dia.

Não se pode dizer que essa saga foi mal planejada. Mas há de se questionar o PORQUE foi planejada. O Oitavo Dia é uma história que aconteceu em quatro partes, continuadas em quatro revistas diferentes: uma do Thor, uma do Homem de Ferro, uma do Homem Aranha e uma do Fanático,este último, um dos principais vilões dos X-Men. Por falar nos heróis mutantes, contabilizem também a participação do Professor Xavier ao grupo. Ou seja, uma escolha mais do que estranha de personagens agindo juntos, já que não existe absolutamente nada em comum entre eles (a não ser entre Homem de Ferro e Thor pertencerem ao grupo Vingadores, mas isso é o de menos, e Xavier e Fanático serem meio-irmãos).

Os vilões, um grupo conhecido como Octessência, são novos personagens que incorporam deuses do Universo Marvel em corpos de ilustres desconhecidos. A intenção aqui é homenagear Jack Kirby, artista dos anos 60 que ajudou a criar vários personagens da Marvel (inclusive Thor) já que o visual dos personagens é baseado no estilo do desenhista, cheio de formas geométricas e personagens atarracados. Mas, até então, isso não fica tão claro para o grande público... e talvez nem mesmo para o mais atento. Por mais que a homenagem seja feita na base da boa intenção, a verdade é que o estilo dos desenhistas envolvidos nessa série já é bem definido, chegando a parecer forçado uma aproximação com a arte de Kirby.

O único personagem que não é tão inédito assim é o já citado Fanático, que também destoa dos outros, ficando de certa forma deslocado. Apesar de seus poderes terem alguma ligação mística (através da entidade conhecida como Cytorak) o Fanático faz mais o gênero "mutante com força bruta" que nada tem de divino ou mesmo filosófico. E, como se sua presença já não parecesse estranha o suficiente, é ele quem resolve a ameaça (já que os outros deuses pretendem dividir a Terra em exércitos particulares que lutariam para provar quem deles é o mais poderoso) e se torna uma espécie de herói da história. Isso tudo ainda rendendo uma revista (único número) própria do Fanático, que está tão perdida nessa salada que não se sabe se a intenção era testar um título mensal com o personagem (algo que seria mais estranho ainda).
*

terça-feira, 22 de setembro de 2009

THOR - Parte 92


- Thor 16 (Outubro de 1999)

Histórias:

* "Revenge of the Enchanters" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por John Romita Jr.

A Vingança dos Encantadores.

John Romita Jr. retorna ao seu posto! E, junto a ele, Thor retorna com martelo (exorcizado) em punho para enfrentar o vilão Enrakt (que não é um vilão fácil de se enfrentar, diga-se de passagem).

Não há muito o que se dizer dessa edição, fora o retorno das páginas desenhadas por Romita e saber um pouco dos detalhes de como o vilão conseguiu invadir o martelo encantado. A não ser... um outro retorno... talvez um tão esperado, já que o escritor Dan Jurgens incitou tanto o leitor a pedi-lo.

No decorrer da aventura (e no final da edição passada) vemos que Odin está enfrentando uma dupla de Encantadores. No entanto, quando Balder e Sif entram no quarto do senhor de Asgard... ele está calmo, como se nada tivesse acontecido. Algo que também é testemunhado pelo vizir de Odin. Mesmo assim, Thor ainda vislumbra Odin lutando com os vilões. Mas... se ele está lutando com os Encantadores... quem é o Odin que está em Asgard?

Bom... Ele não fez isso pela primeira vez. Aliás, fez tantas vezes que acabou se tornando um clichê. Mas, finalmente, vemos um clichê que tem o gosto de comemoração para o leitor. Pois o "falso" Odin é ninguém menos do que Loki... finalmente o asgardiano que faltava, provando que vilão, por pior que seje, ainda faz falta em uma história de super-heróis.






segunda-feira, 21 de setembro de 2009

THOR - Parte 91

- Thor 15 (Setembro de 1999)

Histórias:

* "At Last... Disclosure" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Lee Weeks

Lee Weeks.

Outro desenhista convidado no recesso de Romita. Trata-se de Lee Weeks, que ficou mais conhecido pelo seu trabalho na revista do Demolidor. E tal qual as histórias do herói cego, Weeks assume uma edição em que o roteiro parece mais urbano do que místico e asgardiano.

Com o martelo preso na parede de um edifício, os novaiorquinos começam a fazer fila para saber quem consegue tirá-lo de lá (e, consequentemente, ganhar algum superpoder como Thor). A situação chama a atenção até mesmo da mídia e se torna um evento sensacionalista.... até a chegada dos três guerreiros (Hogun, Fandral e Volstagg) que foram enviados a Terra para recuperarem a arma. Mas, assim que chegam perto, o vilão Enrakt reaparece para enfrentá-los, enquanto os outros Encantadores (até então exilados em outra dimensão) reaparecem em Asgard para atacar Odin... dentro de seu próprio quarto.

Jake Olson tenta escapar do hospital, já que está sendo acusado de roubo de medicamentos, tendo como testemunha seu parceiro de profissão. Nem mesmo Thor, que ocupa o corpo do paramédico, tem certeza sobre sua inocência do rapaz, uma vez que pouco sabe sobre seu passado. Porém, a doutora Jane Foster, que agora sabe da identidade de Jake (ou de Thor) o ajuda a fugir.
*

domingo, 20 de setembro de 2009

THOR - Parte 90

- Thor 14 (Agosto de 1999)

Histórias:

* "Hammer Time" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por Mike McKone

Mike McKone.

O desenhista Mike McKone é lembrado pelo seu trabalho com a Liga da Justiça, em uma época em que esse grupo apresentava histórias com um humor escrachado, algo que era considerado ousado em se tratando de quadrinhos de super-heróis "sérios". Naquela época, o desenho realista e ao mesmo tempo caricato do desenhista Kevin Maguire era um fator importante nas situações cômicas que surgiam na Liga. Sua substituição, apesar dos roteiros competentes, poderia comprometer o título que ainda seguia essa linha. McKone foi um dos desenhista que melhor se adaptaram a esse estilo, sendo que seu traço é ainda mais sério, mas dava certa "maleabilidade" ao rosto dos personagens, criando caras e bocas que incitavam o puro deboche.

