segunda-feira, 29 de junho de 2009

THOR - Parte 17

- Journey Into Mystery 118 e 119 (Julho e Agosto de 1965)

Histórias:

* "To Kill a Thunder God" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

* "The Day of The Destroyer" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

O Destruidor.

O Destruidor sempre foi um pesadelo não só para Thor, mas para todos os asgardianos. Era uma espécie de armadura perfeita, que se adaptava a todo e qualquer inimigo que enfrentasse para destrui-lo. E, levando-se em conta que seus alvos eram baseados nos deuses nórdicos, seu poder não poderia ser pouco.

O julgamento dos deuses, ao qual Thor teve que prestar contas, mais parece uma espécie de gingana. No meio das provas, onde disputa com seu irmão Loki, Odin vê um impasse e cessa a batalha por vinte e quatro horas. Nesse meio tempo, Thor tem que enfrentar novamente o Executor e a bela Encantor, que ainda insistem em sequestrar Jane Foster. Graças a ajuda de Balder, o herói consegue vencer o vilanesco casal.

Após a resolução desse problema, Thor vai parar no Vietnã (afinal, a história foi publicada em meados dos anos 60 e a guerra naquele país ainda contava com a forte presença americana). Na volta para casa, depara-se com um ambicioso caçador de tesouros que procura por relíquias vikings. Imagine a cara desse caçador quando vê o próprio Thor, em pessoa, diante da mira de seu rifle. Com um dardo capaz de fazer dormir um elefante, o caçador consegue prender o deus do trovão por alguns momentos. Aqui, claro, não é apenas a sorte do tal caçador quem ajuda... mas as manipulações místicas e a distância de Loki.

Com Thor adormecido, o caçador (ainda com a ajuda de Loki) encontra um templo onde jaz o Destruidor, uma lendária armadura criada por Odin e capaz de matar até os deuses. Ao se aproximar da armadura, a mente do caçador deixa seu corpo e passa a controlá-la. Thor chega ao templo apenas para ser alvejado pelo Destruidor, agora com a mente do caçador. Nem mesmo a ameaça de destruir o antigo corpo do vilão (que se encontra imobilizado) é capaz de deter a criatura.

Mas, aqui, Loki percebe que pisou no próprio rabo. Se Thor morrer, imaginem o que a ira de Odin poderá fazer com o Universo. E, hora ou outra, Loki, o verdadeiro culpado dessa confusão toda, será descoberto. Pra piorar a situação, quando Loki tenta chamar a atenção de Odin para tentar salvar Thor, descobre que o todo poderoso está adormecido pelo Sono da Vida, uma espécie de soneca que Odin tira de tempos em tempos para conservar sua imortalidade.

Desesperado, Loki tenta de tudo um pouco. Tenta acordar Odin a força, mas é impedido pelos guardas asgardianos e preso. Faz o corpo de Thor se tornar intangível, dando certa vantagem ao deus do trovão. E convoca a rainha norne para que esta entre nos sonhos de Odin e o avise do perigo. Essa última tentativa dá certo, Odin acorda e impede o Destruidor de matar Thor. O caçador, com sua mente fora da armadura, vê indefeso o templo ser destruído e sua relíquia ser soterrada. Loki, leva um sermão de Odin e só escapa de uma realiação mais violenta devido aos guardas asgardianos, que contam que Loki tentou salvar Thor. Sabendo que o vilão só fez isso pra salvar a própria pele, Odin o condena a servir o mago asgardiano por tempo indeterminado.

Thor, no meio da batalha com o Destruidor, viu seu martelo encantado ser partido ao meio pela armadura (só pra ter noção do quanto era poderosa...). Sem ele, não pode voar para Asgard. É então que recorre as gemas nornes, relíquia a ser resgatada numa das provas do Julgamento dos deuses, e as usa para levitar até o reino encantado.

domingo, 28 de junho de 2009

THOR - Parte 16

- Journey Into Mystery 114 (Março de 1965)

História:

"The Stronger I Am, The Sooner I Die" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

O Homem-Absorvente.

Apesar de ser mais uma ameaça criada por Loki, o Homem-Absorvente acabou ganhando espaço como um dos mais perigosos vilões do universo Marvel. O personagem quase foi usado no longa metragem do filme Hulk (dirigido por Ang Lee), onde o herói enfrenta seu pai, após este ganhar poderes de absorver matéria... ou seja, mesmo poder utilizado pelo Homem-Absorvente. No entanto, apesar das semelhanças, optou-se pro utilizar apenas um pai descontrolado.

Nos últimos meses, Thor integrou-se um pouco mais com os heróis da Marvel, além dos seus colegas heróis do grupo Vingadores. Foi auxiliado pelo místico Doutor Estranho e enfrentou o vilão Magneto (resvalando e quase tendo um encontro com os X-Men). Como Donald Blake, fez progresso em assumir um relacionamento com Jane Foster, havendo até mesmo uma tentativa de revelar sua identidade secreta... algo que foi impedido por Odin (que não fazia gosto da paixão do filho, porém desistiu de impedi-lo.... mas revelar a sua identidade já era demais!).

Ou seja, as coisas andavam calmas para Thor... o que incomodava muito o meio-irmão Loki. Este, entre outras tentativas mais diretas (e frustradas) decide jogar de uma forma mais aleatória. Concede poder para um violento presidiário, conhecido como Crusher Creel, através de uma poção mágica em sua bebida. Após tomá-la, Creel adquire o poder de absorver qualquer material que toca. Por exemplo... quando balas o atingem, seu corpo vira aço; quando encosta em rocha, seu corpo se torna rochoso... e assim por diante.