Nessa única edição de Thor que desenhou, McKone mostra sua arte sem se prender exatamente a contar piadas. Seu estilo aqui está mais para mostrar quadros grandiosos e detalhistas e principalmente cenas de batalha de uma forma dinâmica.

Thor e o Homem de Ferro são levados pelo martelo encantado (que está agindo estranhamente) próximo a uma parte da cidade que está sendo atacada pelo casal de supervilões Homem-Absorvente e Titânia. No meio da luta, o martelo não retorna as mãos de Thor, prendendo-se em uma parede, e o herói volta a se transformar em Jake Olsen. Ao tentar retirar a arma da parede, Jake é rechaçado e o motivo do comportamento estranho é revelado. O martelo havia sido possuído pelo vilão Enrakt, um dos Encantadores, antigo inimigo dos asgardianos. O vilão, ainda como vingança, atravessa o corpo de Jake e lhe causa um ataque cardíaco.

O Homem de Ferro socorre Jake e o leva até o hospital. Lá, apesar dos cuidados e de seu estado grave, a polícia aparece para prender o paramédico, que é acusado de roubar medicamentos do hospital.
*

THOR - Parte 89

- Thor 13 (Julho de 1999)

Histórias:

* "The Work of Odin" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por John Romita Jr.

Marnot.

Pegadinha do Dan Jurgens! Desde o reinício da série do Thor, o personagem Marnot apareceu misteriosamente e mostrando ter não só conhecimento sobre tudo que estava acontecendo com o deus do trovão como também grande poder. Afinal, não é qualquer um que é capaz de intimidar Hela, a deusa asgardiana da morte. Além disso, também foi responsável por unir Thor ao corpo do paramédico Jake Olson, algo que só Odin fez quando transformou seu filho em Donald Blake e o uniu a Eric Masterson.

Quando todos os asgardianos reapareceram, mostrando serem cativos dos deuses sombrios, a única ausência foi a de Loki, o meio-irmão e inimigo de Thor. Por isso e pelo jeito desrespeitoso de ser (até mesmo com o todo poderoso Odin), acreditou-se que Marnot era na realidade Loki. Mas as pistas eram falsas...

Marnot, na realidade, era um dos corvos de Odin, conhecido como Hescamar. O corvo era uma espécie de garantia de Odin caso Asgard fosse dominada pelos deuses sombrios (o que, de fato, aconteceu). Levando parte de seu poder, Hescamar foi capaz de criar um corpo humanóide para si (Marnot) e procurar ajuda de Thor. A ave, mantendo sua personalidade um tanto brincalhona (mas não irresponsável) dava a entender que tinha más intenções. Porém, sua natureza se revelava apenas como um mascote brincalhão que não teme pela mão de seu dono. Afinal de contas, enquanto muitos asgardianos deveriam aguardar a honra de estar diante da presença de Odin, Hescamar já sentava no ombro do senhor de Asgard a muito tempo.

Nas festividades pelo fim da guerra sombria, onde Marnot / Hescamar mostra sua verdadeira face, Odin abençoa o martelo encantado de Thor, já que ele foi avariado na luta contra Perrikus.
*

sábado, 19 de setembro de 2009

THOR - Parte 88

- Thor 10 a 12 (Abril de 1999 a Junho de 1999)

Histórias:

* The Dark Wars Part I of IIII" a "The Dark Wars Part III of III" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por John Romita Jr.

Guerras Sombrias.

Para quem acompanhava as histórias de Thor a um bom tempo, a saga Guerras Sombrias pode parecer mais do mesmo. Novamente Asgard é dominada e destruída. Novamente há uma guerra para recuperar o reino dourado, regado por batalhas épicas. Novamente Odin se encontra em perigo. Novamente entidades estranhas invadem a cidade.

Mas há um motivo especial para que essa história seja melhor apreciada. É a volta do elenco asgardiano às histórias do deus do trovão. Odin, Balder, Sif, Fandral, Hogum, o volumoso Volstagg... bem... não tão volumoso quanto antes, mas não deixa de ser interessante ver uma versão magrela do enorme e desajeitado asgardiano que fazia parte dos três guerreiros amigos de Thor.

A história também explica o que aconteceu com Asgard e seus habitantes, dominada pelas entidades conhecidas como deuses sombrios, uma espécie de representação do que há de pior no universo. Se existe um deus do trovão, por exemplo, o que dizer de uma entidade que representa a corrupção? Ou uma que represente a sujeira? Interessante lembrar que, nessa linha de raciocínio, Loki, eterno inimigo de Thor e vilão de Asgard, não representaria exatamente algo ligado a maldade. Afinal, ele é o deus da trapaça, algo que, perante os outros deuses sombrios, seria um "mal menor". Ele, inclusive, é a única ausência sentida entre os asgardianos. Quem diria...

Os deuses sombrios dominam Asgard e desafiam Thor a enfrentá-los. O poder dos vilões é tamanho a ponto de Perrikus, um dos deuses, ser capaz de cortar o martelo encantado de Thor no meio. Separado de sua arma, o herói volta a se transformar no mortal Jake Olson e rasteja pelos esgotos de Asgard até ser capturado e escravizado. Porém, graças a isso, consegue localizar o paradeiro dos três guerreiros, através de um magricelo Volstagg (sinal de que foi torturado por tempo demais).

Jake Olson é capturado mas, por achar que se trata de um ser inferior, Perrikus o joga próximo ao martelo despedaçado, que se refaz e transforma Jake em Thor. Este foge e pede ajuda a armadura Destruidor, que está exilado em uma dimensão distante. Juntos, e ainda com a ajuda de Hércules, o grupo consegue libertar os asgardianos e salvar Asgard.
*

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

THOR - Parte 87

- Earth X 0 a 12 e Earth X X (Março de 1999 a Abril de 2000)

Histórias:

* "Issue 0", "Chapter One" a "Chapter Twelve" - Escrita por Jim Krueger e Alex Ross, desenhada por John Paul Leon

Terra X.

A minissérie Terra X mostra um futuro sombrio e decadente para todo o Universo Marvel. O que acontece é que, por algum motivo (a ser explicado durante a história), todos os seres humanos ganharam super poderes. E, afinal, que utilidade teria um super-herói diante de um mundo onde todos tinham poderes especiais? No entanto, ameaças ainda são presentes, como o surgimento de um novo e carismático Caveira Vermelha e uma ameaça cósmica que envolve cada detalhe mostrado não só durante a série, como ao longo de décadas de existência da Marvel. Uma ameaça capaz de destruir de vez o planeta Terra.

As capas desenhadas por Alex Ross, podem até enganar o leitor menos informado, fazendo-o imaginar que se trata de mais um grande sucesso no estilo da minissérie Marvels (essa, sim, pintada por Ross). Para os que assim esperam, os desenhos sombrios de John Paul Leon podem parecer decepcionantes em uma primeira impressão. Infeliz engano de que pensa assim. Leon, dentro de seu estilo, dá o tom exato e o peso triste que a história tenta transparecer.

O escritor Jim Krueger consegue amarrar a história com um texto igualmente pesado e um narrativa interessante. A principal qualidade de seu texto é mostrada ao dar personalidades distintas a tantos heróis e vilões ao mesmo tempo. Alex Ross, além das capas e do visual evoluído dos personagens, contribuí com as idéias (e ideais), apresentadas nessa minissérie. Quando digo "visual evoluído" dos personagens, não significa "visual futurista". Não é um futuro bonito, de fato. Imagine seus principais personagens envelhecendo de forma decadente e pouco respeitosa. Não só caíram no descrédito do mundo, como também poucos acreditam em si mesmos, acumulando anos e anos de paranóias próprias depois de tanto tempo lutanto contra o mal. O mal, inclusive, a certo ponto da história é teorizado como uma mera invenção da humanidade para culpar pelas suas próprias fraquezas.

Entre as muitas surpresas chocantes contidas na história, Thor talvez protagonize a mais polêmica. Afinal, aqui não se trata de um deus do trovão... mas uma deusa! Não, não é uma outra encarnação do personagem. Sim, "esta" é o mesmo Thor, filho de Odin, meio-irmão de Loki, que todos conhecemos. O futuro reserva um dos inúmeros "castigos" de Odin, que agora exilou Thor em um corpo feminino. Piadas a parte, é Loki (obviamente culpado por essa situação), quem mais se diverte com a forma de sua nova "irmã", inclusive não perdendo a chance de uma observação levemente incestuosa sobre o caso.

Também é interessante a forma como os asgardianos, no geral, são abordados, mostrando que "deuses" de certa forma são uma raça alienígena. De tão superiores, foram adorados pelos povos antigos como entidades divinas. Essa idéia, na verdade, não é de todo nova. Warren Ellis, no curto período em que escreveu a revista de Thor, também incitou a essa abordagem.

E se realmente eram os deus astronautas... ou alienígenas... só o futuro sombrio de Terra X dirá.
*

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

THOR - Parte 86

- Thor 6 e Peter Parker: Spider-Man 2 (Fevereiro de 1999)
Histórias:

* "...And the Home of the Brave" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por John Romita Jr

* "Plaything of the Gods" - Escirta por Howard Mackie e desenhada por John Romita Jr
Ameaça do Além.

Essa história em duas partes acontece em duas revistas mensais distintas. A primeira parte na revista do Thor e a segunda em uma nova revista do Homem-Aranha. O ponto em comum entre dois personagens tão distintos é a grande estrela daquela fase: os desenhos de John Romita Jr, que também já havia feito um ótimo trabalho com o Homem-Aranha (além de estar intimamente ligado ao herói, já que seu pai, John Romita Sr, foi um dos mais importantes desenhistas do personagem no passado).

O encontro mostra Peter Parker levando sua tia May ao hospital em uma consulta de rotina. Por uma coincidência marvelística, é o mesmo hospital onde aparece o paramédico Jake Olson, identidade secreta de Thor. E, como a coincidência é marvelística, nesse momento surge uma grande ameaça na cidade: o demônio Tokkots, que foi rechaçado da destroçada Asgard pelos deuses sombrios (responsáveis, inclusive, pelo cativeiro dos asgardianos... sem que Thor ainda saiba disso).

Ao enfrentarem a criatura, Thor acaba tendo pistas do que aconteceu em Asgard, mas o demônio desaparece antes que ele possa segui-lo. Apesar disso, agora ele não está tão desorientado como antes. A idosa tia May, frágil como sempre, passa mal no meio da confusão e é atendida pelo sempre disposto Jake. No final, Peter Parker e Jake Olson apertam as mãos, sem saberem que antes enfrentaram uma ameaça em comum como Homem-Aranha e Thor.
*

terça-feira, 15 de setembro de 2009

THOR - Parte 85

- What If...? 114 (Novembro de 1998)

Histórias:

* "What If... Starring Secret Wars: 25 Years Later" - Escrita por Jay Faerber e desenhada por Gregg Schigiel

Guerras Secretas: 25 Anos Depois.

Outro exercício de imaginação, prevendo como seriam os heróis Marvel no futuro. O ponto de partida aqui é a minissérie Guerras Secretas, sucesso da Marvel nos anos 80, que mostrava os seus principais heróis e vilões sendo transportados para um planeta alienígena (criado por uma entidade com poderes capazes de tal feito) afim de lutarem como se fosse uma enorme arena e mostrar, de uma vez por todas, quem venceria a guerra entre o bem e o mal.