Com esse poder, que obviamente aumenta sua força física, o presidiário consegue fugir e já faz planos de conquistas mais megalomaníacos (como tornar-se um ditador). Quando Thor o encontra, Creel mostra que é capaz até mesmo de absorver as capacidades do martelo encantado, o que equipara sua força com o deus do trovão. A batalha entre Thor e o Homem-Absorvente é interrompida pelo guerreiro e amigo Balder, que avisa o herói sob os planos de Loki em sequestrar Jane Foster.

Thor vai até o esconderijo de Loki e resgata Jane Foster. Mas, no meio da batalha com seu meio-irmão, Odin aparece e dá um ultimato ao deus do trovão... devido a suas desobediências ele será julgado pelos deuses de Asgard. O herói pede 48 horas para deixar Jane em segurança e deter o Homem-Absorvente.

Voltando a Terra, Thor deixa Jane Foster no consultório de Donald Blake. Logo após, encontra o Homem-Absorvente mantendo um casal como refém em sua própria casa. O vilão chega ao ápice de seu poder absorvendo vários elementos da terra: rocha, metal e madeira agora fazem parte de seu agigantado corpo. No entanto, com seu martelo encantado, Thor faz que um novo elemento se junte a mistura: gás hélio. Absorvendo-o, o Homem-Absorvente se torna uma nuvem de gás que sobe até a atmosfera e o deixa lá, sem poder encostar em mais nada para voltar a ser sólido.

sábado, 27 de junho de 2009

THOR - Parte 15

- Avengers 8 (Setembro de 1964)

História:

"Kang, The Conqueror" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby
Kang, o conquistador.

Na Mansão dos Vingadores, o grupo se comunica com o Pentágono através de um circuito fechado de TV (algo avançadíssimo nos anos 60, diga-se de passagem). Por ele, assistem a chegada de uma espécie de disco voador que destrói os tanques americanos com uma espécie de raio vibratório. O ocupante dessa nave é o vilão Kang, o Conquistador - um viajante do tempo que deseja conquistar todos os mundos em todas as linhas temporais.

Os Vingadores ainda não tinham tantas regalias como um jatinho próprio (que seria construído por Tony Stark mais tarde), por isso se encaminham para o Aeroporto JFK afim de conseguirem um transporte até o local de pouso do disco voador. Lá, eles encontram Kang sentado numa poltrona feita de antigravidade. Homem de Ferro tenta intimidá-lo com ameaças, mas Kang aperta um botão e sua nave levita os heróis através de um raio trator mais potente que os jatos da armadura do vingador dourado. Este, ativa seus repulsores magnéticos para diminuir o efeito do raio. Como autodefesa, a nave joga os heróis capturados com mais velocidade ao chão, deixando-os tontos por alguns instantes.

Vespa, em seu tamanho reduzido, tenta entrar no capacete de Kang e desativar seus controles, mas a tecnologia dali é muito avançada para que ela entendesse. Voltando ao seu tamanho normal, ela é capturada por Kang e só escapa graças a intervenção do Capitão América e do Homem de Ferro. Com o vilão caído, todos os outros heróis o atacam. Mas o raio trator da nave é acionado novamente e os pega. Dessa vez, cada um deles é levado para um apertado compartimento dentro da nave. O Homem de Ferro, imobilizado, sente dificuldades em respirar, já que o raio afetou sua placa peitoral.

Rick Jones e a Brigada Jovem, fingindo apoiar Kang, conseguem entrar e libertar Thor que, consequentemente, liberta os outros. Mas o Homem de Ferro parece desmaiado. Thor conclui que ele está tendo problemas cardíacos (lembrem que o deus do trovão, em sua identidade secreta, é o médico Donald Blake). O herói de ferro se recupera aos poucos, mas seus companheiros ficam surpresos com a novidade de sua condição física precária.

Nesse meio tempo, Vespa, a única que estava livre, encontra uma arma nos laboratórios de seu marido, desenvolvida por ele e por Tony Stark. Essa arma, que contém uma cápsula de ácido, danifica e abate Kang. O vilão, em desespero, liberta um míssil de neutrinos. O Homem de Ferro intercepta o míssil, alterando sua rota, e o detona longe da atmosfera.

A Brigada Jovem de Rick Jones e os Vingadores cercam o exaurido Kang, mas o vilão foge. Nem mesmo a velocidade do Homem de Ferro e de Thor conseguem alcançar sua nave antes que ela se desmaterialize.

Mais um roteiro cheio de reviravoltas em poucas páginas como apenas Stan Lee e Jack Kirby conseguiam fazer nos bons tempos. Por falar em Kirby, a arte final de Dick Ayers dá um tom bem característico em seu traço, um pouco diferente do que se costuma ver.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

THOR - Parte 14

- Journey Into Mystery 107 (Agosto de 1964)

Histórias:

"When the Grey Gargoyle Strikes" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

"Balder Must Die" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

Gárgula Cinzento e Karnilla.

Na primeira história, o cientista Paul Duval derruba elementos químicos, com os quais trabalhava, em uma de suas mãos e se espanta ao ver que ela se tornou pedra. Desesperado, encosta sua mão na outra e no rosto e percebe que também se tornaram pedra. Porém, a transformação não afeta seus movimentos e isso ele utiliza para praticar assaltos transformando suas vitimas em estátuas imóveis de pedra... efeito que dura sessenta minutos em suas vítimas.