Pois bem... na minissérie original, cheia de reviravoltas, os personagens voltam para a Terra após a tal guerra terminar e a entidade ser atacada pelo Doutor Destino. Porém, na linha da revista "O Que Aconteceria Se", a pergunta feita é: O que aconteceira se os heróis ainda estivessem no planeta alienígena... 25 anos depois?

Galactus, o poderoso vilão que também foi convocado para a guerra, entrou em conflito com Beyonder (a entidade que os capturou) e ambos morreram. Os heróis e vilões, desde então, decidiram por uma trégua e tocarem suas vidas por ali mesmo. Com o tempo, alguns relacionamentos se estreitaram e alguns deles se casaram e tiveram filhos (sabe como é... planeta alienígena... sem televisão...).

No caso de Thor, ele teve um filho com a vilã Encantor, ao qual chamou de Bravado. O jovem, apesar de pouco usar os poderes místicos da mãe, mais parecia uma versão jovem de Thor. O vilão desse conto, Malefactor, também é filho de Encantor com... o Doutor Destino (sabe como é... planeta alienígena... sendo que nem em Asgard ela tinha televisão...). Aqui cria-se a velha rivalidade que havia entre Thor e Loki, sendo que Bravado e Malefactor também são meio-irmãos com índoles diferentes.

A história fechava a última edição da revista What If, especializada em mostrar destinos diferentes dos personagens, e serviu de inspiração para a animação de longa metragem "Next Avengers". De certa forma, era a Marvel utilizando a fórmula de misturar personagens, da mesma forma como foi feita com a série "Amálgama", onde juntou seus personagens com os da editora concorrente DC Comics. Aqui, no entanto, a mistura é feita com seus próprios personagens. Outra história despretensiosa e, por isso, com a única obrigação de matar a curiosidade dos leitores.
*

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

THOR - Parte 84

- A-Next 1 (Outubro de 1998)

Histórias:

* "The End of the Avengers" - Escrita por Tom DeFalco e desenhada por Ron Frenz

MC2.

Outra tentativa da Marvel em promover uma revista mostrando um futuro alternativo para seus heróis, desta vez através do selo MC2 (Marvel Comics 2). No entanto, este futuro não é tão distante quanto se imagina. Algo em torno de duas décadas no máximo. Dessa forma é possível vermos alguns dos personagens que conhecemos hoje, só que mais amadurecidos e até mesmo aposentados. A vida continuou e alguns deles tem até mesmo filhos, fato em que esse novo universo se sustenta.

Não durou muito tempo, é verdade, mas houve um fenômeno que chamou a atenção dos leitores: a Garota Aranha, filha do Homem Aranha. A idéia começou com ela... e os leitores não deixam que termine. Os outros títulos foram cancelados após um tempo... até mesmo a revista da Garota Aranha. Mas... devido a pedidos dos leitores, a Marvel relevava e voltava com a personagem em uma nova revista.

O principal responsável pelo surgimento do universo MC2 é um velho conhecido dos leitores de Thor: Tom DeFalco, escritor que esteve a frente durante anos na revista do deus do trovão, juntamente com o desenhista Ron Frenz, que também o auxilia na formação desse mundo do futuro.

DeFalco não deixaria suas "crias" de fora desse projeto e inclui vários detalhes de suas histórias passadas, principalmente as do tempo em que escreveu Thor. No título A-Next, vemos uma nova geração de Vingadores formada por Jubileu (mutante que já participou das histórias dos X-Men), Speedball (ex-integrante dos Novos Guerreiros, aqui envelhecido), Choque (integrante das primeiras histórias dos Thunderbolts, também envelhecida), J2 (filho do Fanático, inimigo dos X-Men), Stinger (filha do Homem Formiga, personagem que fez parte do Quarteto Fantástico quando DeFalco escreveu a revista do grupo), Mainframe (personagem misterioso, mas que se assemelha ao Homem de Ferro) e Trovejante. Este último trata-se de Kevin Masterson, filho de Eric Masterson, o engenheiro que se tornou Thor por um tempo e, quando o verdadeiro Thor retornou, Odin lhe concedeu o poder de se tornar o herói Trovejante.

A história dos A-Next, inclusive, gira em torno de Kevin, quando este visita a Mansão dos Vingadores, que se tornou uma espécie de museu em homenagem ao grupo de heróis. Encontrando o mordomo (e mais envelhecido) Jarvis, acaba recebendo a maça encantada de seu falecido pai. Mas, lá fora, haviam trolls interessados na arma. Quando Kevin é atacado, um alarme dispara e convoca os heróis citados acima para formarem um grupo de ataque.

Após defenderem Kevin, o novo grupo descobre que o vilão por trás dos ataques é ninguém menos do que Loki (uma homenagem ao surgimento dos Vingadores originais, que também foram reunidos devido a ameaça desse maligno deus asgardiano). A situação é resolvida quando Kevin consegue alcançar a maça e se transformar na versão moderna do Trovejante.

Thor também comparece a esse futuro com poucas mudanças (afinal, ele é mortal). A única diferença é que agora ele responde como senhor de Asgard (no lugar de Odin) e veste a armadura que tantas vezes usou na fase em que DeFalco escreveu.

Uma aventura despretensiosa e feita simplesmente para matar a curiosidade de quem quer saber como será (ou seria?) o futuro dos heróis Marvel. Despretensiosa e feita para divertir da mesma forma que as histórias que DeFalco escrevia para Thor no passado.
*

domingo, 13 de setembro de 2009

THOR - Parte 83

- Thor 1 a 4 (Julho a Outubro de 1998)

Histórias:

* "In Search of the Gods" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por John Romita Jr

* "Deal With the Devil" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por John Romita Jr

* "God and Man" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por John Romita Jr

* "From the Ashes" - Escrita por Dan Jurgens e desenhada por John Romita Jr

Dan Jurgens, John Romita Jr e a nova revista do Thor.

A qualidade no retorno dos heróis que estiveram envolvidos na saga Heróis Renascem não se limitou apenas aos Vingadores. A estréia da nova revsita do Thor foi muito bem recebida devido a nova equipe criativa envolvida: o escritor Dan Jurgens (conhecido por ser um dos autores da saga - caça-níquel, é verdade... - A Morte do Super Homem) e o desenhista John Romita Jr. O destaque fica principalmente para Romita onde não apenas mostra uma bela arte, mas pelos seus curiosos visuais criados para personagens novos que vão surgindo a cada número. Claramente influenciado por Jack Kirby (apesar de ter um estilo muito próprio), Romita abusa de formas geométricas criando personagens que se tornam marcantes mesmo que o contexto não dê tanta importância para eles.

Como visto na revista dos Vingadores, Thor está as voltas com a destruição de Asgard e o sumiço de seus habitantes. Na Terra, um maluco diz ser Heimdall (guardião dos portões de Asgard) reencarnado. Thor o leva para a cidade dourada, mas lá, caindo na real, o homem mostra ser apenas um maluco mesmo que "achava" que era asgardiano.

De volta a Terra, o deus do trovão auxilia os vingadores Capitão América, Gavião Arqueiro, Feiticeira Escarlate e Homem de Ferro a enfrentar a armadura asgardiana conhecida como Destruidor, que havia sido possuída pelo espírito de um cruel militar. Thor acaba levando a pior, é incenerado e fica a beira da morte. Mesmo com a tentativa de ajuda da Feiticeira Escarlate, a alma do herói acaba indo parar no reino de Hela, a deusa da morte.

Porém, um inesperado personagem aparece para livrá-lo das garras da deusa. O misterioso ser diz chamar-se Marnot e mostra-se tão poderoso a ponto de intimidar Hela. Marnot mostra a Thor o outro lado de uma batalha de heróis contra um vilão: ao enfrentar o Destruidor, o deus do trovão nem imaginava que um paramédico, chamado Jake Olson, que atendia vítimas no local, seria atingido por uma explosão, ficando também a beira da morte. Marnot faz uma proposta a Thor para que o herói diminua seu remorso. Com isso, Jake e Thor passam a dividir o mesmo corpo. É a votla das transformações e de uma identidade secreta ao herói, da mesma forma como acontecia quando se tornava o médico Donald Blake em suas primeiras histórias nos anos 60, inclusive com direito a fraqueza de voltar a forma mortal caso fique um minuto longe do martelo encantado.

Mas essa nova vida não é nada fácil para Thor. Em seu novo corpo (de Jake Olson) descobre que o paramédico tem uma vida pessoal que inclui uma noiva e uma filha adolescente. O problema é que o paramédico mantém a mente de Thor e este, obviamente, não se lembra de detalhes desse relacionamento, o que cria situações complicadas a todos.

Thor tenta dividir suas responsabilidades como noivo, paramédico e herói e enfrenta a deusa do mar Sedna, que invade a cidade com uma criatura marinha gigantesca e tenta seduzir o deus do trovão com seu poder semelhante ao das sereias na mitologia. Namor, o príncipe submarino, que conhece muito bem esse poder de Sedna, consegue livrar o amigo de sua influência.

Por mais dramática que seja a história de identidades secretas de Thor, esta é a que mais abala o herói pelo excesso de responsabilidades e pelo fato de ele já ter problemas o suficientes com o sumiço de Asgard.
*

sábado, 12 de setembro de 2009

THOR - Parte 82

- Unlimited Access 1 a 4 (Dezembro de 1997 a Março de 1998)

Histórias:

* "No Time Like The Present" - Escrita por Karl Kesel e desenhada por Pat Oliffe

* "Let's Do The Time Warp Again" - Escrita por Karl Kesel e desenhada por Pat Oliffe

* "The Greatest Heroes of All Time" - Escrita por Karl Kesel e desenhada por Pat Oliffe

* "Combined Forces" - Escrita por Karl Kesel e desenhada por Pat Oliffe

Marvel Versus DC - Volume 3.

Os descontrolados encontros entre os heróis das editoras Marvel e DC apareceram nos anos 90 em uma quantidade nunca antes vista. Era como se as principais rivais no mercado de quadrinhos se unissem para derrotar um inimigo comum... ou melhor... sobreviver a um inimigo comum: as novas editoras que surgiram naquela década. A "crise das infinitas editoras" passou. Mas ainda havia uma história a ser contada.O personagem Acesso surgiu simplesmente para servir como uma espécie de mediador entre os universos de personagens das duas editoras. A terceira série de encontros Marvel Versus DC explora mais os poderes, origens e motivações deste personagem.

Que a fórmula desses encotros já estava desgastada, isso era fato. Mas, talvez por esperar uma história insossa e desnecessária... essa minissérie até que não desagrada tanto. Deixando cronologias de lado, esse encontro não só mostra personagens de diferentes mundos se encontrando, como também de diversos períodos de sua história. Esse descompromisso em seguir as versões atualizadas dos heróis deixou o escritor Karl Kesel mais livre para "brincar" com detalhes da mitologia desses personagens.

Há, por exemplo, um encontro entre a Liga da Justiça e os Vingadores, algo que tornou-se lenda pelo fato de ser um dos encontros que os leitores mais esperavam por décadas... e que nunca aconteceu. O detalhe é que as equipes aqui são as originais, da época em que surgiram nos quadrinhos. Se não era exatamente o que o leitor esperava, serve como curiosidade sobre uma época passada. Até mesmo os X-Men originais, com seus uniformes amarelo e preto da década de 60 comparecem a batalha.

A conclusão da série mostra a mistura de heróis, unindo em um único personagem os poderes e visuais de seus originais. Essa brincadeira de misturar personagens, conhecida nos quadrinhos como Amálgama, já havia feito certo sucesso anteriormente.