Com tamanho poder, os roubos se tornam fáceis, ele fica milionário... porém entediado... Mas as coisas mudam quando fica sabendo a existência de Thor. Obcecado, Paul assume a identidade de Gárgula Cinzento e procura o herói para tomar-lhe o martelo, uma vez que o vilão acredita que a imortalidade do deus do trovão provém de sua arma.

Thor chega a ser transformado em uma estátua de pedra. Porém, sem que o vilão soubesse, quando o martelo toca o chão, o herói volta a ser Donald Blake. A transformação ocorre e reverte o estado físico de Thor. Na verdade, de Donald Blake... E é como o médico que o herói salva o da, atraindo a atenção do vilão até que, com seu pesado corpo de pedra, ele afunde no mar.

Na segunda história, nos Contos de Asgard, vemos a inveja de Loki sobre Balder, o deus asgardiano que recebeu a dádiva da invulnerabilidade. Loki busca ajuda da rainha dos nornes, Karnilla (apesar do nome não ser citado nessa edição).

Criando um dardo de visco (única substância capaz de acabar com Balder), os planos de Loki são frustados no último instante. Acontece que a invulnerabilidade de Balder foi um presente de Odin, que ainda ordenou que todos os seres vivos protegessem Asgard. Karnilla entendeu que também fazia parte desse grupo (de seres vivos) e se vê na obrigação de defender o jovem guerreiro.

Futuramente, Karnilla nutriria uma paixão quase doentia por Balder e faria de tudo para conquistar seu coração.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

THOR - Parte 13

- Journey Into Mystery 105 e 106 (Junho e Julho de 1964)

Histórias:

* "The Cobra and Mr. Hyde" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

* "The Thunder God Strikes Back!" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

Thor ganha mais páginas.

Desde o início da publicação de suas histórias, as aventuras de Thor continham 13 páginas. A partir da edição 105 da revista Journey Into Mystery, essas aventuras passaram a ter 18 páginas. Algo bem próximo de uma revista do próprio personagem.

Para comemorar a ocasião, vemos nas edições 105 e 106, a união de dois vilões que já enfrentaram o personagem: Mister Hyde e o Cobra. É uma dupla inusitada, verdade. O primeiro é a versão monstruosa e superforte do cientista Calvin Zabo. O segundo é uma espécie de supercontorcionista que utiliza armas e truques tendo como temática as cobras.

O gênio cientifíco de Calvin Zabo cria uma arma de raios de imagem reversa. O que seria isso? Nada mais é do que uma raio capaz de mostrar imagens de uma pessoa de trás pra frente. Ou seja, a intenção é disparar em Thor e ver de onde ele veio. Com isso a dupla acaba descobrindo o consultório de Donald Blake! Mas, apesar dos gênios criarem um raio tão fantástico, não são capazes de perceber que o médico é a identidade secreta que esconde Thor. Eles imaginam que Blake esteje mancomunado como o deus do trovão e exigem que ele seja entregue. Blake diz que o sinal para que o herói apareça é bater com sua bengala no chão. Para o azar da dupla de vilões, é justamente batendo a bengala que Blake se transforma em Thor. E, após perceberem a enrascada em que se meteram, tomam uma surra do herói e fogem.

A batalha continua nas ruas e vai parar em uma espécie de exposições de máquinas, onde, novamente, Thor é separado de seu martelo por mais de sessenta segundos e volta a ser Donald Blake. O médico, fingindo ter traído Thor, pede aos vilões que devolvam sua bengala para lhes entregar o herói. Novamente. Hyde e Cobra se dão mal, o médico volta a se transformar em Thor e também a dar outra surra na dupla.

Hyde abandona seu parceiro e deixa que a polícia o leve. Mas seu ódio faz com que ele siga Thor e tente atingi-lo de surpresa. A estratégia dá errado, Hyde toma uma outra surra e é entregue a polícia. Já Donald Blake, fica mal visto pela enfermeira Jane Foster, que acredita que ele realmente iria trair Thor. Blake se pergunta se esse desprezo é o preço por ser um super-herói... questão muito comum entre os heróis da editora Marvel.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

THOR - Parte 12

- Journey Into Mystery 104 (Maio de 1964)

História:

"Giants Walk the Earth" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

THOR... em Journey Into Mystery.

De pouco em pouco, o personagem foi tomando as páginas da revista Journey Into Mystery. Primeiro, foi a aparição constante em todas as capas, desde o seu surgimento. Depois, o nome do personagem aparecia tantas vezes a atenção nas chamadas de capa que acabou virando uma espécie de subtítulo. Agora, apesar da revista não ter mudado de nome, é o logotipo THOR que aparece em destaque, chamando a atenção do leitor.
E que edição!!! Nada menos que apocalíptica!

Thor já desconfia que algum outro desafio de Asgard aparecerá para impedir seu romance com a mortal Jane Foster. Essa desconfiança tem fundamento. E é o próprio Odin, pai do herói, quem desce a Terra para tomar satisfações com seu filho. Seria tudo muito simples, não fosse um pequeno deslize do monarca de Asgard: ao descer na Terra, Odin transferiu parte de seu poder para que outro governasse em sua ausência. E esse alguém foi ninguém menos que o insidioso Loki!!!

Loki, deliciando-se com parte do poder de Odin, utiliza suas novas capacidades para libertar dois titãs na Terra: o gigante da tempestade Scagg e o demônio de fogo Surtur. Para se ter uma idéia do estrago que as duas criaturas poderiam fazer, o primeiro é capaz de causar tempestades e desastres naturais que varreriam a vida na Terra em segundos. E o segundo é capaz de comandar o fogo de tal forma a ponto de derreter os polos gelados do planeta.