Thor é unido ao corpo do Super Homem e se torna o personagem Tor-El (alusão ao verdadeiro nome do Super Homem, Kal-El). No entanto, este Super Homem tem um visual e poderes diferentes da imagem clássica do herói. O herói utilizado é um ser feito de energia que mais lembra uma criatura feita de eletricidade. Mesmo assim, é curioso ver Thor... digo... Tor-El utilizar seu martelo energético contra os vilões da Irmandade de Deuses Mutantes, nome esdrúxulo para o amálgama entre os grupos Irmandade de Mutantes (inimigos dos X-Men no universo Marvel) e os deuses de Apokolips (inimigos do Super Homem no universo DC).

Mesmo com os absurdos nomes e visuais, a história pode ser aproveitada de forma descontraída, da mesma forma como Kesel demonstra ter escrito esta série. Puro entretenimento sem a chata obrigação de se criar um caça-níquel sensacionalista.
*

THOR - Parte 81

- Avengers 1 a 3 (Fevereiro a Março de 1998)

Histórias:

* "And There Came A Day" - Escrita por Kurt Busiek e desenhada por George Pérez

* "The Call" - Escrita por Kurt Busiek e desenhada por George Pérez

* "Fata Morgana" - Escrita por Kurt Busiek e desenhada por George Pérez

Uma vez Vingador...

A nova revista dos Vingadores, inclusive iniciada com numeração nova, surgiu como uma espécie de epílogo para Heróis Renascem / Heróis Retornam. É a primeira edição onde a maioria dos heróis Marvel aparece após voltarem da dimensão alternativa criada por Franklin Richards.

Pode-se dizer até que é o fim de uma era, onde a editora tenta colocar mais qualidade em seus títulos, diferente da direção anterior onde o foco era apenas desenhos visualmente chamativos, mas nem sempre de qualidade. Apesar disso, a bela e detalhista arte de George Pérez é um espetáculo a parte. Auxiliado por um competente roteiro do escritor Kurt Busiek, o desenhista enche as páginas da revista com o máximo de heróis que já fizeram parte dos Vingadores, por mais obscuros que possam ter sido.

Aqui também é respondida a questão sobre o paradeiro de Thor. Afinal, no final da minissérie Heróis Retornam, o deus do trovão se engalfinhou com o vilão Doutor Destino e, juntos, desapareceram num clarão para uma localização desconhecida. Thor ressurge repentinamente na mansão dos Vingadores, com seu uniforme esfarrapado e barba desleixadamente crescida, explicando o que ocorreu desde seu último paradeiro.

Após a luta com Destino, Thor foi misteriosamente jogado para Asgard. Mas, diferente do reino dourado de outrora, essa Asgard está totalmente destroçada e sem nenhum sinal de seus habitantes (vivos ou mortos). Na história, Thor mostra estranheza por ver seu reino natal destruído, mas o leitor mais atento lembrará que Asgard foi destruída anos atrás, antes de Thor ser enviado para a dimensão de Heróis Renascem após o conflito com Massacre. Ao procurar por algum asgardiano, Thor descobre que a espada Crepúsculo, criada pelo demônio Surtur, sumiu sem deixar pistas. Sabendo do poder destrutivo da arma, Thor preocupa-se com seu paradeiro e retorna a Terra para alertar seus colegas Vingadores sobre o perigo que os aguarda.

A autora do roubo da espada Crespúsculo é ninguém menos que Morgana Le Fay (sim, a mesma personagem das histórias do Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda) que, juntamente com o poder místico da Feiticeira Escarlate (que foi sequestrada), remodela o mundo em uma versão "idade média" tanto da paisagem quanto dos heróis. Esses, inclusive, em suas versões medievais, também têm suas memórias apagadas e se tornam servos de Morgana. Um a um, começando pelo Capitão América, os heróis vão recuperando a memória e virando-se contra a vilã.

Apesar da qualidade da história, chega a ser irônico ver os heróis novamente presos a uma dimensão alternativa. A certa altura dos acontecimento, há até mesmo uma observação deles sobre isso. Um ponto curioso a parte é ver como ficariam os uniformes de diversos personagens caso eles existissem na era medieval. Isso se torna outro grande atrativo graças a arte e criatividade de Pérez. Aliás, na dimensão criada por Morgana, Thor é chamado de Donar, um dos nomes pelo qual o deus do trovão é conhecido na mitologia. Prova de que a pesquisa para elaboração desta aventura não se reflete apenas no detalhismo da arte.
*

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

THOR - Parte 80

- Heroes Reborn: The Return 1 a 4 (Dezembro de 1997)

Histórias:

* "The Judment" - Escrita por Peter David e desenhada por Salvador Larroca

* "Second Coming" - Escrita por Peter David e desenhada por Salvador Larroca

* "Third Dimension" - Escrita por Peter David e desenhada por Salvador Larroca

* "Fourth & Goal" - Escrita por Peter David e desenhada Salvador Larroca

Heróis Retornam.

Pois é... E tudo volta a ser como era antigamente. E, talvez até por conta do competente trabalho do escritor Peter David, dá pra sentir uma pontinha de tristeza lá no fundo da alma por nos despedirmos desse projeto Heróis Renascem.

O Senhor Fantástico e a Mulher Invisível, integrantes do Quarteto Fantástico, tinham um filho no universo Marvel tradicional, chamado Franklin Richards. O garoto, filho de pais dotados de poderes originados da radiação, nasceu mutante com poderes ilimitados. Poderes de um deus... literalmente. Para se ter uma idéias, Franklin foi capaz de criar vida, um universo habitado por seres humanos e guardou esse universo (compacto) em uma simples bola. E foi nesse universo dentro de uma bola que surgiu a mundo de Heróis Renascem.

Explica-se.