Com uma ameaça titânica dessas devastando o planeta, Odin transfere toda a humanidade... eu disse TODA a humanidade... para uma dimensão pacífica, onde todos ficariam em segurança (chamá-lo de todo poderoso é pouco... apesar de não ter poder sobre o amor no coração de seu filho).

Odin, Thor e o guerreiro Balder, enfrentam Skagg e Surtur, conseguindo por fim exilá-los, deixando a humanidade livre dessas ameaças. Odin retorna a Asgard e dá uma safanão em Loki, mas não se esquece da conversinha que iria ter com Thor... algo que ainda não foi exatamente resolvido. E a humanidade volta a habitar a Terra, alheia a batalha gigantesca que ali se travou... tão alheia quanto Jane Foster aos sentimentos que o herói nutre por ela.

terça-feira, 23 de junho de 2009

THOR - Parte 11

- Journey Into Mystery 103 (Abril de 1964)

História:

"The Enchantress and the Executioner" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

Encantor e Executor.

Bom... Odin já tentou impedir que seu filho, Thor, se apaixonasse pela mortal Jane Foster. Mas nem todo o seu poder (e olha que ele é considerado o todo-poderoso...) foi capaz de amenizar o sentimento no coração do deus do trovão. É então que Loki (sempre ele...) tem a idéia de combater o fogo (da paixão) com fogo.

Loki visita a belíssima deusa Encantor, cuja beleza é capaz de hipnotizar todos com quem ela tenha contato. No entanto, o que Encantor tem de bonitinha, também tem de ordinária. Seu caráter é tão vilanesco quanto o do próprio Loki e suas intenções não tem nada de belo. A jovem deusa desce a Terra com o intento de seduzir o médico Donald Blake, mas este, graças ao espírito de Thor, reconhece a beldade e resiste a seus encantos... não em tempo para evitar que a enfermeira Jane Foster (essa sim, sua paixão secreta) flagre o casal aparentemente se beijando, fazendo com que a moça deixe o consultório queimando de ciúmes. A prioridade de Donald Blake / Thor agora é encontrar a furiosa Jane Foster e isso deixa Encantor furiosa. Mas... se a bela deusa não consegue o que quer por bem...

Encantor volta a Asgard e procura o violento Executor, uma espécie de guerreiro e ferreiro que maneja um machado encantado. Executor, a pedido de Encantor, desce a Terra e captura Jane Foster, mandando-a para o limbo dimensional. Thor consegue deter o vilão e até lhe tira o machado cheio de truques, mas chega tarde para livrar Jane de seu exílio. No entanto, o Executor quer barganhar. Se Thor lhe entregar o martelo encantado, arma que o guerreiro ambiciona a tempos, ele trará a enfermeira de volta. Thor aceita apreensivo. Não pelo temor em perder sua arma, já que só ele é digno de levantá-la (como o Executor também percebe), mas por ficar longe mais de 60 segundos, voltando assim a ser Donald Blake, bem diante de uma Jane Foster que acaba sendo libertada do limbo.

Milagrosamente, no último segundo necessário para a transformação, Encantor reaparece furiosa pelo Executor ter traído seus interesses e usa sua magia (afinal ela não se chama Encantor apenas por ter uma beleza encantadora) e transforma as mãos do Executor em madeira. Aproveitando a confusão, Thor utiliza a força de seu martelo e manda os dois de volta a Asgard.

O doutor Donald Blake tenta reconciliar-se com a enciumada Jane Foster, apesar de estar aparentemente feliz pela demonstração de ciúmes. Quem não ficou nem um pouco feliz com o desfecho da história, foi o todo-poderoso Odin, que vê sua vontade ser contrariada quase que de forma patética (para um todo poderoso, é claro).

segunda-feira, 22 de junho de 2009

THOR - Parte 10

- Journey Into Mystery 102 (Março de 1964)

Histórias:

* "Slave of Zarrko, the Tomorrow Man" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

* "Death Comes Thor" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

Hela, a deusa da morte.

Na aventura principal, vemos Thor sendo levado como escravo para o futuro por Zarrko. O vilão obriga o deus do trovão a usar seus poderes (ou metade deles, já que Odin reduziu-os na edição passada) para causar pane no maquinário que controla o mundo do amanhã. Como no futuro de Zarrko não há armas nem mesmo polícia, sendo tudo muito harmonioso e controlado por robôs, o planos de conquista do vilão são facilmente realizados.

Mas, vilão é vilão. E Zarrko, num momento de aparente triunfo, cai na velha mania que todo vilão tem em contar seus planos de destruição e conquistas futuros. Isso dá tempo para que Thor direcione a energia de seu martelo para o maquinário central e prenda Zarrko em uma bolha de energia. Thor também utiliza seu martelo para voltar ao passado. E seu pai, Odin, apesar de tê-lo castigado, vê com bons olhos essa nova vitória... algo que não é compartilhado por Loki.

Nos Contos de Asgard, vemos o surgimento daquela que pode ser considerada uma das mais temidas vilãs de Asgard: Hela, a deusa da morte.
O jovem Thor ainda era inexperiente na época desse conto. Sua insegurança adolescente o atormentava com a dúvida sobre ele ser digno ou não de empunhar o martelo encantado. Para aliviar um pouco sua ansiedade, o jovem deus do trovão procura as nornes, entidades capazes de ver o futuro, para lhe dizer se um dia ele iria levantar arma. Porém, a resposta que tem é um tanto aterradora: antes de empunhar o martelo, Thor iria encarar a morte!

Mais atormentado ainda por saber o sombrio futuro que lhe aguardava, Thor é surpreendido pelo guerreiro Balder que, cambaleante, informa que a jovem deusa Sif foi capturada por gigantes. No calor da fúria, Thor levanta pela primeira vez, afinal, o martelo encantado.

Em sua jornada para resgatar Sif, Thor não só derrota os gigantes, como descobre que a jovem está nas garras da temida deusa Hela. Ousado, Thor se põe diante da deusa da morte e oferece sua vida pela de Sif. Tocada pela nobreza do deus do trovão, Hela decide deixá-los partir de seu reino. Cumpre-se assim a previsão das nornes: após encarar a própria morte (na figura de Hela) Thor tornou-se digno de levantar o martelo encantado.

Nesse conto, os personagens apresentados são bem diferentes do que eles seriam no futuro. Balder é um guerreiro bigodudo, Sif é uma donzela loira (bem diferente da guerreira que se tornaria) e Hela mostra-se bondosa e sentimental, bem diferente da deusa que tantas vezes ambicionou a alma de Thor.

domingo, 21 de junho de 2009

THOR - Parte 9

- Journey Into Mystery 101 (Fevereiro de 1964)

Histórias:

"The Return of Zarrko, the Tomorrow Man" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

Journey Into Mystery apresenta... Thor.

Thor surgiu na revista Journey Into Mystery, um título criado para apresentar histórias em quadrinhos curtas de suspense e ficção. Com o tempo, e tendo suas aventuras publicadas a cada edição, o personagem foi ganhando espaço e se tornou carro chefe da revista. E, verdade seja dita, apesar da Journey não trazer especificamente seu nome, praticamente todas as capas eram dedicadas ao deus do trovão.

Com a edição 101, no entanto, mesmo com a revista ainda se chamando Journey Into Mystery, houve uma pequena evolução em relação a prioridade de Thor. A partir desse número, o nome do personagem sempre apareceria em destaque, como se fosse um subtítulo. Com o passar das edições, o nome "Thor" teria mais destaque até mesmo que o próprio nome da revista. Sinal da evolução editorial e de que o personagem, afinal, fazia sucesso entre os leitores.

Nesta edição, encontramos um Thor atormentado pelo fato de seu pai, Odin, ter-lhe proibido de casar-se com a mortal Jane Foster. Chega até mesmo a peitar seus amigos do grupo Vingadores. Para conter sua fúria (e puni-lo pela petulância), Odin decide diminuir seu poder pela metade e impedir sua entrada em Asgard.

Aproveitando-se dessa situação, o meio-irmão Loki convoca Zarrko, vilão do futuro que Thor enfrentou anteriormente. Zarrko volta ao passado levando um poderoso robô do futuro. Por ter sua força reduzida pela metade, Thor é derrotado e o vilão faz suas exigências: que o herói o siga até o futuro e o ajude a dominar o mundo. Para que Zarrko não ordene que seu robô destrua o passado, Thor aceita a ordem e o segue.

Continua...

sábado, 20 de junho de 2009

THOR - Parte 8

- Journey Into Mystery 99 e 100 (Dezembro de 1963 e Janeiro de 1964)

Histórias:

* "The Mysterious Mr. Hyde" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Don Heck
* "The Master Plan of Mr Hyde" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Don Heck

O vilão Mister Hyde, que surgiu nessa edição, não é o MESMO vilão do clássico livro O Médico e o Monstro, de Robert Louis Stevenson, mas um personagem baseado nele. Literalmente. O doutor Calvin Zabo (um desafeto de Donald Blake) era fascinado pelo livro de Stevenson e acreditava que não se tratava de uma mera obra de ficção. Através de experiência, Zabo duplica a fórmula que transformava o doutor Jekyll no monstro da literatura. O experimento dá certo e ele se torna uma criatura grotesca, com força descomunal e sobre-humana, alterando até mesmo suas impressões digitais. Este último fator inspiraria o agora novo vilão Mister Hyde a praticar crimes sem que sua identidade fosse claramente revelada.

Mas, primeiramente, o vilão decidiu acabar com seu inimigo profissional e invade o consultório de Blake. Apesar de jogar o médico pela janela do edifício, este se salva na última hora ao se transformar em Thor. Hyde, posteriormente, fica sabendo que Blake foi salvo por Thor e está muito bem de saúde.

Não conformado, Mister Hyde sequestra Donald Blake e a enfermeira Jane Foster. Deixa Blake amarrado a uma bomba em seu escoderijo. Caso aconteça alguma coisa com ele, que está indo cometer um crime levando a enfermeira como testemunha, a bomba explodirá e matará o médico. Blake consegue se transformar em Thor e impede que Hyde cometa o roubo a um submarino. Porém, no meio da batalha, Jane Foster tenta atrapalhar Thor para preservar a vida de Blake. Mesmo assim, Thor consegue derrotar o vilão, que foge em seguida.