Inconscientemente, Franklin salvou seus pais e amigos (os outros heróis) quando esses enfrentaram o super vilão Massacre. Para tanto, criou o universo compacto e os enviou para lá. Mas o garoto foi tendo ciência de onde estavam seus pais através da criatura conhecida como Ashema, pertencente a raça alienígena dos Celestiais, seres tão antigos quando o universo e interessados em experimentos com o desenvolvimento ou extinção das espécies, o que fazia de Franklin uma fonte curiosíssima de estudo.

Com a ajuda de Ashema, Franklin adentrou o universo de Heróis Renascem e colocou tanto seus pais quanto os outros heróis a par da situação. Eles ficam sabendo que não pertencem aquele lugar e que devem voltar para seu mundo original. O drama da escolha está o fato de que Ashema exigir que Franklin escolha um dos dois mundos para serem destruídos, algo que o próprio garoto consegue contornar e convencer a Celestial a reconsiderar.

Ajudados pelo Doutor Destino, o grupo de personagens se despede daquele mundo em uma espécie de arca que os levará através da dimensão conhecida como Zona Negativa até o universo Marvel "tradicional". No meio da viagem, o ambicioso Destino decide retornar ao mundo de Heróis Renascem (que agora está sem seus heróis), sequestrando Franklin afim de conquistá-lo com os poderes do garoto. Graças a intervenção de Thor, Franklin é devolvido a arca. Mas o deus do trovão e Destino se perdem no meio da Zona Negativa.

Os heróis retornam, afinal, para seu mundo de origem. Mas... e Thor... o que teria acontecido a ele? Só os próximos capítulos dirão...
*

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

THOR - Parte 79

- Fantastic Four 13, Avengers 13, Iron Man 13, Captain America 13 (Outubro de 1997)

Histórias:

* "Life in Wartime" - Escrita por James Robinson e desenhada por Mike Wieringo

* "Winning and Losing" - Escrita por James Robinson e desenhada por Michael Ryan

* "No Time to Mourn" - Escrita por James Robinson e desenhada por Larry Stroman

* "War Without End..." - Escrita por James Robinson e desenhada por Ron Lim

Terceira Guerra Mundial.

ou

Como esse mundo dá voltas.

Essa última saga conjunta das revistas do universo Heróis Renascem, parecem ser o canto do cisne da implosão dos quadrinhos nos anos 90. E de uma forma um tanto irônica.

Nos anos 90, as grandes editoras de quadrinhos (principalmente a Marvel) viram surgir talentos que se tornaram famosos no meio dos desenhistas (nesse ponto, mais do que roteiristas). Famosos, esses novos talentos viram que seus nomes se tornaram maiores do que os personagens que escreviam. Na verdade, acabaram se tornando até maiores do que as editoras para o qual trabalhavam. Então... já que formavam um grupo tão forte... acharam por bem abrir seu próprio negócio. Sua própria editora (na verdade um selo dentro de um editora menor). E o movimento deu certo. Mas... A vida editorial não é feita apenas de desenhar páginas bonitonas...

O que aconteceu em seguida foi uma enxurrada de novos desenhistas que apareciam com o mesmo estilo desses novos e, agora, empreendedores talentos. Para complicar mais ainda a situação, a antiga editora onde os talentos trabalhavam, contra atacaram com um estilo de quadrinhos idêntico... já que era esse que parecia estar dando certo. Com o mercado saturado de desenhistas utilizando um mesmo estilo de trabalho (onde antes haviam alguns), a coisa começou a azedar. E todos, novos talentos e velhas editoras, começaram a perder o controle e, pior, começaram a perder público.

A Marvel tentou arrumar a casa com o projeto Heróis Renascem, onde as histórias de seus mais queridos heróis começavam a ser contadas do começo, afim de dar uma nova chance para o leitor voltar, ou mesmo conquistar quem quisesse começar a ler quadrinhos desse ponto. Por ironia, os principais arquitetos desse empreendimento eram justamente os "novos talentos" que, de tanto sofrerem de superexposição, acabaram por envelhecer sua arte precocemente e cair na mesmice. Uma mão lavando a outra: a Marvel contava novamente com seus antigos e excessivamente famosos desenhistas e esses tinham a chance de, assim como os heróis da Marvel, chamar a atenção do público começando tudo com mais calma... do início... Mas isso também começou a dar errado...

O desenhista (e empreendedor) Jim Lee, um dos "antigos novos talentos" acabou ficando sozinho com o abacaxi desse projeto nas mãos. O canto do cisne deste malfadado negócio terminou com a edição 13 de cada uma das revistas envolvidas, onde é mostrado os heróis vivendo em um mundo apocalíptico, dominado por alienígenas. O chamariz aqui é a união dos herói da Marvel com os heróis criados por Jim Lee, quando este saiu da Marvel para tentar tocar sua (não tão) própria editora. E, volto a falar... como esse mundo dá voltas! O escritor James Robinson, querido do público mas nem tanto quanto antigamente, aceitou o desafio de escrever esse ensaio de fim de projeto.

Aqui, Thor integra um dos grupos de heróis formados por personagens da Marvel (sua casa) e pelos heróis da Image (editora para onde Jim Lee foi após a saída da Marvel). Esse grupo foi responsável por ir até a dimensão conhecida como Zona Negativa, afim de desativar a trava que unia os mundos dos dois heróis. Missão cumprida. Universos separados... E era o fim.. para personagens... escritores... desenhistas... editoras...
*

terça-feira, 8 de setembro de 2009

THOR - Parte 78

- Fantastic Four 12, Avengers 12, Iron Man 12, Captain America 12 (Junho a Setembro de 1997)

Histórias:

* "Doomsday" - Escrita por Brandon Choi e Jim Lee; desenhada por Brett Booth e Ron Lim
* "Shadow's End" - Escrita por Walt Simonson; desenhada por Michael Ryan e Anthony Winn
* "Matters of the Heart" - Escrita por Jim Lee e Jeph Loeb; desenhada por Ed Benes, Mike S. Miller e Terry Shoemaker
* "Let It Be" - Escrita por Jeph Loeb; desenhada por Ed Benes e Joe Bennett

Heróis Reunidos.