Apesar da fuga de Hyde, o vilão deixou sequelas na vida do herói. Thor explica para Jane Foster que salvou Blake da bomba antes de perseguir Hyde. Ela fica desconfiada. Afinal, como ele sabia onde era o esconderijo de Hyde e que Donald Blake estava lá preso? Outro problema causado foi a ira de Odin, pai de Thor, que assistiu a tudo e concluiu que a enfermeira era indigna de seu filho. Acontece que, nessa época, Thor solicitou a seu pai autorização para casar com a mortal. Odin estava relutante mas, bondoso, decidiu dar uma chance para seu filho provar o valor da moça. Como ela tentou atrapalhar a luta entre Thor e Hyde (mesmo com boas intenções), Odin não viu isso com bons olhos e decidiu dar um basta ao romance... algo que Thor não aceitou muito bem...

sexta-feira, 19 de junho de 2009

THOR - Parte 7

- Journey Into Mystery 97 (Outubro de 1963)

Histórias:

"Tales of... Asgard! Home of the Mighty Norse Gods" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

Contos de Asgard.

Na edição 97 de Journey Into Mystery, surgiam os Contos de Asgard. Eram pequenas histórias de 5 páginas publicadas após as aventuras de Thor na mesma revista. A intenção era contar um pouco da mitologia nórdica da qual o personagem surgiu, baseando-se em lendas daquela cultura. De fato, boa parte dos nomes, lugares e situações apresentadas nos Contos pertenciam mais as lendas do que propriamente aos quadrinhos. Porém, o visual dos personagens era o mesmo usado nas histórias de Thor. Daí, o casamento perfeito entre as antigas lendas e os roteiros de Stan Lee (junto ao visual do desenhista Jack Kirby), que mostravam ao leitor um universo, não diria a parte, mas adjacente ao Universo de super-heróis Marvel.

Nesse primeiro conto... o início de tudo... ou quase. Não é mostrada exatamente a criação do universo, como em outras culturas e religiões. O universo de Asgard, narrado pelos antigos vikings, já estabelece suas regiões, criaturas e situações. Conhecemos o visual Marvel para os gigantes de gelo (Ymir) e o demônio de fogo (Surtur). E, apesar de ser um mundo mais cruel do que um paraíso utópico (afinal, trata-se da mitologia contada por guerreiros vikings, acostumados a sangrentas batalhas), tem-se a clara noção do que (ou quem) representa o bem e o mal.

O primeiro deus nórdico surge do gelo (nada mais natural vindo de uma região com baixas temperaturas). Segue-se então seu desenvolvimento, sua união com uma esposa e o nascimento de seus filhos, dentre eles Odin, futuro pai de Thor.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

THOR - Parte 6

- Avengers 1 (Setembro de 1963)

Histórias:

"The Coming of the Avengers" - Escrita por Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

A formação dos Vingadores.

Era a reunião de cinco personagens da Marvel, sendo três já conhecidos do público (Homem de Ferro, Thor e Hulk) e outros desconhecidos (Homem Formiga e Vespa). No entanto, diferente do padrão utilizado no grupo criado na editora concorrente, a Liga da Justiça da DC Comics, os heróis aqui eram populares mas não a ponto de emplacarem seus títulos mensais (lembre que o Thor, por exemplo, era publicado dentro da revista Journey Into Mystery).

A história gira em torno das maquinações do deus da mentira, Loki, que pretende se vingar de seu meio-irmão Thor por ter sido exilado por Odin na Ilha do Silêncio. Usando sua forma astral (representada por seu par de olhos malignos) ele localiza e manipula o Hulk para que este destrua uma ponte rodoviária. Mesmo com o gigante esmeralda salvando o trem que se aproximava, a impressão que fica é que ele tentava destruí-lo.

A notícia da ameaça do Hulk se espalha e chega até o jovem Rick Jones e sua Brigada Jovem. Este tenta contactar o Quarteto Fantástico, mas as ondas do rádio do pedido são desviadas por Loki (ele de novo!) para chegarem até Donald Blake, identidade secreta de Thor. Só que, nesse desvio, sem que Loki pudesse prever, as ondas também são captadas pelo Homem Formiga, pela Vespa e pelo Homem de Ferro. Os quatro heróis chegam até a Brigada Jovem para o espanto dos garotos. Depois das apresentações, Thor vê o Hulk lá fora e sai em seu encalço. Descobre que é apenas uma ilusão de Loki e decide ir atrás do irmão maligno.

A partir desse encontro não programado, os heróis trabalham em conjunto para deter a fúria de um Hulk aparentemente descontrolado e, com a ajuda de Thor, descobrem as manipulações de Loki. Com Hulk inocentado, e percebendo que trabalharam bem unindo forças, aceitam-no como parte desse novo grupo que se formou e que faria história nas décadas seguintes: os poderosos Vingadores.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

THOR - Parte 5

- Journey Into Mystery 93 (Junho de 1963)

Histórias:

"The Mysterious Radio-Active Man" - Escrita por Robert Bernstein e Stan Lee, desenhada por Jack Kirby

Em tempos de guerra fria, um personagem chamado Homem Radioativo chega a ser um tanto óbvio. Pois este vilão surgiu nas aventuras do Thor que, mitológico ou não, também trazia muitas histórias descendo o martelo nos comunistas. Por outro lado, cria-se um embate interessante, uma vez que os poderes de Thor se baseiam na magia e os do Homem Radioativo nos princípios científicos. Acaba vencendo a astúcia, já que o vilão é um cientista renomado... e esperto.

Ajudando refugiados na Índia, Thor rechaça com toda usa fúria os agressores chineses. Essa ofensiva deixa o "vermelhos" furiosos e eles exigem de seus cientistas uma invenção que possa ser páreo para o deus do trovão. Um dos cientistas, Chen Lu, decide ele mesmo tornar-se uma arma contra Thor. Estudando a radioatividade, o cientista cria um maquinário capaz de banhá-lo com a energia sem que isso possa matá-lo. No entanto, torna-se um homem que emite intensas energias radioativas. Surge assim, o Homem Radioativo.

O vilão se apresenta para seus líderes e sugere ir até Nova Iorque a procura de Thor. Na grande cidade, o Homem Radioativo usa a energia que sai do seu corpo para ameaçar a população. Quando Thor chega, essa mesma energia, representada por uma intensa luz que emana de seu corpo, consegue hipnotizar o herói e deixar caminho livre pro vilão. No entanto, como Thor fica mais de 60 segundo longe de seu martelo, volta a ser Donald Blake e sai do transe hipnótico.

Como Blake, o herói encontra seu martelo no fundo de uma baía e, após se transformar em Thor, invoca um pequeno tufão que envolve o Homem Radioativo, rodopiando-o de volta China, onde chega a massa crítica e explode tal qual uma bomba nuclear. Seria um recado americano aos chineses comunistas da época?

terça-feira, 16 de junho de 2009

THOR - Parte 4



- Journey Into Mystery 91 (Abril de 1963)

Histórias:

"Sandu, Master of the Supernatural" - Escrita por Stan Lee e Larry Lieber, desenhada por Joe Sinnott

Nos quadrinhos, Thor ficou conhecido por empunhar seu poderoso martelo. De fato, esta sempre foi sua principal arma para enfrentar os inimigos e controlar as tempestades. Já na mitologia nórdica, que serviu de inspiração para a criação do personagem, Thor trazia outras armas e objetos mágicos. Um desses objetos era o cinturão de força, que aumentava a força física do deus do trovão, explicando como estava além da dos mortais. Mesmo que nos quadrinhos o herói já tivesse uma força descomunal, nessa história ele faz uso do tal cinturão para tirá-lo de uma situação complicada.

Temendo a fúria de Odin, Loki não pode descer a Terra para atormentar seu meio-irmão Thor. Mas isso não impede que ele use seus poderes mágicos para atormentar a distância. Parte desses poderes são passados para um mágico/adivinho de circo conhecido como Sandu. Mas Loki não lhe concede uma dádiva sem cobrar seu preço. Sandu percebe que o poder que agora comanda é ilimitado e o usa para cometer crimes cada vez maiores. De um simples roubo de carteira através da levitação, passa a teleportar agências bancárias inteiras pra Lua e até levitar o prédio das Nações Unidas.

Nem mesmo Thor consegue deter o desenfreado mágico e acaba preso por correntes de aço, ficando a mercê do vilão, prestes a ser enterrado vivo. Enfraquecido, o deus do trovão apela para a ajuda de seu pai Odin, que atende enviando as valquírias de Asgard para lhe entregar o Cinturão de Força. O objeto, apertado a sua cintura, aumenta sua força a ponto de permitir que ele arrebente as correntes e saia da armadilha.
Sandu ainda consegue o trunfo de separar Thor de seu martelo. Mas, ao tentar levantar a arma, acaba causando uma espécie de curto circuito em seus poderes mágicos. Afinal, não sabia que o martelo só pode ser erguido por alguém digno, algo que é do conhecimento de um desesperado Loki, que vê seu lacaio humano botar tudo a perder.

O desenhista Jack Kirby se ausenta dessa história, dando o traço para que o finalista Joe Sinnott cuide de todo o trabalho, o que dá um ar interessante a história.

segunda-feira, 15 de junho de 2009

THOR - Parte 3

- Journey Into Mystery 86 (Novembro de 1962)

Histórias:

"On the Trail of the Tomorrow Man" - Escrita por Stan Lee e Larry Lieber, desenhada por Jack Kirby e finalizada por Dick Ayers

Zarrko, conhecido como o Homem do Amanhã, foi o primeiro vilão de Thor fora o arqui-inimigo Loki. Tratava-se de um viajante do tempo que vivia em um futuro pacífico... muito pacífico... pacífico ao ponto de deixá-lo entediado e sedendo por dominar o mundo a força. Como já não existem armas na sociedade em que vivia, decide viajar ao passado e capturar uma poderosa arma que ofereça ameaça a todos que o cercam, deixando a população a seus pés.

Enquanto isso, no passado (ou presente, depende do ponto de vista...), Donald Blake abusa dos poderes que adquiriu como Thor. O exagero é tanto, que ele até mesmo se oferece para testar armas nucleares... já que Thor possivelmente é o único ser na Terra que resiste a uma explosão desse tipo e sobrevive para que os cientistas analisem seus efeitos. Justo num desses testes, Zarrko aparece e leva a bomba para o futuro.

Blake não só parece ter adquirido os poderes de Thor, mas suas lembranças também. Recorda de detalhes que não são exatamente deu sua vida "terrena", chegando até mesmo a invocar o poderoso pai mitológico de Thor, Odin, que lhe aparece para socorrer em momento de dúvida sobre o uso de seus poderes. É Odin quem dá a dica de como viajar para o futuro (mais especificamente ao ano de 2262), utilizando um pedaço da máquina do tempo do vilão Zarrko, o Homem do Amanhã, amarrado ao martelo. No futuro, Thor recupera a bomba e volta para o passado, deixando o vilão enlouquecido pela derrota.

domingo, 14 de junho de 2009

THOR - Parte 2

- Journey Into Mystery 85 (Outubro de 1962)

Histórias:

"Trapped by Loki, God of Mischief" - Escrita por Stan Lee e Larry Lieber, desenhada por Jack Kirby e finalizada por Dick Ayers

Loki, o deus da mentira, escapa de sua prisão milenar em Asgard afim de atormentar Thor em sua nova morada terrena. Para tanto, o vilão utiliza de todo tipo de magia para realizar truques e humilhar o deus do Trovão. Mas o que ele não contava era com a regra de separar o herói de seu martelo por mais de 60 segundos. Graças a isso, Thor volta a ser Donald Blake e se livra da magia de Loki.