Galactus sempre foi um dos mais poderosos vilões da Marvel e não podia ficar de fora da nova versão desse Universo. Se bem que a palavra vilão soa quase que forte demais para alguém que só quer se alimentar. O único porém é que ele se alimenta de planetas e não exatamente inabitados. Nessa nova saga envolvendo todos os títulos do universo Heróis Renascem, vemos o esforço conjunto de todos para deter essa nova ameaça.

A narrativa, apesar de cada escritor cuidar de seu respectivo título, mostra o fracasso dos heróis e o fim do planeta Terra nas mãos da criatura. No final de cada edição, o vilão (esse sim, um vilão) Doutor Destino usa uma máquina do tempo para voltar 24 horas atrás e tentar deter a catástrofe. Chega a ser curioso (ou sádico... ou masoquista...) ver como o mundo é destruído de diversas formas e como os heróis morrem ao enfrentarem os arautos de Galactus.

Em uma dessas versões, Thor é mostrado mais selvagem do que de costume, usando seu martelo para esmigalhar a cabeça do arauto Terrax, lembrando que o martelo, afinal de contas, é uma arma viking.
*

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

THOR - Parte 77

- Avengers 8 a 11 (Junho a Setembro de 1997)

Histórias:

* "Shadowplay" - Escrita por Walt Simonson; desenhada por Michael Ryan

* "Shadowbox" - Escrita por Walt Simonson; desenhada por Michael Ryan

* "Shadow War" - Escrita por Walt Simonson; desenhada por Michael Ryan

* "Shadow Victory" - Escrita por Walt Simonson; desenhada por Michael Ryan

Walt Simonson e Michael Ryan.

A volta do escritor Walt Simonson! Quem diria... Fez-se uma década desde que Simonson escreveu uma ótima fase da revista do Thor. Mas, como nem mesmo essa revista existia mais, sobrou a ele voltar a escrever o deus do trovão... na revista dos Vingadores.

Simonson, acompanhado do desenhista Michael Ryan, direcionou a revista (ou o que restava dela...) para concluir os planos de Loki. O vilão tinha ciência de que aquele mundo não era o dos heróis que conheciam. Não havia, por exemplo, Asgard ou mesmo Odin. Só havia Thor, que agia nos Vingadores. Mas... esse Thor... era um tanto... agressivo. Agia como se fosse um viking, no pior sentido da palavra. Era fissurado em três coisas: saques, destruição e orgias! Várias vezes teve que ser contido para não matar seus inimigos... e isso acabou por deixá-lo entediado e afastando-o do grupo. Que Thor era esse, afinal?

O reator atômico que havia sido desativado pelos Vingadores em edições passadas começa a agir estranhamente, mostrando imagens de inimigos que já não existiam mais... se é que já existiram algum dia. E, do meio desse reator assombrado surge... Thor?!?!? O verdadeiro Thor! Ou algo que lembre o Thor nobre que os leitores conheciam. Explica-se: ao que tudo indica, todos os heróis desse novo mundo são cópias (versões) dos heróis do Universo Marvel tradicional. Esse mistério começa a ficar mais claro na cabeça dos outros personagens, além do que agora temos um "Thor do bem" tentando conter um "Thor do mal".

Loki, que está mais a par de toda a situação em que esse novo mundo se encontra, começa a "desencarnar" as versões dos personagens da Marvel (começando pelos vilões) afim de reunir energia para conquistar esse novo espaço (já que, como dito, não havia Odin ou sequer outro asgardiano para impedi-lo... a não ser o Thor que estava mais interessado em sangue do que em ser herói).

O "Thor do mal" percebendo a encrenca em que se meteu (e, acima de tudo, doido por esfacelar a cabeça de Loki), acaba se sacrificando em batalha, sobrando apenas a "versão que vale" de Thor.

Isso é Simonson tentando dar um pouco mais de dignidade ao personagem com o qual fez fama, lembrando os dias de heroísmo ingênuo da década de 80 e exorcizando o excesso de violência desmedida dos anos 90.
*

domingo, 6 de setembro de 2009

THOR - Parte 76

- Avengers 7 (Maio de 1997)

Histórias:

* "Help" - Escrita por Rob Liefeld e Jeph Loeb; desenhada por Ian Churchill
Última história de Rob Liefeld.

Não é só na arte que Rob Liefeld desagrada os fãs... (e olha que na revista dos Vingadores ele nem estava desenhando)... No mundo dos negócios editoriais, o polêmico artista americano também dá suas cabeçadas. O projeto Heróis Renascem tinha o objetivo de levantar a carreira de personagens clássicos da Marvel que perderam o apelo perante o público leitor. Mas, com apenas 7 edições, a coisa começou a derrapar feio e a Marvel teve que dar uma nova e urgente direção. E Liefeld estava definitivamente fora do projeto.

Nesse meio tempo, surgiu uma situação curiosa dentro do novo micro universo Marvel. O vilão Loki não havia participado da saga Massacre. Logo, ele não teria "se sacrificado" para estar dentro do universo de Heróis Renascem. Portanto, o Loki que vemos perambular pelas páginas de Vingadores é o Loki do universo Marvel "tradicional", inclusive com ciência de que aquele é um mundo alternativo. Loki estava confuso... e o leitor também. Afinal, outros personagens apareceram em novas roupagens sem ter necessariamente ligação com o mundo onde os heróis antes habitavam.

As coisas, em tão pouco tempo, começavam a se tornar muito confusas... Mas Loki era um personagem clássico, arquiinimigo de Thor, e merecia permanecer na revista. Já Liefeld...

Por outro lado, os Vingadores começam a se organizar de uma forma que lembra os bons e velhos tempos. Homem de Ferro volta a integrar o grupo, o que explica a reintrodução da Mansão dos Vingadores, além de diversas pistas sobre histórias passadas do grupo de heróis.
*