Apesar de pouco usar a mitologia, o personagem se mostra a vontade ao encarar outro deus nórdico. Blake, transformado em Thor, reconhece o deus da mentira de imediato. Até aí, nada de mais, uma vez que o interesse óbvio pela mitologia nórdica deu amplos conhecimentos sobre essas entidades para o médico. Tem tanto conhecimento a ponto de saber que o poder místico de Loki é vulnerável a água (é... não devia ser o mais cheiroso dos deuses mesmo...).

Uma curiosidade é que as transformações de Blake em Thor pouco tem de discrição. Na maioria das vezes ele se torna o herói bem na frente de civis ou mesmo de seus inimigos. Acontece que a transformação ocorre após um forte brilho (um raio) o que faz com que todos pensem que Blake foi tirado do local por Thor. Hoje, já não se fazem vilões e coadjuvantes tão ingênuos quanto antigamente...

A enfermeira assistente do Doutor Donald Blake (e paixão platônica do médico), a belíssima Jane Foster, vivia comparando o atrapalhado patrão com o novo herói que surgia na cidade. Na verdade, ela começa a nutrir algo mais que admiração pelo deus do trovão, o que torna o casal, juntamente ao herói, o pivô de uma interessante subtrama nas histórias, mostrando um triangulo amoroso curioso.

sábado, 13 de junho de 2009

THOR - Parte 1

- Journey Into Mystery 83 (Agosto de 1962)
História:
"The Stone Men of Saturn!" - Escrita por Stan Lee e Larry Lieber, desenhada por Jack Kirby e finalizada por Joe Sinnott

Quando surgiu, no número 83 da revista Journey Into Mystery, em Agosto de 1962, o personagem Thor, Deus do Trovão, pouco tinha de mitológico. Sua aventuras no início, mostravam o inverso do que se sabe hoje. O herói, na verdade, era o médico Donald Blake, que encontrou um cajado dentro de uma caverna em terras nórdicas. Quando este cajado (que lhe foi muito útil como "bengala", já que era manco), era batido contra o chão, Blake ganhava os mesmos poderes do lendário Thor. Ou seja, Thor não era Thor. Era Donald Blake com os poderes de Thor. Essa situação mudou com o tempo, mas as primeiras histórias eram menos ligadas a mitologia clássica do personagem, dando espaço para ameaças onde Blake poderia resolver utilizando os poderes recém adquiridos.

A abordagem "menos-deus-do-trovão" e mais "super-herói" (da época) deveu-se ao escritor Larry Lieber, irmão de Stan Lee, que colocava Thor envolvido em problemas daquela época e até mesmo ameaças alienígenas. O herói se tornou, dessa forma, uma espécie de Superman da editora Marvel, já que Blake utilizava suas transformações para salvar o mundo de tais ameaças. Curioso notar a influência de Robert Bernstein, não creditado, porém conhecido na Marvel como R. Berns que, anteriormente, foi um importante escritor das histórias do Superman. Daí, então, a inspiração para o clima das primeiras histórias de Thor.

Donald Blake, apesar de médico renomado, é mostrado como um atrapalhado personagem em meio as histórias. E não só pelo fato de ser manco. A ocasião em que Blake encontra o cajado, que se transforma no também mitológico marteto de Thor, se dá em um momento um tanto quanto pastelão da história. Invasores de Saturno (homens feitos de pedra, parecidos com as cabeças gigantes que existem na Ilha de Páscoa) pousam na Terra com a intenção de dominar o planeta. Um cidadão local testemunha a chegada das criaturas, mas poucas pessoas acreditam nele... exceto o xereta Donald Blake, que nada tinha que se meter onde não foi chamado. Além de bisbilhotar, ainda se deixa localizar pelas criaturas. Apesar da desvantagem de não poder correr, o médico tem a sorte de encontrar a caverna onde se encontra o cajado místico... e o resto é história.

Blake, ao se transformar, não só adquire poderes sobre-humanos, mas o visual do nórdico deus (de longos cabelos loiros) e a habilidade de manejar o martelo místico que, ao ser arremessado (e ser capaz de destruir tudo em seu caminho) retorna às mãos de seu dono, tal qual um bumerangue. O único detalhe (e sempre há únicos detalhes em histórias de super-heróis) é que Blake não pode ficar longe do martelo por mais de 60 segundos. Caso isso aconteça, ele volta a ser o indefeso médico novamente. Porém, é curioso notar como essa "fraqueza" é utilizada nas primeiras histórias. Ao invés de ser uma desvantagem, ela se torna até vantagem estratégica, já que seus inimigos ignoram essa condição e isso lhe permite escapar como o franzino Donald Blake, quando as armadilhas são feitas para o corpulento Thor. Por outro lado, apenas Thor é capaz de levantar o pesado martelo, uma vez que só aqueles que são dignos do poder de Thor são capazes de fazê-lo se mover.

De qualquer forma, era interessante conhecer, a cada aventura, mais uma possiblidade do uso de poderes do deus do trovão pelo xereta Donald Blake. Não só pelo número de truques e vantagens que esses poderes apresentavam, mas também nos detalhes acerca da mitologia desse personagem. E de mitologia, Thor tem bagagem de sobra.